Esqueceu a senha?

EG White: A Profetisa plagiadora

por Artigo compilado - qui set 17, 7:25 pm

TEXTO DO “LOS ANGELES TIMES” DE 1980

Os Adventistas do Sétimo Dia consideram Ellen G. White como uma profetisa e mensageira de Deus que deixou sua igreja mundial com um legado de 25 milhões de palavras, incluindo 53 livros, quando morreu em 1915.

Uma grande razão para sua produção prodigiosa está agora sendo descoberta por pesquisadores na denominação de 3,5 milhões de membros (Hoje quase 15 milhões).

“Ela era uma plagiadora”, afirma o pastor Walter Rea, pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ele afirma que passou dois anos pesquisando os escritos de White.

Rea não é o primeiro adventista a encontrar exemplos de plágios e cópias não reconhecidas de EG White, mas sua evidência é a mais extensa.

A extensão precisa dos empréstimos de White provavelmente é incalculável por causa da paráfrase, diz Rea. Mas no livro de EG White sobre Jesus, “O Desejado de Todas as Nações“, Rea encontrou repetidos paralelos com seis fontes não adventistas.

Um professor do Pacific Union College, uma escola adventista no norte da Califórnia, foi nomeado pela Igreja para fazer um estudo duplo das fontes daquele livro.

As descobertas de Rea surpreenderam os adventistas, que foram ensinados a acreditar que os escritos da Sra White foram inteiramente inspirados por Deus. White tem sido para os adventistas quase o que Mary Baker Eddy é para a Igreja da Ciência Cristã (Ou o que é Maria para os católicos).

Os defensores da Sra White na liderança adventista afirmam que ela não era menos profetisa por ter usado seletivamente outro material – assim como, dizem eles, o ensino do Antigo Testamento sobre “olho por olho” veio de fontes antigas, e o Novo Testamento os autores de Judas e Apocalipse aparentemente usaram algum material da literatura apócrifa.

Alguns líderes da igreja consideram os procedimentos e conclusões de Rea pouco acadêmicos. Mas Rea, um ministro adventista por 36 anos, disse que as evidências que encontrou são tão claras que “eu poderia tirar um motorista de caminhão da rua e ele entenderia que ela plagiou muita coisa”.

Ele disse que as fontes da Sra White frequentemente eram autores religiosos não adventistas de meados do século XIX. Escritores adventistas anteriores também foram usados.

Por exemplo, Rea citou uma linha bem conhecida atribuída a Sra White, publicada por volta de 1906: “A maior necessidade do mundo são os homens, homens que não serão comprados ou vendidos, homens que em suas almas sejam verdadeiros e honestos, e que não temam chamar o pecado pelo seu nome correto, homens cuja consciência é tão fiel ao dever quanto a bússola ao polo.”

Na edição de janeiro de 1871 da revista Adventist, Review and Herald, isso foi atribuído a um “anônimo”: “A maior necessidade do mundo são os homens, homens que não serão comprados ou vendidos, homens que em suas almas sejam verdadeiros e honestos, e que não temam chamar o pecado pelo seu nome correto, homens cuja consciência é tão fiel ao dever quanto a bússola ao polo.”

Rea está concluindo o manuscrito de um livro baseado em sua pesquisa. Ele disse em uma entrevista que não encontrou um único trabalho importante de EG White que não usasse uma fonte publicada anteriormente. “E eu só estudei oito dos 700 livros que ela tinha em sua biblioteca ou aos quais teve acesso. O importante é que ela e a denominação sempre afirmaram que ela não copiou e que não foi influenciada por ninguém”, disse Rea.

A Sra White, uma reformadora da saúde cujas visões […] guiaram a igreja incipiente em suas primeiras décadas. Foi escrito em uma carta, de 1867, que ela “dependia do Espírito do Senhor para receber e escrever seus pontos de vista”, “porém as palavras que emprego ao descrever o que tenho visto são as minhas próprias, a menos que me sejam ditas a mim por um anjo, as quais eu sempre incluo entre aspas”.

Ela escreveu sobre si mesma em uma carta em 1906: “Todos os que acreditam que o Senhor falou por meio da irmã White e lhe deu uma mensagem estarão a salvo das muitas ilusões que virão nestes últimos dias”.

A importância da descoberta do empréstimo literário (plágio) não pode ser superestimada, escreveu Donald R. McAdams, presidente do Southwestern Adventist College em Keene, Texas, no periódico adventista independente Spectrum.

Ellen White é tão importante para a vida dos adventistas do sétimo dia que suas palavras afetam praticamente todas as áreas do ensino e prática adventista”, disse McAdams, referindo-se às roupas, alimentação, atividades de lazer e compreensão bíblica dos adventistas.

“Considerar suas palavras como possivelmente derivadas de outra pessoa e não necessariamente a autoridade final, introduz um elemento de caos no próprio coração do Adventismo que nos deixa todos inquietos”, disse McAdams.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia, formalmente organizada em 1863, surgiu de um grupo desapontado de crentes que esperavam testemunhar a Segunda Vinda de Jesus em 1844. Ellen e Tiago White, casados ​​em 1846, eram ativos entre os adventistas que reinterpretaram o ano de 1844 como o tempo em que Cristo se mudou para um santuário no céu para começar o julgamento investigativo dos cristãos falecidos antes de seu retorno à terra. Assim, os membros da igreja ainda antecipavam o retorno de Cristo e o “advento” de um reinado de 1.000 anos no céu para os crentes verdadeiramente salvos.

Na época de sua morte no condado de Napa, Califórnia, aos 87 anos, White era a profeta reverenciada de uma igreja com 136.000 seguidores e um forte impulso médico-missionário no exterior. Hoje (1980), cerca de 590.000 dos 3,5 milhões de membros da igreja vivem na América do Norte.

O estudo das descobertas de Rea provocou uma defesa agonizante da autoridade de EG White.

Embora reconhecendo que a Sra White usou fontes mais extensivamente do que anteriormente reconhecido, o presidente da Igreja – Neal C. Wilson – disse em março que um comitê denominacional especial advertiu contra o uso vago de termos como “dependência literária” e “empréstimo extensivo e paráfrase”.

Além disso, Wilson escreveu em uma revista adventista: “Originalidade não é um teste de inspiração. Deus inspira pessoas, não palavras”, disse ele. “O Espírito Santo mantém o mensageiro para selecionar seu material cuidadosamente… O uso do profeta de materiais existentes não significa necessariamente que o profeta dependa dessas fontes“, disse Wilson.

A demoninação declara oficialmente que a Bíblia é o único padrão de fé. Não obstante, os delegados da convenção internacional adventista, em abril passado em Dallas, aprovaram uma resolução afirmando a Sra White como “inspirada no mesmo sentido que os profetas bíblicos” e “como mensageira do Senhor, seus escritos são uma fonte contínua e autorizada da verdade… “.

Sua confiabilidade como profeta inspirada foi reafirmada no verão passado, quando um comitê da igreja rejeitou um desafio teológico às crenças adventistas por volta do ano de 1844. Desmond Ford, que apresentou o desafio, foi mais tarde “destituído”.

Parte dos argumentos de Ford baseavam-se na evidência de empréstimo literário feito pela Sra White de escritos anteriores dos adventistas – Uriah Smith e JN Andrews.

Foi Rea quem primeiro mencionou os paralelos para mim“, disse Ford, que agora mora perto de Sacramento, Califórnia. “Não apenas frase após frase foi copiada ou parafraseada“, disse Ford, “mas suas fontes continham erros que ela repetiu.”

Quatro anos atrás, em uma biografia de Ellen White, Ronald L. Numbers, outro estudioso adventista, descreveu exemplos semelhantes.

Agora inativo na igreja, que criticou seu livro como “tendencioso”, Numbers disse sobre os desenvolvimentos atuais: “Não há como eles deixarem a autoridade dela escapar demais. A capacidade de acreditar no que se quer é infinita.”

Numbers, agora membro do corpo docente da Universidade de Wisconsin, disse que nunca acusou White de plágio. “Não tenho certeza se ela estava consciente do que estava fazendo“, disse ele. “Quando você olha para suas visões, alucinações, depressão e perda de fala, se ela não fosse uma líder religiosa, você a teria feito terapia.”

Robert Olson, secretário do Ellen G. White Estate em Washington, DC, disse que a igreja não nega as evidências acumuladas da cópia de White. “Estou satisfeito por ela ter consultado algumas obras antes de escrever“, disse Olson.

Olson também disse que dá crédito à teoria avançada pelo adventista Warren Johns de que a Sra White tinha memória fotográfica e, em muitos casos, usou inconscientemente as frases e escolhas de palavras de outros escritores – tudo sem intenção.

Rea afirma que o marido da Sra White, Tiago, desempenhou um papel importante em seus escritos. Ele implorou a ela em uma carta datada de 18 de abril de 1880, que eles levassem algum tempo para distribuir certos livros. “Devemos receber liberalmente em nossos livros … Haverá uma renda de milhares de dólares anualmente, além da imensa quantidade de dinheiro que nossos escritos farão”.

James pede-lhe em uma carta de Fevereiro o seguinte para  – “terminar certos livros. Estes não vamos terminar na Califórnia nem em Battle Creek, a não ser que nos mantenhamos afastados do escritório e seus negócios. Nosso negócios financeiros estão bem e ainda há riquezas em nossas canetas…”.

Parece que a família White estava muito focada nos lucros dos livros “inspirados” da Sra White!

Por John Dart e Los Angeles Times, 7 de novembro de 1980

Imagens do livro “O Adventismo” de Ubaldo Torres.

 


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário