Esqueceu a senha?

É bíblica a segurança eterna?

por Artigo compilado - sex jun 07, 4:07 pm

Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado. Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim. Eu sou a videira, vós as varas; quem está em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. Se alguém não estiver em mim, será lançado fora, como a vara, e secará; e os colhem e lançam no fogo, e ardem. Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito. Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor. Jo 15.1-10

“Como cooperadores de Deus, insistimos com vocês para não receberem em vão a graça de Deus” (2ª Coríntios 6.1)

Alguns defendem a “perseverança dos santos”. Com isso, o que eles estão querendo dizer é que, não importa o que aconteça, os que forem uma vez salvos nunca poderão perder a salvação – eles irão necessariamente perseverar até o fim e nunca apostatarão.

Por outro lado, entendemos que “pessoas verdadeiramente regeneradas, ao negligenciarem a graça e entristecerem o Espírito Santo com pecado, decaem totalmente e, finalmente, da graça para a eterna reprovação”. Os cristãos primitivos defendiam que a perda da salvação era possível diante de três fatores principais:

(a) a condicionalidade da perseverança;

(b) a possibilidade da apostasia;

(c) a expressa declaração de crentes que caíram da graça.

Paulo fala de pessoas que se separaram de Cristo, “caíram da graça” (Gl 5.4). Eles não poderiam “cair” da graça se não estivessem na graça uma vez. A linguagem, mais uma vez, denota que eles tinham aceitado a graça, pois somente desta forma eles poderiam “cair” dela. Se eles tinham aceitado a graça, isso significa que eles eram salvos. Eles só caíram porque estavam de pé. E, ao caírem da graça, se apartaram dela. Não é preciso dizer que, sem a graça, não há qualquer salvação. Nós só somos salvos pela graça (Ef.2.8-9).

Da mesma forma que algum time que “caiu da Série A” não está mais na Série A, alguém que “caiu da graça” não está mais na graça. Se não está mais na graça, não está mais salvo, pois é a graça que nos salva, se estamos nela. Uma pessoa salva à parte de graça não tem sentido algum. Novamente, é uma linguagem que expressa a possibilidade clara de perder a salvação, desde que concordemos que somos salvos pela graça. Essa possibilidade de cair da graça é o que levou Paulo a escrever:

“Mantenham-se firmes na graça de Deus” (1ª Pedro 5:12)

Se aquele que foi uma vez salvo pela graça não pode se apartar desta graça de jeito nenhum até o fim da vida, não haveria qualquer sentido em Paulo dizer para se manter firme na graça de Deus. Se temos que nos manter firmes, é porque existe a possibilidade de não nos mantermos firmes, o que significa cair. Manter-se firme é condicional, nunca incondicional. Deus salva pela graça, mas é possível que alguém não se mantenha na graça, ao deixar de exercer fé, que é a ponte que nos liga à graça (Rm.5:1-2; Ef.2:8).

O autor de Hebreus também conhecia muito bem a possibilidade de alguém se excluir da graça. Ele disse:

“Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus. Que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando a muitos” (Hebreus 12:15)

É possível que alguém que está na graça de Deus permaneça firme nela ou se exclua dela. É possível que alguém caia dela ou permaneça de pé. A perseverança nunca foi incondicional. Não há nenhum lugar da Bíblia que diga que aquele que foi uma vez salvo pela graça não pode cair dela ou ser excluído dela. O testemunho bíblico unânime ressoa o contrário. É exatamente em função da possibilidade de alguém não continuar na graça de Deus que Paulo e Barnabé disseram:

“Despedida a congregação, muitos dos judeus e estrangeiros piedosos convertidos ao judaísmo seguiram Paulo e Barnabé. Estes conversavam com eles, recomendando-lhes que continuassem na graça de Deus” (Atos 13:43)

Há sentido em recomendar algo se este algo irá acontecer inevitavelmente, sem qualquer possibilidade do contrário? Há sentido em exortar a permanecer na graça, se não há chances de não permanecer? Não, não há. A exortação só ganha um sentido se há a possibilidade de alguém se excluir da graça, o que, de fato, implica em perder a salvação, já que ninguém é salvo longe da graça.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement