Esqueceu a senha?

As orações terminam com “amém”?

por Artigo compilado - seg jul 13, 11:37 am

mulher orando000777

Todos estão acostumados com a palavra “amém”. Mas você já parou para pensar no que ela realmente significa? Ou existe uma riqueza grandiosa a palavra que com frequência não é percebida.

Primeiro, “amém” é uma palavra reconhecida universalmente que é muito mais significativa do que apenas anunciar o fim ou dizer “Isso é tudo!” Com a palavra “amém”, na verdade estamos dizendo: “Que seja assim de acordo com a vontade de Deus”. É um maravilhoso lembrete.

Qualquer argumento em oração deve começar com o entendimento de que orar é uma forma de nos colocar em conformidade com a vontade de Deus, não um mantra mágico que garante que Deus concordará conosco.

Além disso, a palavra “amém” é uma referência direta a Jesus, que nos ensinou a orar “seja feita a tua vontade” (Mateus 6.10). Em Apocalipse, Ele é mencionado como “o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus” (Apocalipse 3.14). Jesus não só nos ensinou a orar “seja feita a tua vontade”; Ele colocou essas palavras em prática em sua vida. Em sua fervorosa oração no Jardim do Getsêmani Ele disse: “Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres” (Mateus 26.39). Finalmente, embora Jesus seja nosso maior exemplo, decerto não é o único. Seu irmão Tiago adverte aqueles que estão propensos a se gloriar em suas presunções que, em vez disso, deveriam dizer: “Se o Senhor quiser, e se vivermos, faremos isto ou aquilo” (Tiago 4.15). O amigo mais chegado de Cristo durante seu ministério terreno, o apóstolo João, ecoa as palavras do Mestre quando escreve: “E esta é a confiança que temos nele: que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1João 5.14).

Na próxima vez que você concluir sua oração com a palavra “amém”, oro para que seu foco esteja no fato de que, longe de ser uma formalidade, é uma palavra cheia de significado. “Amém” não só é uma referência direta ao Salvador, mas é um lembrete de que até os detalhes de nossa vida que parecem insignificantes estão sob o controle soberano do Senhor Jesus.

“E esta é a confiança que temos nele: que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que lhe fizemos” (1João 5.14-15).

HANK HANEGRAAFF


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement