Esqueceu a senha?

O batismo do livro “50 Tons de Cinza”

por Artigo compilado - qua fev 11, 9:32 am

Pastor diz que irá “batizar” cópias do livro “50 Tons de Cinza” para anular a fantasia na mente das pessoas. Pastor diz que irá “batizar” cópias do livro “50 Tons de Cinza” para anular a fantasia na mente das pessoas

O polêmico pastor Ed Young atraiu atenções ao dizer que iria “batizar” cópias do livro “50 Tons de Cinza” para evitar que os leitores caíssem em “uma armadilha” e fossem aos cinemas ver o filme que estreará nos próximos dias.

O livro, de conteúdo erótico, tornou-se uma febre mundial, mas atraiu polêmicas por causa das estripulias sexuais praticadas pelo personagem protagonista. Alguns críticos consideraram a publicação como uma apologia à violência sexual contra mulheres.

Young tem histórico de polêmicas como líder evangélico. Fundador da megaigreja Fellowship, na cidade de Dallas, o pastor se aventurou como televangelista e consultor de moda para colegas de ministério através do site pastorfashion.com, onde vende “looks” para os pastores descolados.

Segundo Ed Young, o livro e o filme fazem parte de uma ideia de corrupção dos valores cristãos: “Há uma epidemia cultural lá fora, que está envolta em completa fantasia. O livro, ’50 Tons de Cinza’ é uma tentativa perversa de aprisionar leitores e levá-los ao engano a respeito do que significam intimidade e conexão”, argumentou.

“É uma distorção patética de uma realidade mais poderosa sobre relacionamentos. Deus não é anti sexo, e Ele não é cinza quando se trata de relacionamentos. Eu quero fazer as pessoas acordarem para a realidade de que propósito e o plano de Deus para suas vidas é muito maior!”, acrescentou.

De acordo com informações do Christian Post, o mais recente livro de Ed Young também aborda de forma crítica o fenômeno literário que “50 Tons de Cinza” se tornou. O livro “Fifty Shades of They” (ainda sem tradução para o português, mas que pode ser entendido como “50 tons entre eles”) se tornou um dos best-sellers destacados pelo jornal The New York Times.

“Você me diz quem são seus amigos e eu vou mostrar-lhe o seu futuro. Relacionamentos conduzem uma parte significativa de nossas vidas. É hora de começar a procurar perceber a verdade e pôr de lado a falsidade torcida. E está na hora de responder à pergunta: ‘Seus desejos são cumpridos em uma fantasia sexual ou em uma realidade relacional?’”, questionou o pastor.

A ideia de “batizar” os livros, segundo Young, é fazer aumentar a conscientização das pessoas sobre a “perversidade” de seu conteúdo. O batismo simbólico será feito em cidades como Dallas, Miami e também em Londres, na Inglaterra.

“O triste é que muitos foram vítimas daquilo que esse livro representa e perderam a verdade de que Deus tem uma maneira e um propósito melhor para eles. Eu quero mostrar às pessoas que tudo se resume a um embate entre fantasia e realidade”, finalizou.

Extraído do site gospelmais.com.br em 11/02/2015


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

3 Comentários

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Em vez de batizar o livro ou o filme, que creio nenhum cristão verdadeiro irá ler ou assistir, ele devia buscar a Deus e o batismo para ele, pois está claro que este homem está muito longe do padrão bíblico de pastor.

  2. E mais, do que adianta toda essa tolice se o pecado não está no livro, objeto inanimado, e sim no coração do ser humano? Se fosse um pastor verdadeiro estaria preocupado em levar o Evangelho aos perdidos e aí sim iria derrotar a influência maligna do pecado.

  3. isso é tudo coisa de momento, antes era “crepusculo”, “avatar”, “codigo da vinci” … agora isso.

Comentários 1 - 3 de 3Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement