Esqueceu a senha?

O cristão precisa sentir “ardor no peito”?

por cacp - seg jan 21, 10:07 am

APRESENTAÇÃO DO DEBATE

Convidamos você a ler abaixo o debate entre o Prof. Paulo Cristiano e o senhor Thiago Lima, adepto da Igreja dos Santos dos últimos Dias (Mórmon). Esse debate teve como tema principal o seguinte assunto: O ardor no peito é garantia da verdade cristã?

O senhor Thiago defende que sua religião é verdadeira por que ele tem o “testemunho” do “ardor no peito”. Eu sustentarei que a Bíblia oferece outra maneira de verificarmos se algo é verdadeiro em relação à fé ou não.

As respostas do meu adversário estão em cor vermelha, enquanto minhas réplicas estarão em cor preta.

Esperamos que as respostas dadas a estes e outros questionamentos levantados pelas seitas sirvam para o enriquecimento do conhecimento e a edificação de todos aqueles que procuram em nosso site argumentos para a defesa da fé cristã.

Debatedores: Paulo Cristiano (protestante) X Thiago Lima (mórmon)

Tema Geral: Ardor no peito

———————————

Thiago Lima

Caros, bom dia, li um material publicado pela pesquisadora Mary Schultz sobre o mormonismo, e fiquei um tanto quanto decepcionado, pois sou mormon há muitos anos, e MUITAS coisas que lí não são verdade.

Uma das coisas que mais me deixou triste, foi o caso dela ter falado sobre nós, mormons, odiarmos o cristianismo. Isso é um ABSURDO, nós somos cristãos, cremos em Jesus Cristo, Cremos em Deus, vivemos uma vida digna, cumprimos os mesmos mandamentos que o Senhor nos deixou. Jesus é meu Salvador, meu maior exemplo, minha referência. Não aceito dizer que nós odiamos o cristianismo.

Outra questão, é quando foi citado que quando batizamos as pessoas mortas, ficamos com os bens da pessoa, rs.. isso é um absurdo. Não tem fundamento, não tem uma explicação lógica para isso, pratico o batismo em Templos Sagrados e NUNCA vi nada parecido. Creio que suas fontes estão equivocadas.

Sobre não respeitarmos as outras religiões, antes de sermos religiosos, somos seres humanos, e indiferente de crença, existem pessoas que são mais educadas que outras, mais cultas, mais humildes e isso vai de cada um. Como falei, sou membro há anos, e respeito todas as religiões.

Gostaria de terminar este meu e-mail, prestando meu testemunho, que a Igreja mudou minha vida, SEI que Jesus vive e ele nos ama, e requer o melhor de nós, e sei que o Livro de mormon é real, é verdadeiro, eu o li, e senti a veracidade em meu peito, e isso NINGUÉM pode tirar.

RESPOSTA DO PROFESSOR PAULO CRISTIANO

Prezado amigo Thiago:

Ficamos felizes com sua mensagem, e queremos incentivá-lo: continue nos acompanhando em cada publicação.

Os mórmons, de fato, são pessoas boas que procuram praticar sua religião. Acreditamos nisso. Todavia, religiosidade, caráter e outros predicados são virtudes importantes, mas não suficiente para a redenção humana. Nem mesmo um ardor no peito. Somente crendo biblicamente em Jesus alcançaremos a salvação eterna.

Mas é justamente este o ponto defrálgico de toda a questão. Os mórmons não são cristãos. É difícil para um mórmon admitir isso, mas eles não obedecem ao evangelho de Jesus e sim, ao evangelho mórmon que, diga-se de passagem, contraria as doutrinas cristãs esposadas no Novo Testamento.

Vamos começar com um exemplo que você mesmo mencionou, isto é, o “ardor no peito”. Esta prática foi ensinada pelos pioneiros mórmons e difundido pela igreja mórmon como aferidor da verdade em relação ao livro de mórmon. Cabe aqui esclarecer que em nenhum lugar do Novo Testamento você encontrará tal teste, aliás, o inverso é verdadeiro. Quando Paulo chegou a Beréia e começou a pregar o evangelho de Cristo, ele não pediu para ninguém testar o Novo Testamento com um ardor no peito, antes, Lucas diz que eles foram considerados “mais nobres”, não por ter pedido um ardor no peito, mas por ter conferido as doutrinas que Paulo pregava com a Bíblia Sagrada da época, o Antigo Testamento (Atos 17:11).

Thiago devemos submeter nossas experiências religiosas à Palavra de Deus e não aos nossos sentimentos. O que os mórmons fazem é um erro de lógica, uma petição de princípio. Nossos sentimentos são enganosos e perigosos.

Vejamos: pode ser que você esteja predisposto a aceitar o fato de que o livro de mórmon é verdadeiro, sendo assim é fácil ter um ardor no peito. É o mesmo que acontece com as pessoas que vão consultar adivinhos. Elas já estão predispostas a aceitarem aquilo. Também não podemos esquecer que existe a possibilidade de o diabo dar sentimentos às pessoas.

Enfim, qualquer religião pode alegar algum tipo de sentimento para justificar suas doutrinas. Desafio você a fazer o mesmo teste do ardor no peito com um muçulmano em relação ao Alcorão ou com um carismático em relação à Maria. Você constatará que todos eles darão um sentimento positivo e favorável ás suas doutrinas e livros. Assim fazem as Testemunhas de Jeová, os adventistas, os hindus, os espíritas e também os mórmons. Mas a questão toda se encontra em outro patamar, qual seja, será que tais doutrinas, embasadas por sentimentos, condizem com a Palavra de Deus – a Bíblia? É isso que eu desejo que você entenda meu caro.

Não importa o quanto o seu peito queime, de nada adiantará se o conteúdo do livro de mórmon contradiz a Palavra de Deus.

No aguardo da resposta.

Abraços, Prof. Paulo Cristiano


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

5 Comentários

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Prezado profº Paulo Cristiano, embora tenha bom conhecimento das escrituras ,da pra ver que o senhor não é o dono da verdade. Pois contradiz as escrituras ao dizer que não há funddamento nelas para o ardor no peito. veja os discipulos no caminho de Emaus Lucas 24:32 sentiram o ardor.

    1. Abriram-se-lhes então os olhos,e o conheceram, e ele desapareceu-lhes.E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando,pelo caminho,nos falava,e quando nos abria as escrituras?

    2. Roberto, de fato as Escrituras citam tal “ardor no peito” em Lucas 24:32, porém, em perfeita harmonia com as palavras do Prof. Paulo Cristiano, esse ardor citado em Lc 24 é uma experiência particular dos discípulos ali presentes, não sendo de modo algum base para sustentar uma doutrina.

  2. Abriram-se-lhes então os olhos,e o conheceram, e ele desapareceu-lhes.E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava,e quando nos abria as escrituras?

  3. Caros irmãos do CACP,  eu fui menbro ativo da igreja mormon, e até hoje, eu convivo com eles pq toda a minha familia continua mormon, e tenho q lhes avisar q existem pessoas mal intencionadas, q sei ñ ser vcs, q escrevem calunias absurdas sobre a doutrina dessa igreja.

Comentários 1 - 5 de 5Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement