Esqueceu a senha?

Black bloc não é manifestante – é criminoso mesmo

por Artigo compilado - qua jan 13, 7:07 pm

Não existem “adeptos da tática black bloc”. Existem uma organização criminosa e criminosos

Saiba quem é aquele rapaz que aparece posando de mártir, com o rosto ensanguentado, nas capas dos jornais e nos portais

Setores da imprensa brasileira me irritam até mais dos que os black blocs. Sabem por quê? Os justificadores de crimes e criminosos se igualam intelectualmente aos delinquentes, mas são protegidos por sua pusilanimidade. Os bandidos mascarados, vá lá, têm ao menos uma virtude, mas posta a serviço do mal: a coragem. Já os black blocs dos teclados e dos microfones, bem, esses aliam o conforto da covardia ao delito moral.

Em que democracia do mundo, me digam, há a licença para sair por aí quebrando, depredando e incendiando em nome de uma causa? Em que democracia do mundo, manifestantes avançam contra uma linha policial, agredindo os que detêm o monopólio legal do uso da força, sem que os agressores arquem pesadamente com as consequências?

Às esquerdas perturbadas — derrotadas pela economia, pelos fatos, pela matemática e pela ciência —, não restou mais nada além das invectivas gratuitas contra “as forças da repressão”, pouco importando se tais forças servem, como já serviram, a um regime discricionário ou, como é o caso hoje em dia, ao regime democrático.

Há plena liberdade de opinião e de manifestação no Brasil. A primeira só não é mais livre porque a patrulha politicamente correta, exercida pelas milícias de opinião de esquerda, não deixam. No caso da segunda, não se tome a liberdade por licença para transgredir as leis acolhidas pela Constituição democrática e os princípios básicos que organizam a vida civilizada.

Eu me sinto enojado a cada vez que leio na imprensa a expressão “adeptos da tática black bloc”. Que diabo é isso? “Tática” de quê? Não estou comparado, mas levando o argumento ao limite para que se desnude a farsa: como seriam chamados hoje em dia os nazistas? “Adeptos da tática do extermínio de judeus”? Como chamaremos o Estado Islâmico? “Adeptos da Tática de Extermínio do Inimigo”?

Estamos falando de criminosos. Estamos falando de bandidos. Se os “adeptos da tática PCC” pertencem a uma organização criminosa, os ditos “adeptos da tática black bloc” pertencem a quê? Então não há na sua atuação uma preparação, uma logística, uma urdidura, uma, enfim, “organização”?

Leio no Parágrafo 1º do Artigo 1º da Lei 12.850, que define organização criminosa, o seguinte:
“Considera-se organização criminosa a associação de 4 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de caráter transnacional.”

Ora, isso não compreende as ações dos black blocs? Parece que sim! Mas que não se pare por aí. Todos os indícios apontam para a cooperação clara, escancarada, evidente entre o Movimento Passe Livre e os bandidos mascarados.

Alexandre Moraes, secretário de Segurança, afirmou que os black blocs detidos nas manifestações serão acusados de organização criminosa. É o mínimo, não?

Finalmente, arremato com uma informação importante, para que saibamos como são feitas as salsichas da mistificação. As capas de jornais desta quarta estamparam a foto de um rapaz com o rosto ensanguentado. Trata-se de Éber Carlos Veloso. Sim, claro, deve-se apurar se houve excesso policial, sempre! Segue uma minibiografia do rapaz:
– é filiado ao PSTU. Até aí, vá lá;
– é segurança do Metrô e está de licença médica, considerado inapto para o trabalho. Epa! Mas está apto para promover baderna? Sigamos:
– recebe sem trabalhar desde julho de 2015. Já sabemos como usa seu tempo livre;
– como segurança do Metrô, ainda que de licença, tem passe livre nos trilhos;
– como destaque em sua página do Facebook, Éber celebra homicidas como os do grupo terrorista Baader-Meinhof.

Cai o pano.

Extraído do Blog da Veja do Jornalista Reinaldo Azevedo em 13/01/2016


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

4 Comentários

Comentários 1 - 4 de 4Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. cadeia neles

  2. esses balck blocks são mais um produto das organizações hoje em dia que não nascem espontaneamente, mas do acordo entre grupos de interesse.Bandidos profissionais

  3. isso aí tem o dedo do pt atrás: manda a procuradoria investigar em vez de estar barrando o impeachmeant

  4. infelizmente tem gente confundido manifestação com banditismo puro e vandalismo

Comentários 1 - 4 de 4Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement