Esqueceu a senha?

A adoração dos santos e das imagens

por Artigo compilado - sex mar 14, 12:01 am

imagens-de-santos-catolicos-30cm-em-gesso-direto-da-fabrica_MLB-O-3078085289_082012

Eu sou o Senhor teu Deus (…) Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem esculpida (…) Não te encurvarás diante delas, nem as servirás (…)

Êxodo 20.2-5

Conta-se que Pompeu ficou muito admirado ao ver que o Templo de Jerusalém não continha imagens, nem mesmo a do Deus Jeová, e a grande perseguição por parte do imperador filósofo Marco Aurélio, segundo o historiador luterano Moshein, ocorreu por serem os cristãos “considerados ateus, porque não possuíam templos, nem altares, nem vítimas, nem sacerdotes, nem pompa alguma na qual o povo julgava consistir a essência da religião”.

Como dissemos, a hierarquia deve ter recebido de bom grado o ato de tolerância de Constantino, produzido com a manifesta intenção de aumentar os seus adeptos, influência e poderio. Muitos ídolos do paganismo incorporaram-se à Igreja Católica, e hoje sobre­vivem com outros nomes:

A estátua de Pedro que se venera no Vaticano é a de Júpiter Tonante (o principal “deus” da mitologia romana), e muitas estátuas há, também, como as de Juno, Cibele, Vénus, Diana, que foram balizadas com o nome de Maria e de outras santas. Do nome de uma matrona romana Undecimilia fizeram as “Onze Mil Virgens”, consequência da etimologia da palavra latina.

Foi no sétimo concílio da Igreja, reunido em Nicéia, em 787, o segundo ali realizado, convocado pela Imperatriz Irene, que se assentou definitivamente o culto aos santos e às imagens, num sinal evidente de que a paganização avançava, e a Igreja se afas­tava cada vez mais da Lei de Deus. Hoje, embora a Bíblia de tradução católica não deixe de possuir o texto que encabeça este capítulo (Êxodo 20), com a sua total proibição, os ensinos erró­neos continuam, e muitos católicos confiam mais nos santos do que no próprio Senhor Jesus.

Santo Agostinho, na sua obra Cidade de Deus condena tal prática: “Não tenhamos religião que preste culto aos mortos; não lhes construamos templos”; pois ele já notava certa tendência à acentuação desse grande erro. Toda idolatria é condenada pela Palavra de Deus.

Quando se lhes condenam a adoração dos santos, sofismam: “Não. Nós não adoramos imagens. Tributamos diante das imagens um culto de veneração aos santos que as imagens representam”. Mas a Palavra de Deus é clara quando diz: “Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás (…)” (Ex 20.4,5).

Para justificar o erro, o jesuitismo teve a sutileza, a artimanha, o sofisma de dividir o culto em três categorias: latria, dulia e hiper-dulia. Para Deus, para os santos e para a Virgem Maria. Mas o culto às imagens confirma-se até pelo próprio papa. O Papa Paulo VI foi à Cova da Iria em comemoração ao cinquentenário das “aparições” de Fátima, onde, de joelhos, cultuou a imagem da santa. Não se pode negar que seja adoração a ídolo.55

A Bíblia condena com veemência a idolatria de um modo geral, sendo até difícil citar um entre tantos textos. A Bíblia Cató­lica tem dois Salmos 10 e dois 113, talvez com a intenção deliberada de confundir. O segundo 113 corresponde ao 115 de todas as demais Bíblias, que diz (Versão Revisada, IBB):

Porque perguntariam as nações: Onde está o seu Deus?Mas o nosso Deus está nos céus; ele faz tudo o que lhe apraz. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos do homem.

Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não ouvem; têm nariz, mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. Semelhantes a eles sejam os que os fazem, e todos os que neles confiam.

A perturbação das nações, os infortúnios, as intempéries, o desgoverno, as falcatruas na administração, a corrupção, toda es­pécie de males que acontecem, umas nações mais infelizes, outras menos, tudo isso está inquestionavelmente relacionado com a alma do povo. “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, o povo que ele escolheu para sua herança. O Senhor olha lá do céu; vê todos os filhos dos homens; da sua morada observa todos os mora dores da terra (…)” (SI 33.12 em diante). Esse maravilhoso Salmo prossegue enaltecendo o amor de Deus e o cuidado que ele tem com as nações que o respeitam. Não é preciso que uma pessoa tenha cultura acima da média para notar a diferença de desenvolvimento entre as nações de maioria protestante e as de maioria católica. (Este assunto é tratado de forma mais extensa no capitulo 18.)

O Papa João XV, cujo pontificado estendeu-se de 985 a 996, canonizou o primeiro santo da Igreja, Ulderico, bispo de Hamburgo, falecido em 973. Depois disso foram canonizados centenas deles, de modo que há, no mínimo, um santo para cada dia, e, não raro, muitos são comemorados num mesmo dia.

Há poucos anos, o Papa Paulo VI retirou do calendário alguns deles, “pouco conhecidos ou duvidosos”, como Santa Catarina de Alexandria e “São” Jorge, este considerado padroeiro da Inglaterra e, como se sabe, venerado também no Brasil (mais tarde, em outro ato, São Jorge ficou “valendo” só para a Inglaterra; isto é, foi “recon­duzido”). Pergunta-se: e como ficam as igrejas católicas que têm o nome do “santo cassado? e que servem ao sincretismo e sobretudo ao espiritismo? Estarão os seus devotos adorando santo que não existe? Também foram proscritos Nicolau, padroeiro dos mari­nheiros; Cristóvão, dos motoristas; Bárbara, dos fogueteiros e artilheiros; Praxedes, Prudêncio, Isabel de Portugal, Euzébio, Sabina, Anastácia, Crisógomo e outros. Como fica a infalibilida­de diante dos papas que canonizaram esses santos? Ou não foram canonizados e assim mesmo pertenciam à liturgia? E se não perten­ciam à liturgia, como eram eles reverenciados? E se continuarem reverenciados depois de suprimidos? Como ficam as igrejas de São Jorge, principalmente onde predominam o espiritismo e as seitas de origem africana? E os padroeiros de Nápoles, da Universidade de Paris, dos motoristas? Como fica a obediência ao papa?

Um fato profundamente lamentável são as duas faces da Igreja Católica. Todo mundo sabe que há dois catolicismos. Um para o homem rude e outro para os cultos; um para as pessoas ricas e outro para as pessoas pobres, para os ingénuos e para os menos ingénuos. E mais: a Igreja Romana fomenta as superstições. Mas há um ditado: “Conhecerás o grau de tua civilização pelo número de tuas superstições”.

Não existe um crente evangélico ou protestante supersticioso. É a condição indispensável. Os que se dizem crentes e são supers­ticiosos não crêem na Bíblia, não têm a fé exigida pelas Escrituras. Estão mentindo, enganando-se a si próprios.

Os padres são homens cultos, estudam muitos anos, passam por duras provas, têm que “provar” que o pão e o vinho se transubstanciam. Devemos considerá-los “pouco civilizados?” Ou têm certeza de seus erros, dos erros do catolicismo, e continuam a contri­buir para o desenvolvimento das superstições? Com que finalidade? Alguém em sã consciência pode conceber uma medalha milagrosa? Na Rua Santa Amélia, no Rio de Janeiro, existe um “Santuário da Medalha Milagrosa”. Que poderes terá essa medalha? De onde virá esse poder milagreiro?

Um ex-padre informou que certo bispo da cidade de Mariana, em sua presença, depois de pregar na igreja sobre Maria, e expli­cando a súplica: “Ó Maria, rogai por nós que recorremos a vós”, distribuiu umas tiras de papel com as iniciais dessa invocação, entre as senhoras da cidade, conhecida como a “Atenas de Minas Gerais”, aconselhando-as — e isso do púlpito, da tribuna sagrada — a engolir aquela oração quando se achassem em dificuldades de parto, para serem felizes.

Há muitas coisas que desprestigiam e desmoralizam a Igreja que se diz fundada por Jesus, principalmente no âmbito da supers­tição: o valor dos ídolos, antes e depois do benzimento, os patuás, as verônicas, as “aparições”, as santas que choram. (Há alguns anos, num bairro de classe média do Rio de Janeiro, havia uma igreja de Fátima, cuja imagem “chorava”; descoberto o embuste, veio a confissão do padre: “precisava de dinheiro para a construção do templo”.) Mas em muitas ocasiões os próprios padres não acre­ditam no que ensinam. Por exemplo: Toda igreja que se preza possui um pára-raios. Ora, o pára-raios foi inventado por um “maldito” protestante. Porém mais vale o invento do protestante do que o poder do “santo” ou “santa” padroeira, seja do Carmo, de Fátima, de Aparecida, ou outro santo qualquer. É uma confissão de impo­tência dos santos.

Extraído do livro “O Catolicismo Romano Através dos Tempos”, Alcides Conejeiro Peres, Ed. JUERP


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement