Esqueceu a senha?

Exegese de Isaías 7.14

por Enviado por email - sáb jun 07, 1:12 pm

Exegese do capitulo 7.14 de Isaías:

Em Isaías 7.14 vemos uma das profecias mais claras a respeito da messianidade da pessoa de Jesus. Alguns judeus equivocados, que não levam em considerarão algumas questões do seu próprio idioma, tentam de toda forma contornar o sentido obvio da profecia messiânica de Isaías 7.14.

Alguns se detêm ao contexto, que aparentemente parece ser uma interpretação bem convincente.

Isaías entrega a mensagem de Deus a Acaz e lhe diz para pedir um sinal para confirmar que a profecia é verdadeira (7:11). Acaz se recusa, dizendo que ele não testará Deus (7:12). Isaías responde que Acaz receberá um sinal mesmo que ele não peça um, e o sinal será o nascimento de uma criança, e a mãe da criança lhe dará o nome de Emanuel (7:13-14); quando a criança “souber rejeitar o erro e escolher o que é certo” (isso é, tiver idade suficiente para distinguir o bem do mal), ele estará comendo coalhada e mel e Efraim e a Síria serão destruídos. (7:15-16):

Is foto 1

A respeito disto comenta Allen Rosso: Há muitas interpretações oferecidas para este versículo, e você tem que ter cuidado para lidar com o contexto, o significado das palavras, e a teologia da Bíblia todos juntos. Eu acho que a pessoa tem que ver dois “cumprimentos” para esta profecia (como é frequentemente o caso com a profecia)- porque o tempo de referências na passagem para a idade da criança e da invasão não se encaixam. Além disso, a forma como Mateus usa a Escritura apoia esta ideia: ele viu estas velhas passagens proféticas como parcialmente tipológica, o que significa que o cumprimento histórico tornou-se um tipo de cheia (e literal) significado final. Mas isso abre várias interpretações possíveis que não podem ser decididas em conjunto de forma satisfatória. Um ponto de vista leva a “criança” para nascer como Ezequias, o bom e justo rei. Mas ele provavelmente  teria nascido anos antes deste oráculo. Outra visão é levar a criança como filho de Isaías mencionado no capítulo 8. Isto tem um certo apelo, pois a redação do Isaías 8.1-4 é semelhante ao de 7.14, essa criança é chamada de sinal em 8.18 , Emanuel é repetida duas vezes no capítulo 8, e a vista nos daria o encerramento, uma identidade na passagem do Velho Testamento. O ponto fraco é que a visão seria necessária a  “jovem” ou “virgem”  ser madura para o casamento para ser a esposa do profeta, que já tinha um filho. Algumas pessoas que têm essa visão argumentam então que Isaías pode ter se casado de novo, mas com certeza isso soa artificial para ajustar a vista. Outra visão é que alguma jovem princesa (a virgem na época do oráculo) que é desconhecida para nós, mas conhecida no tribunal de repente se casou e teve um filho como um sinal de que a dinastia iria continuar. Isso se encaixa com o oráculo bem o suficiente, mas o ponto fraco é que não há encerramento. Mas, claro, não há fechamento de qualquer maneira, até porque o profeta nunca diz quem é[1].

Outra objeção significativa em relação a respeito desta passagem em particular, se encontra no termo “virgem”, como as nossas traduções tradicionalmente vertem. No original hebraico de Isaías 7.14, a palavra almah significa uma moça já em idade de ter filhos mas que ainda não havia tido nenhum e que poderia ou não ser virgem. A tradução grega, porém, traduziu almah por parthenos, que significa “virgem”.

Sobre isto, também comenta Ross: A palavra hebraica é ‘almah (a partir de uma raiz ‘alam) com um artigo, ” a jovem” Um estudo cuidadoso desse termo, creio eu, deu à conclusão de que ele descreve uma jovem mulher que está madura para o casamento; e que o termo em si não significa “virgem”, o contexto vai decidir isso. Neste contexto, na corte real, a sociedade mais educada e, certamente, como um sinal celestial da presença de Deus, essa jovem se presume certamente ser uma virgem. Essa mulher teria uma criança, e essa criança era para ser a prova da presença de Deus no meio do Seu povo, representado pelo nome ‘Immanuel , Emanuel, “com a gente por Deus.” O sinal seria a prova que a família real de Davi e, assim, a nação de Judá teria realmente um futuro glorioso[2].

Fazendo uma exegese desse versículo, podemos notar que toda a descrição é para o futuro, o uso do termo

Is foto 2

A expressão grifada a cima, é traduzida literalmente: “Eis a Jovem estará grávida, e dará a luz um filho, e chamará”, alguns judeus desconhecedores do hebraico bíblico, argumentam que todas as locuções estão no tempo presente. Eles ignoram que a partícula introdutória “hinnēhsempre quando usada pelo profeta Isaías, é para introduzir acontecimentos futuro. Quanto ao adjetivo “Hâra” (Está grávida), pode sim ser vertido como “estará grávida”, visto que em uma expressão nominal, o tempo fica a luz do contexto, e como todas as expressões estão no tempo futuro, é lógico presumirmos que “Hâra” também está (confira Juízes 13.05).  O termo “chamar”, também o está, visto que o mesmo (o verbo chamar) é precedido por um “waw conversivo”, alterando assim o tempo verbal, de passado para futuro.

Enviado por e-mail pelo José Lima


  • [1] Allen Ross A Call for Faith and the Sign of Immanuel Isaiah 7:1-25

 

[2] Allen Ross A Call for Faith and the Sign of Immanuel Isaiah 7:1-25

 


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement