Esqueceu a senha?

Islamismo: A teologia do terror, do crime e do ódio

por Artigo compilado - sáb nov 14, 6:40 pm

Após os atos terroristas desse final de sema na França (dia 13/11/15), a questão da violência e religião muçulmana, mais uma vez, entram em intensas discussões e debates. É nossa convicção que, apesar de vários fatores políticos, pontos sócio-econômicos e culturais têm contribuído significativamente para o aumento da violência e do terrorismo no Islã (Islam) contemporâneo fundamentalista, e não podemos ignorar a dimensão religiosa da violência que voltará ao coração e à origem do Islã .

O ponto que gostaríamos de fazer é bastante simples. Os Muçulmanos que cometem atos de violência e terror em nome de Deus, podem encontrar uma grande justificativa para suas ações com base nos ensinamentos do Alcorão e nos ditos e exemplos do profeta Mohamed (Muhammad, Maomé)! Ouvimos com frequência nos meios de comunicação que a relação entre terroristas Muçulmanos e o Islã é como a da KKK (Ku Klux Klan) com o Cristianismo. Essa analogia é absolutamente falsa. Os Cristãos que se envolveram em violência, estão traindo os ensinamentos e exemplos explícitos de Jesus Cristo. Por outro lado, os Muçulmanos que destroem seus inimigos alegadamente em nome de Deus, podem se gabar de estar seguindo os mandamentos de Allah (Alá, Allá) no Alcorão e imitando seu profeta como seu modelo.

Nosso ponto, naturalmente, não deve ser tomado para sugerir que todos os Muçulmanos fiéis e devotos devem tornar-se violentos a fim de serem fiéis aos ensinamentos do Islã. Nós não hesitaremos em dizer que a grande maioria do mundo Muçulmano condena os atos de terror e violência. Existem muitas escolas de pensamento no Islã com interpretações diversas e, muitas vezes conflitantes com o Alcorão. No entanto, a importante distinção que estamos fazendo é esta: os grupos minoritários do Islã que recorrem à violência, não são uma aberração ao Islã, mas, na verdade, podem legitimamente reivindicar estar a trabalhar dentro dos parâmetros básicos da Jihad Islâmica. Vamos agora à prova em apoio da nossa reivindicação.

A seguir estão apenas alguns dos versos do Alcorão que podem e têm sido usados ​​na história do Islã em apoio à violência em nome de Deus e as glórias do martírio em uma guerra santa.

2:190-193 “Combatei, pela causa de Deus, aqueles que vos combatem… Matai-os onde quer se os encontreis… combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer a religião de Deus…”

2:216 “Está-vos prescrita a luta (pela causa de Deus), embora o repudieis. É possível que repudieis algo que seja um bem para vós e, quiçá, gosteis de algo que vos seja prejudicial; todavia, Deus sabe todo o bem que fizerdes, Deus dele tomará consciência”.

2:244 “Combatei pela causa de Deus e sabei que Ele é Oniouvinte, Sapientíssimo”.

3:157-158 “Mas, se morrerdes ou fordes assassinados pela causa de Deus, sabei que a Sua indulgência e a Sua clemência são preferíveis a tudo quando possam acumular. E sabei que, tanto se morrerdes, como ser fordes assassinados, sereis congregados ante Deus”.

3:169 “E não creiais que aqueles que sucumbiram pela causa de Deus estejam mortos; ao contrário, vivem, agraciados, ao lado do seu Senhor”.

3:195 “… quanto àqueles que… sofreram pela Minha causa, combateram e foram mortos, absorvê-los-ei dos seus pecados e os introduzirei em jardins, abaixo dos quais corres os rios, como recompensa de Deus”.

4:101 “… os incrédulos; em verdade, eles são vossos inimigos declarados”.

4:74,76 “Que combatam pela causa de Deus aqueles dispostos a sacrificar a vida terrena pela futura, porque a quem combater pela causa de Deus, quer sucumba, quer vença, concederemos magnífica recompensa. Os fiéis combatem pela causa de Deus; os incrédulos, ao contrário, combatem pela do sedutor. Combatei, pois, os aliados de Satanás, porque a angústia de Satanás é débil”.

4:89 “Não tomeis a nenhum deles por confidente, até que tenham migrado pela causa de Deus. Porém, se se rebelarem, capturai-os então, matai-os, onde quer que os acheis, e não tomeis a nenhum deles por confidente nem por socorredor”.

4:95 “Os fiéis, que, sem razão fundada, permanecem em suas casas, jamais se equiparam àqueles que sacrificam os seus bens e suas vidas pela causa de Deus; Ele concede maior dignidade àqueles que sacrificam os seus bens e suas vidas do que aos que permanecem (em suas casas)”.

5:36 “O castigo, para aqueles que lutam contra Deus e contra o Seu Mensageiro e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, ou banidos. Tal será, para eles, um aviltamento nesse mundo e, no outro, sofrerão um severo castigo”.

5:54 “Ó fiéis, não tomeis por confidentes os judeus nem os cristãos; que sejam confidentes entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por confidentes, certamente será um deles; e Deus não encaminha os iníquos”.

8:12-17 “E de quando o teu Senhor revelou aos anjos: Estou convosco; firmeza, pois, aos fiéis! Logo infundirei o terror nos corações dos incrédulos; decapitai-os e decepai-lhes os dedos! Isso, porque contrariaram Deus e o Seu Mensageiro; saiba, quem contrariar Deus e o Seu Mensageiro, que Deus é Severíssimo no castigo… Ó fiéis, quando enfrentardes (em batalha) os incrédulos, não lhes volteis as costas. Aquele que, nesse dia, lhes voltar as costas – a menos que seja por estratégia… Vós que não os aniquilastes, (ó muçulmanos)! Foi Deus quem os aniquilou”.

8:59-60 “E não pensem os incrédulos que poderão obter coisas melhores (do que os fiéis). Jamais o conseguirão. Mobilizai tudo quando dispuserdes, em armas e cavalaria, para intimidar, com isso, o inimigo de Deus e vosso, e se intimidarem ainda outros que não conheceis, mas que Deus bem conhece”.

8:65 “Ó Profeta, estimula os fiéis ao combate. Se entre vós houvesse vinte perseverantes, venceriam duzentos, e se houvessem cem, venceriam mil do incrédulos, porque estes são insensatos”.

9:5 “… matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os; porém, caso se arrependam…”.

9:14 “Combatei-os! Deus os castigará, por intermédio das vossas mãos”.

9:29 “Combatei aqueles que não crêem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Deus e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro, até que, submissos, paguem o Jizya [imposto para poder morar entre os Muçulmanos]”.

47:4 “E quando vos enfrentardes com os incrédulos, (em batalha), golpeai-lhes os pescoços, até que os tenhais dominado, e tomai (os sobreviventes) como prisioneiros… E se Deus quisesse, Ele mesmo ter-Se-ia livrado deles; porém, (facultou-vos a guerra) para que vos provásseis mutuamente. Quanto àqueles que foram mortos pela causa de Deus, Ele jamais desmerecerá as suas obras”.

61:4 “Em verdade, Deus aprecia aqueles que combatem, em fileiras, por Sua causa, como se fossem uma sólida muralha”.

Uma simples leitura de tais passagens do Alcorão deixa claro o quão fácil é para muitos Muçulmanos sentir ódio e inimizade contra os Judeus, Cristãos e outros não-Muçulmanos. Embora, muitos Muçulmanos gostem muito de citar alguns dos versículos do Alcorão mais “mente aberta”, não se pode ignorar o peso e o impacto das passagens acima em um Muçulmano devoto que quer obedecer a vontade de Deus como encontrado no Alcorão. Antes de seguirmos para outros exemplos do profeta Mohamed em si, precisamos responder a duas questões que alguns Muçulmanos suscitam até a este ponto.

Muitos alegam que os versos do Alcorão em apoio à luta foram para uma situação histórica especial sobre o início do Islã. Eles argumentam que, desde que profeta Mohamed foi perseguido em Meca nos primeiros treze anos de seu ministério, ele foi justificado em suas ações militares nos últimos 10 anos de sua vida em Medina, dando, também, apoio ao movimento Islâmico que brotava. O problema com este raciocínio é que em nenhum lugar no próprio Alcorão as ordens para lutar se restringem a um período de tempo especial ou contra um grupo de pessoas especiais. São contrários aos mandamentos divinos encontrados no livro de Josué no Velho Testamento, que eram específicos para um tempo, lugar e grupo de pessoas. Os ortodoxos Muçulmanos acreditam que os comandos do Alcorão são universais e, portanto, aplicáveis a todos os tempos e lugares.

A segunda objeção que se ouve é que o Islã é uma religião de paz e que a guerra no Islã é apenas para auto-defesa. Jamal Badawi, um popular apologeta Muçulmano, afirma, “A Jihad armada é permitida somente sob duas condições: uma é para a auto-defesa, e a outra é para a luta contra a opressão.” (citedo em Diana Eck, A New Religious America, HarperSanFrancisco, 2001, p. 238). Embora, Badawi seja muito preciso na descrição das condições de jihad armada no Islã, o que ele esquece de dizer é que as definições de “autodefesa” e “lutar contra a opressão” são muito mais amplos do que normalmente se entende. Muitos Muçulmanos ortodoxos acreditam que se os líderes de uma nação não reconhecem o domínio do Islã, então os governantes são “opressores” e, portanto, um alvo legítimo para a guerra (ver João Kelsay, o Islã e a guerra, Louisville: Westminster / John Knox Press, 1993, p. 35). Muitos Muçulmanos argumentam que a América é um agressor cultural exportando seus valores de Hollywood a todo o mundo e, assim, toda a luta contra os Americanos é feito em auto-defesa (veja o artigo de Mark Galli, “Now What? Uma resposta Cristã ao terrorismo religioso, “Christianity Today, 22 de outubro de 2001). Portanto, não há fim à forma como um grupo Muçulmano pode definir “autodefesa” e “opressão” e, assim, encontrar uma justificação para a violência Islâmica.

Vamos agora voltar nossa atenção para alguns exemplos de algumas das ações e palavras do profeta Mohamed para ver se os Muçulmanos podem encontrar qualquer legitimidade para o uso da violência como vemos no mundo contemporâneo. Queremos lembrar ao leitor que só vamos usar os escritos mais antigos, autoritários e de origem Islâmica em apoio à nossa tese. A primeira biografia do profeta Mohamed foi escrita por Ibn Ishaq, no segundo século da era Islâmica e mais tarde foi editado por Ibn Hisham, no terceiro século. Este trabalho foi traduzido para o Inglês sob o título A vida de Muhammad, por A. Guillaume e publicado pela Oxford University Press em 1955. Os relatos a seguir são alguns dos ditos e ações do profeta Mohamed e de seus companheiros íntimos encontrados nesta biografia.

Na constituição de Medina, a qual o profeta escreveu quando ele e seus seguidores migraram de Meca no ano 622, podemos ler: “Um crente não deve matar outro crente por causa de um descrente, nem ele deve ajudar um incrédulo contra um crente… Os crentes são amigos um do outro, excluindo de pessoas de fora… Os crentes devem vingar o sangue derramado de outro centre no caminho de Deus” (p. 232).

O primeiro da série de assassinatos que o profeta ordenou foi o de um velho Judeu chamado Ibnu’l-Ashraf. Seu crime foi escrever poesia contra os Muçulmanos. “O apóstolo disse: ‘Quem vai me livrar de Ibnu’l-Ashraf?”. Um de seus seguidores se ofereceu e disse: “Vou cuidar dele para você, Ó apóstolo de Deus, eu vou matá-lo”. E o profeta respondeu dizendo: “Faça isso, se você puder”. O profeta também explicitamente deu a seus assassinos permissão para mentir e usar de artimanhas para realizar sua missão. O registro continua a descrever como os seguidores do profeta enganaram o velho fora de sua casa no meio da noite e o atacaram com espadas e punhais, assassinando-o brutalmente. Depois de completar sua missão, os seguidores retornaram relatando ao profeta que “haviam matado o inimigo de Deus”. O autor conclui este incidente escrevendo: “Nosso ataque contra o inimigo de Deus lançou terror sobre os Judeus, e não houve Judeu em Medina que não temesse por sua vida” (pg. 367-368).

No próximo incidente nesta biografia do profeta Mohamed, lemos: “O apóstolo disse: “Mate qualquer Judeu que cai em seu poder”. O autor, em seguida, conta a história de dois irmãos, dos quais o mais novo era um Muçulmano. Ao ouvir esta ordem, o irmão mais novo Muçulmano mata um comerciante Judeu. O irmão mais velho tornou-se muito crítico da ação do seu irmão mais novo. Em resposta, o irmão mais novo diz: “Se a pessoa que me mandou matá-lo me mandasse matar você também, eu teria que cortar sua cabeça fora”. O irmão mais velho exclamou. “Por Deus, uma religião que pode te levar a isso é maravilhosa!”. E ele se tornou um muçulmano” (p. 369).

Em uma das batalhas depois de um dos tios do Profeta Mohamed ser barbaramente assassinado, Mohamed tornou-se tão irritado que ele disse, “Se Deus me conceder vitória sobre os Curaixitas (‘Curaixe, Quraish’) no futuro eu vou mutilar 30 de seus homens”. Vendo a tristeza de seu profeta, os seguidores de Mohamed disseram: “Por Deus, se Deus nos der a vitória sobre eles, no futuro vamos mutilá-los como nenhum Árabe jamais mutilou alguém”. Felizmente, o profeta mudou de idéia e mais tarde decidiu proibir a mutilação. (P. 387)

Em outro famoso incidente com o povo Judeu, depois de já ter expulsado duas tribos Judaicas da cidade de Medina, o profeta orquestrou a execução de todos os machos adultos da ultima tribo de Judeus da cidade e a tomou todos os bens, as mulheres e crianças. As fontes Muçulmanas dizem que o número de Judeus foram decapitados em um dia foi entre 600 a 900 (P. 464).

Em outra ocasião, o profeta e seus companheiros foram à procura do tesouro escondido de uma tribo conquistada. Um indivíduo foi levado a Mohamed por supostamente saber onde estava localizado o tesouro escondido. O profeta ameaçou matar o indivíduo se ele não contasse aos Muçulmanos onde o tesouro estava. Após a recusa em cooperar, “O apóstolo deu ordens a al-Zubair b. al-Awwam, “Torture-o até que você extraia o que ele tem”, então ele acendeu um fogo com pederneira e aço em seu peito até que ele quase morreu. Em seguida, o apóstolo entregou-o a Muhammad b. Maslama e ele arrancou-lhe a cabeça” (p. 515).

Após a conquista de Meca, um número de indivíduos foi requisitado para ser morto pelo profeta sem nenhuma imunidade. Os crimes cometidos pela maioria dessas pessoas eram que estavam fazendo “canções satíricas” contra Mohamed ou teriam insultado seu ministério em Meca (p. 551). Uma pessoa que teve a sorte de ser perdoada foi Abdullah b. Sa’d. “A razão pela qual ele [Mohamed] ordenou que ele fosse morto era que ele havia sido um Muçulmano usado para escrever a revelação. Então ele se apostatou e voltou para os Curaixe”. Como Abdullah era irmão adotivo de um companheiro próximo a Mohamed, ele foi capaz de receber uma audiência com profeta para pedir imunidade. O profeta involuntariamente concedeu a imunidade. Após a pessoa perdoada sair, Mohamed disse a seus companheiros, “Eu me mantive em silêncio para que um de vocês possa se levantar e atacar-lhe a cabeça!”. Um dos Ansar disse: “Então por que você não me deu um sinal, Ó apóstolo de Deus?” Ele respondeu que um profeta não mata apontando” (p. 550).

A um de seus comandantes a quem o profeta estava enviando em uma “expedição”, ele deu este conselho, “Combata todos no caminho de Deus e mate aqueles que não crêem em Deus. Não seja enganoso com os despojos; não ser traiçoeiro, nem mutile, nem mate crianças. Este é a ordenança de Deus e a prática do seu profeta entre vós” (p. 672).

Outro assassinato encomendado pelo profeta foi o de seu tio Abu Sufyan, o líder da oposição pagã em Meca. Voluntários Muçulmanos viajaram a Meca para realizar esta missão. A tentativa de assassinato, no entanto, se frustrou. Já no caminho de volta para Medina, um dos seguidores do profeta encontrou um pastor de um só olho que confessou que nunca aceitaria o Islã. Nós pegamos o relato do próprio assassino Muçulmano. Tão logo o homem estava “dormindo e roncando, levantei-me e o matei da maneira mais horrível que qualquer homem foi morto. Coloquei a ponta do meu arco em seu olho bom, então fiz pressão sobre ele até que forçou para fora na parte de trás do seu pescoço… Quando cheguei a Medina… o apóstolo pediu minhas notícias e quando eu lhe disse o que tinha acontecido, ele me abençoou” (pp. 674-675).

A biografia do profeta segue este relato com mais dois relatos de assassinatos encomendados com sucesso pelo profeta. Abu Afak havia “mostrado sua insatisfação com o apóstolo” compondo um poema. “O apóstolo disse: ‘Quem vai lidar com esse canalha para mim?’ Nisso Salim b. Umayr… saiu e o matou” (P. 675). Após este assassinato, uma mulher com o nome de Asma b. Marwan “exibiu desafeto” e também compôs um poema contra o profeta. “Quando o apóstolo ouviu o que ela havia dito, ele disse: ‘Quem me livra da filha de Marwan?’ Umayr… que estava com ele, ouvindo-o, naquela mesma noite foi à casa dela e a matou. Na manhã seguinte ele veio para o apóstolo e lhe disse o que tinha feito e ele [Mohamed] disse: ‘Você tem ajudado a Deus e Seu apóstolo, ó Umayr’” (pp. 675-676).

Mais uma vez, acho que os exemplos acima (que nada mais é do que uma pequena, minúscula lista de assassinatos encontrados na biografia de Mohamed) são suficientes para fornecer mais de uma justificativa adequada para a morte e a destruição de qualquer um que se opõe à ideologia do Islã. No entanto, o que é ainda mais importante para a formação da atitude e do comportamento Muçulmano não são os relatórios de tal biografia, mas as coleções de ditos de Mohamed e ações na literatura hadith. Vamos agora olhar para alguns exemplos do hadith. A seguir estão alguns exemplos na coleção de Bukhari, o livro de maior autoridade no Islã Sunita, perdendo apenas para o Alcorão (Sahih Bukhari, 9 volumes. Traduzido para o Inglês por dr. Muhammad Muhsin Khan, Al Nabawiya: Dar Ahya Us-Sunnah).

“O Apóstolo de Allah disse: ‘Sei que o Paraíso está sob a sombra de espadas.’” (Vol. 4, p. 55)

“O Apóstolo de Allah disse: ‘Eu tenho sido obrigado a lutar com o povo até que eles digam: ‘Ninguém tem o direito de ser adorado, exceto Allah’. E quem diz: ‘Ninguém tem o direito de ser adorado, exceto Allah’, terá a sua vida e propriedades salvas por mim…” (vol. 4, p. 124).

“Não é apropriado para um profeta que ele tenha prisioneiros de guerra (e liberte-os com resgate) até que ele faça uma grande matança (entre os seus inimigos) na terra…” (vol. 4, p. 161).

“Mate quem quer que tenha deixado a religião Islâmica” (Vol. 9, p. 45).

“Um espião infiel veio ao Profeta enquanto ele estava em uma viagem. O espião sentou-se com os companheiros do Profeta e começou a falar e depois foi embora. O Profeta disse (aos Companheiros), ‘Persiga-o e mate-o’. Então, eu o matei. O Profeta então deu os pertences do espião morto” (Vol. 4, p. 181-182).

“Algumas pessoas da tribo de Ukl vieram ao Profeta e abraçaram o Islamismo. O clima de Medina não lhes convinha, por isso o Profeta ordenou-lhes ir para os camelos (rebanho de leite) e beber seu leite e urina (como um medicamento). Eles fizeram assim e depois de terem recuperado de sua doença (tornando-se saudáveis), se renegaram (deixaram o Islamismo), mataram o pastor dos camelos e levaram os camelos para longe. O Profeta enviou (algumas pessoas) em sua perseguição e por isso eles foram pegos e trazidos de volta, e o Profeta ordenou que suas mãos e pés fossem cortados e que seus olhos fossem marcados com pedaços de ferro aquecido, e que seu corte nas mãos e pernas não fosse cauterizado, até que morressem” (Vol. 8, p. 519-520).

“O Profeta passou por mim em um lugar chamado Al-Abwa ou Waddan, e foi questionado se era permitido atacar os guerreiros pagãos à noite com a probabilidade de expor suas mulheres e crianças ao perigo. O Profeta respondeu: “Eles (mulheres e crianças) são deles (dos pagãos)” (vol. 4, p. 158-159).

A tradição acima, como muitas outras, também se repete em outras coleções de provérbios do profeta Mohamed. Na segunda coleção de hadith de maior autoridade, o Sahih Muslim, o capítulo que discute este caso em específico tem o título, “Admissibilidade de se matar mulheres e crianças nas incursões noturnas, desde que não seja deliberado”. O autor passa então a escrever, “É relatado sob a autoridade da Sa’b b. Jaththama que o Profeta de Allah (que a paz esteja com ele), quando questionado sobre as mulheres e crianças dos politeístas serem mortos durante o ataque noturno, disse: Eles são deles” (vol. 3, pg. 946-947, Sahih Muslim, traduzido por Abdul Hamid Siddiqi, 4 volumes).

Vamos acabar com essa discussão com mais duas tradições de outra coleção, Sunan Abu Dawud. De acordo com um capítulo intitulado “Excelência no matar um infiel”, lemos o seguinte dito. “Abu Harairah relatou o Apóstolo de Allah (que a paz esteja com ele) dizendo: Um infiel e aquele que o matou nunca serão reunidos no Inferno”. O tradutor Muçulmano desta obra adiciona a seguinte nota de rodapé a esta tradição, “Isso significa que uma pessoa que mata um infiel no caminho de Allá (Jihad) terá seus pecados perdoados, e, portanto, irá para o Paraíso. O infiel, inevitavelmente, vai para o inferno. Assim o homem que matou um infiel não será reunido no inferno com ele” (vol. 2, p. 690, Sunan Abu Dawud, traduzido por Ahmad Hasan, 3 volumes, Nova Deli: Kitab Bhavan, 1990).

Outro capítulo nesta coleção é intitulado, “Punição a um homem que abusa do Profeta (que a paz esteja com ele)”. O autor reconta a história de um homem Muçulmano que matou a sua escrava e concubina com quem teve dois filhos. Desde que ela “menosprezou” o Profeta, o dono da escrava pegou um punhal, colocou-o na barriga dela e apertou-a até que a matou”. Ao ouvir a razão para este assassinato, o profeta disse, “Oh, seja testemunha, nenhuma retaliação é necessária pelo sangue dela” (ibid. vol. 3, pp 1214-1215). O próximo incidente no capítulo acima é relatado por Ali. “Uma Judia costumava abusar do Profeta (que a paz esteja com ele) e a depreciá-lo. Um homem estrangulou-a até que ela morreu. O Apóstolo de Allah (que a paz esteja sobre ele) declarou que nenhuma recompensa seria paga por seu sangue” (p . 1215). Mais uma vez, o tradutor nos fornece as seguintes notas explicativas. “É unanimidade que se um Muçulmano abusa ou insulta o Profeta (que a paz esteja com ele), ele deve ser morto… Mesmo se um Judeu ou qualquer outro não-Muçulmano abuse do Profeta (que a paz esteja com ele), ele será morto… A punição por abusar ou se opor ao Profeta (que a paz esteja com ele) será a morte” (p. 1215).

A violência no Islã, seja na forma de terrorismo ou na perseguição aos Cristãos e outras minorias no mundo Muçulmano, ou a pena de morte para um indivíduo que se afasta do Islã, ou as ameaças de morte contra Salman Rushdie por supostamente insultar profeta Mohamed, não são simplesmente alguns incidentes isolados ou aberrações dentro da religião de “paz” que é o Islã. Essas violências são, de fato, a raíz do Islã, tal como encontrado no Alcorão e nas ações e ensinamentos do próprio profeta do Islã. Osama bin Laden citava alguns dos versos do Alcorão e passagens da hadith que utilizamos aqui a fim de apresentar uma justificação religiosa para suas ações.

Gostaríamos de concluir esta seção, referindo-se um programa produzido pela Frontline e exibido na PBS para todo o Reino Unido, intitulado “The Saudi Time Bomb”. Em um ponto neste programa fomos informados sobre o estado da educação religiosa patrocinada na Arábia Saudita. De acordo com a Frontline, “aproximadamente 35% dos estudos das escolhas estão focados nos estudos religiosos Sauditas”. Um desses livros publicados em 2000 foi uma coleção de ditos do profeta Mohamed que foi utilizado por alunos do ensino médio na Arábia Saudita. Uma lição é intitulada “A vitória dos muçulmanos sobre os Judeus”. De acordo com uma tradição de profeta Mohamed, “A última hora não virá antes dos Muçulmanos lutarem contra os Judeus, e os muçulmanos vão matá-los até que os Judeus se escondam atrás de pedras e árvores Então as rochas e árvores dirão: Oh, Muçulmanos, oh, servo de Deus! Há um Judeu, atrás de mim, venha matá-lo”. Como um bom livro educacional, os ensinamentos do livro são resumidos em várias declarações preposicionais, tais como:

É o destino decidido por Deus que os Muçulmanos e Judeus lutarão até o fim do mundo.

Este Hadith prevê a vitória do Deus dos Muçulmanos sobre os Judeus.

Judeus e Cristãos são os inimigos dos crentes. Cuidado com eles.

(Fonte: www.pbs.org./wgbh/pages/frontline/shows/saudi/etc/textbooks.html)

Idéias têm conseqüências. Isso se tornou mais uma vez bem claro ao nosso após certas idéias terem gerado violentas conseqüências. Não estamos nos engajando em velhas polêmicas entre Cristãos e Muçulmanos quando destacamos a prevalência da violência em toda a história do Islamismo. Estamos apenas expondo os ensinamentos nas fontes originais e autoritárias do Islã. Acreditamos que é essencial que as pessoas de boa vontade ao redor do mundo saibam que debaixo de todas as causas políticas, sociais e culturais para o aumento da violência entre os Muçulmanos, existe um fundamento religioso, pois a violência está profundamente enraizada dentro da visão de mundo do Islã. O mundo precisa levar o desafio do Islã mais a sério do que qualquer outro momento no passado.

Extraído do site http://www.answering-islam.org/ em 14/11/2015


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

2 Comentários

Comentários 1 - 2 de 2Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. quem defende q o islã não prega a morte ou é hipócrita ou desinformado.

  2. E vi tronos;e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram DEGOLADOS pelo testemunho de Jesus..Apocalipse 20:4-6. CHIP.666.Anticristo Obama.Moeda única.Estado Islâmico criado pelo Obama.Governo mundial.Papa Falso profeta.OBAMA/CARE.Marca da besta.

Comentários 1 - 2 de 2Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement