- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

O 4° mandamento e o concílio de Jerusalém

Por que o quarto mandamento não foi incluído na decisão do concílio de Jerusalém?

Resposta Apologética: Atos 15.14 – “Porquanto ouvimos que alguns que saíram dentre nós vos perturbaram com palavras, e transtornaram as vossas almas, dizendo que deveis circuncidar-vos e guardar a lei, não lhes tendo nós dado mandamento”.

Atos 15.28-29 – “Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada e da prostituição das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá”.

– Nem Deus nem Cristo incluiu o quarto mandamento na nova aliança. Se o tivessem incluído, ele estaria em algum lugar no Novo Testamento, como os nove outros mandamentos estão.

– De todas as palavras proferidas por Jesus na terra, somente quatro referências são feitas ao sábado: Mateus 12.8 e 24.20; Marcos 2.27-28; Lucas 6.5. Ele apenas ensinou que é correto fazer o bem nesse dia e que nenhum dia é senhor do homem. Nem sequer uma vez ordenou alguma observância particular de nenhum dia específico.

– O antigo sábado judeu fazia parte do pacto entre Deus e Israel e era um símbolo e sinal daquela aliança (Êxodo 20.8-11; 31.13-28; Ezequiel 20.12-20). O pacto não havia sido feito com os homens antes de Moisés (Deuteronômio 5.2-3), nem com os gentios e a igreja (Deuteronômio 4.7-10; Romanos 2.14). O sábado não é para eles.

– Dos dez mandamentos, o quarto era o único cerimonial e não uma lei moral. Seu único propósito era celebrar o livramento da escravidão egípcia, quando Israel não tinha descanso (Deuteronômio 5.15). Era apenas uma tipologia do descanso eterno (Colossenses 2.14-17; Hebreus 4.1-11; 10.1). Era natural que ele ficasse fora da nova aliança, na qual a realidade do descanso veio daquilo que era uma sombra (Mateus 11.28.29; Colossenses 2.14-17). Os benefícios físicos e espirituais de um descanso podem ser alcançados em qualquer outro dia da semana, e não apenas no sábado.

– O quarto mandamento era o único que poderia acabar se tornando mera formalidade, sem afetar a conduta moral dos homens. Todos os outros mandamentos dizem respeito às obrigações morais. É o único dos dez mandamentos que poderia ser eliminado sem afetar a lei moral estabelecida para os homens.

– Deus predisse e prometeu que Ele eliminaria o antigo sábado judeu (Isaías 1.10-15; Oséias 2.11).

– Os profetas predisseram que Deus aboliria a antiga aliança e faria uma nova (Isaías 42.6; 49.8; 59.21; Jeremias 31.13-40; 32.37-44; Ezequiel 36.24-38). Há uma referência clara a isso no Novo Testamento em Mateus 26.28, Romanos 11.25-29 e Hebreus 8.8-12.

– Em nenhuma passagem o texto bíblico afirma que os homens devam guardar o sábado judeu, para comemorar o antigo descanso da criação. O sábado era para comemorar o livramento do Egito (Deuteronômio 5.15). Era necessário para que os judeus pudessem “lembrar” (Êxodo 20.8).

– É o único mandamento que poderia ser transgredido, e foi transgredido, sem que se infringisse uma lei moral. Israel marchou em um sábado (Números 33.3; Levítico 23.5-11; Josué 6.12-16; levantou o tabernáculo (Êxodo 40.1,17 com Levítico 23.5-11); examinou a terra de Canaã (Números 13.25) e lutou (Josué 6.12-16; 1Reis 20.29; 2Reis 3.9). Davi e outros transgrediram o sábado e foram considerados inocentes (Mateus 12.2-5).

10º – O Novo Testamento permite que os cristãos guardem qualquer dia como sábado, sendo essa uma das coisas flexíveis, não incluída como mandamento na nova aliança (Romanos 14.1-3; Gálatas 4.9-11; Colossenses 2.14-17). O dia que os cristãos primitivos observavam, não por mandamento, mas por escolha, era o domingo ou o primeiro dia da semana:

“A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça de esquina. Da parte do Senhor se fez isto; maravilhoso é aos nossos olhos. Este é o dia que fez o Senhor; regozijemo-nos e alegremo-nos nele” (Salmo 118.22-24).

“Disse-lhes Jesus: nunca lestes nas Escrituras: a pedra que os edificadores rejeitaram, essa foi posta por cabeça do ângulo; pelo Senhor isso foi feito isto, e é maravilhoso aos nossos olhos?” (Mateus 21.42).

“E Jesus, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demônios” (Marcos 16.9).

“Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus e pôs-se no meio deles e disse-lhes: Paz seja convosco” (João 20.19).

“E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles e prolongou a prática até à meia-noite” (Atos 20.7).

“Ora, quanto à coleta que se faz para os santos, fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galácia. No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar” (2Coríntios 16.1-2).

[1] [2]Compartilhar [3]