Esqueceu a senha?

A Igreja Evangélica e os Judeus Messiânicos

por Pr. Eguinaldo Helio de Souza - sáb jun 01, 12:00 am

Alain Besançon, historiador francês, escreveu: “Se existe, contudo, uma lição da história, entendida no sentido mais positivo, é que a identidade judia, mesmo se não considerarmos mais sua legitimidade de direito, continua, pelas vias mais estranhas, a existir de fato. Nada jamais foi capaz de apagar essa marca, nem mesmo os esforços daqueles que, tendo-a recebido, não a desejavam mais. Queira-se ou não, o gênero humano continua a se dividir em judeus e em gentios”.[1] (grifo do autor).

E essa milenar divisão entre judeus e gentios produziu, ao longo dos tempos, inúmeros conflitos entre a cristandade, tanto em termos práticos quanto em termos teológicos. Desde os seus primórdios até os nossos dias, a Igreja cristã se debate com questões pertinentes ao assunto e está longe de resolvê-las definitivamente. Ainda assim, é necessário um esforço sincero, no sentido de procurar compreender aquilo que envolveu essa relação, tanto no passado quanto nos dias atuais.

O período apostólico e a judaização dos gentios

Não foi fácil,nem na prática nem teologicamente, a inserção dos gentios no contexto da Igreja de Cristo. Essa verdade tende a desaparecer após quase dois mil anos de predominância gentia na aceitação do evangelho. O processo foi lento, conturbado, exigindo dos apóstolo se dos líderes judeus muita reflexão e muitas concessões. E, ainda assim, o caminho foi truculento. As epístolas paulinas e o livro de Atos dos Apóstolos são as primeiras vitrines dessa luta.

Em um primeiro momento, o gentio foi excluído, conforme vemos em Atos 11.1-19. Com o sucesso do ministério paulino entre os gentios, surgiu a questão sobre o que fazer com aqueles que aceitavam a messianidade de Jesus. De início, a resposta óbvia era tornar todos eles judeus. Afinal, não era Jesus um judeu? Não procedia a salvação dos judeus?Não era a nova aliança o cumprimento das predições dos profetas hebreus?

As epístolas paulinas se ocupam, inúmeras vezes, com essa questão, procurando demonstrar que a judaização dos gentios não é necessária. Eclesiologicamente, o assunto foi debatido e resolvido no Concílio de Jerusalém (Atos 15). Naquela ocasião, determinou-se que os gentios que se convertessem a Deus não precisariam tornar-se judeus, mas apenas “se abster da contaminação dos ídolos, da idolatria, do que é sufocado e do sangue” (At 15.20). Foi um fato de importância ímpar na história da Igreja.

Esse ato e as exposições do apóstolo Paulo impediram que a Igreja se tornasse uma mera seita judaica. Embora o caminho fosse longo até que houvesse uma aceitação integral e plena dos gentios, a estrada tinha sido aberta e seria apenas questão de tempo para que os não-judeus se tornassem maioria na Igreja. Todavia, quando isso ocorreu, surgiu o problema inverso.

O período posterior e a gentilização dos judeus

Como já ficar a evidente no livro de Atos, enquanto os judeus se recusavam a aceitara messianidade de Jesus, os gentios a receberam e, por conta disso, havia uma grande tendência de os últimos se tornarem maioria dentro da Igreja. Em poucas décadas, o cristianismo poderia ser descrito como essencialmente uma religião não-judaica. E, com o tempo, mais do que isso, ele se tornaria uma religião antijudaica.

Marcião, um gnóstico anti-semita, pregava que qualquer cristão que utilizasse algum símbolo judaico ou mesmo um nome, ou realizasse qualquer celebração judaica, seria considerado cúmplice da morte de Cristo juntamente com os judeus. As oposições de Tertuliano ao que estava acontecendo na Igreja, pois ele queria que ela não perdesse suas raízes judaicas, foram em vão.

Contudo, talvez uma das expressões mais famosas e negativas sobre os judeus na Igreja pós-apostólica tenha vindo dos lábios de um de seus maiores oradores, João Crisóstomo, bispo de Constantinopla. Eis um trecho de seu sermão antijudaico, proferido quando viu cristãos participando das festas judaicas: “Entre a sinagoga e o teatro, não há diferença. Em ambos se juntavam um bando de homens efeminados e mulheres devassas[…] A sinagoga não é somente uma casa de indecência e um teatro, mas também um covil de ladrões e um lar de bestas selvagens[…] Ainda que ali não existam ídolos, os demônios ali se sentem em casa[…] São os assassinos de Cristo[…] Eles trarão para sua casa o demônio dentro de suas almas[…] Deixe-me chamá-la (a sinagoga) de bordel, casa de vícios, refúgio do demônio, cidade de Satã, corruptora de almas, abismo de corrupção e de todo engano– o que quer que seja feito, será menos do que eles merecem”.[2]

Não é preciso muita dedução para concluir os frutos anti-semitas dessa palavra. Crisóstomo cunhou o termo “deicidas”,isto é,assassinos de Deus. O estigma acompanharia os judeus porto da a Idade Média e serviu para “justificar” o assassinato de comunidades judaicas inteiras.

Veja, a seguir, o juramento que deveria ser feito pelos judeus ao se tornarem cristãos na Igreja Oriental: “Renuncio a todos os costumes, ritos, legalismos, pão ázimo e sacrifícios de cordeiros dos hebreus, e a todas as demais celebrações hebraicas, preces, aspersões, purificações, santificações, jejuns, luas novas, shabats, […] hinos, cantos […] abstinência de alimentos e bebidas dos hebreus; numa palavra renuncio a tudo o que é judaico, absolutamente tudo, a todas as leis, ritos e costumes […] e se mais tarde quiser renegar e voltar à superstição judaica, ou for surpreendido fazendo uma refeição com os judeus, ou celebrando suas festas, ou conversando secretamente e condenando a religião cristã em vez de rejeitá-las abertamente e condenar sua fé vazia, que o tremor de Caim e a lepra de Gehazi se apoderem de mim, assim como os castigos legais a que me reconheço sujeito. E que eu seja um anátema no mundo que há de vir, e que Satanás e os demônios se apoderem de minha alma”.[3]

Isso nos dá uma ideia clara do sentimento do “cristianismo” sobre os judeus. Como uma criança que após crescer destrói seu berço, assim o cristianismo, ao assumir a maior idade, passou a hostilizar toda sua herança judaica. Não era apenas uma questão de não aceitá-la, mas sim de amaldiçoá-la completamente. Agora,em vez de os judeus judaizarem os gentios, os gentios estariam “gentilizando” os judeus.

O posicionamento do reformador Martinho Lutero

Não seria justo condenar toda a obrade Lutero por causa de sua atitude para com os judeus, mas também não seria justo escondê-la. A princípio, Martinho Lutero foi simpático aos judeus, crendo que, ao conhecerem os verdadeiros fundamentos do cristianismo, eles abraçariam a Reforma. Em 1523, seis anos depois do início do movimento, Lutero escreveu um tratado denominado “Jesus nasceu judeu”. Nesse trabalho, ele acusava os papas de terem afastado os judeus do bom caminho. Infelizmente, a recusa dos judeus em se converterem ao cristianismo acabou levando Lutero a publicar, em 1542, o livro“Dos judeus e suas mentiras”, em que os atacava comas seguintes palavras, entre outras: “Seria preciso, para fazer desaparecer essa doutrina de blasfêmia, atear fogo em todas as suas sinagogas e se delas restasse alguma coisa após o incêndio, recobri-las de areia e de lama, a fim de que não se pudesse mais vera menor telha e a menor pedra de seus templos[…] Que se proíbam os judeus entre nós e em nosso solo, sob pena de morte, de louvara Deus, de orar, de ensinar, de cantar”.[4]

Quatrocentos anos depois, o livro seria reeditado por ninguém menos que Adolf Hitler, como um instrumento ideológico contra os judeus. Ainda hoje, a obra de Lutero é o livro de cabeceira dos neonazistas.

O longo caminho de volta

A Reforma Protestante de fato não trouxe uma atitude positiva com relação aos judeus. Todavia, trouxe uma nova atitude com relação às Escrituras Sagradas. Ler e entender a Bíblia não eram monopólio de alguns, mas uma oportunidade para todos. Não tardaria e muitos estudiosos começariam a entender que Deus ainda tinha um propósito para com os judeus.

O inglês Henry Finch (1558-1627), autor do livro A ressurreição do mundo e a convocação dos judeus, defendeu nessa obra uma restauração dos judeus. Para se ter uma noção de seu conteúdo, o rei inglês Jaime I mandou prender Finch por se sentir ofendido pela afirmação constante no livro de que todas as nações do mundo se tornariam,um dia, vassalas danação de Israel.

Em 1611, já havia eruditos que afirmavam o retorno dos judeus à terra de Israel. Em um documento, o cientista Isaac Newton(1642-1727) interpreta as profecias bíblicas que contam sobre o retorno dos judeus à Terra Prometida antes do final do mundo. Segundo Newton, as nações más seriam arruinadas,não haveria mais razões para chorar, todos os problemas seriam resolvidos e ocorreria o retorno dos judeus ao seu próspero reino.

Em 1864, um estudioso das Escrituras, dr. John Cumming, escreveu o seguinte em seu livro O destino das nações: “Como aconteceu que como nação fossem dispersos por todas as terras e não obstante ficassem insulados, separados e sozinhos no meio das nações? As predições da restauração deles são feitas de maneira definida, e ainda estão por se cumprir. Como nação, foram cortados e dispersos e é como nação que serão reunidos e restaurados”.[5]

Em 1866, outro autor, James Grant, escreveria: “A vinda de Cristo empessoa, parar estabelecer o seu reino milenar na terra, não ocorrerá antes que os judeus sejam restaurados à sua terra e os inimigos deles e de Cristo reúnam o cerco de exércitos, de todas as partes do mundo, e comecem o cerco de Jerusalém.”[6]

Essas afirmações indicavam,dentro da Igreja, uma corrente teológica bastante positiva com relação aos judeus. A ideia de uma completa exclusão dos mesmos no plano divino tinha uma contra posição que os colocava no centro.

O surgimento do movimento judaico-messiânico

Embora durante toda a história da Igreja houvesse o que Paulo chamou de “remanescente, segundo a eleição da graça” (Rm 11.5), a atitude positiva para com os judeus começou a dar frutos. Na segunda metade do século XX, principalmente a partir da década de 60, um grupo de judeus convertidos começou a questionar sobre sua posição dentro do cristianismo. Perceberam a diferença entre um judeu e um não-judeu ligando-se a Cristo.

Começaram a pensar: um não-judeu, ao receber o Cristo, está recebendo o Messias, o Ungido, o Esperado pelo povo judeu; enquanto o judeu, por outro lado, está recebendo seu próprio Messias. Além disso, entenderam que a dura condição sempre imposta a eles de abandonar sua judaidade não precisava ser levada a efeito. Não precisariam negar sua identidade para seguir o seu Messias. Isso contribuiria para que um grupo cada vez maior de judeus começasse a se voltar para Jesus. Nunca, em toda a história do cristianismo, com exceção do período apostólico, houve tantos judeus convertidos. Eles voltaram a entender, como na era apostólica, que “Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão e, por meio da fé, a incircuncisão” (Rm 3.30).

Esses grupos,longe de serem judaizantes, podem ser descritos como“desgentilizantes”,pois têm o propósito de dar aos demais judeus a oportunidade de seguir o seu Messias sem que seja necessária a identificação como gentio.

O verdadeiro movimento judaico-messiânico é formado, em primeiro lugar, por verdadeiros judeus e não tem qualquer finalidade de transformar um gentio em um judeu. Entende que sua missão não é transformar, de qualquer forma, a identidade dos gentios, mas sim confirmara identidade do judeu. Acredita que seja possível crer em Jesus como o Messias de Israel sem que, para isso, tenha de negar sua identidade judaica. Conformo declara David Stern, autor doManifesto judeu messiânico, “o destino do judaísmo messiânico é viver o fato de ser simultaneamente 100% messiânico e 100% judaico, rejeitando o ‘um-ou-outro’ exigido por muitos cristãos e judeus.”[7]

Embora não sejam grande em número,já são cerca de dez mil em Israel e mais dez mil no restante do mundo, quando podem,não se desligam da comunidade judaica,mas continuam trabalhando entre eles, testificando, com suas vidas e palavras (quando surgem oportunidades), o seu encontro pessoal como Messias. Entidades judaicas messiânicas mundiais, tais como: UMJC, Netivyah Institut, Tikkun, MJBI, entre outras,são representantes legítimas do movimento judaico-messiânico.

[1] BESANÇON, Alain. A infelicidade do século. Rio deJaneiro: Bertrand Russel, 2000, p.114.

[2] KELLER, Werner. Diáspora.Zurich: Pitman Publish Company, 1969, p.100,101.

[3] SOUZA, Eguinaldo Hélio de. Israel: povo escolhidoSão Paulo:EditoraVale daBênção, 2009, p.16.

[4] SALEM, Helena. As tribos do mal. São Paulo:Atual. 1995, p.11.

[5] CUMMING, John. O destino das nações. In: LINDSEY, Hal. A agonia do grande Planeta Terra. São Paulo:MundoCristão, 1975, p.35-6.

[6]Ibidem.

[7] STERN, DAVID. Manifesto judeu messiânico.Rio deJaneiro:EdiçõesLouva-a-deus, 1989, p.4.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

12 Comentários

Comentários 1 - 12 de 12Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. TOMANDO EM CONTA O QUE FORA DECIDIO EM, ATOS 15 QUE NÃO PRECISAMOS DEVOLVER DIZIMO, POIS CABE AOS GENTIOS CABE SOMENTE :determinou-se que os gentios que se convertessem a Deus …, mas apenas “se abster da contaminação dos ídolos, da idolatria, do que é sufocado e do sangue” (At 15.20). Foi um fato de importância ímpar na história da Igreja.

  2. Infelizmente, o cristianismo judeu moderno tem divisões como tem nas igrejas evangelicas, sei de comunidades judaicas cristãs onde a teologia é similar a de seitas : não creem na trindade, e Jesus é somente Filho e não Deus, e guardam dias e festas. por outro lado, tem outras comunidades que tem a teologia fundamental protestante, porém sempre mantendo aquela distancia entre o cristão gentio. Esse gelo ninguém quebra.
    E teve uma epoca que houve uma febre entre os crentes de algumas denominações em fazer coreograficas com aparatos judaicos em cultos, fazendo uma misturança, agora parece que enjoaram disso … cada decada é um modismo.

    1. A Raquelzinha ficou brava com eu ! Existe sim muitos judeus cristãos, e existe sim algumas diferenças doutrinarias. natal é pagão? será ? estude mais, lição de casa, para o lar :

      http://www.cacp.org.br/judaismo/

      Shalom Raquel !

  3. Hey Carlos Magno, é certo que o livro de atos e outros são uma regra para os cristão mas tem cousa que não dá para imitar ao pé da letra … naquele tempo que voce cita, os irmãos partiam o pão de casa em casa, e vendiam bens depositavam aos pés dos apostolos, e eles destribuiam na forma de vivieres e supria os necessitados da Igreja. Naquele tempo não tinha divisões denominacionais ou cultural. E esse negocio de falar que dizimo não é biblico já está ultrapassado de velho … as Igrejas não obrigam a dar o dizimo. Mas a realidade é esta : sem dinheiro as cousas não avançam, o dinheiro não é “deus” na mão de crente , mas um serviçal.
    voce conhece algume que trabalha e não recebe remuneração? S.Paulo citou “não amortaçe a boca do boi enquanto debulha”

  4. Algumas pessoas NÃO ajudam a Igreja de Jesus por pura ´avareza, apago ao dinhiero´, outras dizem que dizimo e oferta é a mesma coisa. Vejo que pessoas que são contra o dízimo é apegada ao dinheiro que NÃO conseguem se libertar ´doando e devolvendo para Deus´. Existe na igreja católica a pastoral do dizimo e lá estão fazendo um trabalho já algum tempo separando essa tal mentalidade do ´dízimo e da oferta´. Sei que por causa de poucas pessoas o dízimo virou assunto proibido, más na maioria das Igrejas Evangélicas seu uso é sério, é para evangelizar e levar a Palavra de Deus ea oferta paa pagar luz, agua, telefone, comida, ação social …!!!! Veja : Mateus 23:23 “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas.”

    1 Coríntios 9:13-14 “Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que servem ao altar, participam do altar? 4Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho.” Malaquias 3:8 “Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas.”

    1. Leandro Pereira, meu querido existe pessoas contra o dízimo, uns por pura avareza realmente, mas também aqueles que estudam as Escrituras, pois o Dízimo era da velha lei, foi cravado no madeiro. quando o salvador cita Mat . 23:23 Ele estava ainda seb a lei, Gál. 3:10. 

  5. Em Atos 15: Não se deve esquecer que a base foi Amós 9. Também não esquecer o verso seguinte Atos 15:21 significando que se os gentios quisessem saber mais eles teriam onde, pois Moisés era lido em cada cidade todos os sábados. Isso é, o gentio não ser contra a Torá e ter liberdade.

  6. O movimento judaico-messiânico é uma grande benção tanto para gentios quanto para judeus. É claro que, como nos evangélicos, existem grupos contraditórios que surgem na “onda”, mas ainda existem muitos grupos sérios que nos ensinam muito.

    1. É verdade,aprendemos muitas coisas dentro do contexto hebraico,é uma benção para nossas vidas

  7. Uma coisa que me tocou muito nesse movimento foi a volta das festas bíblicas, mortas por centenas de anos entre os cristãos. Elas são muito profundas em significado histórico, espiritual e profético, só perdermos por as desprezarmos!

  8. Sempre esquecem do verso 15:21 de atos….bem lembrado.

  9. Gostaria de conhecer. Mas esse movimento.

Comentários 1 - 12 de 12Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement