Esqueceu a senha?

Malala pede para dialogar com os talibãs

por Artigo compilado - seg out 07, 11:09 am

Malala Yousafzai, a adolescente paquistanesa de 16 anos que sobreviveu a disparos dos talibãs por defender a educação feminina em seu país, pediu para dialogar com os militantes para resolver os problemas e alcançar a paz.

Malala vive atualmente na cidade inglesa de Birmingham após ser levada do Paquistão para ser atendida no hospital Queen Elizabeth dos graves ferimentos sofridos em outubro de 2012, quando recebeu um tiro na cabeça e outro no pescoço.

Em entrevista que a “BBC” divulgará nesta segunda-feira, Malala disse que “a melhor maneira de superar os problemas e lutar contra a guerra é através do diálogo. Esse não é um assunto meu, esse é o trabalho do Governo (…) e esse é também o trabalho dos EUA”.

A jovem considerou importante que os talibãs expressem seus desejos, mas insistiu que “devem fazer o que querem através do diálogo. Matar, torturar e castigar gente vai contra o Islã. Estão utilizando mal o nome do Islã”.

Em sua entrevista à “BBC”, Malala também assegura que ela gostaria voltar algum dia ao Paquistão para entrar na política.

“Vou ser política no futuro. Quero mudar o futuro do meu país e quero que a educação seja obrigatória”, disse a jovem, que há alguns meses pronunciou um discurso na ONU e foi acompanhada pelo ex-primeiro-ministro do Reino Unido, o trabalhista Gordon Brown.

“Eu espero que chegue o dia em que o povo do Paquistão seja livre, tenha seus direitos, paz e que todas as meninas e crianças vão à escola”, ressaltou a menor, se expressando com eloquência e muita segurança cada vez que fala da situação em seu país. EFE

Para saber mais do terror da doutrina islâmica – CLIQUE AQUI

Extraído do Yahoo em 07/10/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. dialogar com talibã? se eles fossem gente de “dialogo” não teriam feito essa maldade com essa menina, quando essas caras marcam alguém dificilmente voltam atrás, talvez exceto se submeter a escravidão psicologica deles. (mulheres confinadas com mantos, iletradas, objeto sexual, cuidar de filhos do cara), uma emancipação da mulher, sendo ela uma profissional, social e cultural, pode esquecer, esses caras do talibã não vão aceitar. só sabem guerrear, nunca vão acostumar a paz.

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement