Esqueceu a senha?

Igreja evangélica na mira da lei anti-“homofobia” do Estado de São Paulo

por Julio Severo - seg set 10, 12:41 pm

Depois de denúncias de grupos homossexuais contra o conteúdo dos outdoors que reproduzia textos bíblicos sobre o comportamento homossexual, a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo instaurou um processo administrativo para investigar se foi um caso de discriminação sexual, conforme a Folha de S. Paulo.

O caso aconteceu em agosto, quando a Igreja Evangélica Casa da Oração de Ribeirão Preto pagou para a publicação das seguintes passagens da Bíblia:
“Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável.” (Levítico 20:13 RA)

“Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.” (Romanos 1:26-27 RA)

“Portanto, arrependam-se e voltem para deus, a fim de que ele perdoe os pecados de vocês.” (Atos 3:19 BLH)

O pastor Antônio Hernandes Lopes, responsável pela colocação dos versículos bíblicos nos outdoors, declarou para a Folha de S. Paulo que não teve intenção de ofender ninguém. “Apenas pus a Palavra de Deus que está na Bíblia.” Lopes deixou claro que nada tem contra os homossexuais. “Só não compactuamos com a maneira de se relacionarem”, disse.

Embora o PLC 122 não tenha sido aprovado como lei federal, o governo estadual do PSDB aprovou uma lei anti-“homofobia” no Estado de São Paulo em 2001. A lei foi criada em resposta à reivindicação de dois homossexuais que estavam se beijando em público e se queixaram de pessoas próximas que se sentiram ofendidas. A lei do PSDB foi criada especificamente para proteger manifestações homossexuais públicas.

Agora, a mesma lei do PSDB que protege beijos e obscenidades homossexuais em público quer a censura de versículos bíblicos em público e a perseguição legal de pastores que os divulgam.

Com informações da Folha de S. Paulo via Agência de Notícias da Aids

Fonte: www.juliosevero.com


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

5 Comentários

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. É terrível que alguém cite Levíticos como norma de conduta para quem não pertença às tribos judaicas percorrendo os desertos do Oriente Médio.

    Caso os amigos não saibam, Levíticos 19 proíbe, por exemplo, o corte dos cabelos e exige que a carne seja esvaziada do sangue. 😎

  2. Levíticos é citado pelos cristãos desde que o contexto seja “espiritual” ou “moral”, logicamente outros textos relacionados à cultura judaica ou cerimonial não é praticado. Lv.20:13 é entendido como moral, então devemos atentar a aceita-lo. o autor tb citou o NT. e não só o A.T.

  3. O que me é curioso é que no final o suposto”autor”,tenha citado que uma lei permite “obscenidades homossexuais”,não importa quem seja obscenidade é obscenidade,vejo casais héteros ouvindo funk e se esfregando em roupas mínimas sempre!Site sem credibilidade nenhuma,autor medíocre.

  4. “jenifer” … blá-blá…vc diz “vejo casais heteros …se esfregando em roupas intimas.”
    assim como existem homos , também existem heteros impios, são eles adulteros, fornicários …mas a palavra de Deus reprova tanto um como aquele. ñ é prq é hetero é melhor.

  5. Citar trechos da Bíblia seletivamente para espalhar ódio e intolerância não é algo razoável. Por meio de trechos selecionados a dedo e fora de contexto é possível defender o apedrejamento, estupro, violência contra a mulher, escravidão, além da homofobia.

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement