Esqueceu a senha?

E quando os islâmicos conquistarem o Brasil?

por Artigo compilado - seg set 21, 12:59 pm

NOTA DO CACP: O artigo abaixo é bastante contundente e evidencia um problema que chegou até nós, cristãos brasileiros. Acabou o sossego social religioso brasileiro. A islamização do Brasil é uma realidade e precisamos lutar contra esse mal. Você precisa se engajar e fazer a sua parte – DIGA NÃO A ISLAMIZAÇÃO DO BRASIL – DIGA NÃO A RELIGIÃO ISLÂMICA!!!

——————————–

Tenho andado muito preocupado com o que vejo acontecer por todo o planeta com relação ao crescimento e às posturas do povo islâmico. A verdade é que milhões de muçulmanos têm migrado para países ocidentais e, aos poucos, se estabelecem e ocupam novos espaços. Normalmente, este não é o tipo de comentário que posto no APENAS, prefiro falar mais sobre a alma humana e questões que venham ao encontro de corações, mas hoje peço licença para abrir uma exceção. Estou muito triste e reflexivo com a situação do mundo e acredito que vale a pena chamar a sua atenção para a realidade do que está acontecendo. Este post traz alguns vídeos, mas acredito que vale a pena dedicar um tempo a assisti-los, caso você deseje. Pois a situação é grave e urgente. Não quero de modo algum incitar sentimentos negativos ou agressivos contra seres humanos, mas, sim, acender uma luz de quem não está dando muita atenção ao assunto com relação a um movimento civilizatório que está em andamento a toda velocidade no mundo – e que ameaça a cristandade.

isla 1Vejo cidades inteiras em países como França, Inglaterra, Espanha e Estados Unidos serem ocupadas por islâmicos, com todas as suas tradições ortodoxas, em grupos familiares que se multiplicam muito e rapidamente. Em minha última viagem a Londres, fiquei hospedado em um bairro onde cruzava com mulheres vestidas de preto a cada dois passos. As projeções numéricas são alarmantes e muitos analistas acreditam que ainda neste século alguns países europeus terão mais de metade da população islâmica que, por isso, sem fazer uso de força e sem derramar uma gota de sangue, tomariam conta das esferas de poder por meios democráticos, pelo voto. A matemática é simples: quando chegar ao ponto em que a maioria da população de um país seja muçulmana, mais muçulmanos serão eleitos e, sem dúvida, começarão a criar leis que favoreçam sua ideologia religiosa. Em poucas décadas, países como a Inglaterra ou a França podem vir a ser governados pela Sharia, a lei baseada no Alcorão. A Primeira Igreja Batista de São José dos Campos (SP) produziu um vídeo há poucos anos com dados assustadores sobre a questão, a que recomendo enfaticamente que você assista:


(Se não conseguir visualizar, clique AQUI para ver no YouTube)

Seria muita ingenuidade acreditar que, dentro do projeto de expansão islâmico, o Brasil ficaria de fora. Em Brasília já está em construção a embaixada da Palestina, no formato de uma mesquita. Veja o vídeo:


(Se não conseguir visualizar, clique AQUI para ver no YouTube)

Eu não duvidaria nada que em muito pouco tempo comece um fluxo migratório cada vez maior de islâmicos para o nosso país. Não será nenhuma surpresa para mim se dentro de dez ou vinte anos eu cruzar com mulheres de burca andando pela praia de Copacabana ou islâmicos fazendo suas orações ajoelhados na Praça da Sé, em São Paulo. Para mim, isso não é uma questão de “se”, mas de “quando”. Se isso parece surreal para você, veja o que já está acontecendo em cidades da França:


(Se não conseguir visualizar, clique AQUI para ver no YouTube)

Se você acredita que o problema são só os islâmicos radicais, precisa muito assistir ao vídeo abaixo, em que líderes muçulmanos afirmam categoricamente que não existem islâmicos moderados. Todo islâmico acredita no que todo islâmico acredita. Veja:


(Se não conseguir visualizar, clique AQUI para ver no YouTube).

Não quero ser alarmista nem ficar inventando teorias escatológicas apocalípticas ou doidas. Para falar a verdade, a escatologia é a área da teologia de que menos gosto. Mas a verdade é que os rumos do mundo, dentro da realidade de um projeto de expansão islâmico que dominaria países ocidentais, se encaixam perfeitamente nas profecias bíblicas. Não estou dizendo que é isso, mas pode ser que seja. Esse fato me faz pensar no que acontecerá quando houver uma invasão pacífica de islâmicos no Brasil, com um fluxo migratório que comece a aumentar aos milhares ou milhões a quantidade de muçulmanos em nossa sociedade. Ou, ainda, quando países bem aparelhados e armados como a Inglaterra e a Rússia forem controlados por muçulmanos.

Claro que esse pensamento tem uma série de desdobramentos, mas, em essência, o que eu gostaria de perguntar é se você se sente preparado caso a sua cidade comece a ter um fluxo migratório islâmico e os seguidores de Alá comecem a compor grande parte ou a maioria da população no seu município, como aconteceu na cidade deste assustador vídeo:


(Se não conseguir visualizar, clique AQUI para ver no YouTube).

Você está preparado para a islamização da sua cidade, do seu país? Eu olho para o passado e tento entender os mecanismos que ditaram as mudanças nas civilizações que nos antecederam. Esse conhecimento me faz olhar para o futuro com muito realismo, que para muitos pode soar como pessimismo. Mas vejo os islâmicos atuando em diversas frentes para se expandir. E o regime democrático é um prato cheio para que eles possam começar a se mudar para países ocidentais, implementar seus costumes e se multiplicar. É uma questão matemática. É uma questão de tempo. Enquanto nos países islâmicos você tem de obedecer às leis e aos costumes islâmicos, nos países democráticos somos, naturalmente, obrigados a aceitar a diversidade e a acatar tudo o que vem junto com a cultura muçulmana. Isso é bom, é certo e é justo, mas fico me perguntando aonde pessoas com um projeto de dominação com total liberdade de ação podem chegar dentro de um cenário como esse. E as respostas me preocupam muito.

isla 2Esse assunto não é brincadeira, nem de longe. No entanto, vejo as pessoas darem muito pouca importância para isso no Brasil, como se fosse uma realidade totalmente distante e que não nos afetasse para além das páginas de jornal. Existe um terreno riquíssimo para que os islâmicos proliferem em nosso meio, alcançando em especial as classes mais desfavorecidas. Não é brincadeira. É grave. E penso que devemos orar por isso e refletir sobre esse assunto. Aliás, não apenas os evangélicos, mas todos os ramos da sociedade. Afinal, se os islâmicos começam a dominar uma determinada região, não importa se você é católico, espírita, umbandista ou ateu: se não é islâmico, vai para o inferno. E, em muitas dessas nações, ou se converte ou morre. Esse é um alerta para todos os brasileiros. Mulheres que gostam de andar com o rosto de fora ou ir à praia de maiô deveriam se preocupar com isso. Homens que prezam a sua liberdade de expressão e opinião deveriam se preocupar com isso. Pais que querem ver seus filhos serem ensinados no evangelho de Cristo precisam se preocupar com isso. Qualquer ser humano de bem precisa se preocupar com isso.
Enquanto o futuro nos reserva desafios dessa gravidade, olho para as discussões em que nós, evangélicos, temos nos metido e elas me parecem perder o sentido. Como tenho dito com certa insistência aqui no blog, vejo a Igreja de Cristo se afundar em eternos debates sobre temas secundários ou irrelevantes da fé e deixamos de falar sobre o que é o principal. Vejo irmãos calvinistas e irmãos arminianos gastarem tempo e energias para ficar uns batendo nos outros e, quando olho para as brigas bíblicas entre irmãos como Caim e Abel, Esaú e Jacó, e Absalão e Amnom, só enxergo resultados trágicos. Vejo cessacionistas e pentecostais fazendo piadinhas mútuas que não levarão ninguém a lugar nenhum. Vejo ortodoxos e adeptos da Missão Integral se criticando e gastando litros de saliva para combater uns aos outros e imagino Deus balançando a cabeça e dizendo “Meus filhos, meus filhos… parem de brigar, eu os amo”.

Quem não é herege é meu irmão, ponto. Nasceu de Cristo? É meu irmão. Devo cuidar dele, amá-lo e ampará-lo, com carinho e amor. Se Deus me manda amar o inimigo, quanto mais o irmão que pensa diferente ou está incorrendo em algum erro. Pode ter certeza: os problemas graves do futuro da Igreja cristã não passam nem de longe por coisas bobas como o que o cantor Thalles Roberto disse ou deixou de dizer ou outras bobagens gospel que incendeiam os debates entre cristãos nas redes sociais. Porque, no dia em que a coisa apertar, questões como essas importarão tanto para nós quanto dois tostões furados.

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
Maurício Zágari < facebook.com/mauriciozagariescritor > do site apenas1.wordpress.com/ em 21/09/2015


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement