Esqueceu a senha?

O anti-intelectualismo na Igreja

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - qui jan 18, 11:19 am

Há muitos anos, como estudante de seminário que estudava filosofia e teologia, minha família e eu frequentamos uma grande igreja evangélica no sul da Califórnia. Esqueci o tópico, mas no decorrer de seu sermão, num domingo de manhã, o pastor estava discutindo coisas que ele julgava não entender das Escrituras. Ele deu o exemplo da Trindade, e em essência disse: “A Bíblia ensina. Eu não entendo isso, mas eu acredito”. E então ele mudou de assunto. Era como se não houvesse nada de significativo que pudéssemos extrair dessa doutrina desafiadora, mas crucial para a fé cristã.

Eu desconfiei na época e, nos anos seguintes, muitas vezes pensei sobre esta “relevância” da Trindade para a vida cristã. Embora eu concorde que a Trindade está de alguma maneira, além da nossa capacidade de entender, não é, no entanto, inteiramente além da nossa capacidade de compreensão. Aquele sermão não precisava incluir uma discussão extensa das questões lógicas, filosóficas e teológicas relacionadas à doutrina da Trindade. No entanto, poderia ter, pelo menos, incluído uma tentativa de mostrar como ela poderia se relacionar com a vida cotidiana em Cristo. Por exemplo, o fato de que Deus é triuno significa que a realidade, em seu nível mais fundamental, é relacional. Isso tem implicações importantes que são relevantes para a igreja, o ministério, a família, a amizade e o valor das relações em geral. Certamente isso significa que a qualidade de nossos relacionamentos com os outros deve ser uma prioridade para nós como seguidores de Cristo.

Na verdade, a doutrina da Trindade tem implicações abrangentes em todos os âmbitos da vida. Wayne Grudem oferece uma discussão útil sobre essa doutrina em sua Teologia Sistemática . 1 Um ponto crucial sobre a Trindade é que Deus tem unidade e diversidade dentro de Si. A unidade e a diversidade estão presentes e refletidas por uma variedade de relações humanas. Considere alguns exemplos oferecidos por Grudem:

Em um nível mais cotidiano, existem muitas atividades que realizamos como seres humanos (no trabalho, em organizações sociais, em performances musicais e em equipes atléticas, por exemplo) em que muitos indivíduos distintos contribuem para uma unidade de propósito ou atividade. Como vemos nessas atividades um reflexo da sabedoria de Deus ao nos permitir unidade e diversidade, podemos ver um fraco reflexo da glória de Deus em sua existência trinitária2

Grudem observa que existem muitas em nossa vida que podem refletir, pelo menos, a Trindade. Esta breve discussão revela a fecundidade potencial de pensar através das implicações da doutrina da Trindade para o pensamento e a prática cristã. Mas mesmo tais discussões breves muitas vezes não ocorrem. Por que isso acontece?

Sentimentos acima da razão

Provavelmente existem muitas razões pelas quais as doutrinas cristãs desafiadoras raramente são discutidas nos domingos de manhã ou à noite. Estou convencido de que uma dessas razões é que existe uma vertente significativa de anti-intelectualismo na igreja, especialmente na igreja evangélica atual. A aquiescência do evangelicalismo nesta área da vida é mais uma maneira que não conseguimos ser verdadeiramente anticultural, no melhor sentido do termo.

O anti-intelectualismo é desenfreado nos Estados Unidos. 3 Há muito tempo, nossa cultura exaltou os sentimentos acima da razão, o pragmatismo sobre a sabedoria, o entretenimento sobre o engajamento intelectual, e agora estamos vendo o fruto dessas escolhas. As críticas são agora clichês, mas são, no entanto, verdadeiras. A imagem geralmente supera a substância. Slogans são mais eficazes do que propostas de políticas sólidas. A arte da persuasão é menos sobre a verdade e a evidência e mais sobre aproveitar a emoção da audiência ou fazê-los acreditar no que se deseja. As pessoas se concentram mais nas habilidades retóricas do mensageiro em vez da própria mensagem. Nestas e em outras áreas, a igreja muitas vezes seguiu o exemplo do mundo.

Abandonando a Universidade

Por que grandes segmentos da igreja são anti-intelectuais? Há um pouco de história que é relevante aqui. Tudo começa com o abandono dos evangélicos e outros cristãos teologicamente conservadores de colégios e universidades na primeira metade do século XX. Isso teve efeitos duradouros não só na universidade, mas também em outras instituições culturais. 4A universidade é, em muitos aspectos, a mente dos Estados Unidos. Quando a maioria dos cristãos evangélicos e conservadores a abandonaram, o resultado foi sentido não só na universidade e na cultura em geral, mas também na própria igreja. As ideias que surgem na universidade, são transmitidas através das indústrias de mídia e entretenimento e muitas vezes são adotadas de forma acrítica pelo público, tanto cristão como não-cristão. Se você duvida disso, faça a seguinte pergunta: quantas pessoas na igreja todos os domingos são mais influenciadas pelo consumismo, pela busca do prazer e pelo setor de notícias / entretenimento do que por um bom ensino bíblico ou um pensamento cristão profundo? São preocupantes as formas pelas quais o naturalismo e o relativismo podem influenciar o nosso pensamento sem que nós estejamos cientes disso. Muitos são céticos sobre reivindicações feitas sobre  conhecimento religioso e moral, talvez sem sequer perceber. Os cristãos estão assumindo essas ideias de maneiras sutis. Muitos na igreja local não estão familiarizados com os argumentos que foram criados contra o naturalismo e o relativismo pelos principais pensadores cristãos. Corrigir esse problema ajuda a  fortalecer nossa fé e testemunho.

Ênfase nas emoções

Outra razão pela qual o anti-intelectualismo corre solto na igreja atual pode ser visto na é ênfase excessiva que é dada nas emoções. As emoções são importantes, mas, se não estiverem atadas à verdade, elas nos prejudicarão. Precisamos atender as emoções de maneiras melhores do que está sendo feito atualmente, e moldar nossas liturgias, educação e outras práticas de acordo com esse ensinamento. Só porque sinto profundamente que algo é verdadeiro, isso por si só, não é prova da verdade. Se os seguidores de Cristo pudessem aprender e aplicar esse fato às suas vidas, estaríamos bem no nosso caminho para minar grande parte do anti-intelectualismo que existe na igreja. Também teríamos um impacto mais positivo sobre os outros com o evangelho de Jesus Cristo por causa do reino de Deus.

Em parte devido ao nosso foco nos sentimentos, grande parte da igreja ainda se concentra excessivamente em “necessidades sentidas”. Há um lugar apropriado para isso, mas, muitas vezes, os cristãos e aqueles que estamos tentando alcançar têm necessidades espirituais profundas que não diz respeito aos sentimentos. Além disso, estamos propensos a diagnosticar mal as necessidades sentimentais das pessoas. Vários anos atrás, falei em uma grande conferência para estudantes universitários cristãos em como responder ao problema do mal. Havia centenas de estudantes no salão de baile do hotel, e tivemos uma excelente discussão. No ano seguinte, os organizadores da conferência decidiram não oferecer esta apresentação novamente. No entanto, houve várias sessões sobre amor, sexo e namoro. Ensinar sobre como os cristãos devem abordar essa área da vida é essencial, e certamente é importante para estudantes universitários. Se estamos buscando equipar estudantes cristãos para ministrar em campus universitários seculares, precisamos ensiná-los a conhecer algumas das principais respostas que os cristãos deram para o fato de Deus permitir o mal e o sofrimento no mundo. Quando os alunos são desafiados na aula por um professor ou seus colegas de classe para explicar como um Deus bom e amoroso poderia permitir o mal, a necessidade de conhecer algumas respostas será rapidamente sentida. E quando esses estudantes encontrarem sofrimento em suas próprias vidas ou nas vidas dos outros, essas questões se tornam muito importantes para eles. Claro, um foco nas necessidades sentidas pode levar a uma imagem errada de Deus como um Papai Noel divino e da vida cristã como cheia de facilidade e conforto, o que certamente não é o quadro que as Escrituras nos apresentam.

Leitura profunda

Uma das causas e sintoma do anti-intelectualismo na igreja é a negligência de uma forma de leitura que Maryanne Wolf, neurocientista cognitiva da Universidade Tufts, se refere como uma leitura profunda. 5Essa forma de leitura envolve um pensamento mais complexo. É mais lento, reflexivo e pensativo. Ele difere significativamente do tipo de leitura on-line, que a maioria de nós se envolve diariamente. Podemos ler mais agora do que no passado, mas o que muitos de nós estamos lendo tende a estar online, incluindo postagens de blog, atualizações do Facebook, Twitter e similares. O tipo de leitura que fazemos on-line também tende a frases mais curtas e menos complexas. Neste ambiente, examinamos rapidamente o texto relevante, ou o ponto mais importante – até mesmo a palavra mais importante. Nós nos tornamos adeptos da digitalização, clicando em hiperlinks relevantes, fazendo julgamentos rápidos sobre o que vale a pena prestar atenção e digerindo pequenos bits de texto. Nesse sentido, nossos cérebros estão se tornando digitais. 6Portanto, não é apenas o conteúdo, mas como ele está sendo entregue que está tendo um impacto negativo sobre nós. Cultivamos habilidades que são úteis neste ambiente online, mas essas habilidades não são úteis quando envolve um texto mais longo, seja uma novela literária, uma posição teológica ou um argumento apologético. Eu notei isso na minha vida. Recentemente, tive dificuldade em me concentrar e seguir linhas complexas de argumento, duas coisas importantíssimas de se fazer no meu tipo de trabalho. Para lidar com isso, estou gastando menos tempo online e mais tempo na solidão e no silêncio.

Escavando ideias profundas

Muitos cristãos leem pelo menos alguns livros todos os anos, mas também existe um problema aqui. As livrarias cristãs têm corredores de livros sobre relacionamentos, realização pessoal, auto-ajuda cristã e várias formas de ficção, mas muito pouca teologia ou apologética. Quatro dos dez best-sellers cristãos em uma lista recente eram livros para entreter adultos. 7 Isso é angustiante e revelador. Não lemos livros complexos e não lemos bem. Precisamos ler livros que esticam e desafiem nossas almas. Precisamos aprender a seguir as etapas de um argumento. Essa leitura pode nem sempre ser divertida, mas nem toda a leitura deve ser feita para entretenimento. As ideias é que importam. Elas importam para a formação do caráter cristão, e elas são importantes para a nossa missão no mundo.

Vivemos em uma cultura saturada de relativismo, naturalismo e várias formas de ceticismo, enquanto o cristianismo defende o realismo sobre a verdade, o teísmo e a noção de que os humanos podem conhecer verdades importantes. Aprender essas ideias e questões relacionadas exige tempo, esforço, humildade e compromisso persistente. Felizmente, como observa Wolf, podemos reaprender a como se envolver nesse tipo de leitura profunda. Podemos nos treinar para envolvermos com ideias profundas. Então, o que, praticamente, podemos fazer?

Primeiro, talvez devêssemos aprender a ler bem. Para isso, o clássico de Mortimer Adler, How to Read a Book (Como Ler um Livro), fornece excelentes orientações relacionadas aos diferentes tipos de leitura, bem como a leitura de diferentes gêneros, como literatura, história, ciência e filosofia. Em segundo lugar, podemos definir o objetivo de ler alguns livros desafiadores no próximo ano. Nós tendemos a desistir demasiado cedo, mas a leitura é como o exercício: você precisa se desafiar para melhorar. Em terceiro lugar, devemos ler livros inteiros da Bíblia dando atenção ao gênero, em vez de apenas alguns versos ou um capítulo de cada vez. A maioria dos livros da Bíblia foram escritos para serem lidos assim e é assim que eles são melhor compreendidos e aplicados. 9Em quarto lugar, é provável que precisamos nos abster das telas dos computadores o tempo suficiente para voltarmos a ler regularmente. Finalmente, sugiro reunir-se com algumas pessoas com propósito semelhantes na igreja, seja em um grupo pequeno ou em um ambiente maior e ler livros desafiadores sobre estudos bíblicos, teologia, apologética ou filosofia juntos. Trabalhar com esses livros e discuti-los com outros pode ser muito útil para obter uma melhor compreensão das ideias contidas neles. Fazer isso juntos pode equipar melhor os membros do corpo para o ministério no domínio das ideias.

É claro, os problemas na igreja e na sociedade não são meramente intelectuais. Há também muitos relacionados às emoções e à vontade. Mas o anti-intelectualismo é um problema. Nas últimas décadas, uma grande quantidade de material de qualidade explicando e defendendo uma visão de mundo cristã foi produzida. Cabe aos seguidores de Jesus fazer uso dessas ferramentas. Em uma cultura pós-cristã, isso não é mais opcional, é essencial para o nosso relacionamento com Cristo e ajuda a cumprirmos melhor a nossa missão como embaixadores do Reino de Deus.

 

Michael W. Austin é presidente e professor de filosofia na Eastern Kentucky University. Um de seus livros mais recente é Being Good: Christian Virtues for Everyday Life (Eerdmans, 2012).

Este artigo apareceu pela primeira vez no CHRISTIAN RESEARCH JOURNAL , volume 39, número 04.
Título original: Anti-Intellectualism in the Church.
O artigo complete pode ser acessado no seguinte endereço: https://www.equip.org/article/anti-intellectualism-church/

 

NOTAS

  1. Wayne Grudem, Teologia Sistemática (Grand Rapids: Zondervan, 1994), 226-61.
  2. Ibid., 257.
  3. Veja Michael W. Austin, “Anti-Intellectualism and Contemporary America”, Psychology Today , 21 de junho de 2015, https://www.psychologytoday.com/blog/ethics-everyone/201506/anti-intellectualism-and-contemporary-america .
  4. Para muito mais sobre isso, veja Mark A. Noll, The Scandal of the Evangelical Mind(Grand Rapids: Eerdmans, 1994).
  5. Maryanne Wolf, “Como passatempo on-line está prejudicando a compreensão na leitura?” Aqui e agora, WBUR, 9 de abril de 2014, http://www.wbur.org/hereandnow/2014/04/09/online-readingcomprehension.
  6. Michael S. Rosenwald, Washington Post , 6 de abril de 2014, https: // www. washingtonpost.com/local/serious-reading-takes-a-hit-from-online-scanning-and-skimming-researchers-say/2014/04/06/088028d2-b5d2-11e3-b899-20667de76985_story.html.
  7. Evangelical Christian Publishers Association, “Christian Bestsellers, junho de 2016,” Christian Book Expo, http://christianbookexpo.com/bestseller/all.php?id=0616#.
  8. J. Gresham Machen, “Cristianismo e Cultura”, Princeton Theological Review 11 (1913): 7.
  9. Para um bom livro sobre isso, veja Walt Russell, Jogando com fogo

Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement