Esqueceu a senha?

Internet: de diversão à dependência

por Artigo compilado - qua out 23, 5:18 pm

Internet: de diversão à dependência. Pesquisa diz: São como viciados em heroina!

Será que você ou seus filhos estão viciados em internet?

Se responder “sim” a pelo menos três perguntas abaixo, as coisas não vão bem.

– Em um momento de tristeza, você assiste de novo alguma coisa engraçada no YouTube, o Nissim Ourfali da vez?

– Enquanto está na internet, se alguém surge do seu lado para conversar, você fica irritado ou impaciente?

– Você sofre frequentemente com a terrível possibilidade de um dia a internet acabar para sempre?

– Você deixa de sair com seus amigos e relaxar só para passar mais um tempinho na internet?

– Você é daqueles que dormem pouco porque prefere ficar na internet até altas horas da madrugada?

Agora vamos a mais algumas informações relevantes.

Em 1995 a internet deixou de ser privilégio das universidades e da iniciativa privada para se tornar de acesso público no Brasil e de lá pra cá uma anomalia de hábitos foi se desenvolvendo lentamente. Infelizmente pra muita gente essas práticas conectaram desejos e vontades a um mundo virtual paralelo ao real. Para esses, a grande rede tornou-se numa janela (de ilusões), que apelando às emoções por meio de suas porções informativas, comunicativas e audiovisuais os permitem “sentir-se realizados ciberneticamente”; chegando à conclusão de que podem conseguir no mundo cibernético o que não é possível no real. Esse novo hábito aparentemente interativo e divertido ultrapassou os limites de uma nova e passageira mania, confirmou-se em comportamento estabelecido, e por fim resultou em um novo mal do século XXI. O saldo desta dependência por internet que se nota hoje, principalmente entre adolescentes é tida por especialistas e entidades que pesquisam a área e comportamentos relacionados a ela, como uma nova patologia psíquica que precisa de tratamento e acompanhamentos adequados.

Do ponto de vista ético, a dependência psicológica criada pela internet é taxada de vício, e esse, numa conceituação geral é um hábito repetitivo que degenera ou causa algum prejuízo ao dependente e aos que com ele convivem. A psicóloga Kimberly Young que coordena um programa relativamente novo no Centro Médico Regional Bradford (West Yorkshire, Inglaterra), afirma que a dependência da internet é tratada como um problema de ordem mental e física, com tratamento similar ao da dependência química. Young afirma que os pacientes internados para uma “desintoxicação” de 10 dias realmente precisam do tratamento, e que o vício em internet pode ser mais prejudicial que o alcoolismo. “São como viciados em heroína, chegam aqui muito magros e doentes”, disse a pesquisadora.

Segundo pesquisas, no Brasil, líder mundial em tempo gasto na internet em casa, estima-se que 5% dos usuários sejam viciados. “Tenho acompanhado casos de adolescentes que, de tão absortos na atividade, ficam sem comer, beber e dormir por até 45 horas seguidas”, diz o psicólogo Cristiano Nabuco, especialista em distúrbios da internet. Em 2013, o Transtorno da Dependência de Internet será incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.Será a primeira vez que a bíblia dos profissionais da saúde mental incluirá uma categoria que relaciona interações humanas com máquinas. Aliás, China, Japão e Coréia do Sul já tratam o assunto como questão de saúde pública. Nesses países, 30% dos adolescentes são considerados viciados em internet.

Extraído do site Gospel + em 23/10/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement