Esqueceu a senha?

O deputado gay que ama Che quer me ver preso!

por Artigo compilado - ter jan 21, 12:51 am

Jean Wyllys O Che

Existem algumas certezas na vida. Uma delas é a seguinte: se o deputado Jean Wyllys, aquele grande pensador do BBB, faz algum elogio a você, é porque você fez alguma coisa errada. Esse é do tipo cujo ataque prova que você está no bom caminho. Por isso, só tenho a agradecer ao deputado por seu texto publicado em uma revista que pouca gente lê, mas que recebe belas verbas estatais.

Jean Wyllys destacou aquela minha passagem que fala sobre a inferioridade CULTURAL de pessoas sem educação, que não respeitam os demais, que pensam que shopping center é local para baile funk ou qualquer tipo de arruaça e baderna. Com sua inteligência ímpar, eis sua analogia: Como a classe média brasileira se comportaria se as elites dos EUA e Europa fechassem suas fronteiras aos seus “rolezinhos” nos shoppings de Miami, NY e Paris?

Não sei se o deputado sabe, mas não ocorrem “rolezinhos” no Aventura Mall ou no Bal Harbor. Pelo simples motivo que não seriam tolerados por lá. E isso, nem preciso dizer, não tem ligação alguma com classe social ou cor da pele, e sim com o direito que os demais clientes do shopping têm de passear, comprar ou ir ao cinema em paz, sem uma horda de gente pulando e cantando em volta.

Tampouco a fronteira é escancarada hoje. O deputado pode não ter conhecimento, mas é preciso solicitar um visto, passar por entrevista, e somente depois se está autorizado a entrar nosStates. Cuba, que o deputado admira, não deixa ninguém do povo sair para dar “rolezinho” no Caribe ou em qualquer outro lugar. E o PT do Acre quer fechar a fronteira para impedir o “rolezinho” dos haitianos, negros e miseráveis.

Mas para Jean Wyllys nada disso importa. Usei a palavra inferioridade e, horror dos horrores!, reconheci que há alguns com mais educação e cultura do que outros, que respeitam os demais. Para o ex-BBB, isso é como defender o Apartheid, o nazismo (nacional-socialismo), o extermínio de bárbaros! Fique tranqüilo, Jean, não quero exterminá-lo. Mas permita-me usá-lo como símbolo da nossa decadência moral.

O que seria de Jean Wyllys sem o sensacionalismo barato de quinta categoria? O homem subiu na vida fazendo isso! Portanto, claro que tinha de citar a jornalista Eliane Brum. Poderia ter sido o Sakamoto também, que deve ter ficado com ciúmes. Diz ele: “Como diz a jornalista Eliane Brum, eles estão sendo criminalizados por ousarem cruzar as fronteiras físicas e simbólicas que os separam dos privilégios das elites e os distinguem destas”.

Mesmo? E eu poderia jurar que gente da periferia já freqüenta shopping center à vontade, na própria periferia (onde, aliás, começaram os tais “rolezinhos”) e nos centros urbanos. Até quando essa gentinha vai insistir na palhaçada de que o problema é a classe social, e não o comportamento grupal? Há local e local para as coisas.

Por exemplo: como liberal, estou pouco me lixando para o que o Jean Wyllys faz entre quatro paredes. Mas se ele resolver agir como alguns militantes do movimento gay, que acham que estão acima das leis e das normais civilizadas de conduta, e partir para o atentado ao pudor em plena praça pública, como instrumento de protesto, será por mim condenado e deveria ser pela polícia reprimido.

O artigo do socialista continua na toada do apelo emocional feito sob medida para idiotas úteis, e não vou me alongar. Vai que ele gosta! O fato é que um leitor seu veio afirmar que cometi crime de racismo (contra que raça?), e a acusação foi endossada pelo deputado: “o MP pode avaliar a questão caso haja denúncia pública. Eu considero de um racismo odioso!”

Gostaria de cobrar, então, do deputado Jean Wyllys essa resposta: racismo contra qual raça? Qual foi a raça que eu discriminei em meu texto? Só se há alguma raça para gente baderneira e sem educação que não conheço. Porque logo depois do trecho destacado pelo deputado, eu digo que isso não depende da cor ou da classe social, uma passagem que o seletivo deputado ignorou.

Por que perco tempo rebatendo a falta de caráter de figuras desse naipe? Simples: porque isso tem importante efeito pedagógico, para mostrar como nossa esquerda radical age, de forma pérfida, sensacionalista e abjeta. Esperar o que de um líder de movimento gay que se veste com boina no estilo Che Guevara para enaltecer seu herói, um porco assassino que perseguia gays e achava que eles deveriam ser “curados” com trabalho forçado?

Autor: Rodrigo Constantino – Colunista da Veja

Extraído do site http://veja.abril.com.br/ em 20/01/2013


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement