Esqueceu a senha?

O Concílio, Orígenes e a Reencarnação

por Prof. Paulo Cristiano da Silva - ter set 04, 8:36 am

Teria o Concílio de Constantinopla em 553 D.C, suprimido a doutrina da reencarnação?”

Segundo um pequeno opúsculo que anda circulando pela Internet parece que sim. Sob o título: “Porque a Reencarnação passou a ser condenada pela Igreja Católica”, o autor, Vivaldo J. de Araújo, afirma que o Concílio de Constantinopla – 553 D.C suprimiu a doutrina da reencarnação dos dogmas cristãos. Vejamos primeiramente as argumentações do autor e logo abaixo a refutação pormenorizada deste artigo.
Diz ele que, “Até meados do século VI, todo o Cristianismo aceitava a Reencarnação que a cultura religiosa oriental já proclamava, milênios antes da era cristã, como fato incontestável, norteador dos princípios da Justiça Divina, que sempre dá oportunidade ao homem para rever seus erros e recomeçar o trabalho de sua regeneração, em nova existência. Aconteceu, porém, que o segundo Concílio de Constantinopla, atual Istambul, na Turquia, em decisão política, para atender exigências do Império Bizantino, resolveu abolir tal convicção, cientificamente justificada, substituindo-a pela ressurreição, que contraria todos os princípios da ciência, pois admite a volta do ser, por ocasião de um suposto juízo final, no mesmo corpo já desintegrado em todos os seus elementos constitutivos.
É que Teodora, esposa do famoso Imperador Justiniano, escravocrata desumana e muito preconceituosa, temia retornar ao mundo, na pele de uma escrava negra e, por isso, desencadeou uma forte pressão sobre o papa da época, Virgílio, que subira ao poder através da criminosa intervenção do general Belisário, para quem os desejos de Teodora eram lei. E assim, o Concílio realizado em Constantinopla, no ano de 553 D.C, resolveu rejeitar todo o pensamento de Orígenes de Alexandria, um dos maiores Teólogos que a Humanidade tem conhecimento. As decisões do Concílio condenaram, inclusive, a reencarnação admitida pelo próprio Cristo, em várias passagens do Evangelho, sobretudo quando identificou em João Batista o Espírito do profeta Elias, falecido séculos antes, e que deveria voltar como precursor do Messias (Mateus 11:14 e Malaquias 4:5). Agindo dessa maneira, como se fosse soberana em suas decisões, a assembléia dos bispos, reunidos no Segundo Concílio de Constantinopla, houve por bem afirmar que reencarnação não existe, tal como aconteceu na reunião dos vaga-lumes, conforme narração do ilustre filósofo e pensador cristão, Huberto Rohden, em seu livro “Alegorias “, segundo a qual, os pirilampos aclamaram a seguinte sentença, ditada por seu Chefe D. Sapiêncio, em suntuoso trono dentro da mata, na calada da noite: ” Não há nada mais luminoso que nossos faróis, por isso não passa de mentira essa história da existência do Sol, inventada pelos que pretendem diminuir o nosso valor fosforescente “.
E os vaga-lumes dizendo amém, amém, ao supremo chefe, continuaram a vagar nas trevas, com suas luzinhas mortiças e talvez pensando – “se havia a tal coisa chamada Sol, deve agora ter morrido”. É o que deve ter acontecido com Teodora: ao invés de fazer sua reforma íntima e praticar o bem para merecer um melhor destino no futuro, preferiu continuar na ilusão de se poder fugir da verdade, só porque esta fora contestada pelos deuses do Olimpo, reunidos em majestoso conclave. “ (Vivaldo J. de Araújo é Professor e Procurador de Justiça do Estado de Goiás.)O-TEOLÓGICA DO ARTIGO CITADO ACIMA

Uma das doutrinas mais importantes dentro do Espiritismo kardecista é sem dúvida a reencarnação.

A título de conhecimento esta doutrina não é de origem ocidental foi emprestada das religiões orientais, principalmente hinduísta. É o mesmo que “palingenesia”, pluralidade de existências, vidas sucessivas, transmigração da alma. Também é um refinamento da “metempsicose”, que através de Allan Kardec, recebeu um colorido doutrinário ao gosto ocidental. Enquanto aquela permitia regressões na escala reencarnacionista, esta por sua vez no máximo permite o estagnatismo do indivíduo, mas nunca sua involução.

Como nosso mundo ocidental, está acostumado e doutrinado com os ensinamentos cristãos, é difícil empurrar doutrinas pagãs numa mentalidade cristã que à séculos vem sendo doutrinada pelos ensinamentos bíblicos. Allan Kardec percebendo essa dificuldade em popularizar tal doutrina de modo eficaz sem algum elo com a religião dominante ocidental, resolveu então inseri-la nos ensinamentos do Cristianismo para torná-la mais atraente aos olhos ocidentais.

Até hoje essa é a mesma tática de seitas orientais, elas tentam achar na Bíblia elos de ligações doutrinárias com seus ensinamentos, mesmo que para isso precise torcer a palavra de Deus. É o caso dos Hare Krishna , a Seicho-No-Iê, a Meditação Transcendental e outras.

No livro “O Evangelho Segundo o Espiritismo” Alan Kardec, tenta mesclar ensinamentos cristãos com a doutrina espírita. Chega a dizer que Jesus ensinava a doutrina da reencarnação e que esta fazia parte dos dogmas judaicos sob o nome de ressurreição. É claro que tal argumento não passa de especulações infundadas. É uma alegação totalmente gratuita, pois em nenhum lugar da Bíblia se encontra o termo reencarnação e nenhuma menção ainda que indireta dessa doutrina é feita nos evangelhos ou nas cartas apostólicas. Mesmo porque, ressurreição e reencarnação não só etimologicamente como doutrinariamente são completamente diferentes.

Para dirimir este problema alguns espíritas então passaram a alegar que tal doutrina foi extirpada da religião cristã no Concílio de Constantinopla. Vejamos se tal acusação tem de fato fundamento:

É alegado pelo senhor Vivaldo J. de Araújo autor de um pequeno artigo espírita sobre o assunto que “Até meados do século VI, todo o Cristianismo aceitava a Reencarnação”

Cabe aqui uma pergunta oportuna: onde estão as provas para tal assertiva? Nenhuma citação de qualquer documento se quer é mencionado. Levando-se em conta que as provas materiais são os fundamentos das proposições, só isto bastaria para desacreditar este artigo. Elaborar pontos argumentativos em cima de especulações sem nenhum fundamento é temeroso, pois pode comprometer toda a base onde a tese se apóia. É bom saber que todos os historiadores gabaritados no assunto até hoje nunca mencionaram a reencarnação como parte do corpo doutrinário da igreja cristã. Até mesmo Kardec não chegou tão longe…

É dito ainda “que o segundo Concílio de Constantinopla, atual Istambul, na Turquia, em decisão política, para atender exigências do Império Bizantino, resolveu abolir tal convicção”

Ora, o que questões políticas, tem a ver com reencarnações? Não vejo no que a doutrina da reencarnação poderia ser o pivô de complôs políticos. Este arranjo simplesmente carece de fundamentos lógicos. Não procede!

Uma razão tênue é dada em seguida como justificativa “É que Teodora, esposa do famoso Imperador Justiniano, escravocrata desumana e muito preconceituosa, temia retornar ao mundo, na pele de uma escrava negra e, por isso, desencadeou uma forte pressão sobre o papa da época”

Considere por um instante o seguinte: é mesmo difícil de acreditar que meros preconceitos particulares da mulher do Imperador fosse capaz de mobilizar uma reforma política no império por causa da doutrina da reencarnação, que alegam – toda a cristandade acreditava até então.Ponderemos ainda por um momento: se a tal Teodora soubesse e acreditasse na suposta “doutrina cristã” da reencarnação sabendo que esta é uma lei irreversível e espiritual, posta mesmo pelo próprio Deus (como ensinam os espíritas), que diferença substancial iria ela fazer mudando a mentalidade da época, sendo que no final ela não teria controle sobre sua vida (carma), vindo mesmo a reencarnar numa escrava?! Adiantaria alguma coisa toda essa subversão a tal doutrina? Qual a vantagem prática que ela poderia tirar com uma simples mudança de crença, sendo que de um jeito ou de outro, mais cedo ou mais tarde ela poderia enfim reencarnar numa escrava?! Simplesmente toda essa estória não se encaixa de modo lógico e há uma forte razão para isso: ela é totalmente inverídica.

Prossegue nosso amigo espírita em suas explicações: “E assim, o Concílio realizado em Constantinopla, no ano de 553 D.C, resolveu rejeitar todo o pensamento de Orígenes de Alexandria, um dos maiores Teólogos que a Humanidade tem conhecimento. As decisões do Concílio condenaram, inclusive, a reencarnação admitida pelo próprio Cristo, em várias passagens do Evangelho, sobretudo quando identificou em João Batista o Espírito do profeta Elias, falecido séculos antes, e que deveria voltar como precursor do Messias (Mateus 11:14 e Malaquias 4:5).”

É interessante ressaltar que em nenhum momento o Concílio se quer mencionou a doutrina da reencarnação como ensina o espiritismo moderno. Não há em nenhuma de suas atas menção a tal doutrina oriental, e isto pode ser verificado ainda hoje através de uma tradução latina (o original da época se perdeu devido a invasão de Constantinopla em 1453). Por séculos a fé de milhões de cristãos se baseava apenas na ressurreição e não na reencarnação. Todos os documentos antigos de escritores cristãos antes desse concílio mencionam como base de fé a ressurreição. Por outro lado, esses mesmos escritores não pouparam esforços em rechaçar fortemente a reencarnação, doutrina esta alheia à fé cristã, só mencionada em seitas heréticas provindas do paganismo egípcio, babilônico ou hindu.

Também tenhamos em mente que não só este Concilio, mas todos os demais antes ou depois deste (mesmo sendo presidido pelo catolicismo já apostatado) se quer mencionaram alguma condenação sobre a reencarnação, simplesmente porque ela nunca foi ponto de fé dos cristãos.

É mesmo difícil de acreditar que uma doutrina que supostamente fosse parte do credo cristão desde a época de Cristo, houvesse sido retirada assim tão bruscamente sem nenhuma contestação por parte dos demais. Ora, na época, Roma ainda não dominava o mundo, o primeiro bispo romano com a investidura de papa propriamente dita só veio a aparecer no cenário mundial no VI século com Gregório o Grande. Roma nunca impôs sua autoridade doutrinária em toda a cristandade. Se a doutrina da reencarnação fosse dogma cristão, esperaríamos encontrar registrados nos anais da historia de vários protestos a respeito desta mudança. Mas o silêncio sobre isso é sepulcral e a razão é simples: nunca houve essa tal supressão doutrinária. Isso não passa de fantasia inventada para dar sentido à ausência desta doutrina nos dogmas cristãos, que, diga-se de passagem, não tem nada a ver com Cristo ou cristianismo, alardeado tantas vezes por Kardec sem nenhuma prova a seu favor.

É interessante a menção de Orígenes nesse episódio, e talvez toda a valides desta argumentação esposada pelos espíritas gira em torno de uma má compreensão da doutrina esposada por Orígenes.

Orígenes, ao contrário do que alegam muitos espíritas, não cria na reencarnação, mas na ressurreição. Certa vez combatendo algumas idéias heréticas chegou a condenar tal doutrina, dizendo que a Igreja de Deus nunca creu nisso. O que na verdade ele cria era num tipo de preexistência das almas (que muitos erroneamente confundem com reencarnação). Segundo ele toda pessoa já havia sido criada no céu como espírito e a terra funcionava como um tipo de provação às mesmas. A pessoa viria à terra de acordo com seu pecado em sua preexistência. Ela poderia receber a Cristo e ir para o céu novamente ou então rejeitá-lo e perder-se eternamente no inferno, mas em nenhum momento ele fala sobre as pessoas se reencarnar.

Orígenes na verdade chegou a refutar veementemente as idéias reencarnacionistas de um tal Basilídes que pretendeu basear-se para tal nas palavras de Paulo, “vivi outrora sem lei”. Chegou a chamar tal doutrina de fábulas ineptas e ímpias.

É digno de nota que esta doutrina foi elaborada por Orígenes como uma solução para o problema filosófico do mal, mas como não havia base bíblica para tal, foi sabiamente condenada neste Concílio. Não podemos ver ai nenhuma ligação com a doutrina kardecista da reencarnação, persistir nisso seria distorcer a realidade dos fatos.

Há de se ressaltar ainda que este Concilio nunca condenou nenhuma passagem se quer dos Evangelhos. Nenhum espírita conseguiu provar isso até hoje, mesmo assim preferem permanecer na pertinácia em afirmar esta história mítica inventada com o fito de solucionar a suposta omissão da reencarnação na Bíblia e na história da Igreja. Sugiro aos espíritas que sejam mais criteriosos em suas apologias, além de não ser honesto, não é nada inteligente basear sua defesa em fatos que nunca existiram, pois poderão ser facilmente desmascarados.

João Batista foi a reencarnação de Elias? Sim, segundo Araújo, Jesus supostamente “identificou em João Batista o Espírito do profeta Elias, falecido séculos antes, e que deveria voltar como precursor do Messias (Mateus 11:14 e Malaquias 4:5).”Esta tese elabora em gravíssimo erro por vários motivos, vejamos:

1. João Batista disse abertamente, sobre essa questão, quando lhe perguntaram: “És tu Elias?”, ele respondeu desembaraçadamente: “NÃO SOU” (conf. João 1:21). Parece que, se a reencarnação existe, João Batista foi um dos que nunca creu nela.

2. Quando Jesus fez esta comparação, eles tinham acabado de ver Elias e Moisés no monte da transfiguração.

Se Elias fosse João Batista reencarnado os espíritas entrariam em contradição com sua própria doutrina, veja:

João nesta altura já havia sido decapitado por Herodes, portanto estava morto. Ora, o próprio Kardec afirmou que “a reencarnação é a volta da alma à vida corpórea, mas em outro corpo especialmente formado para ela e que nada tem de comum com o antigo”. Como então, João Batista, apareceu no velho corpo na transfiguração? Não teria ele que aparecer (de acordo com a doutrina espírita) com o atual, da ultima reencarnação, isto é, com o corpo de João e não de Elias?

Ainda, segundo a doutrina espírita, o tal espírito se reencarna para purgar suas faltas do passado para progredir até ser espírito puro. Diz Kardec: “Toda a falta cometida, todo o mal praticado é uma dívida contraída que deverá ser paga.” (O Céu e o Inferno, pág. 88) Certamente, Elias mesmo sendo um profeta de Deus, tendo intimidade com Ele, parece que não havia progredido muito, visto que passou novamente pelas mesmas “provas” (como João Batista) para “limpar” seu suposto “carma” do passado.

A Bíblia diz categoricamente que “Está ordenado ao homem morrer uma só vez vindo depois disto o juízo” (Hebreus 9:27). Não existem várias mortes, mas uma só.

Demais disso, alguns judeus criam que João Batista fosse Elias ressuscitado, não reencarnado (Lucas 9:7,8).

2) Se a reencarnação é o ato ou efeito de reencarnar, pluralidade de existência com um só espírito, é evidente que um vivo não pode ser reencarnação de alguém que não morreu. Fica claro assim que João não era Elias já que Elias NÃO MORREU, como erroneamente quer fazer entender e com muita dificuldade nosso amigo espírita, tendo sido arrebatado vivo para Deus (conf. II Rs. 2:11).

Então porque Jesus disse que João era o Elias que havia de vir? Não precisamos recorrer à fantasiosa doutrina reencarnacionista para explicar esse ponto, deixemos que a Bíblia interprete a própria Bíblia.

João Batista iria adiante de Jesus no ESPIRITO E PODER de Elias e não que seria Elias reencarnado. (Lucas 1:17); Isto tem a ver com o ministério de ambos e não com reencarnação dos espíritos. Se seguirmos esta linha de pensamento, teremos de admitir que Elizeu e não João Batista era a reencarnação de Elias, pois diz a Bíblia que “Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que estavam defronte dele em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu” (2 Reis 9:15). Mas um não poderia ser a reencarnação do outro, pois ambos viveram ao mesmo tempo. Quando vemos uma pessoa com as mesmas características de outra dizemos: este é um Pelé, um Picasso. Com isso não queremos dizer que um é a reencarnação do outro! Vejamos então as semelhanças entre o ministério de ambos os profetas:

ELIAS
=====
Profetizou em tempos de apostasia
Profetizou para aproximar o povo de Deus
Vestia –se com roupa de pele de ovelhas
Acabe (o rei) tinha medo de Elias
Jezabel pediu a vida de Elias
Pregava sobre o arrependimento e castigo

JOÃO BATISTA
============
Profetizou em tempos de apostasia
Profetizou para aproximar o povo de Deus
Vestia-se com roupa de pele de ovelhas
Herodes tinha medo de Elias
Herodias pediu a vida de João
Pregava sobre o arrependimento e castigo

Isto posto, rejeitamos essa tentativa de envolver o Concílio de Constantinopla numa doutrina que ele nunca tratou. A reencarnação nunca fez parte dos dogmas quer cristãos ou judaicos. É alheia ao corpo doutrinário judaico-cristão. É doutrina oriental refinada ao sabor ocidental. Não se baseia na Bíblia e nem de longe encontramos alguma menção mesmo que indireta a esta doutrina no livro sagrado ou na história da igreja. Somente pessoas obstinadas levadas por pressupostos errôneos e preconceituosos ainda persistem em acreditar poder encontrar vestígios dessa doutrina na Bíblia. Querer juntar doutrinas espíritas com doutrinas cristãs é querer unir o que Deus separou para sempre.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

36 Comentários

Comentários 1 - 36 de 36Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. ASSISTAM AO FILME BASEADO EM FATOS REAIS: MINHA VIDA EM OUTRA VIDA.DR,JIM TUCKER,E A REENCARNAÇAO DE IAN HAGEDORN.A REENCARNAÇAO DE MANIKA.DR. IAN STEVENSON E OS 20 CASOS DE REENCARNAÇAO COMPROVADAS.DR.ROBERT LANZ;DR.KONSTANTIN KOROTHOV O FOTROGRAFO DA ALMA.

    1. filme não é “prova” se fosse assim o “jedaísmo” seria “verdade”.
      a reencarnação não existe, não há provas cientificas ou base bíblica para tal. o sr. trabalha em grande erro. quem ensinou reencarnação são espíritos invisíveis de supostos finados, e eles mentem.

    2. Ah, JCP, acho que vc está apelando. Os filmes descritos não são ficção, mas representação de fatos reais. Se for verdade, refutar ou mesmo reescrever a Bíblia como dizem que a Theodora fez, não vai evitar a reencarnação.

  2. O texto combatido faz afirmações de forma simplista e merece uma crítica negativa. Contudo, o presente texto incorre no mesmo vício. Assenta-se em fontes imprecisas. Nada prova. O autor, em excessiva paixão por sua fé, raia pelo fanatismo. Demonstra desconhecer o Espiritismo e as escrituras.

    1. Você disse tudo amigo! O autor deste texto contestador e tendencioso presunçoso, com certeza deve ser mais um pastor mercenário muito enfurecido por ter as suas pretensões financeiras contrariadas num simples artigo polêmico e incentivador d questionamentos d evidentes fatos reveladores.

    2. sr. marcelo,

      se está “cabrerô” ou com raiva, tire a sua calça e pisa em cima … se não tem argumentos plausiveis, então parte para o xingamento ? se você não sabe arrazoar e não tem o que fazer, e então não venha “fazer” aqui, pegue seu banquinho e saia de fininho.

  3.  E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas; Mas digo-vos que ELIAS JÁ VEIO, e não o conheceram. Então entenderam os discípulos que lhes falara de JOÃO o BATISTA.
    Mateus 17:13

    1. “E perguntaram a João Batista : és tu Elias ? respondeu : Não sou ”  João 1:21. 

      João Batista veio “no mesmo Espírito” [ou poder] de Elias, mas não que eram a mesma pessoa.

    2. Como Elias poderia aparecer num mesmo tempo com dois corpos diferente?

  4. Mateus 17:1-9 se João fosse a reencarnação de Elias, então quem deveria ter aparecido neste evento era João e Não Elias, pois aqui João já havia sido morto por Herodes. 

  5. Texto totalmente inverídico . O autor demonstra total desconhecimento da Doutrina Espírita e de Allan Kardec. Este sempre disse que para debater ou criticar um assunto é preciso conhecê-lo. Não é o caso do autor desse texto que só fala inverdades e interpretações que beiram o ridículo.

    1. inverídico é a estória de “kardec” (pseudo de Rivail), ele julgava-se “reencarnação” dos antigos feiticeiros celtas, os druidas. ele contraria até a própria doutrina que seria “evoluir” pois venera uma suposta reencarnação anterior que fazia sacrifícios humanos. 

    2. ridiculo é crer em fantasmas doutrinadores, supostos desencarnados o quais vocês espíritas não conseguem provar a real identidade dos tais. vocês são enganados por espíritos mentirosos em vossas mesas. o Horror :

      http://www.saindodamatrix.com.br/archives/mat-josefa-peixotinho.jpg

  6. Autor, repare neste trecho que você indicou: “… A pessoa viria à terra de acordo com seu pecado em sua preexistência…” – Preexistência? Então onde a pessoa cometeu o pecado se estava no Céu e não viveu antes na Terra? Olha sua incoerência. Seus argumentos são falhos. Não convencem.

    1. o AUTOR NÃO ESTÁ AFIRMANDO ISSO, simplesmente está comentando a tese elaborada por Orígenes como uma solução para o problema filosófico do mal, mas como não havia base bíblica para tal, foi sabiamente condenada neste Concílio. Preste atenção e estude mais.

  7. Na bíblia existe o relato de que Elias não morreu, mas foi arrebatado ao céu em uma carruagem de fogo. Além do mais, Elias apareceu a Jesus e a alguns apóstolos na transfiguração de Jesus, o que não ocorreria se João fosse Elias reencarnado.

    1. Querido irmão se você ler as obras de Kardec irá compreender que um espírito desencarnado pode transfigurar a sua imagem com a roupagem que lhe é necessária.
      Emmanuel foi José de Anchietta em uma das encarnações e nem por isso precisa se apresentar com a rua roupagem anterior.

  8. por Prof. Paulo Cristiano da Silva, só um detalhe, grande detalhe, referindo-se a Elias. Ele NÃO faleceu. NÃO morreu. Foi levado aos céus num carro de fogo. 
    Então, isso confirma  ainda mais a NÃO REENCARNAÇÃO, uma vez que sequer morreu.

    1. Tanto prova que morreu que foi levado ao céu. poia a carne e o sangue não herdam o reino dos céus. Além do mais, durante a transfiguração Elias se apresenta em espirito.

  9. marcio pereira.ter abr 18 at 3:05 pm “Tanto prova que morreu que foi levado ao céu. poia a carne e o sangue não herdam o reino dos céus. Além do mais, durante a transfiguração Elias se apresenta em espirito”

    1. o arrebatamento de Elias não foi “herdar o reino dos céus” e ele não morreu, foi arrebatado. se voce ler melhor 2 reis 2 verá por si só e na transfiguração nada diz que foi uma aparição de Espírito. apareceu o Elias real.

  10. Quem conhece um pouco do espiritismo sabe que um espirito superior pode se apresentar com a forma que teve na ultima encarnação ou se for conveniente, pode usar a fisionomia de uma encarnação mais antiga. Nós, ainda atrasados, não temos esta regalia.

    1. tudo o que você disse agora você não tem como provar esse conceito, simplesmente sugere que aceitemos a honestidade dos médiuns ou a tese espirita. então a minha refutação é 100% do seu entendimento. “nós, ainda atrasados” ?? sr. “andre” deixe de ter espirito de vira-lata.

    2. Se João batista fosse Elias “reencarnado” na transfiguração do monte a aparição do individuo “Elias” deveria ter vindo no aspecto “reencarnacionismo” como “joão batista” e não como “Elias”.
      conclusão: a tese “reencarnação” não tem base bíblica nenhuma.

    3. é hilário o kardecismo usar partes da Bíblia e intitular-se “cristão” é um tiro no pé, pois a mesma não apoia o espiritismo de forma alguma. Jesus nunca foi espirita, nunca ensinou “comunicar” com mortos, e não doutrinava espiritos mas expulsava. o espiritismo trabalha em grande erro.

  11. É pouco coerente usar um livro com doutrinas e dogmas exclusivistas como a bíblia judaico/cistã, uma questão tão ampla.

  12. Só vemos o que queremos enxergar.
    Nao adiante falar disso para os que não querem ouvir, é perola aos porcos.
    Infelizmente, para eles o ensinamento de Deus parou no tempo, Deus novamente está mudo e nunca mais falou depois do compendio católico.
    Deus não violenta consciências.

  13. Tudo a seu tempo. Não pesquisar e comentar sem domínio do assunto, só achismos serão ditos. CONHECE A VERDADE E ELA TE LIBERTARÁ.

  14. O autor faz afirmações baseados em conhecimentos superficiais da doutrina espírita.
    Mesmo que não ocorra em desconhecimento doutrinário, afirmar que todos alteram alteram o sentido das escritura, é afirmar que a vetdade o pertence. A verdade absoluta pertence a Deus.

  15. Se Elias foi arrebatado aos séus num karro de fogo, então deve ter xegado lá em sima todo torrado ……Koitado ! KOF/ Brazil …..P.S.- Eskrita fonemikamente.

  16. Marcelo Astor: Prefira ” ……é afirmar ke a verdade LHE pertense. A verd…..” ………………………….KOF/ Brazil ….. P.S.- Eskrita fonemikamente.

  17. Apesar de concordar em partes com o texto quanto a questão do concílio,venho deixar claro que a partir do momento que se acredita que tivemos outra vida em outro plano,que precisamos encarnar em outro plano e que voltaremos a outro plano com uma roupagem diferente(Orígenes acreditava que…

  18. Você disse tudo amigo! O autor deste texto contestador e tendencioso presunçoso, com certeza deve ser mais um pastor mercenário muito infurecido por ter as suas pretensões financeiras contrariadas num simples artigo polêmico e incentivador d questionamentos d evidentes fatos reveladores.

  19. O autor deste texto contestador e tendencioso presunçoso, com certeza deve ser mais um pastor mercenário muito infurecido por ter as suas pretensões financeiras contrariadas num simples artigo polêmico e incentivador de questionamentos de evidentes fatos reveladores.

  20. Sou f/ d Judeus, e segundo os maiores historiadores, antropólogos e arquélogos, a reencarnação era a maior bandeira do povo Hebreu até mesmo nos tempos de Moisés, e até hoje o povo Judeu em peso acredita somente na reencarnação, segundo quase todos o rabinos das terras santas de Israel!

    1. Torá e profetas não há espaço nem menção da tal “reencarnação” isso é uma cousa do espiritismo dos judeus cabalistas, no judaísmo também tem seitas diversas. A cristandade evangélica não é doutrinada por “rabinos”, então esse conceito “reencarnação” é refutado.

Comentários 1 - 36 de 36Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement