Esqueceu a senha?

A questão indígena na Bolívia

por Artigo compilado - seg out 03, 10:12 am

Autonomia indígena restringe liberdade religiosa na Bolívia

Direitos das minorias cristãs nas comunidades indígenas têm sido sistematicamente violados, principalmente depois da implementação da nova lei

Charagua, uma cidade que fica no Sul da Bolívia, é o primeiro município a implementar a autonomia indígena, conforme o jornal boliviano La Razón. Depois de Charagua, mais de dez comunidades decidiram aproveitar essa oportunidade da Constituição. Na Colômbia (46º país na atual Classificação da Perseguição Religiosa), onde existe a autonomia indígena desde 1991, os direitos das minorias cristãs nessas comunidades têm sido sistematicamente violados.

Essa autonomia permite que cada comunidade indígena tenha a sua própria jurisdição, o que significa que os julgamentos são realizados pelos chefes indígenas, e as vítimas não podem contar com a possibilidade de reivindicar seus direitos fundamentais. Na opinião de um dos colaboradores da Portas Abertas que atua na Bolívia, “se o país seguir o mesmo caminho que a Colômbia, isso significa abrir as portas para a perseguição aos cristãos”.

Os colombianos vindos de costumes indígenas que se decidem pelo cristianismo enfrentam ameaças de morte pelos próprios amigos e familiares. É o caso de Lustenio*: “Eu preciso me esconder o tempo todo dos meus ex-amigos, pois sei que se eles me encontrarem, vão me matar. De acordo com as antigas tradições, eu cometi a pior das ofensas, me tornando um cristão”. Embora a Bolívia não tenha nenhuma pontuação para ser classificada como uma nação que hostiliza o cristianismo, ela já mostra sinais que violam a liberdade religiosa.

*Nome alterado por motivos de segurança.

Extraído do site da CPAD Nwes em 03/10/2016


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement