Esqueceu a senha?

As Tjs e “Jesus Cristo homem”

por Artigo compilado - qua jan 01, 2:32 pm

Porque há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem” (l Tm 2.5). Jesus Cristo é o eterno e verdadeiro Deus e ao mesmo tempo o verdadeiro homem. Tornou-se homem para suprir a necessidade dos seres humanos. O termo EMANUEL, que o próprio escritor sagrado traduziu por ”DEUS CONOSCO” (Mt 1.23), mostra que Deus está como homem e entre os homens: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade” (Jo 1.14). O ensino da humanidade de Cristo, no entanto, não neutraliza a sua divindade, pois ele possui duas naturezas, a humana e a divina, o que está claramente expresso no seu nome EMANUEL.

Jesus foi revestido do corpo humano porque o pecado entrou por um homem, e pela justiça de Deus tinha de ser vencido por um homem. A Bíblia diz que o pecado entrou no mundo por Adão (Rm 5.12, 18,19). Jesus fez-se carne. Fez-se homem sujeito ao pecado, embora nunca houvesse pecado, e venceu o pecado como homem (Rm 8.3). A Bíblia mostra que todo o gênero humano está condenado, que o homem está perdido e debaixo da maldição do pecado (Sl 14.2-3; Rm 3.23). Todos são devedores, e por isso ninguém pode pagar a dívida do outro. A Bíblia diz que somente Deus pode salvar (Is 43.11). Então, esse mesmo DEUS tornou-se homem, trazendo-nos o perdão de nossos pecados e cumprindo ele mesmo a lei que promulgara (At 4.12; 1 Tm 3.16; CI 2.14).

Quando Jesus estava na terra, não se apegou às prerrogativas da divindade para vencer o diabo, mas aniquilou-se a si mesmo, fazendo-se semelhante aos homens (Fp 2.5-8). Como homem, tinha certa limitação em tempo e espaço e, portanto, submisso ao Pai.

Eis a razão de ele ter dito em Jo 14.28: “O Pai é maior do que eu“.

Os evangelhos revelam atributos característicos do ser humano em Jesus. Todo ser humano nasce de mulher, cresce e morre, tem emoções, alegra-se e entristece-se e seu corpo cansa-se e fatiga-se.

Cristo experimentou tudo isso quando esteve entre nós.

  • Ele nasceu de uma mulher, embora gerado pela ação sobrenatural do Espírito Santo. Seu nascimento, ou seja, o parto, foi normal e comum como o de qualquer ser humano (Lc 2.6-7).
  • Ele cresceu em estatura e em sabedoria (LC 2.52).
  • Ele sentiu sono, fome, sede e cansaço (Mt 8.24; 10 19.28; 4.6).
  • Ele sofreu, chorou e sentiu angústia (Hb 13.12; Lc 19.41; Mt 26.37).
  • Ele teve mãe humana, além de irmãos e irmãs (Mt 12.47; 13.55-56).
  • Ele morreu, embora ressuscitasse a0 terceiro dia, passando pelo ardor da morte (1 Co 15.3-4).
  • Ele deu provas materiais de ter corpo humano (1 10 1.1; Lc 24.39 41)
  • Ele foi feito semelhante aos homens, mas sem pecado (Hb 2. 17; 4 15).

Quando o apóstolo Paulo afirma que Jesus “nasceu da descendência de Davi segundo a carne” (Rm 1.3), está descrevendo a sua linhagem humana, conceito previsto desde o Antigo Testamento (Sl 22.22; Is 8.18), cumprido e confirmado no Novo Testamento (Hb 2.12, 13).

O fato de pertencer à família do rei Davi revela sua identidade com o gênero humano. O termo “segundo a carne” está vinculado à descendência de Davi, logo, diz respeito à natureza humana. A palavra ”carne” é usada, novamente, nessa acepção nessa mesma epístola (Rm 9.5). Sua genealogia foi registrada em Mateus 1.1-17 e Lucas 3.2-38, o que pormenoriza a origem humana. Convinha que ele viesse como homem, pois, se não fosse humano, não poderia sofrer e dessa forma não poderia ser o Salvador dos seres humanos (Hb 2.17).

Houve nos primeiros séculos da história do cristianismo muitas heresias (algumas delas já vimos no capítulo 1) que negavam ter Jesus Cristo vindo em carne. Apolinário ensinava que Jesus era só Deus e que nada havia nele de humano. Da mesma forma, os gnósticos, pois ensinavam que Jesus não teve um corpo humano, mas um corpo docético, isto é, um corpo como um fantasma. Tanto os apolinarianistas como os gnósticos estavam sobremaneira errados. A Bíblia ensina tanto a divindade como a humanidade de Cristo. ”E todo o espírito que confessa que Jesus não veio em carne não é de Deus…” (1 Jo 4.3).

Os grupos religiosos contrários à divindade absoluta de Jesus costumam usar fora do contexto, como ponta de lança, as passagens bíblicas que revelam as características humanas. Isso vem desde os primeiros séculos da Era Cristã. É pecado negar a humanidade de Cristo (1 Jo 4.2-3 ; 2 Jo 7), do mesmo modo como é pecado negar a sua divindade, pois Jesus é tanto humano como divino (Rm 1.2-4; 9.5).

Autor: Esequias Soares


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário