- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

Como entender “participantes da natureza divina”?

Outra passagem favorita da confissão positiva é 2 Pedro 1.4: “pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e, mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo”.

Marilyn Hickey afirma com muita ousadia:

Mas nós, agora, temos a natureza de Deus, e isso nos torna participantes de todos os seus atributos…

Já tive a oportunidade de ouvir Valnice Milhomens dizer num de seus programas de televisão: “Deus assumiu a natureza humana para que o homem assuma a natureza divina” e que “Cristo tornou-se o que nós somos para que nós nos tornemos o que Ele é”. Noutro de seus programas, Valnice tentou se defender, comentando que algumas pessoas disseram que ela estava ensinando que somos deuses. Declarou ela: “Isto não é verdade. Eu nunca disse isso. E a Palavra quem o diz”, e, para confirmar, citou logo em seguida o texto de 2 Pedro 1.4.

Nesta passagem, Pedro está falando do caráter ou natureza moral de Deus. Assim, os cristãos, à medida que escapam da corrupção do mundo, passam a demonstrar os atributos comunicáveis de Deus, como descritos nos versículos de cinco a nove do mesmo capítulo. Os atributos incomunicáveis, tais como onipresença, onipotência e onisciência, não são exibidos pelo cristão.

Rob Bowman oferece um interessante comentário sobre a já mencionada declaração de Kenneth Hagin: ‘ ‘Você é tanto uma encarnação de Deus quanto Jesus Cristo o foi”:

O erro nesse raciocínio encontra-se na definição de “encarnação”. Cristo não foi meramente Deus habitando num ser humano, uma heresia (como o nestorianismo) que a igreja primitiva condenou, pois afirmava que o Verbo, na verdade, não se tornou carne (João 1.14), mas apenas uniu-se a um ser humano. Sem dúvida, o Cristo encarnado foi uma pessoa em quem estavam perfeitamente unidas duas naturezas, a divina e a humana; o cristão é uma pessoa com uma natureza, a humana, em quem uma pessoa separada, Deus, o Espírito Santo (e, através dele, o Pai e o Filho também) habita”.

Encerramos esta seção com uma declaração interessante e verdadeira:

Dois fatos fundamentais de esclarecimento humano: 1. Há um só Deus; 2. Você não é ele! 

Extraído do livro “Super Crentes” do Pr. Paulo Romeiro.

[1] [2]Compartilhar [3]