Esqueceu a senha?

Primeira encíclica do Papa Francisco condena idolatria

por Pr. João Flávio Martinez - qua jul 31, 12:33 pm

O papa Francisco lançou a encíclica “Lumen Fidei” (“A Luz da Fé”), a primeira escrita por dois papas: a primeira de Francisco e a última de Bento XVI, que consta de quatro capítulos em 85 páginas: o primeiro, “Acreditamos no amor”, sobre a escuta do chamado de Deus; o segundo, “Se não crerdes, não compreendereis”, aborda a relação entre a fé e a verdade; o terceiro, “Transmito o que recebi”, trata da nova evangelização; e o quarto, “Deus prepara uma cidade para eles”, sobre fé e o bem comum.

O que é uma encíclica ou carta encíclica (“epistolae encyclicae”/”litterae encyclicae”)? É um documento pontifício, instituído por Bento XIV (1740-1758), dirigido aos bispos e, por tabela, aos fiéis. É através de uma encíclica que o papa exerce o seu magistério ordinário.

A “Lumen Fidei”, que oficializa o ponto final das ideias ratzingerianas na Santa Sé, foi escrita por Bento XVI para completar a sua trilogia sobre as três virtudes teologais: a fé, a esperança e a caridade – “Deus Caritas Est” (“Deus é amor”, 2005) e “Spe Salvi” (“Salvos na esperança”,2007) –, mas, como ele renunciou (em 11 de fevereiro de 2013) antes de sua publicação, num gesto de solidariedade, o papa Francisco a concluiu.

Numa parte da encíclica, aparentando um momento de lucidez, o texto mostra que a idolatria é o contrário da fé. Explica que os crentes em ídolos são pessoas reticentes da sua própria esperança e não sabem a quem serve. É contundente a crítica contumaz feita a uma igreja de um papa idólatra e de um povo mais ainda subserviente às imagens de escultura. O intrigante é que o mesmo papa que condena a idolatria nesta encíclica, vá até Aparecida e, num gesto pagão, curva-se (adora) e beija a “padroeira do Brasil”.

Pra que você entenda o tamanho da contradição, segue o texto da encíclica:

A história de Israel mostra-nos ainda a tentação da incredulidade, em que o povo caiu várias vezes. Aparece aqui o contrário da fé: a idolatria. Enquanto Moisés fala com Deus no Sinai, o povo não suporta o mistério do rosto divino escondido, não suporta o tempo de espera. Por sua natureza, a fé pede para se renunciar à posse imediata que a visão parece oferecer; é um convite para se abrir à fonte da luz, respeitando o mistério próprio de um Rosto que pretende revelar-se de forma pessoal e no momento oportuno. Martin Buber citava esta definição da idolatria, dada pelo rabino de Kock: há idolatria, « quando um rosto se dirige reverente a um rosto que não é rosto ». Em vez da fé em Deus, prefere-se adorar o ídolo, cujo rosto se pode fixar e cuja origem é conhecida, porque foi feito por nós. Diante do ídolo, não se corre o risco de uma possível chamada que nos faça sair das próprias seguranças, porque os ídolos « têm boca, mas não falam » (Sal 115, 5). Compreende-se assim que o ídolo é um pretexto para se colocar a si mesmo no centro da realidade, na adoração da obra das próprias mãos. Perdida a orientação fundamental que dá unidade à sua existência, o homem dispersa-se na multiplicidade dos seus desejos; negando-se a esperar o tempo da promessa, desintegra-se nos mil instantes da sua história. Por isso, a idolatria é sempre politeísmo, movimento sem meta de um senhor para outro. A idolatria não oferece um caminho, mas uma multiplicidade de veredas que não conduzem a uma meta certa, antes se configuram como um labirinto. Quem não quer confiar-se a Deus, deve ouvir as vozes dos muitos ídolos que lhe gritam: « Confia-te a mim! » A fé, enquanto ligada à conversão, é o contrário da idolatria: é separação dos ídolos para voltar ao Deus vivo, através de um encontro pessoal. Acreditar significa confiar-se a um amor misericordioso que sempre acolhe e perdoa, que sustenta e guia a existência, que se mostra poderoso na sua capacidade de endireitar os desvios da nossa história. A fé consiste na disponibilidade a deixar-se incessantemente transformar pela chamada de Deus. Paradoxalmente, neste voltar-se continuamente para o Senhor, o homem encontra uma estrada segura que o liberta do movimento dispersivo a que o sujeitam os ídolos”.

A grande incógnita agora é – os católicos vão abandonar seus ídolos e se converterem ao Deus vivo? E por que o Papa Francisco condenou a idolatria, mas segue na prática de tamanho pecado?


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

5 Comentários

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Sugiro a leitura das duas carta do pastor Saul da igreja Batista da Lagoinha-MG, enviada ao site montfort, questionando o Professor Orlando Fedeli sobre esse e outros temas.É só digitar no campo de busca do referido site ou no google:
    Imagens, idolos, veneração, adoração. A Outra: Maria, Mãe de Deus.

  2. Devemos ficar mais atentos agora irmãos, eu duvidava dos ´pastores do apocalipse´, que viam o catolicismo como a besta e afirmavam q o Bento iria ficar pouco tempo e isso aconteceu. Claro que tirando os exageros o anti-cristo no mínimo tem q ser uma pessoa influente o bastante para unir o oriente médio além de carismático ao ponto de cativar outras religiões. Esse pai dos católicos parece ser carismático o bastante, más será que é influente!?! Vou continuar com a Palavra de Deus, firme fundamento da nossa Fé. Jesus Único Mediador.

  3. O que é idolatria no novo testamento?Aqui a maioria dos protestantes esbarram  “teologia da prosperidade”
    Não servir Deus e o dinheiro, o deus mamom (Luc. 16, 13).
    Apego os bens materiais. (Marc. 10, 5).
    Tesouro na terra (Luc 12, 20, 21).
    Ja sei a IC é muito rica bla bla bla…

  4. Onde está meus comentários paxtor refutando suas heresias?

  5. O conceito de idolatria católico não é igual ao conceito de idolatria do CACP. E o conceito de idolatria do CACP também é diferente das outras 50000 denominações evangélicas. Cada qual tem seu conceito de idolatria. O único consenso é que todos são contra o conceito católico.

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement