Esqueceu a senha?

Como os SUDs estão defendendo suas crenças – parte 2

por Artigo compilado - ter nov 21, 10:44 am

COMO OS MÓRMONS ESTÃO DEFENDENDO SUAS CRENÇAS

(continuação)

O Livro de Mórmon é a Palavra de Deus ao mundo? Era uma antiga coleção de Escrituras restauradas através do ministério de Joseph Smith? Ou é uma ficção do século 19 que serve para afastar as pessoas do Deus da Bíblia?

Neste artigo, não pretendo trazer um estudo exaustivo desta questão. Em vez disso, meu objetivo mais modesto é ilustrar e criticar maneiras pelas quais os mórmons defendem o Livro de Mórmon como um texto antigo e autêntico; como sendo a Palavra de Deus. Vou tentar mostrar que mesmo os argumentos mais sofisticados e aparentemente convincentes oferecidos para o Livro de Mórmon pelos mórmons hoje são incapazes de superar algumas objeções muito fáceis de entender.

AS FONTES DO LIVRO DE MÓRMON

Os mórmons frequentemente argumentam que Joseph Smith não poderia ter escrito o Livro de Mórmon. Em resposta, alguns apologistas cristãos argumentaram que Joseph Smith plagiou a maior parte do Livro de Mórmon de um romance de Salomão Spalding, juntamente com passagens da Bíblia. [1] Enquanto na opinião deste escritor há sérios problemas com esta teoria como uma explicação completa da origem do livro, é plausível que Joseph Smith tenha obtido ideias ou mesmo material direta ou indiretamente de um ou outro manuscrito de Spalding. [2]

A explicação mais provável, no entanto, é que Joseph Smith produziu o Livro de Mórmon combinando ideias de várias fontes com sua própria imaginação e algum plágio da Bíblia e outros livros. Esta é uma teoria mais complicada, mas é capaz de explicar a totalidade do Livro de Mórmon de uma forma que as teorias mais simples não podem.

O livro Visão dos Hebreus

A fonte mais importante usada por Joseph Smith, além da Bíblia, parece ter sido a Visão dos Hebreus de Ethan Smith. [3] Escrito por um ministro de Vermont em 1823 (com uma segunda edição em 1825), este livro argumentava que os índios americanos eram descendentes das “tribos perdidas de Israel”. O autor exortava os cristãos a evangelizar os índios no cumprimento das profecias bíblicas, particularmente as profecias encontradas no livro de Isaías. Numerosos paralelos entre a Visão dos Hebreus e o Livro de Mórmon foram identificados por vários escritores, incluindo o estudioso Mórmon B.H Roberts. [4]

Os mórmons normalmente negam que Joseph Smith usou o livro de Ethan Smith argumentando que existem apenas algumas semelhanças e muitas diferenças entre os dois livros, refutando assim a dependência literária. [5] Mas esse raciocínio é falaz, uma vez que tudo o que está sendo reivindicado é que a Visão dos Hebreus é uma fonte importante do Livro de Mórmon, não que seja a única fonte. Também deve notar-se que o número de paralelos geralmente foi subestimado. David Persuitte lista 61 paralelos entre os dois livros, muitos dos quais dificilmente podem ser explicados em qualquer outra base que a dependência literária. [6]

Em um artigo interessante, dois mórmons argumentaram que Joseph Smith não plagiou os capítulos de Isaías do Livro de Mórmon da Visão dos Hebreus. Eles alegaram que, se os dois livros fossem produzidos de forma independente, um ainda esperaria (com base em uma análise estatística que não precisa ser discutida aqui) que cerca de 8 dos 66 capítulos de Isaias apareceriam em ambos os livros. Uma vez que na verdade, 9 dos 66 capítulos aparecem em ambos os livros, eles concluíram que o número de capítulos comuns a ambos não é estatisticamente significante e, portanto, que Joseph Smith não os plagiou da Visão dos Hebreus . [7]

Este argumento, no entanto, pressupõe que ambos os livros citaram extensivamente Isaias. Somente com base nessa suposição, eles podem afirmar que “as chances são aproximadamente de um em um milhão contra não haver capítulos comuns no Livro de Mórmon e na Visão dos Hebreus “. [8] Há, é claro, milhões de livros que não copiaram Isaías! Este ponto simples invalida completamente o argumento. Além disso, mesmo que se possa demonstrar que Joseph Smith não plagiou o uso de Isaías por Ethan Smith, ele ainda plagiou o próprio Isaias!

A Bíblia

Que Joseph Smith copiou capítulos inteiros de Isaías e outros livros da Bíblia na versão King James no Livro de Mórmon geralmente não é mais negado pelos apologistas mórmons. No entanto, eles explicam essa cópia dizendo que traduzir o Livro de Mórmon das placas era um trabalho espiritual e mental seletivo que, quando Joseph Smith chegou a passagens praticamente idênticas à Bíblia, ele simplesmente usou a versão King James como “uma tradução razoavelmente boa já existente.”[9]

Esta explicação é difícil de aceitar pelo fato de que os capítulos bíblicos copiados no Livro de Mórmon contêm inúmeras variações que só se encontram nesta versão. Se Joseph Smith usou a versão King James para simplificar sua tarefa de tradução, por que as variações mudaram? Alguns mórmons alegaram que essas mudanças podem ser mostradas nos casos dos capítulos de Isaías para refletir um texto original mais preciso. [10] Embora essa afirmação seja altamente discutível, também é inconsistente com a explicação de que Joseph Smith simplesmente usou a versão King James para tornar sua tradução mais fácil.

Pior ainda, um erudito Mórmon se propôs a provar que a seção do Livro de Mórmon que é paralelo ao Sermão da Montanha (3 Nefi 12-14, ver Mateus 5-7) reflete um texto exato e acabou provando, em vez disso, que o Livro de Mórmon seguiu a versão King James em vários erros menores de tradução. [11]

Um problema mais fundamental relacionado ao Sermão da Montanha é o seguinte: por que Jesus entregaria praticamente o mesmo sermão aos nefitas que Ele dera aos judeus? De acordo com o Livro de Mórmon, os judeus na Palestina e os nefitas na América foram separados por seis séculos e por milhares de quilômetros. No entanto, neste sermão, o ensino de Jesus pressupõe o contexto da nação judaica na Palestina do primeiro século. Especificamente, ele estava criticando os fariseus, um grupo religioso originário da Palestina, quatro séculos depois que os nefitas supostamente deixaram a Palestina! Por exemplo, na declaração (que Jesus corrigiu), “amará o seu próximo e odiará o seu inimigo” (3 Néfi 12:43), a frase “e odeia seu inimigo” foi uma adição interpretativa farisaica ao mandamento do Antigo Testamento para amar o seu próximo. Tais exemplos poderiam ser multiplicados.

A melhor explicação da presença de capítulos inteiros da versão King James no Livro de Mórmon, então, continua sendo o plágio.

O caso Anthon

A única evidência física direta para o Livro de Mórmon como um documento antigo que se sabe que existe é a “transcrição de Anthon”, um pedaço de papel (redescoberto recentemente) em que Joseph Smith escreveu alguns dos personagens supostamente encontrados nas placas de ouro. De acordo com o relato de Joseph Smith na escritura Mórmon “Pérola de Grande Valor”,  ele deu a Martin Harris (uma das testemunhas do Livro de Mórmon) este artigo com alguns dos personagens traduzidos. Harris levou essa transcrição para um professor de Columbia chamado Charles Anthon, “O professor Anthon declarou que a tradução estava correta, muito mais que qualquer tradução do egípcio que já vira. Mostrei-lhe então os que ainda não haviam sido traduzidos e ele disse-me serem egípcios, caldeus, assírios e arábicos; e acrescentou que eram caracteres autênticos. Deu-me uma declaração, atestando ao povo de Palmyra que eram autênticos e que a tradução, como fora feita, também estava correta. “(Joseph Smith – Historia 1:64). Quando Harris afirmou que os personagens foram copiados das placas de ouro reveladas por um anjo e que ele não poderia trazê-los para Anthon porque eles estavam” seladas ” Anthon respondeu: “Não posso ler um livro selado” (1:65).

Dos muitos problemas associados a esta história, chama a atenção uma curiosa contradição. Anthon disse ter elogiado a tradução como a melhor que ele já havia visto. No entanto, ninguém conseguiu traduzir nenhum dos caracteres da transcrição de Anthon (que ainda existe). [12]

GEOGRAFIA

Uma das formas mais interessantes em que os mórmons estão tentando defender o Livro de Mórmon é afirmando que sua geografia se encaixa com grande precisão na geografia de uma parte da América Central. No entanto, os estudiosos mórmons não estão totalmente de acordo sobre qual parte da América Central se encaixa! Pelo menos três ou quatro áreas diferentes da América Central são reivindicadas como as terras do Livro de Mórmon – a área da Costa Rica, a península de Yucatán e a área de Tehuantepec, incluindo a Guatemala e o sul do México. [14] A teoria de Tehuantepec é atualmente favorecida por uma maioria de estudiosos mórmons, mas mesmo esses estudiosos discordam entre si de como o Livro de Mórmon se encaixa na área de Tehuantepec.

Entre os eruditos mórmon que sustentam que a teoria Tehuantepec está correta, o antigo cenário americano antigo de John L. Sorenson para o Livro de Mórmon [15] é amplamente considerado como a referência padrão. Mas há sérios problemas com a construção de Sorenson.  O Livro de Mórmon refere-se a uma “pequena faixa de terra” entre a “terra do norte” e a “terra do sul” (Alma 22:32). Até recentemente isso sempre foi interpretado como se referindo a um istmo, e na teoria de Sorenson este é o Istmo de Tehuantepec. [16] Uma dificuldade com essa versão (há várias) é que o Istmo de Tehuantepec não é particularmente estreito em comparação com as terras ao lado.

Um livro recente de Richard Hauck aponta para outro local, a saber, que o “pescoço estreito” é uma faixa costeira ao longo do Pacífico que liga o México e a Guatemala. [17] Essa versão conflita com o próprio Livro de Mórmon, que afirma em Alma 22:32 que “a terra de Néfi e a terra de Zarahemla estavam quase cercadas por água, havendo um pequeno estreito de terra entre a terra do norte e a terra do sul. ” Aqui, a afirmação de que as terras de Néfi e Zarahemla (que estavam ambas na terra do sul) estavam ” quase cercadas pela água” é explicada pela afirmação de que um “pequeno estreito de terra” as conectou às terras do norte [18].

Uma característica ainda mais problemática da “geografia” do Livro de Mórmon é a sua referência clara a quatro mares – norte, sul, leste e oeste (Helamã 3: 8). Na visão de Sorenson, o mar do leste é o Golfo do México e o mar ocidental é o Golfo de Tehuantepec do lado do Pacífico. [19] Mas essa versão coloca os mares leste e oeste a norte e a sul uns dos outros! Hauck, portanto, faz desses dois golfos os mares norte e sul. [20] Mas ambos os pontos de vista devem se esforçar para chegar a quatro mares. Hauck argumenta que o mar do leste é o Caribe, o que não é impossível, mas deve identificar o mar ocidental como parte do Golfo de Tehuantepec, isto é, como parte do mar do sul. [21] Assim, de fato, Hauck só pode apresentar três mares, e não quatro.

É importante observar os pressupostos feitos por esses autores. Tanto Sorenson como Hauck deixam claro que eles estão assumindo que o Livro de Mórmon é internamente consistente e historicamente autêntico. [22] Ambos os escritores também tentam argumentar que a arqueologia do Livro de Mórmon está  basicamente no mesmo patamar que a arqueologia bíblica e Hauck argumenta que os estudiosos bíblicos não consideram a arqueologia como “prova” da autenticidade da Bíblia, mas apenas uma confirmação da sua historicidade. [23]

Neste último ponto, é necessário observar que o básico da historicidade da Bíblia como um documento antigo que fala de lugares reais e pessoas reais nunca precisou ser provado pela arqueologia porque nunca houve dúvidas (mesmo que tenha sido contestado em certos detalhes) a respeito desses lugares. Sempre soubemos onde estão localizados Jerusalém, o Mar Morto, o Mar da Galiléia, o rio Jordão, o Egito, Roma, Atenas, Creta e muitos outros lugares bíblicos. Temos registros extra bíblicos e livros que sobreviveram aos séculos que fazem referência a Nabucodonosor, a César Augusto, Tibério, João Batista e Jesus Cristo. A utilidade apologética da arqueologia para o cristão se restringe a preencher detalhes circunstanciais e não provar a autenticação da Bíblia como uma antiga coleção de livros históricos.

A situação é bem diferente do Livro de Mórmon. Ninguém jamais ouviu falar de Zarahemla, Nephi, Manti, Cumorah ou Mormon até 1830, e ainda nenhum dos nomes dos lugares que o Livro de Mórmon mencionam, pode ser identificado positivamente. Nenhuma das pessoas descritas no Livro de Mórmon é conhecida por outras fontes como pessoas reais, exceto certas personagens da Bíblia (Isaías, Malaquias, Cristo). Em todos os sentidos, a evidência para a autenticidade básica da Bíblia é direta, tangível e incontestável mesmo por estudiosos não-cristãos. Em contrapartida, a suposta “evidência” para o Livro de Mórmon é toda indireta, hipotética e convincente apenas para os Mórmons.

FÉ OU CREDULIDADE?

Se o Livro de Mórmon fosse a Palavra de Deus, é claro que a fé seria necessária para que uma pessoa reconhecesse isso como tal. Mas a fé precisa ser distinguida da credulidade. A fé é crer em Deus e na Sua Palavra com base em Sua revelação evidente na história. A credulidade é acreditar em algo apenas na base da alegação simples e gratuita.

Em certo sentido, o crente mórmon ultrapassa até mesmo os limites da  credulidade indo até o ponto de acreditar no Livro de Mórmon simplesmente porque ele ou ela deseja ardentemente que o livro seja verdadeiro. Isso pode parecer uma acusação caluniosa, não fosse pelo fato de os próprios Mórmons ter dito isso. Assim é bastante comum que os mórmons encorajem os potenciais conversos a  (como diz um certo escritor Mórmon) “desejar saber que o livro de Mórmon é verdadeiro” e “espero que o Livro de Mórmon seja verdadeiro.”[24] É um exemplo de resultado previsível: a pessoa primeiro deseja ardentemente e espera que o livro seja verdadeiro e então ora e pergunta a Deus se é de fato verdadeiro.

A verdade é que o teste definitivo de verdade do Livro de Mórmon e do mormonismo como um todo deve, no final, ser a sua fidelidade aos ensinamentos da Bíblia. Os mórmons não podem subtitular consistentemente o Livro de Mórmon como “Outro Testamento de Jesus Cristo” ao lado da Bíblia e depois denigrar o “testemunho” da Bíblia que ela dá com respeito a pessoa de Jesus Cristo e do resto das doutrinas cristãs.

Este artigo é uma tradução livre do original How Mormons Are Defending Their Faith que pode ser acessado aqui https://www.iclnet.org/pub/resources/text/cri/cri-jrnl/web/crj0046a.html .

NOTAS

1 This case has been argued most vigorously by Wayne Cowdrey, Howard A. Davis, and Donald R. Scales, Who Really Wrote the Book of Mormon? (Santa Ana, CA: Vision House Publishers, 1977); cf. Walter Martin, The Maze of Mormonism, 2d ed. (Santa Ana, CA: Vision House Publishers, 1978), 59-68.
2 Harry L. Ropp, The Mormon Papers: Are the Mormon Scriptures Reliable? (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 1977), 33-34, 107; Ernest H. Taves, Trouble Enough: Joseph Smith and the Book of Mormon (Buffalo, NY: Prometheus Books, 1984), 52-57 (note that Taves writes as a humanist skeptic); for a somewhat different treatment, cf. David Persuitte, Joseph Smith and the Origins of The Book of Mormon (Jefferson, NC: McFarland & Co., 1985), 247-55.
3 A reprint of the 1825 edition is available from Utah Lighthouse Ministry, P.O. Box 1884, Salt Lake City, UT 84110.
4 B. H. Roberts, “A Parallel,” in Studies of the Book of Mormon, ed. Brigham D. Madsen (Urbana: University of Illinois Press, 1985), 321-44; cf. in the same volume, “A Book of Mormon Study,” 149-319.
5 John W. Welch, Finding Answers to B. H. Roberts’ Questions, and an Unparallel, F.A.R.M.S. Preliminary Report, No. WEL-85d (Provo, UT: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies [F.A.R.M.S.], 1985), 32-60. F.A.R.M.S. is a Mormon apologetic organization that draws upon BYU scholars and others to defend Mormonism and especially the Book of Mormon.
6 See the index under “Parallels, Book of Mormon and View of the Hebrews” in Persuitte, 292.
7 Spencer Palmer and William Knecht, View of the Hebrews: Substitute for Inspiration?, F.A.R.M.S. Reprint, No. P&K-64 (F.A.R.M.S., n.d.), reprinted from BYU Studies 5 (1964):105-13.
8 Ibid., 108.
9 B. H. Roberts, Bible Quotations in the Book of Mormon, F.A.R.M.S. Reprint, No. ROB-04 (F.A.R.M.S., n.d.), 192; reprinted from Improvement Era (1904):179-96.
10 John A. Tvedtnes, The Isaiah Variants in the Book of Mormon, F.A.R.M.S. Reprint and Preliminary Report, No. TVE-81 (F.A.R.M.S., n.d. [1984]).
11 Stan Larson, “The Sermon on the Mount: What Its Textual Transformation Discloses Concerning the Historicity of the Book of Mormon,” Trinity Journal n.s. 7 (Spring 1986):23-45.
12 Martin Harris’ Visit with Charles Anthon: Collected Documents, Preliminary Report by the F.A.R.M.S. staff, No. STF-85a (F.A.R.M.S., 1985), 12-13.
13 Ibid., 1-11, 67-69.
14 Paul R. Cheesman, These Early Americans: External Evidences of the Book of Mormon (Salt Lake City: Deseret Book Co., 1974), 160-71.
15 John L. Sorenson, An Ancient American Setting for the Book of Mormon (Salt Lake City: Deseret Book Co., and F.A.R.M.S., 1985).
16 Ibid., 29-37.
17 F. Richard Hauck, Deciphering the Geography of the Book of Mormon: Settlements and Routes in Ancient America (Salt Lake City: Deseret Book Co., 1988), 34-40.
18 Ibid., 37-38.
19 Sorenson, 37.
20 Hauck, inside front cover.
21 Ibid.
22 Sorenson, xv-xviii; Hauck, 22.
23 Sorenson, xvi; Hauck, 18-19.
24 Daniel H. Ludlow, “The Challenge of the Book of Mormon,” in The Book of Mormon: The Keystone Scripture, Papers from the First Annual Book of Mormon Symposium, ed. Paul R. Cheesman (Provo, UT: Religious Studies Center, Brigham Young University, 1988), 14.

Robert M. Bowman, Jr


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement