Esqueceu a senha?

“Haverá uma epidemia de HIV entre os Gays”

por Julio Severo - qui nov 28, 2:13 pm

Ministro da saúde da Inglaterra avisa sobre catastrófica epidemia mundial de HIV entre gays

O Diretor Nacional de Saúde e Bem-Estar do Reino-Unido adverte que existe uma epidemia de HIV crescente e potencialmente catastrófica entre homens homossexuais em todo o mundo.

Falando na Conferência de Outono da Associação Britânica de HIV no início deste mês, o professor Kevin Fenton disse que a despeito de um crescente número de instrumentos para combater as infecções com HIV, a incidência e predomínio da doença nos MSM (homens que praticam sexo com homens — em inglês Men who have Sex with Men) está aumentando ao invés de diminuir globalmente.

Em sua apresentação, entitulada “O Ressurgimento Global da Epidemia de HIV entre os MSM,” o Dr. Fenton disse que ao mesmo tempo que homens homossexuais em toda parte têm as mais altas taxas de HIV quando comparadas com as da população em geral, contrário à opinião popular, os MSM em países mais ricos têm uma taxa de infecção amplamente mais alta do que a de residentes mesmo de países mais pobres.

“Estima-se que a taxa de HIV nos MSM é oito vezes mais alta do que a taxa da população geral em países de baixa renda, e 23 vezes mais alta do que a da população geral em países de alta renda,” disse o Dr. Fenton.

“Os números mais confiáveis de predomínio sugerem que, regionalmente, América Latina e Caribe têm taxas especialmente altas, mas em nenhum lugar do mundo a taxa de predomínio de HIV é mais baixa nos MSM do que a da população como um todo. Mesmo na África do Sul, o país com mais pessoas vivendo com HIV no mundo, ele é duas vezes mais comum nos MSM do que em outras pessoas.”

O Dr. Fenton notou com alguma perplexidade que as estatísticas mostram que, no mundo desenvolvido, os EUA têm as mais altas taxas de novas infecções, o Reino Unido tem os mais altos números globais de homens infectados, e muitos países da Europa central têm as mais altas taxas de crescimento nos número de homens infectados.

O Dr. Fenton apontou a causa para a epidemia de HIV nos MSM inequivocadamente nas duas mais obvias particularidades do sexo homossexual: relação anal e promiscuidade.

“O HIV foi especialmente alto particularmente por razões biológicas,” explicou Fenton. “Estima-se agora que o sexo anal é 18 vezes mais fácil de transmitir o HIV do que o sexo vaginal. A probabilidade de contrair HIV pelo ânus no sexo anal uma vez com um parceiro com uma carga viral de HIV detectável é cerca de 1,4% ou uma em 71 encontros; mas devido ao fato de as pessoas praticarem sexo juntas mais de uma vez, a probabilidade por parceiro de contrair HIV de um parceiro sero-diferente é, em homens gays, cerca de 40%.”

“Outro fator de mais alto predomínio de HIV entre homens gays,” disse Fenton, “é que porque homens gays têm mais parceiros e mais altas taxas de trocas, suas redes sexuais são mais intimamente conectadas: 25% dos homens gays diagnosticados com HIV eram membros de um grupo que tinha vírus HIV que era geneticamente identico, sugerindo rápida transmissão dentro de uma rede, comparado com 5% da população heterossexual.”

O Dr. Fenton também identificou elementos de dependência psicosocial e de substância nas taxas explosivas de HIV nos MSM.

“As taxas de fumo (de 27 a 66%, dependendo da área), uso de drogas recreativas, depressão ao longo da vida (cerca de 40%) e ansiedade intensa ao longo da vida (em 20%) são todas aproximadamente o dobro em homens gays quando comparadas com o publico em geral,” acrescentando que os MSM também têm mais altas taxas de experiências traumáticas tais como abuso sexual de crianças (CSA, child sexual abuse em inglês) e violência do parceiro íntimo (IPV, intimate partner violence) do que as da população geral.

“Em muitos estudos que observaram as altas taxas de depressão, uso de drogas, CSA e IPV em homens gays, e as relacionaram com o predomínio de HIV e sexo de alto risco, homens gays com três ou quatro dessas condições foram duas vezes mais prováveis de possuir HIV e três vezes mais provável de ter tido sexo recente de alto risco do que homens com nenhuma delas,” disse o Dr Fenton.

A despeito da ampla aceitação da homossexualidade em países de alta-renda, e as estatísticas incompatíveis que no mundo desenvolvido os EUA têm as mais altas taxas de novas infecções de HIV, o Dr. Fenton concluiu que “os MSM continuam a ser excluídos, muitas vezes sistematicamente, das pesquisas, serviços e prevenções contra o HIV por causa do estigma, discriminação, e criminalização.”

Fonte: LifeSiteNews – Divulgação: www.juliosevero.com


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. “Outro fator de mais alto predomínio de HIV entre homens gays,” disse Fenton, “é que porque homens gays têm mais parceiros e mais altas taxas de trocas, suas redes sexuais são mais intimamente conectadas: 25% dos homens gays diagnosticados com HIV eram membros de um grupo que tinha vírus HIV que era geneticamente idêntico, sugerindo rápida transmissão dentro de uma rede, comparado com 5% da população heterossexual.”

    “semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a DEVIDA RECOMPENSA do seu erro.”
    (Romanos 1:27)

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement