Esqueceu a senha?

A Imoralidade e crueldade de Maomé

por Enviado por email - sáb jan 28, 12:09 pm

maome-e-esposas

Quando se discerne se Maomé foi um verdadeiro profeta, é importante considerar o seu caráter. De acordo com os muçulmanos e o Alcorão, Maomé “é um belo padrão de conduta” (Sura 33:21) e “um padrão exaltado de caráter” (Sura 68: 4). De fato, os muçulmanos afirmam que Maomé foi o último profeta de Deus para toda a humanidade em todos os tempos. A luz disso quando examinamos as fontes muçulmanas mais antigas, esperamos encontrar um Maomé que foi um embaixador moral de Deus, no entanto, descobrimos na verdade, incontáveis imoralidades abomináveis e exemplos de outras crueldades desnecessárias na vida de Maomé.

David Wood: Maomé foi um homem que casou com mais mulheres do que suas revelações permitiam. Ele casou com a esposa de seu filho adotivo Zaid. Depois que Maomé cobiçou a esposa de seu filho adotivo porque ele a viu vestida de maneira inadequada [ela estava com poucas roupas], seu filho adotivo então se divorciou dela e Maomé, pouco tempo depois, casou com ela afirmando que isto foi ordenado por Deus (The History of Al-Tabari, Vol. 8, [State of New York Press, 1997], pp. 2-3). A Sura 33:37 do Alcorão menciona este episódio mostrando que Maomé acreditava que Deus apoiava esta imoralidade “…  quando Zaid resolveu dissolver o seu casamento com a necessária (formalidade), permitimos que tu a desposasses…”. Que revelação conveniente para caber exatamente nos desejos de Maomé. Isto é adultério segundo o Senhor Jesus Cristo “Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de fornicação, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério” (Mateus 5: 32).

Jay Smith: se o exemplo de Maomé é para hoje, deixe-me perguntar, porque ele se casou com uma menina de seis anos de idade, estando ele com 53 anos de idade?

“Ele [Maomé] escreveu o contrato de casamento com Aisha quando ela era uma menina de seis anos de idade, e consumou o casamento quando ela tinha nove anos de idade” (Sahih Bukhari, vol. 5 livro 58, número 236).

Maomé chegou em Medina em 622. Em 624 ele começou a confrontar os judeus que viviam lá, em 627 ele pegou 800 homens da tribo judaica Banu Qurayza, os levou ao mercado de Medina e os decapitou e vendeu suas esposas e filhas como escravas (Ibn Isaq, The Life of Muhammad, [Oxford University Press, 2014], p. 464; Sunan Abu Dawud, 4390, Ahmad Hasan Translation, vol. 3, p. 1227; Al-Waqidi, Kitab-al-Maghazi, [Routledge, 2011], p. 254). Este é o homem para o nosso tempo? Você seguiria um homem como esse? Considere o exemplo de Jesus. O que Jesus fez quando um de seus discípulos cortou a orelha de um dos servos do sumo sacerdote? Jesus pegou a orelha, colocou no lugar e disse a Pedro: “Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. (Mateus 26:52 ). Não tem comparação.

Antony Rogers: Na lei de Deus somos ensinados que as pessoas devem amar a Deus de todo coração, mente, alma e forças e que também devemos amar o próximo como a nós mesmos. Isto Jesus disse, por exemplo, que este é o primeiro e segundo grande mandamento da lei. Maomé pode ser visto como tendo fundamentalmente violado estes mandamentos de inúmeras formas, que até mesmo vemos nas literaturas islâmicas que a Maomé é concedida tal autoridade que ele pode até mesmo se vangloriar de que ele tenha estipulado os termos ou condições de um pacto com Allah e que Allah não transgrediria. Esta é uma violação básica de tudo o que é bíblico, na medida que Deus é sempre aquele que faz o pacto e impõe sobre o povo. As pessoas não tem o direito de estipular os termos de um pacto e impor sobre Deus e dizer que Deus tem que seguir os termos. Deixe-me dar um exemplo disso na literatura [islâmica], onde somos informados que em muitas cidades que Maomé agiria, ele freqüentemente perdia a calma e nesse curso acabava amaldiçoando ou agredindo alguém e em um caso em particular somos informados que Maomé viu uma escrava ou uma garota órfã e ele a amaldiçoou. Quando a tutora da garota descobriu, ela veio a Maomé e perguntou o que foi tudo aquilo [“Apóstolo de Allah, você amaldiçoou minha garota órfã” Sahih Muslim, Book 32, número 6297]. Maomé sorriu para ela e então ele disse: “Você não sabe que eu fiz um pacto ou um termo de condição com Allah que quem quer que eu amaldiçoe que eles não mereçam, então Allah supostamente faz uma fonte de benção para essa pessoa”. Você percebe o que está acontecendo aqui, Maomé não está simplesmente dizendo para você não se preocupar com isso. Ele está dizendo que tudo ficará bem se essa pessoa não mereceu, está tudo certo porque sempre a benção vai para essa pessoa. O que na verdade está acontecendo aqui é que o curso do pacto que ele traça é o motivo dele fazer esse tipo de mal pernicioso. Maomé na verdade nos diz que ele fez um pacto, que ele estipulou as condições ou termos que Allah não transgrediria. Isto é o topo da arrogância e esta arrogância não envolveu simplesmente ele mesmo sobre e contra alguém que tem mais autoridade do que você, mas neste caso o Deus do universo, o Deus que fez os céus e a terra, Maomé e todas as criaturas e ainda ele como uma de suas criaturas pretendendo estar em uma posição de ditar coisas a Deus. A mesma história também ilustra a imoralidade de Maomé a nível horizontal. O próprio fato de que Maomé teve que trazer esta explicação de Allah abençoando aqueles que Maomé amaldiçoou erroneamente mostra que Maomé era imoral. Ele tinha esses ataques irritantes de raiva, explosão de raiva mesmo contra garotas órfãs pobres.

“Você não sabe que eu fiz este termo com o meu Senhor…para qualquer pessoa entre meus Ummah a quem eu amaldiçoei e que não merece, deixa isso ó Senhor, ser feito uma fonte de purificação e pureza e proximidade com Allah no dia da ressurreição” (Sahih Muslim, livro 32, número 6297).

Narrador: Maomé afirmou que o anjo Gabriel deu a ele um poder sexual extremo e que as pessoas no céu terão ainda mais. Na antiga biografia de Maomé do século nono escrita por Ibn Sa’d nós lemos “O apóstolo de Allah…disse: ‘Gabriel trouxe um pote do qual eu comi e foi me dado o poder de intercurso sexual igual a quarenta homens” (Ibn Sa’d, Kitab Al-tabagat Al-Kabir, vol. 1, [Kitab Bhavan, 2009], p. 439).

Também, “Ao apóstolo de Allah…foi dado o poder igual ao de quarenta homens e as pessoas no paraíso serão dadas o poder igual a oitenta homens” (Ibn Sa’d, Kitab Al-tabagat Al-Kabir, vol. 1, [Kitab Bhavan, 2009], p. 439).

Coisas como estas mostram que o Islã é o produto de um homem depravado do deserto do século sétimo como oposto a um Deus santo.

David Wood: Ele teve sexo com sua escrava (Sunan An Nasa’i 3411; Tafsir Jalalayn, 66:1), ele apoiou práticas idólatras pagãs como beijar a pedra negra e se curvar a Caaba (Sahih Bukhari, Vol. 2, livro 2, número 667), ele assassinou pessoas por criticarem sua religião (Ibn Isaq, The Life of Muhammad, [Oxford University Press, 2014], pp. 162-163; 675), assassinou pessoas por zombarem dele (Sahih Muslim 142, Abdul Siddiqi Translation, Vol. 1. p. 57; Sahih Bukhari, vol. 3, livro 48, Hadith 826) e disse a seus seguidores que as mulheres são estúpidas e que o testemunho da mulher não é confiável (Ibn Isaq, The Life of Muhammad, [Oxford University Press, 2014], pp. 515) e torturou pessoas por dinheiro, ele sustentou sua religião roubando pessoas (The History of al-Tabari, vol 7, [State University of New York Press, 1987], pp. 15-16), ele pregou uma mensagem de violência e crueldade (Alcorão 8: 21-23; 9: 5, 29; Sahih Muslim, livro 1, Hadith 33; Livro 32, Hadith 75), e ensinou a seus seguidores a crer em um Deus que ama apenas os muçulmanos e ninguém mais (Alcorão 3: 31-32; 30: 43-45), este é o padrão ideal de conduta de acordo com o capítulo 33 verso 21 do Alcorão.

Segundo o Alcorão 4:34, Maomé permitiu os homens muçulmanos a bater em suas esposas “…No entanto o apologista muçulmano Mustafá Zayed (no livro The lies about Muhammad: how you were deceived into islamophobia) afirma que a palavra árabe original significa meramente “castigai-as levemente”, mas isto é falso. A palavra árabe original é “waidriboohunna” e de acordo com John Penrice (A Dictionary and Glossary of the Qur’an [The Other Press Sdn Bhd, 2006], p. 133) seu significado primário é simplesmente “bater”. Além disso, as seguintes traduções acadêmicas do Alcorão deste verso (Pickthall, Shakir, Khalifa, Arberry, Palmer, Rodwell e Sahih International) dizem bater, flagelar, atacar como oposto a “bater levemente”, também os seguintes comentaristas do alcorão (Tafsir al-Jalalayn, Al Qushairi, Usmani, Maududi, Daryabadi e Asad) traduzem a palavra bater como oposto a bater levemente. O estudioso e comentarista do Alcorão Allama Usmani (The Noble Qur’an: Tafseer-E-Usmani, vol. 1, [Islamic Book Service, 2008], p. 335) diz que este verso significa que um homem pode bater em sua mulher tão forte como queira, desde que ele não quebre seus ossos ou cause cicatrizes. Agora, em Sahih Bukhari lemos sobre um muçulmano batendo em sua esposa:

“…quando o mensageiro de Allah veio, Aisha disse, eu não tenho visto outras mulheres sofrerem tanto como as mulheres crentes [muçulmanas]. Veja! Sua pele é mais verde do que suas roupas!” (Sahih Bukhari, vol. 7, livro 72, Hadith 715).

De acordo com este Hadith, Maomé não puniu os homens por baterem em suas esposas, antes ele ficou do lado do esposo concernente essa disputa. Também no Hadith seguinte, a esposa de Maomé, Aisha, relembra um evento concernente Maomé e ela:

“Ele [Maomé] me golpeou no peito que me causou dor” (Sahih Muslim 2127, Abdul Siddiqi Translation, vol. 2, p. 556).

De fato, Abu Baker parece ter aprendido um comportamento similar ao de Maomé, pois em Sahih Bukhari lemos

“Narrado por Aisha. Abu Bakr veio na minha direção e me golpeou violentamente com seu punho e disse, ‘você deteve o povo por causa do seu colar.’ Mas eu permaneci imóvel como se estivesse morta pois eu não deveria despertar o Apostolo de Allah embora este golpe ter sido muito doloroso” (Sahih Bukhari. volume 8, livro 82, número 828).

Além disso, em um Hadith, Maomé achou engraçado quando seu sogro Abu Bakr e Umar esbofetearam e abusaram de várias mulheres, incluindo a sua, ou seja, a própria esposa de maomé

“Ele [Hadrat ‘Umar disse: eu diria algo que faria o profeta rir, então disse: Mensageiro de Allah, eu gostaria que você tivesse visto (o tratamento dispensado) a filha de Khadija quando ela me pediu algum dinheiro e eu me levantei e a esbofeteei no pescoço. O apóstolo de Allah riu e disse: elas estão ao meu redor como pode ver, pedindo dinheiro extra. Abu Bakr se levantou e foi a Aisha e a esbofeteou no pescoço dizendo: você pede dinheiro ao profeta de Allah que ele não possui. Elas disseram: por Allah, nós não pedimos nada ao profeta de Allah que ele não tenha” (Sahih Muslim, 3506, Abdul Siddiqi Translation, p. 920).

Maomé também disse “Um homem não deve ser questionado pelo motivo que ele bate em sua esposa” (Sunan Abu Dawud, 2142, Ahmad Hasan Trasnlation. vol. 2, p. 575). Este ditado é também atestado na seguinte fonte (Sunan Ibn Majah, 1986, vol. 3, p. 190). Por fim, Al-Zamakhshari, estudioso islâmico do século 12 percebe que Maomé está dizendo “pendure o chicote para que sua esposa possa vê-lo” (Al-Kashaf, vol. 1, p. 525).

Maomé permitiu seus seguidores a fazer a mut’ah [casamento temporário para fins meramente sexuais], quando os soldados de Maomé estavam em batalha e longe de suas esposas e sentiam desejos [sexuais] e exaltados, buscaram o conselho de Maomé. A solução de Maomé alegadamente inspirada [por Allah] foi que eles deviam se engajar em um casamento temporário (mut’ah), que é um contrato de casamento temporário onde uma mulher, com o propósito do sexo, seria rapidamente molestada, para que os desejos sexuais do homem fossem saciados, Bukhari relata “Narrado por Abdullah: Costumávamos participar das santas batalhas conduzidas pelo apóstolo de Allah e não tínhamos nada [nenhuma esposa] conosco. Então dissemos, ‘Devemos nos castrar?’ Ele nos proibiu e então nos permitiu casar com as mulheres em um contrato temporário e recitou para nós: ‘Ó vós que credes! Não faças ilegal as boas coisas que Allah tornou legal para vós, mas não cometam transgressões’ (Alcorão 5:87)” (Sahih Bukhari, volume 7, livro 62, número 13).

Maomé permitiu o estupro de mulheres cativas de guerra enquanto seus maridos estivessem vivos e presentes, isto é ensinado no Alcorão 4: 24: “Também vos está vedado desposar as mulheres casadas, salvo as que tendes à mão…”. O background histórico deste verso é encontrado no seguinte Hadith:

“Abu Said al-Khudri: ‘O apóstolo de Allah enviou uma expedição militar a Awtas por ocasião da batalha de Hunain. Eles encontraram seus inimigos e os combateram. Eles os venceram e os tomaram cativos. Alguns dos companheiros do apóstolo de Allah estavam relutantes em ter intercurso [sexual] com as mulheres cativas na presença de seus esposos que eram descrentes. Então Allah, o exaltado, enviou o verso do Alcorão, ‘Também vos está vedado desposar as mulheres casadas, salvo as que tendes à mão’. Ou seja, elas são legais para eles quando eles completam seu período de espera” [O Alcorão, verso 4:24] (Sunan Abu Dawud 2150, Ahmad Hasan Translation, vol. 2, p. 577; cf. Sahih Muslim 3432, Abdul Siddiqi Translation, vol. 2, pp. 896-897).

Isto é claramente estupro, desde que aos muçulmanos é permitido ter sexo com uma mulher cativa enquanto seu marido ainda está vivo e presente. Nenhuma mulher em sã consciência iria querer ter sexo com um guerreiro que matou os homens de sua tribo e enquanto seu marido ainda está presente. Assim, tal sexo pode ser dito ser estupro. O Deus verdadeiro odeia o estupro e nunca permitiria isso (Dt 22:25).

Maomé chupou a língua dos filhos de seus companheiros, o que é imoral e pervertido:

“[Mua’wiya dissse]: Eu vi o profeta chupando a língua ou os lábios de Al-Hassan, filho de Ali. Pois nenhuma língua ou lábios que o profeta chupou será atormentado (pelo fogo do inferno)” (Musnad Ahmad, 16245).

Também no Hadith de Bukhari lemos:

“Então ele [Maomé] disse: ‘Onde está o pequeno? Chame o pequeno até mim.’ Hasan veio correndo e pulou em seu colo. Então ele colocou sua mão em sua barba. Então o profeta abriu sua boca e colocou sua língua na língua dele. Então ele disse, O Allah, eu o amo, então o ame e aquele que o ama” (Al-Mufrad, Bukhari, livro 48, Hadith 1183).

Agora, para salvar Maomé, os muçulmanos lêem no texto a ideia de que isso tinha a ver com desidratação, mas não existe nenhuma evidência disso no texto e se o garoto estivesse desidratado, porque ele estava correndo agitado, pulando no colo de Maomé?

Maomé gostava de fazer mulheres idosas chorar por diversão. No livro The Life of Prophet Muhammad de Ibn Kathir [Darul-Ishaat, 2010], p. 805, uma mulher idosa pediu a Maomé para orar para ela ir para o paraíso, ao invés ele disse a ela que não haveria mulheres idosas no paraíso. Ela se afastou chorando. Depois, rindo, ele disse a um de seus companheiros para ir dizer a ela o que ele queria dizer era que ela não seria idosa no paraíso, mas voltaria a ser virgem. Assim, Maomé se divertiu vendo uma mulher idosa chorar com medo de não estar no céu.

Maomé atraiu convertidos com promessas de mulheres com aumento de seios no céu. No Alcorão, 78: 31-33 diz “Ao contrário, os tementes de Deus terão jardins e vinhedos, donzelas de seios fimes [com seios grandes – em inglês], da mesma idade, por companheiras,”. Ao invés de uma descrição de um paraíso santo com o Deus todo poderoso, isto soa mais como um tipo de [local de desfrute sexual] celestial imaginado por um nômade depravado do deserto do século sete.

Além disso, Maomé inventou mais revelações convenientes junto com uma que já mencionamos, envolvendo ele se casando com a esposa de seu filho adotivo. Por exemplo, primeiro Maomé daria a suas esposas a atenção igual em noites separadas, mas então depois ele começou a favorecer certas esposas e no Alcorão 33: 51 foi então convenientemente revelado a ele que “Podes adiar a companhia de quem quiseres entre elas e chamar a ti a quem quiseres. E se procurares essas que havias desprezado, não serás censurado. …”. A esposa de Maomé, Aisha interessada no que estava acontecendo, disse o seguinte em resposta: “Eu sinto que o teu Senhor se apressa em cumprir as suas vontades e desejos” (Sahih Bukhari, vol. 6, livro 60, Hadith 311). Além disso, uma noite Aisha não pôde estar e teve que ir a algum lugar, Maomé, portanto, decidiu ter relações intimas com uma de suas escravas que ele não era casado, a saber, Maria, a Copta. Aisha descobriu e ficou chateada. Em resposta Maomé afirmou que o capítulo 66: 1 do Alcorão foi revelado a ele a fim de justificar seu comportamento “ Ó profeta, por que te absténs daquilo que Deus te concedeu, procurando, com isso, agradar as tuas esposas?”. Então Maomé afirmou que o verso do Alcorão 66:3-5 foi revelado a ele que foi uma repreensão severa a Aisha por ficar chateada com Maomé por suas ações com Maria, a Copta. Estas são algumas das revelações convenientes de Maomé. Como elas se arranjam com outras afirmações de Maomé de que o Alcorão é eterno e dirigido a todas as pessoas em todos os tempos se muita coisa no Alcorão serviu meramente aos desejos [e caprichos] de Maomé?

Tradução e adaptação de Walson Sales [foram traduzidos trechos]

[Vídeo: Sword and the crescent – Muhammad’s Immorality – no tempo: 03:02 – 24:51]

Fonte:

 


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. hilário que o islã também supõe ser a “terceira revelação”, sendo a 1ª Moisés e a 2ª Jesus, e por último, a 3ª Maomé. Pela lógica então ele deveria ser mais “evoluído” tecnicamente do que as “duas primeiras revelações”, pois seria ele a última versão padrão de conduta.

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement