Esqueceu a senha?

Jesus Cristo, Nosso Salvador

por Artigo compilado - seg maio 05, 12:06 am

jesus.m

E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.

Mateus 3.7

Jesus é denominado Filho de Deus em todos os quatro Evan­gelhos: ele é tanto o centro da história do mundo como da doutrina da Bíblia. Ele é chamado de Alfa e Ômega, Amigo dos Publicanos, o Bem-Amado, o Autor e Consumador da Nossa Fé, o Autor da Salvação, o Autor da Vida, o Bom Companheiro, o Cordeiro de Deus, Cristo Nosso Senhor, e de centenas de outros nomes. Em Isaías 9.6, é denominado “Deus Forte”; em Hebreus 2.10, “Autor da Salvação”; em ICorintios 11.3, “Cabeça de TbdoHomem”; em João 14.6, “o caminho, e a verdade, e a vida”. Mas o profeta Isaías, chamado de “o profeta evangélico”, tal a ênfase que dá à pessoa do Senhor Jesus, por volta do ano 700 antes de Cristo escreveu detalhes, minúcias sobre ele, sua divindade, a finalidade de sua vinda ao mundo. No capítulo 49, começa dizendo: “Ouvi-me, ilhas, e escutai vós, povos de longe: O Senhor chàmou-me desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe fez menção do meu nome (…).” A partir do capítulo 53, explica o seu sacrifício e morte em subs­tituição pelos nossos pecados. Contudo, alguns séculos antes de Isaías, os Salmos 2, 8, 16 e muitos outros clamavam pela vinda do Messias. Deve-se dar relevo ao Salmo 22, que prenuncia as pala­vras que ele próprio diria ao ser crucificado: “Deus meu. Deus meu, por que me desamparaste? (…) Todos os que me vêem zombam de mim, arregaçam os beiços e meneiam a cabeça, dizendo: Confiou no Senhor; que ele o livre (…) Repartem entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica lançam sortes (…)”, fatos esses narrados em Mateus 27, versículo 35 e seguintes; Marcos 15, versículo 24 e seguintes; Lucas 23, versículo 35 e seguintes; e João 19, versí­culo 19 e seguintes.

Quanto à sua divindade, a Bíblia também não deixa a menor dúvida. Quando Deus apareceu a Moisés no deserto, ordenando–lhe que retirasse o povo do Egito, Moisés ficou perplexo. Depois de receber as ordens, questionou com Deus o sucesso de sua missão, perguntando, a partir de Êxodo 3.11:

(...) Quem sou eu, para que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel? Respondeu-lhe Deus: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado do Egito o meu povo, servireis a Deus neste monte. Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me perguntarem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? Respondeu Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.

(Ex 3.11-14)

Na sua vinda, no seu ministério na Palestina, Jesus usou a mesma expressão ao falar aos judeus, quando lhe perguntaram admirados, diante dos milagres e maravilhas que praticava:

Porventura és tu maior do que nosso Pai Abraão, que morreu? Também os profetas morreram; quem pretendes tu ser? Respondeu Jesus: (…) Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia; viu-o, e alegrou-se. Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão? Respondeu–lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.

(Jo 8.53-58)

Jesus repete a mesma expressão pelo menos nove vezes, a partir de 5.18 do Evangelho de João.

O Antigo Testamento também está repleto do mesmo trata­mento por Davi, Isaías, Jeremias… O motivo principal das Escrituras é sempre Jesus. Ele é o Messias, o Prometido, o Emanuel.

Tomé, uma figura das mais populares até hoje, aquele que só acreditaria vendo, viu e convenceu-se. Eis como aconteceu:

Diziam-lhe, pois, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Ele, porém, lhes respondeu: Se eu não vir o sinal dos cravos nas suas mãos, e não meter o dedo no lugar dos cravos, e não meter a mão no seu lado, de maneira nenhuma crerei. Oito dias depois estavam os discípulos outra vez ali reunidos, e Tomé com eles. Chegou Jesus, estando as portas fechadas, pôs-se no meio deles e disse: Paz seja convosco. Depois disse a Tomé: Chega aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; chega a tua mão, e mete-a no meu lado; e não mais sejas incrédulo, mas crente. Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!

(Jo 20.25-28)

Em Apocalipse, a expressão Alfa e Ômega (que são a primeira e a última letras do alfabeto grego) significa o princípio e o fim; Eu sou aquele que é eterno, conforme o mesmo Apocalipse 1.8; 21.6; 22.13. E, encerrando, basta citar João 14.6: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Cumpre notar que Jesus disse: ninguém vem ao Pai, e não: ninguém vai ao Pai. Ir a ele é o mesmo que ir ao Pai. Mas, nesse capítulo de João há um apóstolo insistente. Ele pede a Jesus: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Respondeu-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e ainda não me conheces, Filipe? Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” (Jo 14.8,9).

A divindade de Jesus é um assunto sobre o qual não paira a menor dúvida entre os cristãos sinceros. É bom que se saiba que todo o Evangelho de João foi escrito justamente para isto: para dirimir dúvidas surgidas em fins do século I quanto à divindade de Jesus. É evidente que ele foi bem-sucedido em sua missão.

Extraído do livro “O Catolicismo Romano Através dos Tempos”, Ed. JUERP


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement