Esqueceu a senha?

As TJs e algumas questões do seu passado

por Pr. João Flávio Martinez - qui abr 27, 12:01 am

Bem, atualmente fui citado em um vídeo de um membro da seita das Testemunhas de Jeová (TJs). Neste vídeo eles reclamam de uma argumentação minha, onde comento de algumas heresias históricas da Sociedade Torre de Vigia (STV). No vídeo falo de algumas incongruências encontradas no Livro Programadores de Reino (Uma autobiografia das TJs). E na minha palestra (https://youtu.be/yUmZN0Qfsbs) eu mencionei que Russell e as TJs do passado adoravam Jesus e citei como fonte o livro “Proclamadores do Reino”. Entretanto, as fontes desta citação são outras, faço questão aqui de me corrigir e citar tais fontes que corroboram com a minha argumentação.

  • Em A Sentinela, 01/01/1906 – Pg. 15 e a Sentinela 01/12/1916, pg. 377, volume encadernado em Inglês, encontramos Russell e Rutherford defendendo a ideia de que Jesus poderia ser adorado. 
  • Na A Sentinela, novembro de 1879, pág. 4 observamos essa ideia da adoração a Jesus.
  • Também em a Sentinela de 15/11/1939 pg 339, edição em Inglês, diz uma citação de Russell: “Jeová Deus ordena a todos que adorem a Cristo Jesus…”.

Então, minha argumentação é factual, apenas não encontra-se no livro “Proclamadores”, mas sim em outras literaturas jeovista.

Agora, podemos observar muitos outros tipos de incongruências neste livro “Proclamadores do Reino”, cito aqui algumas:

1) – Russel aprendeu muito de suas heresias com os Adventistas do Sétimo Dia – confira Proclamadores, Pg 43;

2) – Uso de Pirâmides em profecias bíblicas, Pg 162 e 201;

3) – A Revista Sentinela tinha uma cruz coroada na capa, indicado que a STV acreditava que Jesus havia morrido na cruz. E mais, não era uma cruz qualquer, mas uma cruz coroada, muito usada na maçonaria – Pg 200;

4) – Observamos que a “organização de Jeová” comemorava o Natal, pois vemos a matriz da organização no Brooklyn, em 1926, toda enfeitada com adornos natalinos – Pg 200;

5) – A Mulher de Russell, por não suportar o peso, o abandona e ainda coloca em dúvida o caráter do marido, pois entendia que ele não era justo – Pg 645…

Enfim, o que não falta na história das TJs são heresias e contradições.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement