Esqueceu a senha?

Cristo Versus Confusão Religiosa

por Artigo compilado - ter set 11, 10:00 pm

  • Comentários desativados em Cristo Versus Confusão Religiosa
  • 1986 views
  • Print

Um estudo de Colossenses 2 

Há uma infindável variedade de filosofias e ensinamentos religiosos, muitos dos quais parecem bem convincentes; contudo são freqüentemente contraditórios. Como podemos determinar quais são os certos e quais os errados? Como podemos encontrar a verdade e evitar sermos enganados?

A Bíblia contém muitas advertências sobre o falso ensinamento e a possibilidade de engano. Mas as Escrituras também oferecem esperança. Em Colossenses 2:4, Paulo escreveu: “Assim digo para que ninguém vos engane com raciocínios falazes”. Paulo estava dando instruções sobre como evitar ser desencaminhado por falsos ensinamentos. O que Paulo ensina em Colossenses, que nos ajudará a entender a verdade e evitar o labirinto desnorteador das religiões conflitantes?

A Grandeza de Cristo

O principal tema do livro de Colossenses é a importância de Jesus Cristo. No capítulo 1, Paulo escreveu sobre ele: “Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as cousas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as cousas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da Igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as cousas ter a primazia” (Colossenses 1:15-18). Cristo é tudo. Ele é nosso Senhor. A meta central e esperança do evangelho é que Cristo viva em nós (1:27).

No capítulo 2, Paulo mostra que a grandeza de Cristo é exclusiva. Todos os tesouros de sabedoria e de conhecimento estão em Cristo (2:3). Não há nenhuma verdade ou entendimento fora dele. A plenitude da divindade está em Cristo (2:9). Não há nenhuma parte da natureza e do ser de Deus que não esteja expressada em Jesus. Achamos nossa perfeição em Cristo (2:10). Nele está a circuncisão espiritual, o perdão e a nova vida (2:11-13). Quando morreu, Jesus tirou o poder das forças satânicas, ganhando sobre eles uma decisiva vitória (2:15). Jesus é a realidade à qual todas a leis, festas e símbolos do Velho Testamento apontavam (2:16-17). Todo o crescimento do corpo depende de Cristo, que é a cabeça (2:19). Qualquer busca da verdade, do entendimento, ou do crescimento espiritual fora de Cristo com certeza vai falhar.

O capítulo 3 continua a ressaltar a centralidade de Cristo: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as cousas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas cousas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória” (Colossenses 3:1-4). Tendo sido ressuscitados com Cristo, ele tem que se tornar nossa verdadeira vida. Cada relação na família e dentro da sociedade depende do Senhor Jesus (3:18-4:1). De fato: “Cristo é tudo em todos” (3:11).

Cristo possui toda a autoridade. Para entender a verdade e evitar a confusão, temos que ter uma forte convicção da supremacia de Cristo (2:2). Tudo o que ele diz é absolutamente certo; tudo o mais é absolutamente inútil. Cristo é a vereda, a árvore, o edifício, a escola. Temos que caminhar nele, enraizarmo-nos nele, sermos edificados sobre ele e sermos ensinados por ele (2:6-7). Uma palavra do Senhor tem mais valor do que uma tonelada de idéias e opiniões dos homens.

Aplicações

Paulo especificamente aplicava estes princípios. Ele até parece estar discutindo religião no Brasil dos anos 90.


Filosofias humanas: 

“Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” (Colossenses 2:8). Muito ensinamento religioso de hoje em dia tem sua origem na sabedoria, tradições e superstições dos homens, não em Cristo. A fascinação sedutora do entendimento e da pesquisa humana é um dos principais apelos de religiões tais como a maçonaria, a rosacruz e o espiritismo. Até mesmo as ênfases dentro das religiões “cristãs” sobre poderes especiais associados com vários objetos santos, peregrinações a santuários e preces poderosas recitadas são apelos às tradições e filosofias dos homens. Se não é o que Cristo revelou, então é sem valor. A proteção contra o engano é perceber que em Cristo está todo o conhecimento.

Religião que ressalta o poder do diabo: “E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Colossenses 2:15). Algumas igrejas esquecem a arrasadora vitória que Jesus teve sobre Satanás e suas forças, e terminam ressaltando o poder do diabo mais do que a grandeza de Cristo. Elas concebem fórmulas e meios humanos para tentar escapar da influência do diabo. Estes métodos parecem ajudar somente por curto tempo; o diabo continua retornando. Mas Cristo venceu Satanás. Que absurdo é para aqueles que receberam o benefício da vitória de Cristo, voltarem ao domínio daquelas forças que ele derrotou.


Leis do Velho Testamento: 

“Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das cousas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo” (Colossenses 2:16-17). Deus planejou as leis e as comemorações do Velho Testamento para serem sombras de Cristo. Agora temos a Cristo, que é a plenitude da divindade. Ele é a realidade. Retornar às sombras é tolice.


Visões, anjos e revelações: 

“Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal” (Colossenses 2:18). Quando entendemos que em Cristo está a perfeição, veremos claramente que nenhuma visão, nenhuma comunicação de um anjo ou de um espírito, e nenhuma revelação de um profeta moderno tem qualquer valor (veja Gálatas 1:6-9). As religiões freqüentemente oferecem algo mais: É ótimo ter Jesus e sua palavra, mas o que realmente precisamos é de uma profetisa como Ellen G. White, um livro como o livro de Mormon, uma revista como Sentinela ou as mensagens do mais recente auto-nomeado profeta. Estes são “os raciocínios falazes”; cuidado!

Conclusão: Cristo é Tudo, em Todos

A confusão religiosa é causada por uma confiança nas filosofias e doutrinas humanas. O caminho para a verdade é Jesus e sua palavra. “Cristo é tudo em todos”. Tudo o mais é imitação barata.


– por Gary Fisher 

  • Comentários desativados em Cristo Versus Confusão Religiosa
  • 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (2 votos)
    Loading...
  • 1986 views
  • Print

Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement