Esqueceu a senha?

Em nenhum outro há Salvação

por Artigo compilado - qui ago 30, 5:36 pm

Durante o Angelus de domingo, 1º de outubro, ao final da celebração de canonização dos mártires chineses, João Paulo II “aprovou de maneira especial” a declaração da Congregação para a Doutrina da Fé, esclarecendo algumas passagens.

Publicamos trechos do seu discurso

No auge do Ano Jubilar, com a Declaração Dominus Iesus – Jesus é o Senhor – por mim aprovada de modo especial, quis convidar todos os cristãos a renovar sua adesão a Ele na alegria da fé, testemunhando unanimemente que Ele é, também hoje e amanhã, “o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14, 6). A nossa confissão de Cristo como Filho único, por meio do qual nós próprios vemos o rosto do Pai (cf. Jo 14, 8), não é arrogância que despreza as outras religiões, mas jubiloso reconhecimento porque Cristo se manifestou a nós sem que o merecêssemos. E Ele, ao mesmo tempo, pediu que continuássemos a dar o que recebemos e também comunicássemos aos outros o que nos foi oferecido, porque a Verdade oferecida e o Amor que é Deus pertencem a todos os homens.

Com o Apóstolo Pedro nós confessamos “que não há outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (At 4, 12). A Declaração Dominus Iesus, seguindo as indicações do Vaticano II, mostra que com isso não é negada a salvação aos não-cristãos, mas é indicado o seu manancial último em Cristo, no qual estão unidos Deus e homem. Deus dá a luz a todos de acordo com o seu estado interior e ambiental, concedendo-lhes a graça salvífica com meios por Ele conhecidos (cf. Dominus Iesus, VI, 20-21). O Documento esclarece os elementos cristãos essenciais, que não impedem o diálogo, mas mostram as suas bases, porque um diálogo sem bases destinar-se-ia a degenerar em verbosidade vazia.

O mesmo é válido também para a questão ecumênica. Se o Documento, com o Concílio Vaticano II, declara que “a única Igreja de Cristo subsiste na Igreja Católica”, não quer com isto exprimir pouca consideração pelas outras Igrejas e comunidades eclesiais. Essa convicção caminha a par com a consciência de que isso não é mérito humano, mas um sinal da fidelidade de Deus que é mais forte que as debilidades humanas e os pecados, por nós confessados de modo solene perante Deus e perante os homens no início da Quaresma. A Igreja Católica sofre – como diz o Documento – pelo fato de verdadeiras Igrejas particulares e comunidades eclesiais com elementos preciosos de salvação estarem separadas dela.

O Documento exprime dessa forma, mais uma vez, a mesma paixão ecumênica que está na base da minha encíclica Ut unum sint. É minha esperança que esta Declaração, que me é tão cara, depois de tantas interpretações erradas, possa desempenhar finalmente a sua função esclarecedora e ao mesmo tempo de abertura.

(extraído da edição em língua portuguesa do jornal
L’Osservatore Romano, 7 de outubro de 2000)
————————————————
Para saber mais sobre o Catolicismo – O CACP disponibiliza para você, por um preço especial, os seguintes produtos:

DVD
– A Rainha do Céu: Nesse DVD o Dr Paulo Romeiro discute a doutrina mais polêmica do Catolicismo – A Mariolatria. 

APOSTILA
-O Catolicismo: Você terá nessa apostilas a refutação de todos os dogmas do Catolicismo.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement