Esqueceu a senha?

A STV se auto‑identifica como “O Profe­ta”

por Artigo compilado - ter mar 24, 9:43 am

tj primera-de-testigos

Deuteronômio 18:20‑22 – No entanto, o profeta que presumir de falar em meu nome alguma palavra que não lhe mandei falar ou que falar em nome de outros deuses, tal profeta terá de morrer. E caso digas no teu coração: ‘Como saberemos qual a palavra que Jeová não falou?’ quando o profeta falarem nome de Jeová e a palavra não suceder nem se cumprir, esta é a palavra que Jeová não falou. O profeta proferiu‑a presunçosamente. Não deves ficar amedrontado por causa dele (Tradução do Novo Mundo).

A Sociedade Torre de Vigia (STV) se auto‑identifica como “O Profe­ta”, dizendo: “Este ‘profeta’ não era um homem, mas um grupo de homens e mulheres. Era o pequeno grupo de seguidores dos passos de Jesus Cristo, conhecidos naquele tempo como Estudantes Internacionais da Bíblia. Hoje são conhecidos como Testemunhas de Jeová. Eles ainda estão proclamando um aviso…” (A Sentinela 01/04/72, p. 197, edição norte‑americana). E acrescentam: “A menos que nós estejamos em contato com este canal de comunica­ção que Deus está usando, não vamos progredir através da estrada para a vida, não importa o quanto leiamos a Bíblia” (A Sentinela 01/12/81, p.27, edição norte‑americana).

Estas declarações pretensiosas são verdadeiras? A Sociedade Torre de Vigia é realmente o Profeta, o canal de comunicação de Deus? Ou é um falso profeta, que se encaixa na descrição de Deuteronômio 18:20‑22? O teste é simples: 1° passo ‑ sabemos que a organização “falou em nome de Jeová”; 2° passo ‑ pre­cisamos determinar se as profecias realmente ocorreram ou se cum­priram. Vamos examinar os fatos:

Durante a metade de seus cem anos de história, a Sociedade Torre de Vigia ensinou a convicção de seu fundador e primeiro­ presidente, Charles Taze Russell, de que a Grande Pirâmide do Egito foi “inspirada” por Deus ‑ tal como a Bíblia (consulte o livro da Torre de Vigia Thy Kingdom Come [Venha o Teu Reino], edição 1903, p. 362). As publicações da Sociedade traduziram polegadas das medidas das pirâmides em anos de calendário, numa tentativa de prever acontecimentos futuros. Dessa forma, predisse­ram que a Batalha do Armagedom “vai terminar no ano 1914 com a completa destruição do atual governo da terra” (The Time Is at Hand [É Chegada a Hora], edição 1904, p. 101). Obviamente, isto não aconteceu ou se cumpriu.

Ainda determinada a agir como profeta, a Sociedade Torre de Vigia prosseguiu predizendo uma ressurreição terrena no ano de 1925: “Eles serão ressuscitados como homens perfeitos e constitui­rão os príncipes e governadores da terra segundo a sua promessa… Assim nós podemos confiantemente esperar que 1925 vai marcar o retorno de Abraão, Isaque e Jacó e os fiéis profetas do passado” (Livro da Torre de Vigia Millions Now Living Will Never Die [Mi­Ihões que Agora Vivem Jamais Morrerão], edição 1920, p. 89‑90). Isso aconteceu ou se cumpriu? Não! Mais recentemente a organização levou milhões a acreditarem que “o fim” chegaria em 1975. Ela perguntava: “Por Que Espera Ansioso 1975? [“Why Are You Looking Forward to 1975?”] (título do artigo publicado por A Sentinela, 15/08/68,p.494):

Devemos presumir com base neste estudo que a batalha do Armagedom terminaria completamente no outono de 1975, e o tão esperado reinado mile­nar de Cristo começaria então? Possivelmente, mas nós esperamos  para  ver o quanto  o sétimo período  de mil  anos da  existência  do homem  coincide  com  o milênio, que será como um sábado. Se estes dois períodos ocorrerem parale­lamente um ao outro quanto ao calendário, não será por mera chance ou aci­dente, mas segundo os propósitos amorosos e cronológicos de Jeová… Pode ser que ocorra alguma diferença de semanas ou meses, mas não de anos (p. 499).

Certamente agora, semanas, meses e anos suficientes já se pas­saram para provar que esta profecia a respeito do ano de 1975 não aconteceu ou se confirmou.

As testemunhas de Jeová podem tentar defender a Sociedade Torre de Vigia dizendo que essas profecias eram todas “erros” e que a organização aprendeu com esses erros e não faz mais declara­ções proféticas sobre quando o fim do mundo vai chegar. Neste caso, peça à testemunha de Jeová que tome nas mãos uma cópia de sua revista Despertai! mais recente. Na parte interior da capa, onde o índice de assuntos é listado, há uma declaração de propósito explicando porque Despertai! É publicada. Peça à testemunha de Jeová para que leia isso. Na data da publicação deste livro (1986), cada edição dizia que: “Mais importante, esta revista edifica a fé na promessa do Criador de uma Nova Ordem pacífica e serena antes que a geração que viu os eventos de 1914 pereça”. (Tra­dução livre.) Outra profecia! (Veja nossas considerações sobre Mat. 24:34 no próximo capítulo).

Os fatos são irrefutáveis: A Sociedade Torre de Vigia falou como um profeta, em nome de Deus, e o que foi profetizado não se cumpriu. O que isso significa para uma testemunha de Jeová individualmente? Convide uma delas a ler o que a Palavra de Deus fala sobre os falsos profetas ‑ e então pergunte o que Deus quer que ele ou ela faça. A Bíblia contém estas advertências feitas por Jesus Cristo: “Guardai‑vos dos falsos profetas, que vêm a vós dis­farçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores”. “Porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas…” (Mat. 7:15, 24:24). E as severas palavras citadas de Deuteronômio 18:20‑22, além de expressar o juízo de Deus de que o falso profeta “deve morrer” também diz aos ouvintes “não temerás”. Ao invés de permanecer fielmente obediente aos líderes da Torre de Vigia, a testemunha de Jeová que reconhece a organização como um falso profeta deveria deixar de segui‑la e começar a seguir o verdadei­ro Profeta, Jesus Cristo.

Fonte de pesquisa: “As Testemunhas de Jeová refutadas versículo por versículo”, David A. Reed; trad. de Marcelus Virgílius Oliveira e Valéria Oliveira. ‑ 2. ed. Rio de janeiro: JUERP, 1990.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.