- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

A virgem Maria

virgem-maria1

O padre André Carbonera em um artigo denominado “PASCOLADAS” declara algo que vai mais além do que uma crítica aos evangélicos em decorrência da nossa posição bíblica com relação aos títulos e honrarias que os católicos tributam a Maria:

 

INIMIGOS DE MARIA

“Muitos afirmam crer em Jesus, mas, têm ódio da Mãe do mesmo Jesus… Ah, eu adoro Jesus! Tenho Jesus no meu coração. Jesus é meu tudo. Entretanto, desconhecem, negam, rejeitam e insultam a Mãe de Jesus… em nosso peregrinar terráqueo, quanto mais pistolões houver, melhor! Por que jogar fora, então, aqueles que pedem e rezam por nós, bem pertinho de Deus e de Jesus, como Maria e os Santos? Seria uma inútil autosuficiência e uma enorme burrice..!” diz o padre.

Primeiramente deixamos claro que não odiamos Maria, mãe de Jesus. Só queremos vê-la no seu próprio lugar indicado na Bíblia. Como poderíamos odiar Maria? É uma acusação, sem fundamento. Em toda a literatura evangélica sobre a identidade de Maria não pode ser encontrado algo que possa justificar essa acusação tão absurda. Amamos Maria como a mãe de Jesus como apresentada na Bíblia.

 

MARIA DA BÍBLIA

Para desfazer esse equívoco, nada melhor do que apresentar o que a Bíblia realmente fala de Maria e depois confrontar com a posição católica sobre Maria. Leiamos Mt. 12.46-50; Lc. 1.26-35,46-56; Lc. 2:1-7, 21-24, 41-52; Jo. 2.1-5; At. 1.14.

 

GLÓRIAS DE MARIA

Para esse confronto vamos examinar o livro “Glórias de Maria” de S. Afonso de Ligório, doutor da Igreja e Fundador da congregação do Santíssimo Redentor. O nome da editora é Editora Santuário de Aparecida, onde se situa o Santuário da Conceição Aparecida. Os editores informam que o livro é “uma das obras mais conhecidas do santo doutor. Um livro que, em 237 anos, teve 800 edições, ainda que marcado pelo tempo, não precisa de justificativas para ser reeditado”. Abordando o valor do livro, o tradutor assim se pronuncia: “Com as Glórias de Maria ergueu Afonso um perene monumento de seu terno e vivíssimo amor À Mãe de Deus” (Glórias de Maria. S. Afonso de Ligório. Editora Santuário, Aparecida – SP, p. 13).

Diz ainda o tradutor: “São frequentes no presente livro as referências a Revelações. Que pensar sobre tais Revelações? Tais Revelações feitas por Deus mesmo, ou por meio de anjos e santos, são possíveis, são reais, e sempre existiram na Igreja. Pertencem à categoria das graças extraordinárias de Deus” (Glórias de Maria. S. Afonso de Ligório. Editora Santuário, Aparecida – SP, p. 15).

Não pode ser alegado, pois, que se trata de obra não reconhecida pela Igreja Católica Romana. Nesse confronto verificamos que os títulos e honrarias prestados a Jesus na Bíblia são transferidos a Maria, colocando-a, em diversas oportunidades, como alguém que se deve recorrer, de preferência à pessoa augusta e soberana de nosso Senhor Jesus Cristo.

Maria é deusa para os católicos?

Os católicos manifestam seu sentimento se profunda tristeza quando afirmamos que Maria é reconhecida como deusa no catolicismo. Dizem que não estamos sendo honestos nessa declaração, mas os fatos falam por si mesmos. O livro Glórias de Maria atribui a Maria toda a honra e toda a glória que a Bíblia confere ao Senhor Jesus Cristo.

 

TÍTULOS DADOS A MARIA

Maria é onipotente, concede perdão e salvação

A Igreja Católica chama Maria de onipotente e por outros atributos divinos: “Sois onipotente, ó Maria, visto que vosso Filho quer vos honrar, fazendo sem demora tudo quanto vós quereis. Os pecadores só por intercessão de Maria obtém o perdão. Ó mãe de Deus vossa proteção traz a imortalidade; vossa intercessão, a vida. Em vós, Senhora, tendo colocado toda a minha esperança e de vós espero minha salvação. …Maria é toda a esperança de nossa salvação, …acolhei-nos sob a vossa proteção se salvos nos quereis ver; pois só por vosso intermédio esperamos a salvação” (Glórias de Maria. S. Afonso de Ligório. Editora Santuário, Aparecida – SP, edição de 1989, p. 76-77,147).

Maria faz o impossível

A revista CATOLICISMO, julho de 2001, p. 5 declara: “Não pense em suicídio! Aquilo que você considera impossível resolver, Nossa Senhora solucionará, para Ela nada é impossível!”. Jesus sim faz o impossível: Mt. 28.18; Ef. 1.20-22; Rm. 8.34; 1Tm. 2.5; 1.Jo. 2.1-2.

 

AVE MARIA – O TERROR DOS DEMÔNIOS

Outras declarações sobre Maria:

“…os hereges têm horror à Ave-Maria. Eles podem até aprender a recitar o Pai-Nosso, mas nunca a Ave-Maria: ‘Todos os hereges que são filhos do diabo… prefeririam carregar sobre si uma serpente antes que um rosário” (Catolicismo, julho de 2001, p. 27). Refutação bíblia: Mt. 6.6,7.

“Por imposição de Deus, o próprio demônio, em algumas circunstâncias, foi obrigado a confessar – muito a contragosto – que a Santíssima Virgem era sua maior inimiga, pois Ela conseguia salvar almas que estavam já em suas garras, praticamente condenadas ao inferno”.

“Nossa Senhora é o Terror dos demônios, Aquela que esmaga a cabeça da serpente infernal, como é representada em muitas de suas imagens…”

“São Luís Maria Grignion de Montfort escreve: ‘Maria é a mais terrível inimiga que Deus armou contra o demônio’” (Catolicismo, julho de 2001, p. 30).

Refutação bíblica: Lc. 7.33, 9.1, 10.17; Mc. 16.17-18; At. 19.13-17. Pedro recomenda: Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora, como no dia da eternidade. Amém” (2Pe. 3.18). Quando conhecemos melhor o Jesus da Bíblia, não podemos concordar com os títulos e honrarias que se prestam a Maria, pois acreditamos que nem mesmo Maria aceitaria a transferência para ela das honras que são exclusivas ao seu Filho – nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Pr. Natanael Rinaldi

 

[1] [2]Compartilhar [3]