Esqueceu a senha?

A Doutrina do Mormonismo

por Artigo compilado - dom fev 14, 12:49 pm

 A DOUTRINA DO PROGRESSO ETERNO

Mormonismo ensina que nós somos tão eternos quanto Deus. No livro Regras de Fé dE James E. Talmage, na p. 389, está escrito: “Como o homem e, Deus foi; como Deus é, o homem poderá vir a ser”. Para atingir a perfeição e deidade, temos que passar por quatro estágios de vida:

– Existíamos eternamente como “inteligências” (Usam Jer.1:5, veja I Cor. 15:46)

– Progredimos daí para o mundo de espírito pré-mortal onde nascemos por procriação de Deus e uma de suas esposas.

– O terceiro estágio do Progresso Eterno é a nossa presente prova­ção mortal.

– Nossa posição depois da morte depende das nossas obras nessa vi­da. Se não fizermos bem, podemos esperar somente até a glória telestial. Porém se formos bons mórmons, poderemos esperar a glória celestial, e possivelmente a deidade.

O mormonismo ensina que há três graus de “glória”:

– Reino Telestial — para onde vão os ímpios do mundo.

– Reino Terrestríal — para onde vão as pessoas boas que não foram mórmons.

– Reino Celestial — reservado somente para os mórmons, onde os mórmons que se casaram no templo e se tornaram dignos , chegam a exaltação ou deidade.

– O inferno ou a segunda morte é reservado para o Diabo e seus an­jos e para os mórmons apostátas.

Os mórmons usam I Cor. 15:40-41 para ensinar que existem três céus. Porém qualquer um familiarizado com pensamentos judaico (e Paulo era judeu) sabe que eles acreditavam nos mesmos três céus que o cristianismo ensina hoje. O primeiro céu é o céu atmosférico das nuvens, dos pássaros, aviões,etc. O segundo é o céu das estrelas e planetas. E o terceiro céu é o lugar da habitação de Deus. A Bíblia jamais ensina que há três céus, onde as pessoas viverão eternamente.

A DOUTRINA DE DEUS

O artigo n° 1 das Regras de Fé da Igreja Mórmon diz: “Cremos em Deus, o Pai Eterno, e em Seu Filho Jesus Cristo, e no Espírito Santo”. Por causa desta declaração, muitos pensam que os mórmons creem no Deus trino do cristianismo ortodoxo. Porém, o mormonismo interpre­ta isto multo diferente.

O apóstolo mórmon, James Talmage, em seu livro Regras de Fé, p. 51, discute a ideia de um Deus manifesto em três pessoas diz: “Seria difícil conceber maior número de contradições e falta de concordância expressas em tão poucas palavras”.

No Livro Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 361, está es­crito: Eu sempre declarei que Deus é um personagem distinto, que Jesus Cristo é um personagem separado e distinto de Deus, o Pai, e que o Espírito Santo é outro personagem distinto, e é Espírito; são três personagens distintos e três deuses.

Joseph Smith disse: “O Pai possui um corpo de carne e ossos tão tangível como o do homem; o filho também: mas o Espírito Santo, não possui um corpo de carne e ossos, mas é um personagem de Es­pírito. Se assim não fora, o Espírito Santo não poderia habitar em nós”. (D&C 130:22).

Joseph Smith disse se ainda “O próprio Deus já foi como somos agora — ele é um homem exaltado, entronizado em céus distantes!… ele já foi um homem como nós; sim, que o próprio Deus, o Pai de todos nós, habitou sobre a terra, tal como o próprio Jesus Cris­to o fez; e vou prová-lo pela Bíblia” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, pp. 336,337)

Brigham Young foi além dizendo que: “Quando nosso pai Adão chegou ao Jardim do Éden, veio com um corpo celestial e trouxe consigo, uma de suas esposas, Eva, Ele ajudou a fazer e organizar este mundo. Ele é Miguel, o Arcanjo, o Ancião de Dias, do qual têm falado e escrito homens santos —Ele é nosso Deus, o único Deus com quem temos algo a ver” (Doutrinas de Salvação, Vol. 1, p.105)

Em outubro de 1976, o profeta mórmon Spencer W. Kimball disse que a doutrina Adão-Deus era uma falsa doutrina. Apesar disso, em 18 de junho de 1873, no Deseret News, o profeta Mórmon Brigham Young declarou que Deus revelou isto para ele. Mormonismo ensi­na o progresso eterno, dizendo: “Como o homem é, Deus já foi; como Deus é, o homem poderá vir a ser” (Regras de Fé, James Talmage, p. 430)

Os mórmons citam expressões bíblicas tais como a boca de Deus, o braço de Deus, os olhos de Deus, etc.

A Bíblia ensina que há somente um Deus e não três deuses.

Deut. 6:4 – “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor.”

Is. 43:10 – “… Antes de mim, deus nenhum se formou, e depois de mim, nenhum outro haverá.”

Is. 44:6 – “Fora de mim não há Deus”

Is. 44:8 – “Há outro Deus além de mim? Não, não há outra rocha, que eu conheça”

O cristianismo não crê em três deuses, mas num Deus em três pessoas: o Pai, o Filho, e o Espírito Santo. É difícil entender Deus. Nossa mente é finita e Ele é infinito. Por isto a Trindade está além da compreensão humana.

O próprio Livro de Mórmon, em 2 Néfi 31:21 declara; “E, agora, eis que esta é a doutrina de Cristo, a única e verdadeira doutrina do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo, que é um Deus infinito.”

Em D&C 20:28 está escrito: “O Pai, Filho e Espírito Santo são um Deus, infinito e eterno, sem fim.”

Veja também Alma 11:44; Mórmon 7:7.

Quanto às expressões “boca de Deus”, “braço de Deus”, etc, a Bíblia fala também no Salmo 91:4 sobre as “asas de Deus”. Será que Ele é uma galinha? Em Heb. 12:29, a Bíblia diz que Ele é “um fogo consu­midor.” Será que Ele é uma fornalha?

Jesus disse em João 4:24: “Deus é espírito.”

Em Lucas 24:39 Jesus disse: “Um espírito não tem carne e nem ossos, como vedes que eu tenho.”

As escrituras do mormonismo negam que Deus é um homem glorificado ou exaltado.

D&C 20:17 – “Sabemos que há um Deus no céu, que é infinito e eterno, de eternidade a eternidade, o mesmo Deus imutável, o criador dos céus e da terra…”

Veja Também Môroni 7:22, Alma 18:28, Éter 3:15,2 Néfi 2:14.

Assim, a escritura mórmon contradiz as doutrinas do mormonismo.

É impossível conciliar os seguintes versos da palavra de Deus com os ensinos da Igreja Mórmon que diz que Deus é um homem que muda e progride.

Núm.23:19: “Deus não é homem para que minta, nem filho do homem para que se arrependa.”

Os.11:9: “Porque eu sou Deus, e não homem.”

Em Rom.1:22,23 Paulo alerta sobre os que mudam a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível.

UMA MÃE NO CÉU (OU VÁRIAS)

“ É nos dito expressamente que Deus é o Pai dos espíritos e para compreender o caráter literal desta verdade solene é preciso que entendamos que deve existir uma mãe desses espíritos” (James E. Talmage, Regras de Fé, p.400) .

No hino “ó meu Pai”, na 3ª estrofe, está escrito: “Há somente um Pai celeste? Não, pois temos mãe também.”

JESUS CRISTO

Jesus foi criado como filho espiritual por nosso Pai e Mãe no céu.

Lúcifer (que mais tarde tornou-se Satanás) e Jesus eram irmãos espirituais (PGV, Moisés 4:1-4).

“Dizem que o Livro de Mórmon afirma que Jesus foi gerado pelo Espírito Santo. Eu desafio tal afirmação. O Livro de Mórmon não ensina isso! tampouco a Bíblia.” (Joseph Fielding Smith, Doutrinas de Salvação, Vo1. 1, p.21)

“Quando a Virgem Maria concebeu o menino Jesus, o Pai o havia ge­rado a sua própria semelhança. Ele não foi gerado pelo Espírito … Jesus, o nosso irmão mais velho, foi gerado na carne pelo mesmo personagem que estava no jardim do Éden, e que é nosso Pai Celestial… Mas o que sabem os adeptos do cristianismo com suas bíblias nas mãos, sobre este assunto? Comparativamente nada.” (Brigham Young, Journal of Discourse, Vol 1, pp. 50-51)

Jesus era o noivo nas bodas de Caná da Galiléia (Journal of Discourses, Orson Hyde, Vol. 2, p. 82)

Jesus teve pelo menos três esposas (Ibid, vol. 4, P. 259)

A Igreja Mórmon já ensinou que o sangue de Jesus não é suficien­te para expiar todos os pecados. Há certos pecados que só podem ser expiados pelo sangue do próprio pecador.

“Não há um homem ou mulher que quebre a aliança feita com Deus, que não seja requerido apagar o preço. O sangue de Cristo nunca limpara; o seu próprio sangue terá que expiar por ele” (Journal of Discourses, Brigham Young, vol. 3, p. 247).

“Eu poderia contar-lhes de muitos exemplos onde homens tem sido justamente mortos afim de expiar pelos seus pecados. Isto é amar nosso próximo como a nós mesmos. Se ele precisa de ajuda, ajude-o, e se ele deseja salvação, e é necessário derramar o seu sangue na terra para que ele seja salvo, derrame-o” (Ibid, Vol.4, p. 219,220).

Bruce McConkie declarou: “Adoramos o Pai, unicamente ele e ninguém mais. Não adoramos o Filho e não adoramos o Espírito Santo. Existem pessoas com entusiasmos excessivo que as leva a ultrapas­sar o marco. Seu desejo de excelência é desmedido. No empenho de serem ‘mais reais que o rei’, devotam-se a conseguir um rela­cionamento pessoal, especial com o Cristo que, além de impróprio, é perigoso.

Digo perigoso, porque esse curso, particularmente na vida de pes­soas espiritualmente imaturas, é um passatempo religioso que leva a atitude prejudicial de santidade aos próprios olhos. Em outros casos conduz a depressão, porque o pretendente a perfeição sabe que não está vivendo como deveria. Outro perigo é esses envolvidos multas vezes começarem a orar diretamente a Cristo por sentirem uma amizade toda especial por ele… (Vinde a Cristo, pp. 43,47 )

Jesus dos mórmons não é o Jesus da Bíblia, mas um “outro Jesus” (II Cor. 11:4).

Jesus da Bíblia sempre existiu, pois é eterno (Miq. 5:2; João 8:58 Apoc. 1:17).

Ele não é o espírito-irmão de Lúcifer, mas o criador de Lúcifer (Col. 1:16).

Ele foi gerado pelo Espírito Santo (Mat. 1:18,20; Luc. 1:34,35)

Não há nenhuma passagem na Bíblia que diz que Jesus foi poligamista ou que foi casado. Nada mais precisa ser dito sobre esta dou­trina blasfema.

Quanto à expiação, a Bíblia diz em I João 1:7 que “O Sangue de Jesus Cristo seu filho, nos purifica de todo o pecado”.

I Joao 2:2 “E ele (Jesus) é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelo de todo o mundo”.

Quanto ao relacionamento pessoal com Jesus, a Bíblia diz em I Jo­ao 1:3 que ” A nossa comunhão é com o Pai, e com seu filho Je­sus Cristo”.

Estevão orou à Jesus, Atos 7:59,60: “E apedrejaram a Estevão, que em invocação dizia: Senhor Jesus, receba o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu.”

A última oração na Bíblia foi dirigida a Jesus: “Ora vem, Senhor Jesus” (Apoc. 22:20)

SALVAÇÃO

A salvação no mormonismo é alcançada pela fé, arrependimento, batis­mo para remissão dos pecados, boas obras, e obediência às leis e or­denanças do “evangelho de acordo com os ensinos da Igreja Mórmon.” Não há lugar no mormonismo para salvação somente pela graça através da fé em Jesus Cristo.

No mormonismo há dois tipos de salvação:

Salvação geral está ligada com o universalismo, isto ó, a crença de que no final da consumação dos séculos Deus punirá de maneira restauradora as almas dos homens que rejeitaram Jesus Cristo co­mo Senhor e Salvador, reconciliando-os consigo mesmo depois de um período de castigo. Tal teoria, sem nenhuma base na Bíblia Sagrada, foi abraçada pelo mormonismo. Alguns universalistas vão ao ponto de dizer que Deus tem a intenção de salvar até o diabo e seus demônios. É interessante notar que o Livro de Mórmon não ensina o universalismo.

James Talmage declarou: “O primeiro efeito (da expiação) é exi­mir todo o gênero humano do castigo da queda c assim prover um plano de Salvação Gerai” (Regras de Fé, p. 86)

Os mórmons torcem vários textos da Bíblia para defender a doutri­na da Salvação Geral, tais como Rom. 5:18,19, Col. 1:19,20, I Tim. 4:9,10. Entretanto uma análise cuidadosa revelará que Pau­lo nunca ensinou que a reconciliação seria eventualmente aceita por todos os homens. De fato, Cristo morreu por todos, porém. Sua morte só terá efeito para aqueles que aceitarem o seu sacrifí­cio. João 3:16 diz que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito para que todo aquele que nele crer não pe­reça…”, o que implica uma condição.

O apóstolo mórmon Bruce McConkle disse: “Salvação completa é obtida pelo poder do conhecimento, verdade, justiça, e de todos os verdadeiros princípios.”

Muitas condições devem existir para fazer com que tal salvação seja disponível aos homens… Se não tivesse sido Joseph Smith e a restauração, não haveria salvação. Não há salvação fora da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. (Mórmon Doctrie, p. 670

A Bíblia porém diz o contrário;

Efésios 2:8,9 declara que a salvação é pela graça através da fé, sendo portanto um dom de Deus, não vindo das boas obras.

Rom. 3:24 “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.” Note que a redenção está era Cristo Jesus e não numa organização.

Is. 64:6     “Todas as nossas justiças (são) como trapo da imundícia.”

 ———-

PR PAULO ROMEIRO


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário