Esqueceu a senha?

Acordo com Irã foi ‘erro histórico’

por Artigo compilado - dom nov 24, 4:15 pm

O acordo interino estabelecido entre potências internacionais e o Irã foi recebido hoje, em Israel, como um desastre diplomático e estratégico.

Em reunião de gabinete, Binyamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense, afirmou que “o que foi decidido ontem à noite em Genebra não foi um acordo histórico, mas um erro histórico”.´

Na noite de sábado, o governo iraniano aceitou um acordo para conter suas atividades nucleares durante seis meses em troca do alívio das sanções econômicas impostas ao país.

Barack Obama, presidente dos EUA, disse em pronunciamento na noite de ontem que o resultado da negociação “torna o mundo mais seguro”, numa posição que contraria os líderes israelenses.

Israel vinha, nas últimas semanas, pressionando os aliados para que não aliviassem as sanções contra o Irã. O governo de Netanyahu isolou-se a respeito dessa questão, aproximando-se de potências regionais como a Arábia Saudita e afastando-se da Europa, em severo desgaste diplomático.

“Hoje o mundo se tornou um lugar muito mais perigoso, pois o regime mais perigoso do mundo tomou um passo importante na direção de obter a arma mais perigosa do mundo”, disse o premiê, referindo-se à suposta intenção bélica do Irã de desenvolver um arsenal nuclear.

Netanyahu reforçou, também, a posição de Israel nas últimas semanas de que o país “não está preso a esse acordo”. “O regime iraniano está comprometido com a destruição de Israel, e Israel tem o direito e a obrigação de se defender.”

Shimon Peres, presidente de Israel, divulgou também um comunicado a respeito dos acordos estabelecidos em Genebra. “A comunidade internacional não irá tolerar um Irã nuclear”, afirmou. “Se o caminho diplomático falhar, a opção nuclear será prevenida por outros meios. A alternativa é muito pior.”

Para o chanceler Avigdor Lieberman, “como sempre, todas as opções estão na mesa”. Ele indicou, também, que Israel irá buscar aliados para além dos EUA e que vai passar a “assumir a responsabilidade a despeito da posição americana”. Há receio de que Israel escolha a via militar.

O especialista Ephraim Asculai, pesquisador no Instituto para Estudos de Segurança Nacional de Israel, afirma que, apesar das vitórias do acordo interino, a notícia não é positiva à região.

“Os Estados do Golfo estão tão preocupados quanto Israel. A maior preocupação deles não foi resolvida, que era estabelecer um acordo em que o Irã não seja capaz de produzir armas nucleares”, diz, durante coletiva de imprensa da qual a reportagem da Folha participou.

Extraído da Folha em 24/11/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

2 Comentários

Comentários 1 - 2 de 2Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. “Em 1981, Begin ordenou o ataque ao reactor nuclear Osiraq/Tammuz no Iraque (um reactor vendido a Saddam Hussein pelos franceses). Pouco depois, Begin afirmou que “De forma nenhuma iremos permitir que um inimigo desenvolva armas de destruição em massa contra o povo de Israel.” Esta posição quanto à política nuclear de Israel é agora conhecida como a doutrina Begin, apesar de até hoje não haver provas de que o reator serviria para a produção de armas de destruição em massa.” fonte Wikipedia: Menachem Begin (1ºministro israelense 1977~1983).
    Pelas noticias da epoca, mais de vinte aviões caças partiram de Israel voando baixo para despistar os radares sirios, jordanianos, irãnianos e iraquianos atingiram o alvo (usina nuclear) apartir das 17:30 hs local quanto os tecnicos europeus terminavam o expediente, foi destruido totalmente esse usina do sadam. no mesmo dia ele aparece na tv estatal cuspindo fogo e ameaçando Israel.

  2. este site devia dedicar seu precioso espaço com apologetica não ? estou pensando seriamente em deixar de ler isto ate ja tirei do speed dial do meu computador quando falava de apologetica era interessante mas agora..

Comentários 1 - 2 de 2Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement