Esqueceu a senha?

É pecado comer carne de porco?

por Pr. João Flávio Martinez - sáb jun 20, 2:41 pm

Os Adventistas gostam de usar o texto de Isaías 66.17 para argumentar que a pessoa que ingere carne suína é um indivíduo perdido. Assim diz o texto em lide: “Os que se santificam, e se purificam para entrar nos jardins após uma deusa que está no meio, os que comem da carne de porco, e da abominação, e do rato, esses todos serão consumidos, diz o Senhor” (IS 66.17 – ARA) 

Antes de comentarmos o referido texto bíblico, vamos ver o que pensava a senhora E. G. White sobre o assunto, pois quem sabe a ela (o espírito da “profecia”) os adventistas possam escutar: E. G. White recomendou que “os que cultivam lúpulo e fumo e criam porcos entre nosso povo” não sejam importunados, pois ninguém tem o direito de “fazer destas coisas, em qualquer sentido, uma prova de comunhão”. – Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 338. Quanto ao consumo da carne de porco, ela censurou alguém que propunha fazer desse assunto uma prova de comunhão e acrescentou: “Se Deus quiser que Seu povo se abstenha da carne de porco, Ele os convencerá a respeito desse assunto.” -Testimonies, vol. 1, págs. 206 e 207 (extraído via internet no ano de 2003, site Adventista Movimento de Reforma: http://www.asd-mr.org.br/biblioteca/reforma/cap14.htm).

Parece-nos, nos comentários acima, que EG White não considerava tão pecaminoso assim a ingestão de carne suína, embora a referida autora diz e desdiz com muita freqüência. Entretanto, será que o profeta Isaías estava dizendo que quem se alimentasse de carne suína perderia sua salvação? É claro que não, pois o assunto que é abordado pelo profeta é o mesmo abordado pelo apóstolo Paulo em suas epístolas – CARNE SACRIFICADA A ÍDOLOS. Ainda que Isaías estivesse condenando a ingestão de carne suína, não seria anormal, pois era uma norma da “Lei Mosaica” – Lv.11:7 e Dt.14:8. Lei esta que os adventistas classificam como a Lei Cerimonial, a qual foi abolida II Cor. 3:14 (segundo eles, pois para nós toda Lei foi abolida). É claro que biblicamente não existe tal divisão da Lei, pois a Lei era uma só(Ne.8). O profeta Isaías fala de sacrifícios a uma deusa e, neste ritual, a ingestão da carne do porco, desta carne o povo de Deus não deveria participar.

O Novo Testamento não traz nenhuma proibição neste aspecto de alimentação. Paulo ainda diz que: “pois todas as coisas criadas por Deus são boas, e nada deve ser rejeitado se é recebido com ações de graças”(I Tm 4.4). Deus também, no Livro de Atos mostra este mesmo fato: “E (Pedro) tendo fome, quis comer; mas enquanto lhe preparavam a comida, sobreveio-lhe um êxtase, e via o céu aberto e um objeto descendo, como se fosse um grande lençol, sendo baixado pelas quatro pontas sobre a terra, no qual havia de todos os quadrúpedes e répteis da terra e aves do céu. E uma voz lhe disse: Levanta-te, Pedro, mata e come. Mas Pedro respondeu: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda (porco aqui se incluía na Lei). Pela segunda vez lhe falou a voz: Não chames tu comum ao que Deus purificou”. (At.10.10-15 – parêntese e negrito do autor). O porco, ainda que imundo, pela fé e com orações pode ser ingerido sem estarmos cometendo pecado algum. Estamos abordando o aspecto teológico e de acordo como esta visão teológica bíblica não há restrição quanto a ingestão da referida carne suína. Também entendo que não haveria problema nenhum colocar a não ingestão de carne suína como uma sugestão de saúde, o que não é o fato. Os adventistas em seus devaneios nos move a apologia, não da carne suína ou bovina, mas da graça salvadora de nosso Senhor (Ef 2.8-9). Admitir que as pessoas que ingerem certos tipos de carnes não serão salvas é importunar a soteriologia bíblica. Conclamo o amigo leitor a ter livre arbítrio em sua alimentação, mas relacionar alimentação com salvação se constitui em grave heresia.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário