Esqueceu a senha?

Dízimo: Um ato de amor

por Artigo compilado - ter jul 17, 12:49 pm

Nenhuma doutrina bíblica tem sido mais combatida nas redes sociais, em nossos dias, do que a doutrina da mordomia cristã, especialmente os dízimos e as ofertas. Aqueles que defendem a contemporaneidade do dízimo são taxados de hereges, mal informados ou enganadores do povo.

Um exame mais cuidadoso das Escrituras, entretanto, deixa claro que o ensino bíblico sobre o dízimo não mudou. O mesmo preceito ensinado no Antigo Testamento está estabelecido no Novo Testamento e deve continuar sendo praticado pelo povo de Deus até a volta de Jesus.

Os desvios de uns não devem nos levar para outro extremo. Não é porque alguns falsos mestres distorcem a doutrina do dízimo, e exploram o povo em nome de Deus, que devemos negar a legitimidade e a contemporaneidade dessa doutrina. Vejamos alguns dos principais argumentos usados contra a prática do dízimo:

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O DÍZIMO FAZ PARTE DA LEI CERIMONIAL, QUE FOI ABOLIDA NA CRUZ

De todas as críticas feitas à doutrina do dízimo, talvez a mais frequente seja essa. Respondemos que a prática do dízimo está presente em toda a Bíblia. No Antigo Testamento, está presente nos Livros da lei (Nm. 18.21-32), nos Livros Históricos (Ne. 13.10-14), nos Livros Poéticos (Pv. 3.9-10) e nos Livros Proféticos (Ml. 3.8-12). No Novo Testamento, está presente tanto nos Evangelhos (Mt. 23.23) como nas Epístolas (Hb. 7.1-19; lCo. 9.13-14).

A prática do dízimo também é anterior à lei cerimonial (Gn. 14.20; 28.18-22). Abraão, quatrocentos anos antes da lei ser instituída, entregou o dízimo a Melquisedeque, um tipo de Cristo (Gn. 14.20; Hb. 7.1-10). O dízimo foi incluído na lei, pois foi a maneira de Deus prover o sustento da tribo de Levi, aqueles que trabalhavam no ministério (Lv. 27.30-33; Nm. 18.21-32; Dt. 14.22-29; 18.1-8). Os mesmos princípios de sustento dos sacerdotes e levitas no Antigo Testamento são usados para o sustento dos obreiros de Deus no Novo Testamento:

“Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito recolhermos de vós bens materiais? […]. Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tiram o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” (ICo. 9.11-14). Logo, os que estão no ministério hoje, na vigência da nova aliança, devem viver do ministério.

Embora a ordem levítica tenha cessado com o advento da nova aliança (Hb. 7.18), os dízimos não cessaram, porque Abraão, como pai da fé, entregou o dízimo a Melquisedeque, um tipo de Cristo, e nós, como filhos de Abraão, entregamos o dízimo a Cristo, sacerdote da ordem de Melquisedeque.

Ainda com relação à Lei Cerimonial, alguns fazem um paralelo entre o dízimo e a circuncisão, e dizem que Abraão foi circuncidado antes da lei. Como hoje não praticamos mais a circuncisão, igualmente não devemos mais entregar o dízimo. É verdade que Abraão foi circuncidado antes da lei (Gn. 17.9-14), porém a circuncisão foi o selo da fé antes da outorga da lei, como escreveu o apóstolo Paulo em Romanos 4.11-12. A circuncisão era o sinal do pacto (Gn. 17.9). Não era apenas um ritual físico, mas, sobretudo, espiritual. No Novo Testamento está clara a transição da circuncisão para o batismo, conforme lemos em Colossenses 2.11-12.

Aqueles que usam Mateus 23.23, para dizer que Jesus sancionou o dízimo antes da inauguração da nova aliança, mas que depois de sua morte essa sanção não é mais válida, esquecem-se de que junto com o dízimo Jesus menciona também outros preceitos da mesma lei – a justiça, a misericórdia e a fé: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas” (Mt. 23.23). Se estamos desobrigados do dízimo, por ser da lei, deveríamos também estar desobrigados da justiça, da misericórdia e da fé, pois também são da lei. Fica evidente que Jesus reprova os escribas e fariseus por sua prática legalista e meritória do dízimo, uma vez que pensavam que o dízimo era uma espécie de salvo-conduto. Imaginavam que, por serem dizimistas, tinham licença para negligenciar os outros preceitos da lei. Os escribas e fariseus estavam superestimando o dízimo e menosprezando os principais preceitos da lei. Jesus reprova essa visão distorcida dos escribas e fariseus.

É preciso deixar claro que o dízimo não é uma questão meramente financeira. Trata-se do reconhecimento de que tudo que existe é de Deus. Não trouxemos nada para o mundo nem nada dele levaremos (lTm. 6.7). Somos apenas mordomos de Deus, e no exercício dessa mordomia devemos ser achados fieis (lCo. 4.2). O dízimo, mais do que um valor, é um emblema. É um sinal de fidelidade a Deus e confiança em sua providência. A entrega dos dízimos é uma ordenança divina. Não temos licença para retê-lo, subtraí-lo nem administrá-lo (Ml. 3.8-10).

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O DÍZIMO ERA PARA SUSTENTO DOS SACERDOTES E LEVITAS QUE NÃO EXISTEM MAIS

É verdade que o dízimo era para o sustento dos sacerdotes e levitas (Lv. 27.30-34; Nm. 18.1-32; Dt. 14.22-29). Também é verdade que a ordem levítica cessou (Hb. 7.11-19). De igual modo, é verdade que todos nós, que cremos em Cristo, fomos feitos sacerdócio real (lPe. 2.9; Ap. 1.5-6).

O dízimo, porém, era uma prática anterior aos levitas. Abraão já entregava o dízimo antes mesmo da nação de Israel existir (Gn. 14.20). Jacó, neto de Abraão, prometeu dar o dízimo a Deus antes de nascerem seus filhos, que formaram as doze tribos de Israel (Gn. 28.22). Fica evidente que o dízimo é anterior à lei e aos levitas.

Entender o ensino das Escrituras sobre o sustento da casa de Deus e dos obreiros de Deus no Antigo Testamento é muito importante. O êxodo do Egito trouxe não apenas libertação para Israel, mas também fez dele uma nação. Todo o povo era visto como um “reino sacerdotal”, portanto uma nação santa (Êx. 19.6). Dentro desse contexto, as atividades sacerdotais específicas pertenciam a três ordens: sumo sacerdote, sacerdotes e levitas. Cabia ao sumo sacerdote entrar no lugar santíssimo uma vez por ano para fazer expiação pelo povo (Lv. 16.1-34). As principais funções do sacerdócio ocorriam no santuário. Cabia a eles o cuidado das coisas sagradas, além de atividades sanitárias (Lv. 13—15). Os levitas auxiliavam os sacerdotes e serviam à congregação no templo.

Levi, como tribo, não poderia possuir nenhum território na distribuição das terras. O próprio Deus era a sua herança (Nm 18.20). Uma vez que a tribo de Levi não podia acumular riquezas, deveria ser sustentada por ofertas e dízimos (Nm 18.21). Assim como a viúva, o órfão e o estrangeiro, eles eram recomendados aos cuidados do povo de Deus (Dt. 14.29).

O povo devia trazer à casa de Deus, e não a outro lugar qualquer, seus dízimos e ofertas (Dt. 12.6). Deixar de fazer isso era desamparar os levitas. A ordem de Deus é expressa: Guarda-te, não desampares o levita todos os teus dias na terra (Dt. 12.19).

O povo devia dar os dízimos de todo o fruto das suas sementes (Dt. 14.22), ou vender esse produto e entregá-lo em dinheiro (Dt. 14.25-26). De três em três anos, os dízimos deviam também assistir o estrangeiro, o órfão e a viúva (Dt. 14.28-29; 26.12). Mesmo que as circunstâncias fossem difíceis, o povo devia ser fiel a Deus na entrega dos dízimos em vez de comê-lo na sua aflição (Dt. 26.14-15).

Os dízimos e as primícias foram dados por Deus a Arão e sua casa (Nm. 18.8,12-13). O dízimo será santo ao Senhor (Lv. 27.32). Porque Arão não tinha herança entre as tribos, Deus lhe disse: “Eu sou a tua porção e a tua herança no meio dos filhos de Israel. Aos filhos de Levi dei todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, serviço da tenda da congregação” (Nm. 18.20-21). Os dízimos são apresentados ao Senhor, e o Senhor os dá aos levitas, e os levitas entregavam também o dízimo dos dízimos (Nm. 18.25-26).

O dízimo passou a ser um termômetro espiritual na vida do povo de Israel. Sempre que o povo se afastava de Deus, negligenciava a entrega dos dízimos. Sempre que havia um reavivamento espiritual, o povo trazia de volta os dízimos à casa do Senhor (IICr. 31.11-12). Neemias chegou a dizer que não entregar os dízimos era desamparar a casa de Deus (Ne. 13.11). Malaquias foi mais contundente, ao afirmar que reter o dízimo era roubar a Deus (Ml. 3.8).

Deus regulamentou a destinação dos dízimos para o sustento dos levitas, que deviam cuidar exclusivamente do culto divino. Viver exclusivamente do ministério. Deus era a sua herança e o seu provedor (Nm. 18.1-32).

Se no culto levítico, quando a ação do povo da promessa era centrípeta, ou seja, voltada para o tabernáculo e depois para o templo, quanto mais hoje, quando a dinâmica da igreja é centrífuga, ou seja, levar o evangelho a toda criatura, em todo o mundo, até os confins da terra, em cada geração. Se na antiga aliança os dízimos e as ofertas foram os meios estabelecidos por Deus para sustentar sua obra, quanto mais na nova aliança, quando as demandas da obra se desdobram para horizontes muito mais largos.

O fato de hoje não existir a ordem levítica não dispensa a prática dos dízimos. Ao contrário, temos hoje uma gama imensa de ministros e obreiros que trabalham no ministério, pregando o evangelho e vivendo do evangelho. Quando o apóstolo Paulo trata do sustento dos obreiros na nova dispensação, recorre ao texto que fala do sustento dos levitas:

“Quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho? Porventura, falo isto como homem ou não o diz também a lei? Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi, quando pisa o trigo. Acaso, é com bois que Deus se preocupa? Ou é, seguramente, por nós que ele o diz? Certo que é por nós que está escrito; pois o que lavra cumpre fazê-lo com esperança; o que pisa o trigo faça-o na esperança de receber a parte que lhe é devida. Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito recolhermos de vós bens materiais? Se outros participam desse direito sobre vós, não o temos nós em maior medida? Entretanto, não usamos desse direito; antes, suportamos tudo, para não criarmos qualquer obstáculo ao evangelho de Cristo. Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho” (ICo 9.7-14).

Com isso, o apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, demonstra que há uma estreita conexão entre o modo usado no sustento dos levitas com o modo usado no sustento dos obreiros do Novo Testamento. O salário dos obreiros na nova dispensação é tão legítimo como o era o sustento dos levitas na antiga dispensação. Portanto, os mesmos princípios quanto ao sustento da obra e dos obreiros devem ser observados na nova dispensação (Rm. 15.27).

Paulo, mesmo tendo esse direito, abriu mão dele por causa do evangelho (lCo 9.15), mas recriminou mais tarde a atitude da igreja de Corinto por não pagar-lhe o salário que tinha direito: “Despojei outras igrejas, recebendo salário, para vos poder servir, e, estando entre vós, ao passar privações, não me fiz pesado a ninguém; pois os irmãos, quando vieram da Macedônia, supriram o que me faltava; e, em tudo, me guardei e me guardarei de vos ser pesado” (IICo 11.8-9).

É preciso enfatizar, outrossim, que mesmo na antiga dispensação os dízimos tinham um propósito mais amplo do que meramente sustentar os levitas. Também deveriam assistir os pobres, as viúvas e os estrangeiros (Dt. 14.28-29).

De igual modo, na nova dispensação, os dízimos e ofertas são destinados não apenas ao sustento dos obreiros, mas também, e de igual modo, a socorrer os aflitos e necessitados na igreja (At. 4.32-37; 11.27-30; Gl. 2.10) e alavancar a obra missionária no mundo.

Hoje, muitas igrejas, no cumprimento de sua missão de pregar o evangelho e socorrer os necessitados, investem vultosas quantias em trabalhos sociais, como creches, asilos, escolas, hospitais e centros de recuperação de dependentes químicos. Tudo isso custa muito dinheiro. Quando a igreja é fiel na entrega dos dízimos e generosa nas ofertas, ela atende a todas essas demandas, pois o método estabelecido por Deus é suficiente para a igreja cumprir cabalmente a sua missão de pregação e ação social.

As demandas hoje são imensas, quando se trata também da expansão da igreja. A compra de terrenos, a construção de templos, o aluguel de salões para os cultos públicos, a manutenção dos lugares consagrados ao culto divino, tudo isso custa caro. A igreja não precisa nem deve lançar mão de expedientes estranhos às Escrituras para manter sua obra, como bazares, livro de ouro, churrascadas, bingos etc. O próprio Deus já estabeleceu o método de sustento de sua obra: dízimos e ofertas.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O DÍZIMO ERA TRAZIDO AO TEMPLO E HOJE NÓS SOMOS O TEMPLO

É verdade que o dízimo era levado ao templo, onde havia um lugar reservado para o seu recolhimento (Ml. 3.10). O dízimo era mais para o sustento de pessoas do que para a manutenção física de uma casa. É bem verdade que a negligência na entrega dos dízimos era desamparar a casa de Deus (Ne. 13.10-13), e isso significa descaso com o Deus da casa. Nos dias do profeta Ageu, o povo estava investindo todos os seus recursos na construção de suas próprias casas luxuosas, enquanto o templo estava em ruínas (Ag. 1.2-4). O profeta denuncia esse pecado de negligência do povo, que trazia para Deus apenas as sobras. Deus não aceita sobras. Ele não é Deus de resto. Ele exige primícias. O resto seria assoprado por Deus, e o salário que o povo recebesse seria colocado num saquitel furado (Ag. 1.6). A ordem de Deus é clara: “Honra ao Senhor com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão fartamente os teus celeiros, e transbordarão de vinho os teus lagares” (Pv. 3.9,10).

Nós que cremos em Jesus, o Filho de Deus, somos o santuário do Espírito Santo (ICo. 3.16; 6.19), mas reunimo-nos em templos. E para a construção e a manutenção desses templos são necessários recursos, que vêm dos dízimos e das ofertas.

Aqueles que dizem que a igreja primitiva não tinha templos, e também não devemos tê-los, não fazem uma correta interpretação das Escrituras nem da história da igreja. Os cristãos primitivos não tinham templos, não porque fossem contra a construção de templos, mas porque eram impedidos pela lei romana de construí-los. Somente no século IV da era cristã é que esse embargo legal foi removido, e então templos passaram a ser construídos.

Mesmo aqueles que são contrários à construção de templos reúnem-se em algum lugar, como uma sala de um hotel, de uma escola, um galpão alugado etc. Seria insensato negarmos a necessidade de um lugar seguro para nos reunirmos. Precisamos nos proteger do calor do dia e do frio da noite, do sol escaldante e da chuva torrencial. Precisamos nos proteger do barulho externo e também não perturbar o silêncio de nossos vizinhos. Precisamos pagar essa conta, e os dízimos e as ofertas são o método de manutenção da casa de Deus, em qualquer lugar, em qualquer tempo. Os tempos mudam, mas a palavra de Deus permanece para sempre!

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE NÃO ENTREGAR OS DÍZIMOS ACARRETAVA MALDIÇÃO E CRISTO SE FEZ MALDIÇÃO POR NÓS

Quando a Bíblia diz que Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (Gl. 3.13), não está dizendo com isso que ficaremos imunes às consequências de nossos pecados, mas garantiu que aquele que está em Cristo encontra-se seguro nas mãos de Jesus, de onde ninguém pode arrebatá-lo (Jo. 10.28). Nada nem ninguém pode nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, pois sua morte foi vicária. Ele morreu em nosso lugar e nós fomos declarados justos diante do tribunal de Deus. Não pesa mais sobre nós nenhuma condenação (Rm. 8.1). Ele se fez maldição por nós, porque a maldição da lei que devia cair sobre nós, por não guardarmos os estatutos e preceitos divinos, caiu sobre ele. Ele morreu a nossa morte. Sua morte foi vicária, substitutiva. De fato, na cruz, Jesus levou essa maldição! Porém, mesmo depois de salvos pela graça, não ficamos isentos das consequências graves da nossa desobediência aos preceitos de Deus.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE HOJE A CONTRIBUIÇÃO CRISTàDEVE SER VOLUNTÁRIA, E NÃO IMPOSTA COMO É O DÍZIMO

Alguns pregadores defendem que temos duas contribuições na Palavra de Deus: uma compulsória e outra voluntária. A contribuição para o governo é sempre compulsória, mas a contribuição para Deus é sempre voluntária. Será? Jesus disse: “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mt. 22.21). Onde está a diferença entre a contribuição a César e a Deus? Ambas são compulsórias! Quando entregamos o dízimo a Deus, estamos adorando-O por sua fidelidade; quando pagamos tributo ao governo, estamos dando a ele o que lhe é de direito (Rm. 13.7).

Aqueles que usam o texto de IICoríntios 9.7: “Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria”, para regulamentar a contribuição cristã em substituição aos dízimos, cometem um sério equívoco hermenêutico. Paulo não estava tratando de dízimo, mas de uma oferta especial, levantada para atender os pobres da Judeia (Gl. 2.10; lCo. 16.1; IICo. 8.1-5; 9.1). Uma oferta que seria feita e depois cessada. É bem verdade que os princípios ali colocados são permanentes e de forma alguma estão em contradição com o dízimo, pois falam de individualidade, de sistematicidade e de proporcionalidade.

Nenhum teólogo, pastor, igreja ou concílio tem autoridade ou competência para desautorizar uma ordem divina. Os dízimos e as ofertas não deixaram de vigorar, porque este ou aquele líder religioso escreveu uma tese de doutorado contra eles e está ensinando que essa prática foi prescrita. “Seja Deus verdadeiro, e mentiroso todo homem. Seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a palavra de nosso Deus permanece eternamente” (Is. 40.8). A verdade de Deus não deixa de ser verdade porque é negada por uns e distorcida por outros.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O DÍZIMO TEM SIDO USADO PARA ENRIQUECER IGREJAS E PASTORES

O fato de muitos obreiros inescrupulosos usarem de forma ardilosa esse ensino bíblico para se locupletarem, não anula a verdade bíblica. A existência de um médico charlatão não desautoriza outro médico sério a exercer seu trabalho; assim também, o fato de existirem pastores lobos não significa que não existam pastores verdadeiros, que trabalham com integridade e transparência. Reprovamos toda artimanha espúria às Escrituras para arrecadar dinheiro. Rechaçamos os aproveitadores que debandam para a teologia da prosperidade para arrancar a lã das ovelhas. Rejeitamos os artifícios místicos dos roubadores do templo, que transformam a casa de Deus em covil de salteadores. Repudiamos a prática daqueles líderes e igrejas, que não são transparentes na prestação de contas de todos os haveres que entram na tesouraria da igreja. Mas reiteramos nossa plena confiança no ensino das Escrituras.

Pastores são homens chamados por Deus para apascentar e pastorear as ovelhas de Cristo. Devem amar a Cristo, e não o dinheiro. Devem cuidar do rebanho de Cristo, e não explorá-lo. Devem servir às ovelhas de Cristo, e não se servirem delas. O ministério pastoral não é uma plataforma de enriquecimento pessoal. Entretanto, o pastor deve receber um salário digno da igreja, para não ter que se envolver nos negócios desta vida (IITm. 2.4). Digno é o trabalhador do seu salário, e aqueles que servem ao altar, do altar devem tirar o seu sustento.

O pastor não pode ser motivado por dinheiro. O apóstolo Paulo deu seu testemunho aos presbíteros de Éfeso: “De ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes” (At. 20.33). O apóstolo Paulo fazia tendas para complementar seu salário sempre que as igrejas deixavam de pagar por completo seu salário (At. 18.1-3; 20.34,35). Uma igreja que deixa de pagar dignamente o seu pastor torna-se inferior às demais igrejas que cuidam do seu pastor (IICo 11.8,9; 12.13).

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE EM MATEUS 23.23 JESUS ESTAVA CONDENANDO A HIPOCRISIA DOS ESCRIBAS E FARISEUS, E NÃO REFERENDANDO O DÍZIMO

É verdade que Jesus estava denunciando a hipocrisia dos escribas e fariseus que faziam da entrega dos dízimos uma espécie de amuleto espiritual. Ostentavam sua observância criteriosa dos dízimos como um salvo-conduto para transgredir os principais preceitos da lei, que eram a justiça, a misericórdia e a fé.

A entrega dos dízimos não deve ser uma prática ostensiva nem meritória. Se subestimar os dízimos é um erro, superestimá-lo também o é. A fidelidade da entrega dos dízimos não nos autoriza a viver relaxadamente nas outras áreas da vida cristã. A mordomia dos bens é apenas um dos pontos da vida cristã, e não o todo da vida cristã.

Há aqueles que ousam dizer que quando alguém é fiel na entrega dos dízimos nenhuma tragédia financeira lhe ocorre. Há alguns que, beirando a blasfêmia, chegam mesmo a afirmar que o patriarca Jó não era dizimista, pois, se o fosse, nem mesmo Deus poderia tocar em sua vida. Que grande equívoco! Jó não sofreu revés em sua vida financeira por ser infiel a Deus; não enterrou seus filhos porque era culpado de transgressão; não se tornou uma carcaça humana e uma ferida aberta por ter sonegado a Deus os dízimos. O que encontramos nas Escrituras é a afirmação peremptória de Deus de que Jó era o homem mais piedoso de sua geração (Jó 1.8; 2.3). Apesar disso, foi provado com a permissão divina. Quando os filhos de Deus são provados, não é para destruí-los, mas para fortalecê-los. Deus restaurou a sorte de Jó, e no segundo estágio de sua vida ele foi ainda mais próspero (Jó 42.10-16)!

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O ENSINO DO NOVO TESTAMENTO DIZ QUE 100% É DE DEUS, E NÃO APENAS 10%

Isso é a mais pura verdade. Tudo o que somos e temos em nossas mãos veio de Deus, é de Deus e deve estar a serviço de Deus. Mas esse é também o claro ensino do Antigo Testamento: Ao Senhor pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam (SI. 24.1). Sempre tudo foi, é e será de Deus. Nós nunca tivemos nada, não temos nada e não teremos nada. Não trouxemos nada nem levaremos nada (Jó 1.21; ITm. 6.7). Tudo é de Deus. Nós somos apenas mordomos.

É muito importante entender que o dízimo não é uma soma matemática, mas um símbolo. Não é uma cifra, mas um emblema. Quando Deus requer do seu povo a devolução de 10%, está nos ensinando que ele quer não dinheiro, mas fidelidade. Até porque os 90% que ficaram em nossas mãos também pertencem ao Senhor. Deus não quer nossas coisas, mas nosso coração. Não quer nosso sacrifício, mas nossa fidelidade. Se não conseguimos ser fieis no pouco, como o seremos no muito? Se não conseguimos ser fieis no que pertence a outrem, como o seremos naquilo que nos foi dado?

Quando Deus requer de nós o dízimo, não está tratando apenas com o sustento de sua obra; está tratando com o nosso coração. Podemos ilustrar essa verdade com a experiência de Abraão. Quando Deus pediu a Abraão para sacrificar Isaque, não era Isaque que Deus queria, mas Abraão. Deus não aceita sacrifícios humanos. Deus queria o coração de Abraão. Deus queria sua obediência. Assim, quando Deus requer do seu povo a entrega dos dízimos, a essência dessa exigência não tem a ver com dinheiro, pois Deus não precisa de dinheiro. Ele é o dono de todo o ouro e de toda a prata (Ag. 2.8). O dízimo é, prioritariamente, uma questão de reconhecimento de que tudo pertence a Deus e que, como seus mordomos, precisamos ser fiéis na administração daquilo que ele nos confiou.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE NO NOVO TESTAMENTO O DÍZIMO É SEMPRE DESCRITIVO, E NUNCA PRESCRITIVO

A palavra “dízimo” aparece sete vezes no Novo Testamento (Mt. 23.23; Lc. 11.42; 18.12; Hb. 7.2; 7.4; 7.5; 7.8). Embora os textos sejam descritivos, não estão em oposição ao prescritivo, se levarmos em conta a unidade das Escrituras. O Novo Testamento não está em oposição ao Antigo Testamento. Concordo com Agostinho de Hipona, quando disse que o Novo Testamento está latente no Antigo, e o Antigo Testamento está patente no Novo. Não há qualquer mandamento explícito revogando a prática do dízimo no Novo Testamento. Ao contrário, Jesus condena não a prática do dízimo, mas a prática errada dele. Condena não o princípio, mas a inversão de valores dos escribas e fariseus, que faziam do dízimo uma espécie de salvo-conduto para viverem cheios de arrogância e orgulho espiritual. Jesus deixa claro que devemos guardar os preceitos principais da lei, como a justiça, a misericórdia e a fé, sem deixar de praticar o dízimo.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O APÓSTOLO PAULO NÃO ORIENTOU AS IGREJAS A ENTREGAR OS DÍZIMOS, MAS ORIENTOU-AS A OFERTAR

Paulo não usou a palavra “dízimo” em suas epístolas, mas ensinou o seu princípio, quando diz que os obreiros no Novo Testamento devem ser sustentados da mesma forma que os levitas eram sustentados no Antigo Testamento (lCo 9.1-14). Por outro lado, a prática do dízimo não dispensa os crentes de serem generosos nas ofertas. Os crentes devem semear com abundância na vida das pessoas, e isso não em substituição ao dízimo, mas além dele. Vemos nessa atitude o mistério do pobre e o mistério do rico. Quem tem mais deve repartir com quem tem menos. Os ricos devem ser generosos na prática de boas obras (lTm. 6.17-18). Usar a voluntariedade das ofertas, conforme ensinada nas Epístolas aos Coríntios, em substituição ao dízimo, é não compreender o caráter específico daquela oferta levantada entre as igrejas gentílicas para socorrer os santos da Judeia, em situação de emergência IICo. 8.1-4; ICo. 16.1-4.

Reafirmamos, portanto, que, embora o apóstolo Paulo não tenha usado o termo “dízimo” em suas epístolas, ensinou os princípios do dízimo. Quando se trata do sustento dos obreiros, o apóstolo Paulo recorreu ao mesmo princípio do sustento dos levitas (lCo 9.13-14). Quando falou das ofertas voluntárias para os pobres da Judeia, ensinou que elas precisam ser pessoais, metódicas e proporcionais (lCo 16.1-2). Não são esses os mesmos princípios que regulamentam os dízimos?

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE É DEVER DA IGREJA PAGAR SUAS CONTAS, ISSO PODE SER FEITO ESTABELECENDO-SE UMA TAXA PARA OS MEMBROS

Esse argumento é pragmático, mas não bíblico. Não temos autoridade para mudar os preceitos da palavra de Deus. A igreja não é um clube nem um condomínio, onde cada um paga sua taxa de utilização. A igreja não vive para si. Ela é uma comunidade de peregrinos que estão no caminho, indo por todo o mundo, fazendo discípulos de todas as nações (Mt. 28.18-20). Sua missão é glorificar a Deus, através da pregação do evangelho, do discipulado dos novos crentes e do pastoreio das ovelhas de Cristo. As igrejas que vivem para si mesmas, fechadas em si mesmas, como se fossem um condomínio fechado, ficam estagnadas. As igrejas, porém, que entendem que o seu chamado é para a multiplicação e que precisam ser testemunhas de Cristo aqui, ali e além-fronteiras ao mesmo tempo (At. 1.8), precisam fazer robustos investimentos na obra. A obra missionária necessita de recursos, e aquele que ganha almas é sábio (Pv. 11.30). Investir na obra missionária é investir numa causa de consequências eternas. Bens materiais ficarão aqui e serão entesourados para o fogo (IIPe. 3.1-12), mas o dinheiro que investimos na evangelização dos povos produzirá um resultado que transcende o tempo e refletirá na eternidade. Jim Elliot, o mártir do cristianismo pelos índios do Equador, estava certo ao dizer: “Não é tolo aquele que dá o que pode reter para ganhar o que não pode perder”.

A imensa maioria das igrejas está estagnada. Essas igrejas não crescem, vegetam. Outras buscam apenas o seu conforto, num trabalho de manutenção, mas não se afligem com os perdidos que estão à sua porta. Há igrejas que só investem em si mesmas, empanturram-se, e se tornam culpadas porque não dizem para aqueles que perecem de fome que encontraram pão com fartura (IIRs. 7.9). Há igrejas que são estéreis, não geram filhas espirituais. Não plantam outras igrejas. Passam anos e décadas, e elas apenas se mantêm; não se multiplicam, não alargam as fronteiras do reino de Deus. Uma igreja que entende que o seu campo é o mundo e que a visão de Deus é o mundo inteiro é fiel na entrega dos dízimos e generosa nas ofertas, porque compreende que é parceira de Deus na obra gloriosa da implantação de seu reino na terra.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE O QUE GANHO É POUCO E NÃO SOBRA

Esse argumento pressupõe que devemos entregar a Deus as sobras, e não as primícias. Dízimo não é sobra, mas primícias. A Bíblia nos ensina a honrar a Deus com as primícias de toda a nossa renda (Pv. 3.9). Deus não é Deus de sobras. Ele é a fonte de todo bem, e merece o primeiro, o melhor, as primícias.

A Bíblia nos ensina a trazer todos os dízimos. E esse mandamento não é apenas quando sobra. Deus é o nosso provedor, e devemos confiar mais no provedor do que na provisão. Vivemos pela fé. Portanto, devemos obedecer ao que Deus ordena e descansar no seu cuidado providente.

O profeta Ageu diz que, quando trazemos as sobras para Deus, ele as rejeita, porque não é Deus de resto. Ele as assopra e as dissipa (Ag. 1.9). O profeta Malaquias denunciou o povo que trazia para Deus os animais doentes e dilacerados (Ml. 1.8,9). Isso é trazer o que não tem valor. É trazer a sobra. E entregar para Deus o que não nos custa nada nem tem valor para nós. Isso é oferecer o pior para Deus. Essa atitude é indigna de Deus. Desonra a Deus. Ofende o Deus todo-poderoso. Os homens fiéis sempre separaram o melhor para Deus, ou seja, as primícias (Êx. 23.19; lCr. 29.16; Ne. 10.37).

Quando dizemos que a razão de retermos o dízimo é que, se o entregarmos, vai nos faltar o básico, estamos permitindo que Satanás encha o nosso coração de incredulidade. É Deus quem cuida do seu povo. Dele vem a nossa provisão. Cabe-nos obedecer a Deus e deixar as consequências em suas mãos. Ele é fiel!

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE AS IGREJAS NÃO ADMINISTRAM BEM O DÍZIMO

A ordem de Deus para o seu povo é trazer todos os dízimos à casa do tesouro (Ml. 3.10), mas Deus não nos constituiu juízes do dízimo. Aqueles que têm a responsabilidade de administrar os dízimos prestarão contas a Deus pela sua administração. Porém, não temos o direito de reter o dízimo porque discordamos da forma que a igreja o administra. Podemos e devemos acompanhar como os líderes de nossa congregação lidam com os dízimos. Podemos, à luz das Escrituras, exortar e admoestar uns aos outros (Rm. 15.14). Devemos ser submissos aos nossos líderes enquanto eles forem fieis às Escrituras (Hb. 13.17).

Por outro lado, é importante ressaltar, que quando levamos o dízimo ao gazofilácio, não estamos entregando o que é nosso. Estamos, na verdade, devolvendo o que é de Deus. Na verdade, não damos o dízimo; devolvemo-lo. Não entregamos o que é nosso, mas o alheio. Ao levarmos o dízimo ao gazofilácio, cumprimos nossa responsabilidade. Aqueles que são incumbidos de gerir os recursos são mordomos de Deus e devem ter responsabilidade nessa administração. Podemos até mesmo alertar aqueles que administram de fazê-lo com critério e transparência. Porém, se identificarmos falta de integridade na administração dos dízimos, devemos confrontar a liderança. Se essa liderança não se arrepender, temos o dever de sair e buscar uma igreja que seja fiel às Santas Escrituras.

Reafirmamos que o nosso compromisso de obediência às autoridades constituídas da igreja vai apenas até o momento em que elas permanecerem fiéis à palavra de Deus. Se a liderança, depois de exortada, abandonar a palavra de Deus e usurpar os recursos que deveriam ser investidos na promoção do reino, é nossa responsabilidade abandonar essa igreja e buscar outra que ande de acordo com os preceitos divinos. Colocar-se sob a autoridade de pastores e líderes inescrupulosos, que de forma desonesta e avarenta se apropriam dos dízimos e ofertas para seu proveito próprio, como os filhos do sacerdote Eli faziam, é incorrer em desobediência ao próprio Deus.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE JÁ DOU OFERTA E POR ISSO ESTOU DISPENSADO DO DÍZIMO

Esse argumento parece espiritual, mas não está de acordo com a Escritura. A Bíblia fala de dízimos e ofertas (Ml 3.8). São duas coisas distintas. Não podemos praticar uma e omitir a outra. Não há fidelidade parcial. Os mandamentos de Deus nos foram dados para os cumprirmos à risca.

O dízimo é dívida. Por isso, retê-lo é considerado roubo (Ml. 3.8-9). Primeiro pagamos a dívida e, depois, ofertamos. Ofertar para ficar isento da dívida não é correto. Imagine se eu devesse dez mil reais ao banco. Eu não quero quitar a dívida, mas vou ao gerente do banco e levo para ele um presente no valor de dois mil reais, com a intenção de ficar isento da dívida. O gerente aceitaria isso? Seria isso legal? Seria ético? Seria aceitável? Obviamente não!

Não temos autorização para mudar os preceitos divinos, ainda que em nome das mais puras motivações. Não podemos limitar a contribuição cristã apenas às ofertas, nem podemos substituir o dízimo pelas ofertas. Dízimos e ofertas caminham lado a lado. O dízimo é a forma de Deus sustentar a sua casa e manter seus obreiros. As ofertas são um tributo de gratidão a Deus, para atender a necessidades especiais, em ocasiões especiais.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE NÃO SINTO NO CORAÇÃO O DESEJO DE ENTREGAR O DÍZIMO

A vida do cristão não é dirigida por sentimentos. Vivemos pela fé, e não pelo que sentimos. Nossa norma de fé e conduta é a palavra de Deus, e não nossos sentimentos. A verdade não é privativa nem subjetiva. A verdade é universal e objetiva.

Na vida cristã, o fazer precede o sentir. Devemos obedecer ainda que nosso coração não esteja sentindo vontade. Fazemos muitas coisas, mesmo quando não temos desejo. Levantamo-nos de manhã para trabalhar, mesmo com o desejo de ficar um pouco mais na cama. Vamos à escola fazer uma prova, mesmo com vontade de nos ausentarmos dela. Tomamos um remédio amargo para tratar de uma enfermidade, mesmo que sem nenhuma vontade de tomá-lo. Compromisso, e não sentimento, é o que nos move. Dever, e não emoção, é o que nos impulsiona. A verdade, e não nossos sentimentos, é o que nos inspira. Obediência, e não emoção, é o vetor que nos move à ação. Não pagamos conta com sentimentos. Não fazemos o bem apenas tendo boa vontade.

O nosso coração é enganoso e assaz egoísta. Se dependermos de sentir para fazer, ficaremos limitados às emoções e viveremos no território ilusório das promessas vazias. Não fazemos a obra de Deus com emoções. Não construímos templos com sentimentos. Não sustentamos missionários com boas intenções. Obediência é o que Deus requer de nós. Ação é o que Deus exige de nós. O fundamento da fidelidade a Deus nos dízimos e a generosidade nas ofertas é uma questão de submissão à palavra, e não uma frágil inclinação da nossa vontade.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE PRECISO CUIDAR PRIMEIRO DAS MINHAS COISAS PARA DEPOIS INVESTIR NA OBRA DE DEUS

O dizimista fiel compreende que Deus é o dono de todo o ouro e de toda a prata. Deus não apenas é o dono de tudo, mas também o nosso provedor. Toda boa dádiva vem dele. Ele é quem nos dá o sol e a chuva, as estações do ano e os frutos da terra. Deus é quem nos dá saúde e inteligência para trabalharmos. Deus é quem nos dá a vida, a respiração e tudo o mais (At. 17.25).

Devemos trazer a Deus as primícias de toda a nossa renda, e Deus promete fazer transbordar nossos celeiros e encher de vinho os nossos lagares (Pv. 3.9-10). O profeta Ageu denunciou o povo de Israel que voltou do cativeiro e, em vez de construir a casa de Deus, voltou-se para construir suas próprias casas, deixando desamparada a casa do Senhor. O pouco que o povo trazia, Deus assoprava. O salário que o povo recebia, recebia-o para colocá-lo num saco furado.

Reter os dízimos e as ofertas é desamparar a casa de Deus. Reter os dízimos é colocar-nos em primeiro plano e relegar a casa de Deus a segundo plano. Reter os dízimos é afirmar que somos os donos, e não os mordomos, dos recursos que temos nas mãos. Reter os dízimos é dizer que Deus não é sábio o suficiente quando nos insta a trazer a ele as primícias de toda a nossa renda.

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE CONHEÇO MUITOS CRENTES QUE NÃO PAGAM O DÍZIMO E SÃO RICOS E OUTROS QUE ENTREGAM O DÍZIMO E SÃO POBRES

Não basta apenas ser dizimista; é preciso ter a motivação correta. É ledo engano pensar que as bênçãos de Deus limitam-se apenas às coisas materiais. Dízimo não é barganha nem negócio com Deus. Precisamos servir a Deus por quem ele é, e não pelo que vamos receber em troca. A prosperidade financeira sem Deus pode ser um laço. Um homem nunca é tão pobre como quando ele só possui dinheiro. O máximo que o dinheiro pode oferecer ao homem é um rico funeral. Riqueza sem salvação é a mais consumada miséria. O fascínio da riqueza sufoca a semente da palavra de Deus no coração humano.

Este argumento, portanto, tem em sua raiz graves mal entendidos. O primeiro deles é que Deus nunca prometeu riqueza àqueles que são fieis na entrega dos dízimos. Deus prometeu abrir as janelas do céu e derramar bênçãos sem medida (Ml. 3.10). Deus prometeu celeiros cheios e lagares transbordantes (Pv. 3.10). Embora as bênçãos na antiga aliança fossem medidas em termos materiais, isso não significava necessariamente riqueza, mas prosperidade. Nem todas as pessoas ricas são prósperas e nem todas as pessoas prósperas são ricas. Há ricos pobres e pobres ricos. A palavra de Deus diz: Uns se dizem ricos sem terem nada; outros se dizem pobres, sendo mui ricos (Pv. 13.7). O ensino da palavra de Deus é que a bênção do Senhor enriquece, e, com ela, ele não traz desgosto (Pv. 10.22). A riqueza em si mesma não satisfaz. O apóstolo Paulo escreveu: Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição (lTm. 6.9).

O cristão não vê a riqueza em termos de cifras, mas de satisfação interior. Ainda escreve Paulo: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes (lTm. 6.6-8). O contentamento do cristão não está no dinheiro. Paulo dá seu testemunho: “porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fp. 4.11-13). O cristão mesmo pobre é muito rico: “Entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo” (IICo. 6.10).

O segundo mal entendido é que o dízimo seja um negócio com Deus para nos enriquecer. Quando cuidamos das coisas de Deus, ele cuida das nossas coisas. Jesus ordenou: “Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt. 6.33). Quando somos fiéis a Deus, ele promete suprir nossas necessidades. O rei Davi dá o seu testemunho: “Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (SI. 37.25). O que Deus promete é multiplicar nossa sementeira, para continuarmos semeando generosamente: “Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará a vossa sementeira e multiplicará os frutos da vossa justiça; enriquecendo-vos, em tudo, para toda generosidade, a qual faz que, por nosso intermédio, sejam tributadas graças a Deus” (IICo 9.10-11).

O que a palavra de Deus nos ensina é sermos ricos para com Deus em vez de retermos tudo em nossas mãos com avareza. Jesus nos adverte: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstruí-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus” (Lc. 12.15-21).

O terceiro mal entendido é julgarmos que os crentes dizimistas pobres não são abençoados como os não dizimistas ricos. Na dispensação da graça, nossas riquezas não são avaliadas apenas pelo critério de bens materiais, mas, sobretudo, pelas bênçãos espirituais. O apóstolo Paulo escreve: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo” (Ef. 1.3).

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE A IGREJA É RICA E NÃO PRECISA DO MEU DÍZIMO

O ensino claro das Escrituras é que o dízimo não é meu, mas de Deus. Portanto, meu dever é entregá-lo com fidelidade, como Deus me ordenou e onde Deus me ordenou.

Ainda perguntamos: será que temos tomado conhecimento das necessidades da igreja? Vislumbramos as possibilidades de investimento em prol do avanço da obra? Além do mais, o dízimo não é da igreja; é do Senhor. É ele quem o recebe (Hb. 7.8).

Aqueles que compreendem a grandeza da obra, a imensidão da seara e urgência da missão, não encolhem as mãos para contribuir. Aqueles que investem nas causas de consequências eternas não sonegam o dízimo nem deixam de ofertar.

A pobreza de uma igreja consiste na miopia de sua visão, mais do que na escassez de recursos. Quando a igreja compreende que seu campo é o mundo, quanto mais recursos ela tem nas mãos, mais ela investe na obra missionária, e mais relevante ela se torna para a sociedade!

 

NÃO SOU DIZIMISTA PORQUE NÃO CONCORDO COM O DÍZIMO

Temos o direito de discordar; só não temos o direito de escolher as consequências das nossas decisões. Quando discordamos do dízimo, estamos discordando da palavra de Deus que não pode falhar. Quando discordamos do dízimo, estamos indo contra a palavra dos patriarcas, dos profetas e, acima de tudo, do Senhor Jesus, que disse: “Dai, pois, a César o que é de César [os tributos] e a Deus o que é Deus [os dízimos e as ofertas]” (Mt. 22.21).

 

OFERTAS ESPECÍFICAS E VOLUNTÁRIAS

Ofertas Para Construção do Tabernáculo

Deus desejou hbitar no meio do seu povo. O modo que ele mesmo escolheu foi através de uma tenda ou tabernáculo. O modelo desse santuário, bem como o de todos os seus móveis, foi fornecido por Deus. O Tabernáculo a ser erigido destinava-se ao benefício, segurança, orientação e conforto do próprio povo. O povo deveria arcar com a despesas de sua construção e mobília.

  • A oferta é para Deus.Disse o Senhor a Moisés: Fala aos filhos de Israel que me tragam oferta” (Êx. 25.1-2). Destaque: que me tragam oferta. Em Êxodo 35: uma oferta para o Senhor”. As pessoas não estavam dando para que Moisés ficasse rico. Suas ofertas não eram para benefício pessoal de Arão e dos sacerdotes. Sua oferta foi antes de tudo para a glória de Deus e um ato de adoração. Quando a obra é de Deus, o obereiro responsável deve pedir ao povo que contribua.
  • A oferta é para a obra de Deus. “E trouxe a oferta ao Senhor para a obra da tenda da congregação, e para todo o seu serviço, e para as vestes sagradas” (Êx. 35.21). “Uma oferta para toda a obra que o Senhor tinha ordenado se fizesse por intermédio de Moisés” (Êx. 35.29). Deus se identifica com a sua obra e com os seus obreiros.
  • A oferta deve ser feita pelos “filhos de Israel”. “Disse o Senhor a Moisés: Fala aos flhos de Israel que me tragam oferta (Êx. 25.1). Disse mais Moisés a toda congregação dos filhos de Israel: Esta é a palavra que o Senhor me ordenou, dizendo” (Êx. 35.4). É privilégio do povo de Deus contribuir para a obra de Deus. Assim como a adoração é uma prática exclusiva da igreja, ofertar também o é.
  • O que poderia ser ofertado. A oferta poderia ser de dois tipos: 1) oferta de materiais ou dinheiro: metais preciosos, bronze, tecidos, peles de animais, madeiras, azeite, pedras e especiarias (Êx. 35.5-9); 2) oferta de serviços: muitos ofertaram mão-de-obra: desenhistas, artesãos, lapidadores, carpinteiros, artífices, bordadeiras, tecelões e outros profissionais requeridos para a execução do projeto (Êx. 35.30-35).
  • Como o povo deveria ofertar. de todo coração homem cujo coração se mover para isso (Êx. 25.2) desejo livre do coração para dar seus recursos para a obra do Senhor; daquilo que tinha (Êx. 35.5) Deus não requer aquilo que não temos; cada um (Êx. 35.5) uma oferta individual; voluntariamente a trará (Êx. 35.5) a oferta não podia ser sob coação; toda a congregação de Israel saiu da presença de Moisés (Êx. 35.20) o povo foi para casa separar sua oferta de forma consciente; abundantemente (Êx. 36.6) as ofertas foram maiores que as necessidades, então Moisés ordenou que não trouxessem mais. Ele poderia deixar o povo continuar trazendo para tirar proveito pessoal. Não fez isso porque temia a Deus.

 

Ofertas Para a Construção do Templo

Davi resolveu construir um templo para Deus em Jerusalém. Ele teve autorização de Deus, mas não seria o construtor. Salomão, seu filho, realizaria essa obra. Em ICrônicas 29, Davi se dirige ao povo para pedir ofertas para a construção e ora a Deus para agradecer-lhe o privilégio de ofertar. Os mesmos princípios espirituais usados por Moisés nas ofertas levantadas para o Tabernáculo foram observados quanto à destinação da obra e o modo de coletar as ofertas:

  • A oferta é para Deus e para sua obra (ICr. 29.1). Três detalhes sobre a obra de Deus: a) Ela é feita por seus escolhidos, Salomão foi escolhido para liderar a construção, e quem a realizou foram homens escolhidos por Deus (Ne. 2.20); b) A obra é grande. A palavra “palácio”, usada tem uma conotação de um grande palácio real (ICr. 29.19); c) A obra é para Deus. Toda a planta do Templo foi feita sob orientação divina (ICr. 28.19).
  • O povo deveria ofertar com todo esforço com todas as minhas forças (ICr. 29.2). A ideia é de intensidade de esforço (Dt. 6.5). Quem oferta dessa forma dá com abundância.
  • O povo deveria ofertar com todo amor e ainda, porque amo a casa de meu Deus (Icr. 29.3). Por amor o limite é sacrificial, como fez a viúva pobre (Mc. 12.44).
  • Daquilo que temos particulares que tenho dou. Davi deu de seu tesouro particular 110 toneladas de ouro e 240 toneladas de prata. Ele deu tudo que tinha.
  • Liberalmente quem, pois, está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor? (ICr. 29.5). Significa livre, espontânea e voluntariamente (ICr. 29.6).
  • Alegria também o rei Davi se alegrou com grande júbilo (ICr. 29.9) ninguém foi coagido a ofertar.
  • Integridade porque de coração íntegro deram eles liberalmente ao Senhor (ICr. 29.9). Integridade relaciona-se com motivação: sincera, verdadeira e sem segundas intenções.

Na oração que Davi fez pelas ofertas levantadas, em ICrônicas 29.10-22, ele acrescentou outros ensinamentos sobre como ofertar:

  • Como ato de adoração e louvor;
  • Como um privilégio que Deus concede a seu povo;
  • Entendendo que estavam devolvendo um pouco do muito que ele nos dá;
  • Sentindo no coração que ofertar é um ato divino.

 

Ofertas Para os Pobres da Judeia

Ofertar é um privilégio do povo de Deus. Por isso Paulo pede ofertas para todas as igrejas, com o intuito de socorrer os crentes que passavam necessidade. Paulo usou várias palavras para conceituar aquela oferta que estava levantando:

  • Coleta (logeia) — significa uma contribuição feita nos templos religiosos. Segundo William Barclay “era o oposto de um imposto; era uma maneira de ofertar extraordinariamente”. Ofertar é uma forma de abençoar o outro que precisa.
  • Graça (charis) — descreve um dom ou privilégio imerecido. Contribuir deve ser visto como um favor concedido por Deus. A palavra “dádiva” (charis) significa “um dom”, um “presente”. Por isso quem dá é mais bem-aventurado, mais abençoado e mais feliz (At. 20.35).
  • Comunhão (koinonia), traduzido por “participarem” ou “partilharem”. O ato de ofertar é partilhar com o outro os seus bens (IICo. 8.4).
  • Serviço (diakonia) indica que a oferta é um serviço prático, uma assistência, um ministério contínuo do cristão (IICo. 8.4; 9.1,12-13; Fp. 4.14-20).
  • Liturgia (leitourgia) traduz a oferta como um ato de culto, um serviço em forma de adoração voluntária (IICo. 9.12; Fp. 2.30).

 

Como a Oferta Deveria ser Feita

Os princípios que apareceram na coleta para a construção do tabernáculo e do templo de Salomão são os mesmos usados por Paulo.

  • Oferta específica:coleta para os santos (lCo 16.1) indica que a oferta era específica, possuía um alvo definido. Era uma oferta temporária, intencional e com um propósito específico.
  • Oferta como um mandamento de Deus:Como ordenei às igrejas da Galácia (v. 1). Ordenei (diatassô) revela que ofertar era um mandamento ou uma ordenança apostólica (ICo. 7.19; 14). Todo verdadeiro cristão é um ofertante generoso.
  • Oferta sistemática:No primeiro dia da semana (lCo. 16.2). A oferta seria sistemática, isto é, aos domingos. O primeiro dia da semana é o dia de culto. Logo, a oferta é um dos elementos do culto cristão. Todo culto dominical tinha ofertório.
  • Oferta individual:Cada um de vós (v. 2) revela a individualidade e a personalidade de cada ofertante. Deus quer a oferta de todos, independentemente do seu poder aquisitivo. A oferta elogiada por Jesus Cristo foi a de uma viúva pobre.
  • Oferta preparada:Ponha de parte, em casa (v. 2) exige do ofertante um trabalho preparatório, deveria separar o dinheiro em casa antes de trazê-lo para a igreja. Eles jamais foram pressionados a dar de maneira rápida e impensada.
  • Oferta de acordo com o que tinha:conforme a suaprosperidade (v. 2) ou de acordo com o sucesso nos negócios par Deus nunca pede aquilo que não temos. Sempre ele pede um pouco do muito que nos dá.
  • Oferta que deveria ser administrada com zelo:ejuntando, para que não se façam coletas quando eu for. Expressa o cuidado de Paulo em ordenar o levantamento do dinheiro, sem permitir que dúvidas sejam levantadas sobre o seu caráter (IICo. 2.17).

Após a análise desses três exemplos bíblicos de coletas (tabernáculo, templo e para os pobres), concluímos que eles norteiam as ofertas específicas tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e podemos fazer algumas aplicações práticas sobre o assunto:

  • Ofertar a Deus é um ato de fé e obediência. É um privilégio exclusivo do povo de Deus, tanto da Antiga Aliança como da Nova Aliança; tanto daqueles que viveram antes de Cristo como daqueles que vieram depois de Cristo. O incrédulo jamais entenderá isso e sempre criticará os que ofertam.
  • Ofertar a Deus é um ato de culto. Adoramos a Deus com o que somos e temos. As nossas ofertas são “sacrifícios espirituais” ao Senhor. Todas as igrejas verdadeiras devem ter o ofertório como parte integrante de culto.
  • Pregar, ensinar e tirar ofertas na igreja não devem ser motivos de constrangimento para pastores e líderes. Ensinar a Palavra ao povo de Deus é um dever e uma responsabilidade muito grande: “Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas” (IITm. 4.2-4).
  • Ofertar a Deus é um ato voluntário, espontâneo e liberal. Oferte individualmente, conforme a sua prosperidade e de forma sistemática. Oferte com amor, alegria e generosidade para o progresso da obra de Deus. Fuja de qualquer igreja ou líder religioso que o pressione ou o constranja a dar dinheiro. Rejeite qualquer tipo de barganha de dinheiro por vãs esperanças.

 

CONCLUSÃO

Talvez você argumente que está discordando da interpretação que fizemos do assunto, e não da palavra de Deus. Porém, rogo a você que se aproxime das Escrituras sem formulações preconcebidas. Não imponha ao texto suas conclusões prévias. Extraia do texto o que está nele. Examine cuidadosamente os textos do Antigo e do Novo Testamentos. A Bíblia interpreta a Bíblia. Há uma harmonia nas Escrituras. Elas falam por si mesmas.

Minha ardente oração é que você descubra o privilégio de ser um dizimista. Minha súplica a Deus é que você, que já é dizimista, renove seu compromisso de continuar sendo fiel ao Deus fiel. Que você seja um mordomo de Deus, pronto a colocar a serviço de Deus os recursos dele que estão sob sua administração.

——-

Bibliografia:

Dízimos e Ofertas São Para Hoje?, Hernandes Dias Lopes e Arival Dias Casimiro, United Press, 2017.

 


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

10 Comentários

Comentários 1 - 10 de 10Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Um texto longo e cheio de ilações! O dízimo, as ofertas e outras contribuições devem ser feitos por amor e obediência a Deus e sua Palavra, visando sua obra. Dízimo não é mandamento para a igreja.

  2. Texto longo, cheio de ilações. Dízimo não é mandamento para a Igreja. O sustento da igreja (missões e assistencialismo) deve ser feito voluntariamente.

    1. muita enrolação mesmo, não vejo problema em dar dízimo, mas falar que é para igreja, usar malaquias ainda, aí não dá! Olha o que diz malaquias:
      Peso da palavra do SENHOR contra Israel

      Malaquias 1:1

      Contra israel

    2. alerrandro e vinicius brilel

      “Judeu é quem o é interiormente, e circuncisão é realizada na alma do crente, pelo Espírito”
      romanos 2:29

      o crente no sentido espiritual tem alguma conexão com Israel, se Mal. não serve, vide Mt.23:23.
      a contribução é voluntaria, mas a Ig.precisa.

    3. agora se voces dão dizimo com dor no coração e chorando por dentro, estão perdendo tempo … dar o dizimo ou contribui~ção na Igreja é uma forma de conexão e participação na comunhão com Deus.
      mas do jeito que voces dois reclamam, dá pena.

  3. Texto longo e cheio de ilações. Dízimo não é mandamento para a Igreja. O sustento da Igreja(missões e assistencialismo) deve ser voluntário.

  4. Alerrandro, O sustento da Igreja(missões e assistencialismo) deve ser voluntário. ???

    e onde você viu que é obrigatório ? da mesma maneira também sobre Jesus, se você não o quer é o seu livre arbitrio que decidiu isso.
    cara paga clube, paga várias coisa e não quer pagar na igreja ?

    1. geralmente o que se faz com dinheiro é um termometro da vida espiritual, se você tem cisma ou picuinha sobre contribuir na igreja, a sua vida cristã pode estar nada bem. voce paga tudo por aí, agora vem fazer um mi mi mi acido sobre contribuir na igreja, descaramento.

  5. Sou dizimista e ofertante há 12 anos. Mas o modo como o pastor presbiteriano ensinou é “forçado”.

    1. “forçado” ? bah ele tem que ser forte no argumento. e se voce é “dizimista e ofertante” deveria então guardar isso só para si . dizimo oferta é pessoal.

Comentários 1 - 10 de 10Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement