Esqueceu a senha?

Eu não sou Charlie

por Pr. João Flávio Martinez - ter jan 13, 11:33 am

eu não sou charlie

“Eu não sou Charlie”, e por uma razão óbvia, a revista não é uma publicação irreverente, mas um periódico de ódio e desrespeito com instituições e dogmas de fé. Desenhar a Trindade cristã em um coito homossexual extrapola qualquer objetivo de crítica e de liberdade, é realmente um terrorismo à liberdade religiosa! Concordo também que certas charges foram demasiadamente desrespeitosas com a religião islâmica e sem dúvida é até motivo de ações judiciais contra a publicação. Qualquer manifesto democrático de repúdio aos chargistas da Charlie seria bastante compreensível.

Agora, matar 17 pessoas por causa disso, é simplesmente uma barbárie sem tamanho! É um dos atos mais covardes da história da humanidade feito à imprensa jornalística! Inadmissível em qualquer aspecto! Mas claro, comemorado em países muçulmanos pelos “muçulmanos pacíficos”, aqueles que dizem que é o lado bonzinho dessa religião homicida! É óbvio que o islamismo é um credo que motiva o terrorismo, deixei isso bem especificado no meu livro “Islão: Tem influência nos atos terroristas?” (Clique aqui pra adquirir). A escritora Ayyan Hirsi Ali deixou muito explicitado em seus livros (sendo ela é uma das mais graduadas e especializadas em islã na atualidade) que o recrutamento para a Jihad acontece sempre entre os “muçulmanos pacíficos”. Ayyan aponta com evidências o claro envolvimento do islamismo em seu todo em questões de conflitos étnicos e de atos terroristas. As provas mostram que o Islã sempre motivou guerras e chacinas entre religiões e mesmo entre os próprios muçulmanos. As pessoas não sabem, mas os maiores assassinos de muçulmanos são os próprios islâmicos.

Bem, como já expliquei, entendo pela teologia islâmica a comemoração das mortes dos chargistas da Charlie (embora repudie completamente tal doutrina) – os muçulmanos envolvidos fizeram apenas o que seu profeta Maomé exigiu que eles fizessem e isso está bem registrado nas páginas do Alcorão. O que me deixa pasmado nisso tudo é ver que alguns cristãos – não importa se são católicos, protestante ou de qualquer outro credo – achar que o ocorrido na Revista Charlie foi do agrado de Deus. O único deus que gostou daquilo foi Alá (ou o diabo) e não o Deus bíblico. A Bíblia, principalmente para os cristãos que tem no Novo Testamento o complemento do contexto da revelação divina, não ensina a odiar e matar os perseguidores, mas o contrário ensina-nos a orar e amar nossos algozes. Jesus Cristo nunca corroboraria com o acontecido na França. O Deus verdadeiro não agiria dessa maneira na dispensação da sua Graça! Um cristão, que corrobora com os atos dos terroristas islâmicos, não é cristão, mas sim uma fraude religiosa! Um membro da comunidade de Jesus Cristo jamais agiria ou concordaria com a barbárie ou com o terrorismo! Tais “cristãos” que deram à palmatória a chacina ocorrida na França não conhecem o Deus que é amor e não merecem ser chamados de cristãos!


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

7 Comentários

Comentários 1 - 7 de 7Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Nenhum cristão de bom senso concorda com ato terrorismo ocorrido.
    mas a charge contra a trintade mostra o coração mau dos chargistas, antes de publicarem, eles pensaram no assunto, decidiram fazer, certamento com boas doses de gargalhadas imaginando a feição da cristandade. 

  2. Nenhum cristão coerente pega em armas para “defender” Deus. por isto os chargistas percebendo que os cristãos são passivos fizeram uma caricatura bem pesada e ofensiva contra a trindade. e depois eles foram mexer com o vespeiro, contra os extremistas, levaram a pior.

  3. Gálatas 6:7; Salmo 5:5-6; João 3:36; I Samuel – 5:9; II Samuel – 7:14; Salmo – 28:3; Salmo 81:15; Salmo 91:8; Salmo 94:10; Salmo 125:5; Provérbios 10:16; Provérbios 11:21; Provérbios 17:5; Provérbios 19:19; Provérbios 19:29; Provérbios 22:8; Jeremias 23:12.

  4. Não vejo problema das sátiras contra a trindade, contra Jesus, etc. Jesus está vivo, pode se defender. Não cabe a nós a defesa da pessoa de Deus. Quem somos? Apologética nada mais é que a defesa da fé, mas PARA NÓS MESMOS, e não como imposição….

    1. SE FIZER UMA CHARGE DA SUA MÃE COMO FIZERAM NAQUELA SITUAÇÃO COMO FOI CONTRA A  D IVINA TRINDADE, QUERIA VER VOCE SE DÁ ESSA MESMA RESPOSTA. NÃO LI NENHUMA DEFESA DA PESSOA DE DEUS, VOCE É QUE INVENTOU TUDO, NÃO PASSA DE UM PERTURBADOR DESIQUILIBRADO.

  5. Eu até entendo que o cristão não pode despertar esse sentimento de ira, mas os chargistas daquele periódico colheram o que plantaram, o Deus vivo e verdadeiro foi escarnecido, ultrajado e aviltado pelos chargistas, cometendo a blasfêmia, um pecado gravíssimo!

  6. O comentário do usuário Pmatias me deixou impressionado com a falta de conhecimento teológico. Nem consigo imaginar uma resposta para dar à esse comentário. O calvinista já disse bem. E Johnny Banderas ótimo comentário.

Comentários 1 - 7 de 7Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement