Esqueceu a senha?

Covid-19: China comemora a desgraça do Mundo

por Artigo compilado - qui abr 16, 2:51 pm

O nacionalismo explode na China quando o surto recua

Como a pandemia de coronavírus destrói muitos países, o sucesso da China em conter sua própria epidemia está dando origem a uma mistura cada vez mais estridente de patriotismo, nacionalismo e xenofobia , num cenário que muitos dizem não ter sido visto em décadas.

Um restaurante no norte da China colocou uma faixa comemorando a propagação do vírus nos Estados Unidos. Um cartum amplamente divulgado mostrava estrangeiros sendo classificados em lixeiras. Em Pequim e Xangai, estrangeiros foram barrados em algumas lojas e academias.

Talvez em nenhum lugar a xenofobia tenha se manifestado mais fortemente do que na cidade de Guangzhou, no sul, um centro industrial com uma grande população africana. Depois que cinco nigerianos deram positivo para o vírus, residentes africanos  relataram ter sido despejados de suas casas e hotéis.

Eles também foram condenados a passar por quarentenas de 14 dias às suas próprias custas, mesmo que não tenham histórico de viagens recente ou já tenham tido um resultado negativo. Imagens compartilhadas nas redes sociais mostraram pessoas negras forçadas a dormir na calçada e uma placa proibindo negros de uma lanchonete.

Algumas das mais feias manifestações do nacionalismo foram alimentadas pela propaganda do governo, que apontou a resposta da China ao vírus como evidência da superioridade do governo do Partido Comunista.

Separadamente, na quarta-feira, a China iniciou um estudo nacional de portadores de coronavírus assintomáticos, pois os números mostraram que muitas pessoas que deram positivo para o vírus não apresentaram sintomas.

A CCTV, a emissora estatal, também informou que um estudo de portadores assintomáticos estava em andamento em 10 cidades, incluindo Wuhan, onde o vírus surgiu pela primeira vez.  “O objetivo dos exames de sangue é determinar se há anticorpos para o vírus dentro do corpo”, disse Ding Gangqiang, funcionário do Centro de Controle de Doenças da China, na televisão estatal.

Extraído do THE NEW YORK TIMES em 16/04/2020


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário