Esqueceu a senha?

Ministro alemão pede proibição da burca

por Artigo compilado - sex ago 19, 10:00 am

burca 20150306082030_15f91

BERLIM — O ministério do Interior alemão, Thomas de Maizière, pediu nesta sexta-feira, após uma reunião com seus colegas conservadores dos governos regionais, uma proibição parcial da burca, num momento em que a integração está no centro do debate político no país.

— Estamos de acordo em rejeitar a burca, estamos de acordo que também queremos introduzir legalmente a obrigação de mostrar o rosto onde for necessário para nossa sociedade: ao volante, nos processos administrativos (…) nas escolas e nas universidades, nos serviços públicos, ante os tribunais — disse em declarações à rede de televisão ZDF.

De Maizière sustentou que um véu inteiro não é compatível com uma sociedade cosmopolita.

— Queremos mostrar nossos rostos uns aos outros e esta é a razão pela qual concordamos em rejeitar isso, agora a questão é como traduzimos isso em uma lei.

De Maizière defendeu uma proibição parcial da burca, enquanto setores mais duros do partido da chanceler Angela Merkel, a União Democrata Cristã, apoiam uma proibição total.

A proibição parcial provavelmente ganharia apoios no Parlamento, sustentou o ministro. A grande coalizão que governa na Alemanha, integrada também pelos sociais-democratas (SPD), tem maioria no Parlamento.

A postura que De Maizière defende agora representa uma concessão à ala mais conservadora quando se aproximam duas eleições em Estados chave no próximo mês, num momento em que o partido de extrema-direita populista Alternativa para a Alemanha (AfD) está posicionado para ter um avanço importante.

Após uma série de ataques em julho, alguns dos quais reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI), o ministro anunciou no dia 11 de agosto uma série de medidas para reforçar a segurança no país.

Na França, a proibição do uso de burquíni (traje de banho islâmico) em algumas cidades do país levou o debate à esfera nacional. O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, defendeu a medida adotada por prefeitos de cinco municípios, dizendo que as roupas “não são compatíveis com os valores da França e da República”, mas fez objeção a uma lei nacional sobre o tema.

Na Itália, o ministro do Interior, Angelino Alfano, lembrou que a decisão pode ser “perigosa”, e vários jornais europeus a qualificaram como “ridícula”, “discriminatória” e “contraproducente” na luta contra o Islã radical.

As discussões sobre o Islã e o traje das muçulmanas voltou ao centro do debate após uma série de atentados por militantes islâmicos na Europa.

Extraído do Jornal O Globo em 19/08/2016


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. proibir burca resolverá o problema de futuros atentados militantes islâmicos ?
    Esse tipo de ordem é de burocrata que só fica atrás de uma mesa, lendo jornal e tomando cafezinho e que não tira as nádegas da cadeira.

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement