- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

Invocação de demônios na IURD

[1]O Bispo Macedo explica qual é a tática da IURD na invocação dos demônios: “(Nesse momento de oração há o que chamamos de invocação de demônios – então nomes de entidades são invocados)… Já oramos muitas vezes por pessoas viciadas em tóxicos, bebidas…. o responsável por tudo é o exu chamado “Zé pelintra” ou “Malandrinho”… Prostitutas, homossexuais e lésbicas sempre são possuídos por “pomba-giras”… Costumamos pegar aquele (demônio) que se manifesta mais atrevida para fazer demonstrações diante do povo, de quem realmente se trata aquela entidade incorporada… Ao fazermos orações em favor daqueles que nos procuram, ordenamos… que as entidades malignas abandonem seus esconderijos e venham até o lugar onde estamos… em obediência à ordem, imediatamente se manifestam … por que há necessidade de se fazer isso? .. Para expulsá-los, conversamos com eles e lhes damos ordens….” (Livro “Orixás, Caboclos & Guias”, Ed. 2001, pgs.43, 48 e 109, parêntese nosso)

A IURD não somente emprega práticas pagãs supersticiosas; usa também a nomenclatura do baixo espiritismo para se referir às entidades espirituais malignas. Enquanto que as Escrituras silenciam quanto aos nomes dos demônios, mencionando apenas por nome o líder deles, Satanás, a IURD se utiliza da nomenclatura afro-brasileira dos deuses da Umbanda para dirigir-se aos demônios, identificá-los e eventualmente expulsá-los. “Tranca ruas”, “pomba gira”, “exús”, “caboclos”, “preto velho”, etc., são nomes normalmente empregados nos cultos de libertação.

A Bíblia alerta o seguinte quanto ao uso de nomes de entidades pagãs: “Aqueles que escolhem a outros deuses terão as suas dores multiplicadas; eu não oferecerei as suas libações de sangue, nem tomarei os seus nomes nos meus lábios”.(Sl 16.4).

Sobre essa problemática, argumenta o Dr. Paulo Romero: “Em alguns círculos evangélicos, os pregadores da libertação chegam a instigar os demônios para que se manifestem, dando-lhes ordens como: “Comece a manifestar aí, Exu Tranca-rua, comece a manifestar, Exu Caveira”,(…) e uma lista de nomes de orixás da umbanda e do candomblé são mencionados. Parece até ser uma reunião de invocação aos demônios. Não vemos tal modelo na Bíblia. Nem Jesus nem os discípulos mandaram os demônios se manifestarem. As manifestações demoníacas na Bíblia foram espontâneas (veja: Mc 1.23,24; 3.11). A simples presença de Jesus era o bastante para que o inimigo se manifestasse. O mesmo acontecia com os discípulos. Quando esteve em Filipos, Paulo não mandou que o espírito que possuía uma jovem se manifestassem. Muito ao contrário, sentiu-se incomodado com as declarações e o demônio foi expulso (At.16:17-18). Basta a presença do Senhor na Igreja ou na vida do cristão para o inimigo ficar incomodado. O culto cristão deve ser centralizado no Senhor. O objetivo principal do povo de Deus ao se reunir é adorar a Deus em espírito e em verdade”.

[2] [3]Compartilhar [4]