Esqueceu a senha?

Muçulmanos matam 137 reféns no Quênia

por Artigo compilado - qua set 25, 12:13 pm

Grupo terrorista afirma que 137 reféns morreram em ataque no Quênia

A milícia radical islâmica Al Shabaab assegurou nesta quarta-feira que 137 reféns morreram durante o ataque ao shopping Westgate, em Nairóbi, capital do Quênia.

“Após ter fracassado em vencer os mujahedins, dentro do centro comercial, o governo queniano utilizou gases tóxicos para terminar com o atentado”, informaram os fundamentalistas pelo Twitter.

Ontem (24), o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, anunciou o fim do ataque ao centro comercial. Segundo as autoridades, o ataque, que começou no sábado (21), causou a morte de 61 civis e seis membros das forças de segurança.

A ação terrorista de quatro dias foi a mais grave no Quênia desde o atentado à embaixada dos Estados Unidos em Nairóbi, em 1998, que deixou mais de 200 mortos. O mandatário decretou luto oficial de três dias em homenagem às vítimas.

Em pronunciamento na televisão local, Kenyatta confirmou o número de mortos e o fim da ação, após dois dias de ofensiva das tropas quenianas. Cinco terroristas foram mortos e 11 ficaram feridos. Ele não confirmou as identidades, o sexo ou as nacionalidades dos militantes islâmicos.

Porém, disse que os serviços de inteligência têm informações de que há três americanos e um britânico no grupo. Há a suspeita que a britânica seria Samantha Lewthwaite, viúva de Germaine Lindsay, um dos suicidas que participaram dos atentados ao transporte público de Londres, em 7 de julho de 2005.

Já os cidadãos americanos seriam homens jovens, entre 18 e 19 anos, que morariam no Estado de Minnesota, que concentra a maior colônia somali do mundo. Na segunda (23), a Casa Branca afirmou que verificava relações entre os militantes do Al Shabaab e a comunidade somali em território americano.

Ele mostrou consternação em relação às mortes, mas comemorou o fim do ataque e agradeceu às forças de segurança. “Nós nos ferimos muito e sentimos um grande sofrimento e perdas, mas temos que ser bravos, unidos e fortes. Nós envergonhamos e derrotamos nossos agressores. Essa parte da tarefa está concluída.”

Em relação à operação de retirada, que terminou no início da noite em Nairóbi (final da manhã em Brasília), o presidente afirmou que três andares foram destruídos por explosões e que três corpos ainda estão presos nos escombros.

CERCO

A operação de retirada termina após intensas trocas de tiros, explosões e quatro dias de tensão na região do shopping, com relatos conflitantes. Nesta terça, o Exército disse que havia controlado todos os prédios e que faltavam encontrar dois terroristas.

No entanto, o Al Shabaab afirmou que ainda mantinham reféns vivos e que havia um “número incalculável” de cadáveres que ainda estavam no edifício. Durante a manhã, parte do teto do centro comercial, que passou por um incêndio na segunda (23), desabou.

O grupo radical islâmico afirma que o ataque ao shopping é uma represália à presença de tropas quenianas na Somália, que tentam debelar a guerra civil que afeta o país há 20 anos. O representante especial da ONU para o país, Nicholas Kay, pediu que a comunidade internacional intensifique sua presença no conflito somali.

Para ele, a ação do Al Shabaab não foi uma surpresa e mostra a necessidade de encarar o grupo radical como uma ameaça internacional. Ele ainda pediu apoio logístico e militar em auxílio às tropas da União Africana, como o envio de tanques e helicópteros, para controlar a região.

Extraído da Folha em 25/09/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement