Esqueceu a senha?

A Classe dos Ungidos das Testemunhas de Jeová

por Pr. Natanael Rinaldi - sex maio 17, 12:34 am

As Testemunhas de Jeová (com exceção da classe dos ungidos) não são agora considerados filhos de Deus, isto é, Deus não é o “Pai” dessas Testemunhas (os da classe da “grande multidão”) também conhecida como “outras ovelhas”). A Sociedade Torre de Vigia denomina a classe da “grande multidão” como “prospectivos filhos de Deus”:

“Tomarmos nossa posição assim a favor da verdadeira liberdade cristã será um passo no sentido de termos parte na consecução do magnífico propósito de Deus, de banir o pecado, a morte e o Diabo e transformar toda a terra num paraíso de liberdade para os aperfeiçoados filhos humanos de Deus para sempre. A fim de ajudar atualmente, nesta época crítica, a tais prospectivos filhos de Deus, a Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Pensilvânia, EUA, publicou agora um novo livro intitulado ‘Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus’. Podemos recomendar de todo o coração que o leia, estude-o junto com a Bíblia Sagrada, e assim salvaguarde sua inestimável liberdade que é a dádiva de Deus mediante Cristo”. A Sentinela, 01/07/1967, p. 405.

A “grande multidão” será “adotada” como filhos de Deus depois de mil anos de provas, quando serão submetidas a uma “prova cabal”, para provar a própria justiça pelas suas obras. A Sociedade Torre de Vigia diz: “Por isso, Jeová Deus, antes de adotá-los como filhos livres, mediante Jesus Cristo, sujeitará todas criaturas humanas aperfeiçoadas a uma prova cabal, para todo o sempre”. Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus, p. 398 §36.

“Jeová Deus justificará, declarará justos, à base de seu próprio mérito, todos os humanos aperfeiçoados que passaram pela prova final, decisiva, da humanidade”. Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus, p. 398 §36.

“Serão introduzidos na gloriosa liberdade dos filhos de Deus”. Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de Deus, p. 398 §39.

“…antes de adotá-los como seus filhos por meio de Jesus, Jeová sujeitará todos esses humanos aperfeiçoados a uma última prova cabal”. Unidos na Adoração do Único Deus Verdadeiro, p. 191 § 16-17.

As Testemunhas de Jeová da classe da “grande multidão” creem que elas têm um relacionamento com a “Organização” (os da classe dos ungidos) e não diretamente com Deus, enquanto que o relacionamento com Deus pertence aos filhos de Deus (os da classe dos ungidos):

“Assim como os “ramos” “ungidos” da “verdadeira videira” precisam permanecer em união com Cristo, assim os das “outras ovelhas” precisam permanecer em união íntima com “o escravo fiel e discreto”, os “irmãos ungidos” de Cristo. Só assim podem esperar herdar o Reino preparado para eles desde a fundação do mundo”.    A Sentinela 15/02/1984, p. 23.

1 – A CLASSE DOS “UNGIDOS” DE DEUS SÃO ASSIM DESCRITOS:

A CONGREGAÇÃO DE DEUS

“…quando a Bíblia fala sobre “a congregação do Deus vivente”, ela se refere a um grupo específico de seguidores de Cristo… Ao todo, apenas 144.000 pessoas constituirão finalmente a “congregação de Deus”. Hoje restam na terra apenas poucas destas, apenas um restante… A Bíblia refere-se também a esta congregação de 144.000 membros com termos tais como “a noiva”, “a esposa do Cordeiro”, o “corpo de Cristo”, “o templo de Deus”, “o Israel de Deus” e “a nova Jerusalém”.   Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, p. 125-126.

Em 1991 o número desses cristãos “ungidos” era de apenas 8.850, que participaram da refeição noturna (a Ceia do Senhor das TJs), quando estiveram presentes em vários salões do reino perto de 10.650.158 pessoas (Anuário de 1992, p.33).

Só esses cristãos “ungidos” pertencem a Cristo. “Os que pertencem a Cristo” são os 144.000 discípulos fiéis escolhidos para dominarem com ele no Reino” (Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, p. 172 §20).

Os da classe das “outras ovelhas” ou “da grande multidão” como não estão no novo pacto estabelecido por Jesus (Hebreus 8.6-13), não têm mediador entre elas e Deus:

AQUELES PARA OS QUAIS CRISTO É MEDIADOR

Ele media o novo pacto entre Deus e os introduzidos no novo pacto, a congregação do Israel espiritual. O número total dos que são final e permanentemente selados é desvendado em Revelação 7:4-8 como sendo de 144.000 pessoas”.   Ajuda ao Entendimento da Bíblia, p. 1086.

Ao passo que a mediação de Jesus opera unicamente para com os que se acham no novo pacto”. Ajuda ao Entendimento da Bíblia.

Será que Jesus é “mediador” só dos cristãos ungidos?

“De modo que, em estrito sentido bíblico, Jesus é o “mediador” apenas dos cristãos ungidos”. A Sentinela de 15 de setembro de 1979, p. 32.

“Por conseguinte, esta “grande multidão” não está no novo pacto, contudo, recebe benefícios antecipados dele, por estar associada atualmente com o restante do Israel espiritual que são “ministros dum novo pacto”. A Sentinela, 15 de agosto de 1966, p. 499.

As Testemunhas de Jeová costumam mudar de doutrinas periodicamente. Sendo assim:

“Os Estudantes da Bíblia pensavam que o novo pacto, segundo predito em Jeremias 31.31-34 não se aplicava aos 144.000 israelitas espirituais, mas que seria feito com os judeus naturais depois da batalha do Armagedon”. A Sentinela, 15/08/1966, p. 501.

Dois anos mais tarde, em 1934, aumentou o entendimento. Na edição de 15 de abril de 1934, A Sentinela (página 117, parágrafo 10, em inglês) declarava que o novo pacto não será feito com os judeus naturais, circuncisos, na Palestina, depois do Armagedom, mas que o novo pacto está agora em vigor, com os israelitas espirituais.

Em razão de “a grande multidão” não estar integrada no novo pacto, que papel ocupa Cristo na sua salvação?

“Então, qual é o papel de Cristo neste programa de Salvação? Paulo passou a dizer: Há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens (não todos os homens), um homem, Cristo Jesus, o qual se entregou como resgate correspondente por todos (1Timóteo 2.5,6)”. A Sentinela de 15/06/1980, p. 26.

“É também aos cristãos ungidos pelo espírito, que governarão naquele reino, que se dirige a maior parte das Escrituras Gregas Cristãs, inclusive as promessas de vida eterna”. A Sentinela, 15/12/1974, p. 752.

“Foi sob a direção deste [escravo fiel e discreto] que se ofereceu a esperança celestial, destacada e enfatizada até por volta do ano de 1935. Daí, quando ‘brilhou a luz’ para revelar claramente a identidade da “grande multidão”, de Revelação 7.9, começou-se a dar a ênfase terrestre (Salmo 97.11). Portanto, é razoável concluir que naquele tempo o pleno número dos 144.000 já estava quase completo”. A Sentinela, 01/02/1982, p. 25.

A data de 1935, também apontada no livro Vida Eterna – Na Liberdade dos Filhos de de Deus, p. 149 §57 não foi a primeira data fixada para a separação das duas classes. A primeira data para essa separação de classes foi estabelecida em 1931:

“Tendo Deus fixado um tempo próprio para todo o propósito (Eclesiastes 3:1), o seu tempo de dar às criaturas terrenas a oportunidade de se alinhar para um prêmio relestial é contado desde 29 E.C. até, principalmente, 1931, chamado o “dia da salvação” (2Coríntiosríntios 6:2)”. Seja Deus Verdadeiro, p. 296.

Isto significava dizer que de 29 A.C. até 1931 somente 144.000 pessoas foram alinhadas para uma esperança celestial, ou eram os únicos da classe dos “ungidos”. Mas, como é próprio da Sociedade Torre de Vigia receber “luz progressiva”, mudaram o texto de Efésiosésios 4.4-6. Declarava-se que houve muito mais cristãos ungidos do que os 144.000 acreditados (Despertai! 08/07/1969, p. 23).

Acreditavam as TJs que o texto de Efésiosésios 4.4-6 se aplicava indistintamente a todas as TJs, tanto da classe dos “ungidos” como a da “grande multidão” com uma só esperança:

“Até meados do primeiro semestre de 1935, as testemunhas dedicadas e batizadas de Jeová de boa fé haviam tido a ‘uma só esperança’ que lhes é apresentada em Efésiosésios 4:4-6… Mas naquele ano memorável de 1935, no congresso realizado em Washington D.C., identificou-se a “grande multidão”, conforme visualizada em Revelação 7:9-17, como estando composta de “outras ovelhas… Os do restante ungido, que ainda se apegavam à sua “uma só esperança” válida, alegraram-se muito com esta luz progressiva lançada sobre as Escrituras Sagradas”. A Sentinela, 15/03/1983, p.19.

Mas o número de cristãos era maior:

“Em um único mês, 17.000 foram mortos. Somente na província do Egito, 144.000 de tais cristãos professos morreram pela violência durante esta perseguição, além de outros 700.000 que morreram em resultado de fadigas enfrentadas no exílioou sob trabalhos forçados em obras públicas”.   Despertai!, 08/07/1969, p.23.

2 – A CLASSE DAS “OUTRAS OVELHAS” OU DA “GRANDE MULTIDÃO” – UMA CLASSE INFERIOR, POIS:

  • Não podem tornar-se membros do corpo de Cristo – 1Coríntios 12.27;
  • Não precisam “nascer de novo” – João 3.3-7: “Então note que muitíssimos dos que não professam ter ‘nascido de novo’ são ‘homens espirituais’ no mais pleno sentido da palavra (1Coríntios 2:14-15). E não há dúvida sobre a força espiritual dos homens e das mulheres de fé alistados no capítulo 11 de Hebreus. Nenhum deles ‘nasceu de novo’. Todos eles aguardavam “uma ressurreição melhor” para a vida sob o reino de Deus, aqui mesmo na terra – Hebreus 11:35” (A Sentinela, 01/02/1982, p. 25).
  • Não têm esperança celestial – 2Timóteo 4.18;
  • Não podem receber o batismo com o Espírito Santo – 1Coríntios 12.13;
  • Não podem participar da refeição noturna do Senhor (Ceia do Senhor) – 1Coríntios 10.16-17;
  • Não fazem parte do novo pacto mediado por Cristo – Hebreus 12.24; 8.6-13;
  • Não são filhos de Deus, apenas filhos “prospectivos” – João 1.12; 1 João 5.1,12,13;
  • Não são justificados pela fé – Romanos 5.1;
  • Não têm pecados pessoais perdoados; só pecados herdados – 1 João 2.12;
  • Não fazem parte do sacerdócio real – 1Pedro 2.9-10;
  • Não pertencem a Cristo – 1Coríntios 15.23 comparado com 1Coríntios 1.2;
  • Não têm Jesus como mediador – 1Timóteo 2.5;
  • Não estão ligados à videira – João 15.1-6;
  • Dependem de 4 provas para a sua final salvação: 1)agora (Mateus 24.13); 2) durante o Armagedon; 3) durante o reinado milenial de Cristo; e 4) depois que Satanás for solto do poço do abismo (Apocalipse 20.7) a prova final: “Então, o que aprendemos a respeito do juízo? Aprendemos que a pessoa pode desviar-se e ser julgada desfavoravelmente, quer agora, quer no Armagedon, quer durante os mil anos do reinado de Cristo, quer no fim da prova final” (Do Paraíso Perdido ao Paraíso Recuperado, p. 241).
  • Não tomam parte na primeira ressurreição – Apocalipse 20.5-6;
  • Não podem ler a Bíblia livremente, pois esta não foi escrita para eles.

Não existe qualquer base bíblica para esse ensino. A Bíblia aponta em pormenores que o Antigo Pacto foi feito entre Deus e Israel (Êxodo 19.1-8 comparado com Êxodo 24.1-8 e 47.19-20) e o Novo Pacto foi com os cristãos (2Coríntios 3.6-14; Gálatas 4.21-31; Hebreus 8.6-13 e 10.9). Considerando que todo Antigo Pacto ou Velho Testamento foi escrito para os judeus, e o Novo Testamento foi escrito só para os 144.000, com que parte das Escrituras fica a “grande multidão”? Sendo assim, é claro que a Bíblia não fala de qualquer terceiro anjo para ajuntar essa “grande multidão” com uma esperança terrestre depois de 1931 ou 1935.

Além disso, os versículos que as TJs citam em Apocalipse 7.9, para a “grande multidão” que está “em pé diante do trono e diante do Cordeiro”, no verso 15 se lê que “o servem de dia e de noite no seu templo”. Em Apocalipse 11.19 João afirma que viu esse templo no céu. Ademais em 19.1-3 se vê a mesma multidão no céu. No verso 5 se lê: “E saiu uma voz do trono, que dizia: Louvai o nosso Deus, vós, todos os seus servos, e vós que o temeis, assim pequenos como grandes.

A oração de Jesus em João 17.20-24 é que todos os seus estejam no mesmo lugar onde ele estiver, e dizia Jesus que não orava só pelo pequeno rebanho, mas por todos os que, pela sua palavra, haviam de crer nele. A menos que as TJs preguem “outro evangelho” (Gálatas 1.8-9) e não o evangelho que Paulo pregava (Romanos 1.16; 1Coríntios 15.3-4; 1Timóteo 1.15) é que se pode admitir uma segunda esperança para a classe da “grande multidão” (Efésios 4.4) “uma só esperança da vossa vocação”. É o que se repete em Hebreus 3.1: “Pelo que, irmãos santos, participantes da vocação celestial…”.

Quem são as “outras ovelhas” de João 10.16? As “outras ovelhas” não é a classe inferior das Testemunhas de Jeová. Tratava-se dos judeus para quem primeiro Jesus viera (Mateus 10.5-6 e 15.24; João 1.11). Visto que os judeus o rejeitaram (Mateus 26.59-68 e 27.20-23) nós, os gentios, passamos a constituir essas “outras ovelhas” (Efésios 2.11-22). Observe a tragédia espiritual das “outras ovelhas”, como classe secundária das TJs, como afirma A Sentinela de 15 de janeiro de 1981, p. 26:

tj classes 1

No número 5 “A porta das ovelhas”: Jesus;

No número 4 só entraram por tal porta Jesus e o “pequeno rebanho”;

No número 7 ficaram de fora as “outras ovelhas”, que não entraram pela porta (Jesus).

O que a Bíblia tem a dizer?

“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á e entrará, e sairá, e achará pastagens” (João 10.9).

Quem se salva? Só os que entrarem pela porta (Jesus). Mas, como as “outras ovelhas” não entraram pela porta, estão sem salvação, trabalhando arduamente, de porta em porta, para conseguir sua própria salvação por méritos humanos e não pela graça oferecida por Jesus (Efésios 2.8-10).

“É necessário mais do que fé. Deve haver também obras, para demonstrar quais são seus reais sentimentos a respeito de Jeová”. Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra, p. 250.

Em Apocalipse 7.4 se diz que os 144.000 são “dos filhos de Israel”, mas a Sociedade Torre de Vigia ensina que a “Congregação cristã” está aqui simbolicamente representada como o “Israel Espiritual” e que os 144.000 são, portanto, advindos de todas as nações. Basta ler os versículos seguintes (5,6,7,8) para demonstrar que é errada a interpretação das TJs. Fala-se de 12.000 de cada uma das 12 tribos de Israel. Se perguntarmos a um dos que dizem pertencer ao número dos 144.000, para saber a qual tribo pertenceu a resposta não será dada, afirmando que se trata de um número simbólico.

É o caso de se indagar: 12.000 de cada uma das 12 tribos é um número simbólico ou literal? A resposta será: simbólico. Repete-se então a pergunta, e o número total de 144.000 é um número literal ou simbólico? A resposta será: literal. Ora, como pode um número parcial de doze mil pessoas ser simbólico e o número total (12×12.000) ser literal? Que regra de interpretação bíblica é essa?

Quem São os 144.000?

Esse número só é mencionado duas vezes na Bíblia, ambas no livro de Apocalipse. O tempo é durante a grande tribulação, e o corpo inteiro de cristãos do mundo já foi arrebatado da cena (1Tessalonicenses 4.16-17; 1Coríntios 15.51-54). Deus agora está tratando com a nação de Israel. Ele segura os “ventos” finais da tribulação enquanto seleciona 144.000 judeus – 12.000 tirados de cada tribo de Israel –, para um propósito especial (Romanos 11.25-26). Eles são as primícias da ceifa da tribulação. Enquanto eles estão na terra pregando, a “grande multidão” está no céu (Apocalipse 7.9,14,15; 11.19 e 19.1-5). Os 144.000 judeus pregam o evangelho do reino na terra durante o tempo restante (Apocalipse 14.6-7) e muitos se convertem.

Todos esses três grupos – a igreja no céu, os 144.000 e a “grande multidão” – serão unidos no céu no final da tribulação, e então eles todos descerão à terra, para viver no paraíso da terra por mil anos, enquanto Satanás estará preso no poço do abismo (Apocalipse 20.1-3). Findo os 1.000 anos Satanás será solto para tentar os que estão na terra e entraram no milênio depois da grande tribulação e os que deles nasceram. Satanás os leva à luta contra Deus e por fim são derrotados. Satanás é lançado definitivamente no inferno por toda a eternidade (Apocalipse 20.10). Desenrola-se o juízo final (Apocalipse 20.11-15). Aquele que não for achado escrito no livro da vida é lançado no mesmo lugar onde Satanás fora lançado. Entra a eternidade e os três grupos já descritos estarão com Cristo por toda a eternidade no céu (João 14.2-3; Filipenses 3.20-21; Hebreus 3.1 e 11.10,16).

O Corpo Governante tem ensinado que só 144.000 pertencem a Cristo e deveriam nascer de novo. Esses compõem a “classe ungida” e são representados pelo “escravo fiel e discreto” na sede das Testemunhas de Jeová no Brooklyn, Nova Iorque. Eles não apenas têm representado erroneamente o plano de Deus, mas também têm reivindicado ser os únicos que creem corretamente na Bíblia, a tal ponto que nem mesmo o Papa alimenta tais pretensões:

“Ele não concede seu espírito santo e o entendimento e a apreciação de sua Palavra à parte de sua organização visível”.

Para que Deus ouça nossas orações pedindo Seu espírito, temos de satisfazer suas condições, entre as quais se acha a de que reconheçamos o canal visível que ele usa para esse próprio fim”. A Sentinela, 01/01/1966, p. 7.

Fora de toda dúvida: tomaram o lugar de Jesus, pois João afirmou que só Jesus batizaria com o Espírito Santo (Mateus 3.11; João 7.37-39; Atos 1.4-5 e 2.1-4). E João, pergunta:

“Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo, esse mesmo que nega o Pai e o Filho. Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai, e aquele que confessa o Filho, tem também o Pai” (1João 2.22-23).

É lamentável, mas erra quem não conhece a Bíblia (Mateus 22.29), pois Jesus previniu que alguns líderes religiosos repetiriam o erro dos fariseus dos seus dias: “Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, pois que fechais aos homens o reino dos céus, e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando” (Mateus 12.13). Milhões de pessoas pertencentes à classe das “outras ovelhas” ou “grande multidão” tiveram o céu fechado para si a partir de 1935, segundo o ensino atual das Testemunhas de Jeová:

O que vão fazer no céu os 144.000?

“O programa inicial do Reino abrangerá um período de mil anos. Durante esse tempo, Jesus Cristo e os membros de seu governo celestial não só servirão como reis, mas também como sacerdotes de Deus a favor de todos os seus súditos humanos… Eles terão um poder que até agora tem faltado a todos os governos humanos:o poder de purificar as pessoas do pecado e da imperfeição”. A Verdade Que Conduz à Vida Eterna, p. 106.

A maioria das Testemunhas de Jeová – os da classe das “outras ovelhas” – precisa trabalhar pela própria salvação e não porque estão salvos, desde que dependem do futuro trabalho da classe celestial dos ungidos:

“É pela nossa perseverança na proclamação destas ‘boas novas do reino’ que podemos obter a salvação”. A Sentinela, 01/03/1980, p. 14.

Se não fizerem o trabalho de “colocação” de revistas de porta em porta, jamais serão declarados justos para a vida:

“No entanto, onde se enquadra nisso hoje a maioria dos verdadeiros cristãos, visto que não foram declarados justos para a vida, nem ungidos com espírito santo?”  A Sentinela, 01/01/1987, p.22.

A resposta é sua, pois, por que não ser justificado pela fé agora, se tal condição é gratuita? Romanos 5.1 e 8.1; Efésios 2.8-10; 1Timóteo 1.15-16.

 Estudo elaborado em maio de 1992


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

3 Comentários

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. na situação atual entre os TJ tem divisão de classe, seriam os irmãos ativos e os inativos.

    os “ativos” são aqueles que dão conta da cota de propagação e venda das revistas da STV, e os “inativos” são aqueles não o fazem por razões diversas. e são humilhados pelos “ativos” 

    1. sem falar na classe dos “servos maus” que mesmo “ativos” não dão conta da cota de vendagem; 
      e tem também a classe dos “desassociados” da organização jeovita. estes mesmo sendo parentes não podem ter comunhão com o tal. 

  2. o hilário que os TJ entende LITERALMENTE os 144.000 como sendo uma multidão de pessoas formadas neste contingente de número, CONTUDO, quanto a serem virgens castos aí é metafórico. pois então, interpretam a coisa do jeito que querem e fazem um malabarismo exegético.

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement