Esqueceu a senha?

Cristianismo e ciência moderna

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - sáb jan 13, 3:06 pm

Uma resposta ao historiador ateu Richard Carrier

Um princípio central do novo ateísmo é dizer que o cristianismo e a razão são incompatíveis e que, ao longo da história, os cristãos impediram o progresso da ciência. O historiador ateu, Richard Carrier, é o responsável por promover visões semelhantes em suas contribuições para as coleções de ensaios, como The Christian Delusion e Christianity Is Not Great. Ele sugere que, antes da ascensão do cristianismo, os antigos gregos teriam desfrutado de uma revolução científica mais importante do que a que aconteceu na chamada “Idade das Trevas”. No entanto, a verdade é muito diferente. A ciência dos antigos pagãos gregos tinha como objetivo reforçar suas posições éticas e filosóficas, em vez de ser um estudo objetivo da natureza. Certamente, quando os cristãos vieram desenvolver sua própria ciência na Idade Média, eles também não eram objetivos. Para eles, a ciência era o estudo da criação de Deus. Mas os pressupostos metafísicos do cristianismo, ao contrário dos gregos ou mesmo dos muçulmanos, revelaram-se extremamente propícios a descobrir o verdadeiro conhecimento sobre a natureza. Eles não eram cientistas no mais estrito do termo, mas eram cristãos que lançaram as bases para a ciência moderna.

É difícil imaginar como era a vida antes do surgimento da ciência moderna. Por exemplo, não havia computadores, poucos medicamentos efetivos, e somente os ricos podiam pagar roupas coloridas porque não havia corantes artificiais. Tão central é a ciência em nossas vidas que a acusação de que o cristianismo tentou reter seu avanço é não só prejudicial, mas em última instancia injusta. Como os historiadores já perceberam, a evidência de que a fé cristã realmente teve uma influência positiva sobre a ciência é cada vez mais forte.

Neste artigo, vou explicar como eram os cristãos medievais em comparação com os gregos antigos que forneceram o quadro filosófico em que a ciência moderna poderia surgir. Estarei prestando especial atenção ao trabalho do historiador ateu Richard Carrier, em particular as afirmações que ele faz em dois ensaios de coleções anti-cristãs editadas por John Loftus. 1 Carrier é um dos poucos estudiosos que trabalham hoje com  a “tese de conflito”, por isso é importante entender por que ele chega a conclusões contrárias à grande maioria dos historiadores da ciência hoje.

A percepção comum de um conflito histórico entre ciência e cristianismo continua forte. Isso não quer dizer que quase todos os eruditos sérios tenham erguido a voz para condená-lo. Por exemplo, os historiadores David Lindberg e Ron Numbers declararam inequivocamente que a visão popular (do conflito) está errada. Mas, como Lindberg e Numbers admitem pesarosamente: “Apesar do consenso entre os estudiosos de que a ciência e o cristianismo não estiveram em guerra, a noção de conflito se recusou a morrer” .2 Também está se tornando cada vez mais claro que grande parte das evidências citadas para apoiar a tese do conflito revela-se falsa. 3Por exemplo, a igreja nunca tentou proibir a dissecação humana como tem sido frequentemente alegado. Embora a igreja medieval tenham utilizado a prática desprezível de queimar hereges, ninguém foi executado por causa de crenças científicas. Mesmo o notório julgamento de Galileu Galilei (1564-1642) revela que a questão toda tinha a ver mais com o ego papal do que com astronomia. Finalmente, ninguém na Idade Média pensou que a terra era quadrada ou plana: Cristóvão  Colombo certamente não precisava provar que a terra era uma esfera.

 O objetivo da ciência grega antiga

Richard Carrier apesar de ter o conhecimento de um historiador acabou assumindo com paixão esses antigos boatos. Também ele cometeu o erro de dizer que os cristãos deliberadamente reprimiram a ciência. No entanto, em seu capítulo de The Christian Delusion, intitulado “O cristianismo não era responsável pela ciência moderna”, ele faz algumas declarações impressionantes. Grande parte desse capítulo interessante é abordado por um catálogo das realizações da ciência antiga. A tese de Carrier é que uma “revolução científica” era iminente no século III dC, mas isso foi reduzido por um colapso econômico do Império Romano. O Império recuperou parcialmente e sobreviveu por mais dois séculos, mas rapidamente sucumbiu ao cristianismo. Como os cristãos simplesmente não estavam interessados ​​na ciência, a chance de o mundo antigo combinar as realizações do século XVII se perdeu. Carrier acusa os cristãos de pecados de omissão porque negligenciaram a ciência. Ele não afirma que os cristãos se opuseram deliberadamente. 4Dado que o cristianismo controlava todas as cátedras do ensino, não precisava necessariamente atacar o que não gostava, apenas ignorar a ciência já era o suficiente para sua estagnação.

 Progresso na Ciência Grega

Eu irei direto à questão de se o cristianismo de fato apoiou a ciência em algum  momento. Mas primeiro, vale a pena examinar exatamente o quão longe as conquistas da ciência antiga se estenderam. É verdade que uma revolução científica estava preste a surgir na idade antiga? Para responder a isso, precisamos examinar os exemplos específicos que Carrier dá sobre um alegado progresso na ciência grega para ver se eles apontam para uma revolução científica iminente. Ele cita Herão (Heron ou Hero) de Alexandria (d. AD 70) como uma figura importante que demonstra esse progresso. Mas podemos detectar quaisquer avanços reais na ciência entre o trabalho de Aristóteles (384-322 aC) e o de Herão, escrevendo no primeiro século dC?

Carrier apoia sua teoria com o exemplo de que Estratão de Lâmpsaco (335-269 aC) desenvolveu o “método experimental para máquinas e física” de Aristóteles. 5 Estratão foi o segundo chefe da escola ateniense de Aristóteles em meados do século III aC. Pouco de seu trabalho sobreviveu, mas na antiguidade ele tinha tanta reputação na ciência que era conhecido como O Naturalista. A principal conquista que conhecemos hoje foi mostrar que um verdadeiro vácuo pode ser criado artificialmente e que o ar pode ser comprimido. Esse é um passo impressionante, já que Aristóteles, afirmara que um vácuo é impossível. No entanto, a passagem relevante do trabalho de Estratão foi incorporada à introdução do Pneumático de Herão de Alexandria , escrito trezentos anos depois. 6Carrier afirma que Herão refutou experimentalmente a afirmação de Aristóteles de que um vácuo é impossível. 7 Então, por que Herão usa uma fonte que tem três séculos para provar isso? Isso não parece ser evidência de nenhum progresso na ciência.

Além disso, em sua Mecânica, Herão afirma inequivocamente que os objetos pesados ​​caem mais rápido do que os mais leves. 8 Este é um erro fundamental que é facilmente demonstrável pelo mais simples dos experimentos. No entanto, Herão não fez isso. Ele simplesmente aceitou a autoridade de Aristóteles sobre a questão. Herão também escreveu sobre a lei da reflexão, observando corretamente que os ângulos de incidência e reflexão em um espelho são os mesmos. Mas isso já era conhecido desde a época de Aristóteles, então o conhecimento de Herão não é novo ou é, então, o produto de novas experiências. 9Seria justo concluir que Herão tirou sua teoria de livros antigos e nunca fez nada que aproximasse de um verdadeiro experimento em sua vida. Como um historiador eminente observa, “Herão não é muito original. Sua importância reside na maneira como ele resume o conhecimento existente sob a forma de um manual. ” 10 Isso é muito diferente da avaliação que Carrier faz de Herão.

 Uma ciência vacilante

Parece que houve pouco progresso científico nos trezentos anos entre Herão e o aluno de Aristóteles, Estratão. É certo que, no campo da astronomia matemática, vemos os modelos usados ​​para descrever os movimentos dos planetas ficando mais precisos até o trabalho de Ptolomeu de Alexandria (p. 150 AD 150). Mas a teoria física subjacente não melhorou muito. A impressão geral é que a ciência ficou estagnada após o século III aC. Há uma tentação em denegrir os antigos gregos por fazer um bom começo na ciência e depois estagnar. Mas esse pensamento não é justo. O fato é que eles não estavam tentando desenvolver a ciência moderna. Como poderiam, quando ninguém tinha ideia de que tais avanços eram mesmo possíveis? Em vez disso, o objetivo da ciência grega era explicar o mundo natural em termos que se correlacionavam com suas teorias éticas. Aristóteles pensou que a chave da felicidade era conhecer os fins para os quais devemos viver. Sua ciência trata de tentar encontrar o propósito para o qual a natureza é projetada. Platão (427-348 aC) queria elevar nossas visões acima dos assuntos mundanos para a perfeição mundial. Para ele, a natureza é um reflexo fraco dessa perfeição, e a matemática é um bom caminho para a mente contemplar uma realidade superior. As outras escolas filosóficas, como os epicuristas e os estóicos, também tinham suas próprias versões de ciência que tinham como objetivo fornecer uma base para suas teorias éticas. A natureza é um reflexo fraco dessa perfeição, e a matemática é um bom caminho para a mente contemplar a realidade superior.  11

Então, a chave para entender a ciência grega é perceber que ninguém estava buscando objetivamente entender o mundo natural puramente por sua própria causa. Sobre a Natureza do Universo , o poema epicurista de Lucrecio (dc 55 aC), que estabelece uma teoria atômica que influenciou o século XVII, é na verdade destinado a ensinar moral e não ciência. 12 O propósito de Lucrécio não era descrever com precisão como a natureza funcionava, mas mostrar que a filosofia epicurista era a melhor forma de navegar pelos obstáculos da vida.

 Ciência, cristianismo primitivo e o Islã

Muita tinta foi derramada sobre a relação entre o cristianismo e a ciência grega pagã. No entanto, como já vimos, havia tantas ciências pagãs quanto filosofias pagãs. E cada uma dessas filosofias desenvolveu uma visão de ciência que reforçou a maneira como eles viam o mundo. A atitude cristã em relação ao mundo natural era muito semelhante à de seus contemporâneos pagãos. Os pensadores cristãos estavam conscientes de que a ciência grega antiga não era o estudo objetivo da natureza, mas um complemento à ética e à religião pagã. Não nos surpreende que alguns deles tratavam-na com suspeita. Por exemplo, Tertuliano (AD 160-220) perguntou sobre o que Atenas (que representa a filosofia pagã) tinha a ver com Jerusalém (representando o cristianismo). 13Os cristãos não podiam simplesmente adotar as filosofias naturalistas pagãs, uma vez que todas elas tinham como objetivo fornecer lastro para sistemas éticos particulares. O que era necessário era uma filosofia natural especificamente cristã que entendia a natureza como a criação de Deus e o pano de fundo contra o qual o drama da salvação se desenrolava. Os cristãos não negligenciaram a ciência, mas eles a usaram para seus próprios propósitos. Onde a filosofia pagã era útil, os cristãos ficaram felizes em utiliza-la. Uma analogia popular, primeiramente proposta por Orígenes de Alexandria (DC 182-254), era que o aprendizado pagão era como o ouro dos egípcios que os israelitas levaram com eles para o deserto no êxodo. 14

Para Pais da Igreja como Orígenes e Santo Agostinho (354-430), a liberdade criativa de Deus sempre teve que ser respeitada. Isso significava que a razão sozinha não era suficiente para compreender a natureza. Essa atitude mais cética em relação à investigação racional teve alguns resultados interessantes. Por exemplo, o filósofo cristão João Filopono de Alexandria (490-570) realizou o simples experimento de deixar cair uma bola pesada e leve simultaneamente no século VI dC. Ele descobriu que ambas caíram quase na mesma velocidade. 15 Isso demonstrou que os aristotélicos estavam errados e mostrou que, para compreender verdadeiramente as leis da natureza, a investigação empírica era essencial. No entanto, devemos evitar aplaudir Filopono por antecipar alguns elementos da ciência moderna. Ele era um pensador cristão cujo objetivo era atacar filósofos pagãos, não um protocientista.

Em todo caso, no século VI, o mundo antigo estava em rápido colapso. O Império Romano do Oeste tinha sido invadido por povos bárbaros no decorrer do século V. A fragmentação do império em pequenos reinos causou um declínio econômico que foi exacerbado pelas políticas dos próprios bárbaros. A elite civil que patrocinava filósofos foi gradualmente substituída por uma aristocracia guerreira, que eventualmente deu origem aos sistemas de cavalheirismo e feudalismo. O Império Romano Oriental durou mais tempo. Infelizmente, uma guerra devastadora com a Pérsia no século VII mostrou que o império não estava em condições de resistir à ascensão do Islã. Os muçulmanos assumiram as fronteiras do império, incluindo o seu celeiro, o Egito e a sagrada cidade de Jerusalém. Embora o Império Bizantino, governado pela grande cidade de Constantinopla, permaneceu por mais sete séculos, esteve, no entanto, sob um estado de cerco quase que constante a partir de então.

 A luz científica da Igreja na alta Idade Média

O período entre os séculos quinto e décimo costuma ser chamado de “Era das Trevas”. Os historiadores agora rejeitam esse rótulo como sendo prejudicial, mas não há dúvida de que os anos após o colapso do Império Romano foram difíceis. A população encolheu e o superávit econômico disponível para a cultura foi reduzido a uma fração do que foi sob Roma. 16 Somente a igreja cristã permaneceu um paraíso para o conhecimento. Isso ajudou a preservar a alfabetização e o conhecimento dos clássicos até o início da Idade Média. O Dr. Carrier afirma em seu capítulo sobre a Era das Trevas no Cristianismo, que o declínio da ciência nesse período foi culpa dos cristãos. 17Já vimos como é um erro de categoria equiparar a antiga filosofia natural com a ciência moderna. Mas, mesmo admitindo que houvesse menos interesse em investigar o mundo natural neste período, as razões são inteiramente inferiores às invasões externas e à mudança para uma sociedade feudal. De fato, como mostra o exemplo de João Filopono, a ciência em Alexandria continuou a abrir novos caminhos nos três séculos após o cristianismo se tornar a religião do Império Romano. O fim veio apenas com a anexação da cidade por invasores muçulmanos em AD 641.

 O cristianismo e o aumento da ciência

Nós vimos como as escolas dos antigos filósofos gregos e cristãos primitivos desenvolveram suas próprias versões da ciência para explicar o mundo de maneira consistente com seus sistemas de crença. O erro metodológico de Carrier é medir antigas filosofias naturais contra as regras da ciência moderna. Mas ninguém no mundo clássico estava fazendo ciência objetivamente para estudar a natureza como uma entidade em si mesma. Todos estavam procurando compreender os antecedentes naturais de suas filosofias gerais. É certo que o erro de Carrier é compartilhado por alguns partidários como Rodney Stark e Thomas E. Woods, sobre o lugar do cristianismo no desenvolvimento do mundo moderno, 18Os cristãos sempre usaram a ciência como uma maneira de entender a parte do mundo natural em um quadro maior, que, no caso do cristianismo, inclui a Trindade e a salvação. Os teólogos medievais estudaram a criação de Deus sem qualquer suspeição ou desejo de produzir o relato abrangente do universo material fornecido pela ciência moderna. No entanto, sua atividade conduziu exclusivamente aos incríveis sucessos da física, química e biologia, para não mencionar a medicina, nos últimos séculos. Para os cristãos crentes, não é surpreendente que a filosofia natural teologicamente condicionada seja melhor para levar ao verdadeiro conhecimento sobre a natureza do que sistemas de pensamento rivais. No entanto, o historiador deve pesquisar com cuidado para entender os fatores que influenciaram o cristianismo ao estudo do universo material.

A Bíblia tem relativamente pouco a dizer sobre o mundo natural, mas pelo menos o livro de Gênesis deixa claro de onde o universo veio. Não é eterno, mas criado por Deus no início dos tempos. No quarto século, Santo Agostinho esclareceu a doutrina de que o mundo foi criado ex nihilo, do nada. 19 Deus não usou material preexistente cujas propriedades Ele teve que trabalhar. Assim, como o Gênesis afirma, a criação era “boa”, como Deus desejava que fosse.

A partir do século XII, os teólogos cristãos começaram a explorar o que isso significava na prática. Uma consequência foi que a natureza era separada de Deus e seguiu as leis que ele havia ordenado para isso. Guilherme de Conches, um filósofo escolástico francês (1085-c. 1154), um dos mais importantes pensadores do século XII, explicou: “Não retiro nada de Deus. Todas as coisas que estão no mundo foram feitas por Deus, exceto o mal. Mas Ele fez outras coisas através da operação da natureza, que é o instrumento da operação divina “. 20Várias filosofias gregas aceitaram a racionalidade das leis da natureza, mas para os cristãos, as leis da natureza eram leis de Deus e não as leis da lógica. Deus era livre para fazer o que desejava, por isso era impossível elaborar as leis da natureza ao usar a razão sozinha. Com certeza, nem todos aceitaram isso. Um grupo de filósofos no século XIII, chamado “Averroísta”, discípulos de um filósofo muçulmano da Espanha chamado Averróes (1126-1198), considerou que tudo, incluindo Deus, estava sujeito às regras logicamente necessárias. 21Isso significava que a filosofia racional era suficiente para compreender toda a existência, até a mente divina. Os cristãos ortodoxos rejeitaram essa doutrina e insistiram em que Deus não estava sujeito a nenhum limite, exceto talvez a lei da não-contradição. O princípio da liberdade de Deus e do poder absoluto foi objeto de um decreto emitido pelo bispo de Paris em 1277. Ele afirmou que, porque Deus poderia fazer o que quisesse, poderia fazer coisas que os filósofos disseram serem impossíveis, como criar um vácuo ou mais do que um universo. 22 Isso abriu um mundo de possibilidades que os filósofos naturais cristãos se aproveitaram rapidamente.

No século XIV, eles começaram a considerar muitas ideias anteriormente impensáveis, como por exemplo, a rotação da terra. O estudioso parisiense Jean Buridan, filósofo e religioso francês (1295-1361), mostrou que o conceito de movimento relativo significa que não podemos dizer se a terra está se movendo. Seus argumentos foram usados ​​por Nicolau Copérnico (1473-1543) para sustentar sua teoria de que a Terra está orbitando o sol. 23 Buridan também construiu a partir dos conceitos sugeridos pela primeira vez por João Filopono no século VI, para argumentar que a falta de fricção no espaço significa que os planetas devem continuar a se mover para sempre depois que Deus os estabeleceu. Isso antecipou a conservação do impulso. 24 Essas teorias constituíram a base do trabalho de Galileu e atingiram a perfeição com Princípios matemáticos da filosofia natural de Sir Isaac Newton (1643-1727) em 1687. O próprio Newton era explícito sobre as raízes religiosas de seu trabalho, assim como Johannes Kepler (1571-1630), Rene Descartes (1596-1650) e Robert Boyle (1627-1691), entre muitos outros. 25 Ao longo dos séculos seguintes, seu novo tipo de ciência tornou-se a física moderna, a química e a biologia, algo que nunca poderia ter acontecido no mundo grego ou islâmico antigo.

É claro, precisamos lembrar que os cristãos medievais não tentaram deliberadamente progredir em direção à ciência como a conhecemos hoje. Eles estavam simplesmente estudando a criação de Deus para que pudessem se tornar melhores teólogos e cristãos. Nesse sentido, seus motivos para fazer ciência não eram diferentes daqueles de épocas anteriores. Era apenas o fato de os antecedentes metafísicos do cristianismo se mostrarem exclusivamente favoráveis ​​à compreensão do trabalho da natureza. Em resumo, historiadores ateus como Richard Carrier estão errados ao dizer que os cristãos negligenciaram a ciência e que os pagãos estavam próximos de uma revolução científica. Pelo contrário, o cristianismo era uma causa necessária, se não suficiente, do florescimento da ciência moderna.

 

James Hannam , PhD (história da ciência, Universidade de Cambridge), é o autor de A ciência de Gênesis: Como a Idade Média cristã lançou a Revolução Científica (Regnery, 2011).

Este artigo apareceu pela primeira vez no Christian Research Journal , volume 38, número 04. O título original deste artigo: How Christianity Led to the Rise of Modern Science pode ser acessado aqui https://www.equip.org/article/christianity-led-rise-modern-science/

NOTAS

  1. Richard Carrier, “O cristianismo não foi responsável pela ciência moderna”, em The Christian Delusion: Why Faith Fails , ed. John W. Loftus (Amherst, NY: Prometheus, 2010), 396-419; Richard Carrier, “A Era das Trevas”, no cristianismo não é ótimo: como a fé falha , ed. John W. Loftus (Amherst, NY: Livros Prometheus, 2014), 209-21.
  2. Deus e Natureza: Ensaios Históricos sobre o Encontro entre Cristianismo e Ciência , ed. David C. Lindberg e Ronald L. Numbers (Berkeley: University of California Press, 1986), 6.
  3. Muitos dos mitos que cercam a tese do conflito são de bunked em Ronald L. Numbers, Galileo vai à prisão e outros mitos sobre ciência e religião (Cambridge, MA: Harvard University Press, 2009).
  4. Carrier, “o cristianismo não foi responsável pela ciência moderna”, 413.
  5. Ibid., 401.
  6. Morris R. Cohen e IE Drabkin, A Source Book in Greek Science (Cambridge MA: Harvard University Press, 1958), 248n.
  7. Carrier, “o cristianismo não foi responsável pela ciência moderna”, 402.
  8. Cohen e Drabkin, Um livro de fontes na Ciência grega , 208.
  9. Ibid., 262n.
  10. Menso Folkerts, “Hero”, em Hubert Cancik et al., Eds., New Pauly de Brill: Encyclopaedia of the Ancient World , vol. 6 (Leiden, Países Baixos: Brill, 2002), 244-47.
  11. Geoffrey Lloyd, ciência grega após Aristóteles (Nova Iorque: WW Norton and Company, 1975), 21.
  12. Lucrecio, Sobre a Natureza do Universo , trans. Ronald Melville (Oxford: Clarendon Press, 1997), xxiv.
  13. David Lindberg, “Ciência e Igreja primitiva”, em Deus e na Natureza , ed. Lindberg e Numbers, 25.
  14. Origen (Londres: Routledge, 1998), 211 (Carta a Gregory 2).
  15. Cohen e Drabkin, Um livro de fontes na Ciência grega , 208.
  16. Bryan Ward-Perkins, The Fall of Rome: E o fim das civilizações (Oxford: Oxford University Press, 2006), 139.
  17. Carrier, “The Dark Ages”, 209.
  18. Veja, por exemplo, Rodney Stark, Para a Glória de Deus (Princeton, NJ: Princeton University Press, 2003) e Thomas Woods, Jr., Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental (Washington, DC: Regnery, 2005).
  19. Santo Agostinho, Confissões , trans. RS Pine-Coffin (Harmondsworth, Reino Unido: Penguin, 2002), 285 (XII: 8).
  20. David C. Lindberg, The Beginnings of Western Science (Chicago: University of Chicago Press, 1992), 201.
  21. James Hannam, The Genesis of Science: Como a Idade Média cristã lançou a Revolução Científica (Washington, DC: Regnery, 2011), 88.
  22. Ibid., 95.
  23. Ibid., 278.
  24. Ibid., 179.
  25. John Hedley Brooke, Ciência e religião: algumas perspectivas históricas (Cambridge: Cambridge University Press, 1991), 18-19.

Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement