Esqueceu a senha?

José Smith examinado como tradutor

por Artigo compilado - dom mar 08, 12:10 am

josephsmith_large

Martin Harris foi uma das “três testemunhas” do Livro de Mórmon. Pediram-lhe que hipotecasse a sua fazenda para ajudar a publicar e distribuir o Livro de Mórmon. Como cautela, Harris foi ao professor Charles Anthon, renomado erudito da Universidade Columbia, com uma ou duas páginas de caracteres do “egípcio reformado”.

Depois de examinar o material, Anthon preveniu a Harris que etava sendo vítima de uma fraude. Os caracteres não eram hieróglifos egípcios. Entretanto, José Smith afirmou em sua revelação, Pérola de Grande Valor, que Anthon havia dito: “que a tradução estava correta, muito mais que qualquer outra tradução que ele tinha visto antes, traduzida do egípcio. Então mostrei-lhe aqueles que ainda não haviam sido traduzidos e me disse que eram egípcios, caldeus, assírios e arábicos; e disse que eram caracteres verdadeiros” (Pérola de Grande Valor 2:64, pp. 65.66).

Ainda que Anthon não tivesse, em carta, refutado o testemunho de José Smith, a afirmação de Smith suscita vários problemas. Primeiro diz-se que o egípcio reformado é uma língua completamente perdida “que nenhum homem conhece”. Entrentanto, eis alguém que sem nenhuma “revelação divina” podia lê-lo! Nem mesmo José Smith podia fazer isso! E Anthon o fez sem o Urim nem o Tumim!

Segundo, por que continham os papéis caracteres caldeus, assírios e arábicos, se as placas de ouro tinham sido escritas somente em egípcio reformado?

Terceiro, uma vez esta teria sido a primeira e única tradução do egípcio reformado por mais de mil anos, como é que Anthon podia ter dito que era a tradução mais correta do egípcio que ele já vira? Como é que ele podia saber se a tradução inglesa era correta ou não?

Quarto, os mórmons afirmam que o incidente com Anthon cumpriu Isaías 29:11, 12: “Toda a visão já se vos tornou como as palavras dum livro selado – que se dá ao que sabe ler, dizendo: Lê isto, peço-te; e ele responde: Não posso, porque está selado; e dá-se o livro ao que não sabe ler, dizendo: Lê, peço-te; e ele responde: Não sei ler.” Se lermos a passagem com cuidado, veremos que o assunto principal é a condição do povo naquela época. Não se refere a um livro em época futura.

Ainda assim, Anthon nunca obteve um livro completo, somente algumas folhas com alguns caracteres. Mas Harris, segundo José Smith em Pérola de Grande Valor, disse ter Anthon afirmado ser correta a tradução. Ele somente podia dizer isto se pudesse lê-lo . Mas Isaías disse que “o que sabe ler não podia ler porque estava selado”.

Há vários outros problemas, mas isto deve ser suficiente. Deus jamais contradiz a si mesmo, nem mesmo no mínimo detalhe no cumprimento da profecia. É desta forma que Deus nos disse para distinguir o verdadeiro do falso. Recusar-se a fazer tal teste seria desobedecer a Deus que disse: “não deis crédito a qualquer espírito: antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora” (1 João 4:1). Somos advertidos de que os falsos profetas podem realizar milagres (maravilhas mentirosas). A nós também é revelado que eles aparecem como anjos de luz, ministros da justiça.

Mateus 7:15 diz-nos: “Acautelai-vos dos falsos profetas que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.” Se amarmos Jesus e a sua palavra não poderemos deixar de obedecer-lhe e aplicar o teste aos que se dizem profetas de Deus. Se não fizermos isto, o resultado para nós mesmos e para incontáveis outros será perda eterna terrível. Se José Smith pudesse passar no teste, ficaríamos contentes em aceitá-lo como profeta de Deus. Infelizmente, ele não pôde.

O ponto central desta história toda é uma carta que o professor Anthon escreveu, sete anos mais tarde, a E.D. Howe, em 17 de fevereiro de 1834. “A história toda acerca de eu ter dito que a inscrição mórmon fosse hieróglifos do egípcio reformado é totalmente falsa… logo cheguei à conclusão de que tudo não passava de um truque – um embuste talvez…. O papel continha tudo menos hieróglifos egípcios.”[1]

Talvez o golpe mais prejudicial de todos à credibilidade de José Smith como tradutor ou profeta que recebia revelações de Deus fosse um episódio datado de 1835. José Smith comprou algumas múmias egípcias e alguns rolos de papiro de Michael H. Chandler. José Smith recebia revelações de Deus quanto ao significado dos caracteres e esboços dos papiros. Esta tradução, e mais três desenhos dos papiros egípcios ele publicou como o “Livro de Abraão” em Pérola de Grande Valor página 32. Ele afirmava que o primeiro desenho ou “Fac-símile #1”, mostrava o sacerdote idólatra de Elkenah tentando oferecer Abraão em sacrifício. Os quatro jarros embaixo do altar eram deuses idólatras, etc. O pássaro do quadro era o “anjo do Senhor”.

Infelizmente para José Smith desta vez foi possível fazer um teste científico e analítico de suas afirmações. O egípcio era uma língua conhecida dos egiptologistas, ao passo que o “egípcio reformado” não o era.

O bispo F. S. Spalding enviou cópias deste e de vários outros fac-símiles que Smith desenhou e traduziu dos papiros egípcios a vários dos egiptologistas mais preeminentes do mundo.[2] Todos eles concordaram que o assunto da gravura era “embalsamemento dos mortos”. Todos disseram que a interpretação de José Smith era falsa e não uma tradução real do fac-símile ou dos hieróglifos egípcios.

Então, em 1967, descobriu-se um manuscrito que se acreditava ter sido destruído num incêndio em Chicago. Este foi positivamente identificado pelos mórmons como o manuscrito original do qual José Smith “traduzira” a informação do “Livro de Abraão”. Parece que isso resolvia o assunto.

Mas o professor Dee Jay Nelson, egiptólogo mórmon preeminente, depois de análise cuidadosa dos papiros e das supostas traduções do egípcio para o inglês por José Smith, pronunciou o “Livro de Abraão” uma tradução falsa.

Dee Jay Nelson usou não somente sua considerável capacidade lingüística mas também a ajuda de um computador que mostrou ser matematicamente impossível José Smith ter traduzido tantas palavras de tão poucos caracteres egípcios num fragamento de papiro tão pequeno (1.125 palavras oriundas de 46 caracteres).

Este “manuscrito original” do “Livro de Abraão” é, na realidade, um texto fúnebre egípcio de alguns séculos antes do nascimento de Cristo, contendo instruções aos embalsamadores. A tradução de José Smith fazia com que este mesmo texto versasse sobre Abraão e sua vida na Mesopotâmia alguns 2.000 anos antes. Fac-símiles #1,2,e 3, e também outros materiais dos quais José Smith afirmava ter traduzido o “Livro de Abraão” têm sido examinados e Dee Jay Nelson e outros egiptólogos preeminentes mostraram que são traduções falsas.[3]

O professor Nelson, membro do sacerdócio mórmon, e sua família, pediram demissão da igreja dos Santos dos Últimos Dias no dia 8 de dezembro de 1975, como resultado desta descoberta.

Numa carta endereçada à Primeira Presidência, o professor Nelson afirma: “Nós [ele, a esposa e a filha] não desejamos estar associados com uma organização religiosa que ensina mentiras.”[4] O professor Nelson, numa carta a R.L. Eardley, de Billings, Montana, em 15 de fevereiro de 1976, afirmou: “O mundo científico acha que o Livro de Abraão é um insulto à inteligência. Alguns dos egiptólogos mais brilhantes e qualificados de nosso tempo têm-no rotulado de fraudulento por causa da evidência esmagadora dos papiros metropolitanos- José Smith recentemente descobertos. Esse papiro aindo não recebeu nenhum apoio de nenhum egiptólogo qualificado. Não desejamos e intolerância racial.”

Talvez a esta altura devêssemos perguntar aos nossos amigos mórmons se honestamente e com todo o coração podem confiar seu destino eterno à credibilidade de José Smith. Como mómons, é isto que estão fazendo.

Qualquer tribunal nos Estados Unidos aceitaria como conclusiva a prova que Nelson e outros egiptólogos apresentaram. José Smith mentiu quanto a “traduzir” o texto egípcio. “O Livro de Abraão” é, inegavelmente, falso.

___________

Notas

[1] Carta do professor Charles Anthon a E.D. Howe, 17 de fevereiro de 1834.

Citado por Tanner em Mormonism, Shadow or Reality (Salt Lake City: Modern Microfilm Company, 1972), p. 105.

[2] Os egiptólogos foram: Dr. A.H. Sayce, Oxford University; Dr. Williams M.F. Petrie, London University; Dr. A.C. Mace, Departamento de Egiptologia, Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque; Dr. J. Peters, Diretor da Expedição Babilônica da Universidade de Pennsylvania, 1888-1895; Dr. S. A. B. Mercer, Western Theological Seminary, Chicago; Dr. E. Meyer, Universidade de Berlim; Dr. Baron V. Bissing, Universidade de Munique.

[3] Dee Jay Nelson, The Joseph Smith Papyri, Parte 2, e The Eye of Ra. Veja também o livro de Tanner, Mormonism, Shadow or Reality, no capítulo “A queda do livro de Abraão.”

[4] De uma fotocópia da carta original enviada por Dee Jay Nelson.

Extraído do Livro  A ILUSÃO MÓRMON, Floyd C. McElveen


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement