Esqueceu a senha?

O diaconato

por Artigo compilado - qua set 12, 10:21 am

  • Comentários desativados em O diaconato
  • 11529 views
  • Print

Diácono, no grego significa “diákonos” que quer dizer: servo , garçom, auxiliar, agente, assistente e servente. No contexto de Atos 6:1-4 diácono é alguém encarregado de servir às mesas (não apenas no sentido de servir comida, mas de distribuir mantimentos). Leitura: Mt.23:11; Mc.10:44. Jo.12:26.

01 ) – CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O DIÁCONO

»ATOS [6:1-7]

Ora, naqueles dias, crescendo o número dos discípulos, houve uma murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as viúvas daqueles estavam sendo esquecidas na distribuição diária. E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas. Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais encarreguemos deste serviço. Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. O parecer agradou a todos, e elegeram a Estevão(coroa), homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe(amador de cavalos), Prócoro(mestre do coro), Nicanor(conquistador), Timão(aquele que honra a Deus), Pármenas(firme), e Nicolau(vitorioso sobre o povo), prosélito de Antioquia, e os apresentaram perante os apóstolos; estes, tendo orado, lhes impuseram as mãos. E divulgava-se a palavra de Deus, de sorte que se multiplicava muito o número dos discípulos em Jerusalém e muitos sacerdotes obedeciam à fé.

De acordo com o texto citado o diaconato foi instituído como um ministério efetivo na Igreja do novo testamento, em decorrência duma crise surgida no atendimento às necessidades das viuvas pobres que viviam sob os cuidados da Igreja em Jerusalém. Uma viuva naqueles dias não tinha as possibilidades que a sociedade moderna oferece, como sejam: pensão por morte do marido, mesmo algum tipo de aposentadoria ou outro amparo visando o sustento material. Devido à falta de organização na execução desse trabalho, as viuvas que pertenciam ao grupos de crentes de fala grega (helenistas) estavam sendo negligenciadas pelos judeus de fala hebraica, que perfaziam a maioria. Para dar solução a este problema, os apóstolo convocaram a comunidade cristã de Jerusalém , e de comum acordo decidiram escolher sete homens capazes sobre o quais pesasse essa responsabilidade, enquanto os que os apóstolo se entregariam exclusivamente à oração e à pregação do evangelho. Para compor o primeiro corpo diaconal foram escolhido sete homens. Desde ai o ministério diaconal veio a se tornar parte inseparável do ministério efetivo da Igreja.
O diaconato só podia ser exercido por alguém que fosse primeiramente experimentado e considerado irrepreensível: E também estes sejam primeiro provados, depois exercitem o diaconato, se forem irrepreensíveis (ITm.3:8).

02 ) – QUALIDADES DO CANDIDATO AO DIACONATO

Em Atos 6 registra três requisitos indispensáveis, a serem satisfeitos por aqueles que fossem indicados para o diaconato. Esses requisitos são indispensáveis ainda hoje:

1) TER BOA REPUTAÇÃO: Deveriam possuir um nível de moralidade acima de qualquer suspeita, devendo sobre tudo ser conhecidos como homens de acentuado interesse humanitário. Precisavam ser conhecidos de outras pessoas, de testemunho e caracter irrepreensíveis.

2) SER CHEIO DO ESPÍRITO: Precisavam ser homens, espirituais, dotados de habilidades comuns a um autêntico servo de Deus. Estevão, era “homem cheio de fé e do Espírito Santo”, “cheio de graça e poder, fazia prodígio e grandes sinais entre o povo” (At.6:5,8). Era homem de firmes convicções. Ele cria em alguma coisa, e aquilo que ele cria determinou até a natureza da sua morte. Ele ilustra perfeitamente que o diácono deve ser um homem de fé inabalável. Só uma pessoa cheia do espírito pode ser homem de fé.

3) SER CHEIO DE SABEDORIA: Certamente que esse requisito era resultado direto do poder do Espírito Santo na vida deles. Só estando dotados da sabedoria divina seriam capazes de rejeitar as murmurações, as fraldes, as calunias e a traição, às quais está sujeito do autentico servo de Deus.

03 ) – O DIÁCONO NA IGREJA ATUAL

As qualidades já mostradas, necessária àqueles que ainda hoje são escolhidos como diáconos, somaríamos ainda aqueles requeridas pelo apóstolo Paulo. De acordo com ITm.3:8-12 requer-se do candidato ao diaconato que ele seja acima de tudo:

– responsável
– sincero
– não inclinado a muito vinho (esse vinho não era fermentado)
– não cobiçoso de sórdida(suja) ganância
– conservador do mistério da fé
– portador de uma consciência limpa
– experiente
– irrepreensível
– marido de uma mulher crente
– que governe bem seus filhos
– que governe bem a sua própria casa

“guardando o mistério da fé numa consciência pura(ITm.3:9.)

Se o diácono não possuir essas qualidades é melhor não ter diácono, alguns que não possuem vocação e são consagrados tornam-se pedra de tropeço para a igreja, um peso morto e uma grande decepção para o pastor.

O “mistério da fé” no Novo Testamento quer dizer segredo revelado, a completa revelação de Deus que está em Cristo Jesus. A firme convicção no coração a respeito daquilo que crê. Alguém chegou a dizer que a função do diácono não é pregar ou ensinar basta que ele seja um homem de fé inabalável. Os cristãos primitivos eram ousados, a fé que possuíam os habilitou a dar a própria vida por ela, e morreram como verdadeiros heróis e heroinas. O diácono deve crer que Deus o chamou para esse ofício. Deve crer piamente que ocupa um cargo instituído e que foi o Espírito Santo que o capacitou para desenvolver a tarefa. Deve se sentir honrosamente assinalado entre os demais homens. Em circunstância alguma deve envergonhar-se do seu cargo.

Deve a Igreja orar pelos seus diáconos, respeitando e acatando até as suas correções feitas em decorrência da ordem de culto, se necessário.

04 ) – O SERVIÇO DO DIÁCONO

Muitas das nossas Igrejas desenvolvem também assistência social, atendendo os doméstico da fé mais carente, trabalho esse nem sempre efetuado com a ajuda do diácono. O trabalho do diácono é muito diversificado na Igreja hoje. Ele serve como porteiro, professor de escola dominical, recepcionista, auxiliar na distribuição da santa Ceia, e de uma outra série de atividades, mutáveis de acordo com a região em que se encontra esse diácono. O patrimônio da Igreja e outros aspectos materiais correlatos estão incluídos aqui. Um bom diácono é uma grande alavanca na Igreja, uma esperança e um estimulo para o pastor e os membros em geral. As mães se sentem seguras enquanto participam do culto.

Muitos daqueles que começaram servindo como diáconos, face à dedicação, habilitação, idoneidade e amor mostrados, galgaram posições de dignidade ministerial vindo a se tornarem valorosos ministros do evangelho.

Isto parece ser o cumprimento das palavras de Paulo em ITm.3:13:” Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si um lugar honroso e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus”.

Portanto, àqueles que hoje compõem o diaconato, aconselhamos o seguinte:

– Cumprir suas funções com todas as forças da sua alma, certo que o seu trabalho não será vão no Senhor.

– Viver em humildade, sem pretensões, sem presunção, de sorte a agradar a Deus e ao ministério de sua Igreja.

– Evidenciar provas de um espírito serviçal, fazendo-se servo não só do Senhor, mas também dos homens.

– Evitar o espírito de murmúrio e insatisfação com o mistério que tem, evitando, portanto, compará-lo com os ministérios que se mostram mais evidentes na Igreja. Devemos saber que Deus galardoará a fidelidade e não o cargo exercido. Leiamos: “Ora, uma só coisa é o que planta e o que rega; e cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho” (ICor.3:8).

Se a palavra diácono quer dizer servo, e a Bíblia diz que somos chamados para servir: servindo uns aos outros conforme o dom que cada um recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus (IPe.4:10). E nós hoje, somos diáconos de quem?

No corpo de Cristo, cada um é colocado no devido lugar conforme a graça de Deus; “porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus, repartiu a cada um. Pois assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e individualmente uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria”(Rm.12:3-8). Faça também a leitura de ICor. 12:12-31.

“E a uns pôs Deus na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro mestres, depois operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas”(Vrs,28). A palavra “socorro” significa: ajuda, amparo, auxilio (At.11:27-30).

Para a Igreja primitiva, ajudar os necessitados era uma demonstração da graça de Deus e prova do verdadeiro amor (IICor.8:16-24). E para nós hoje qual o significado desse ato?

A medida que a Igreja vai crescendo e necessário Ter uma boa equipe diaconal, isto faz parte da organização eclesiástica: “Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem o que ainda não o está, e que em cada cidade estabelecesses anciãos, como já te mandei (Tit.1:5). Leia também ICor.14:33-40.

05 ) – DOS DIÁCONOS:

Diáconos são oficiais do campo eclesiástico, por este consagrados, para servirem nas cousas de ordem material e temporal, segundo os ensinamentos bíblicos e o estabelecido nas leis da Igreja.
– O candidato ao diaconato deverá preencher os seguintes requisitos:

I – ser membro da Igreja por no mínimo dois anos;
II – se casado for, que a esposa seja membro da Igreja;
III – ser batizado com o Espírito Santo;
VI – ter bom testemunho, inclusive dos de fora;
V – demonstrar interesse por assuntos de natureza sócio – beneficentes, e zelo
pelos interesses materiais da Igreja;
VI – preencher as condições de Atos 6:3-5;
VII – ser dizimista fiel;
VIII – saber ler e escrever;
A escolha do diácono se dará do seguinte modo:
I- O dirigente da congregação escolhe o candidato, juntamente com o pastor;
II- O candidato passa por um período de prova na função de, no mínimo um ano;
III- Findo o período probatório, o conselho, se aprovar o candidato, levá-lo-á para aprovação da congregação onde ele atua.

A reunião, na qual o candidato terá o seu nome submetido à aprovação da congregação, será presidido pelo pastor, que relatará o feito na reunião subsequente do conselho, em cuja ata ficará inserido.

A consagração dos diáconos será feita pelo pastor e demais ministros, em solenidade publica, em dia e hora marcados pelo pastor titular.
– Nenhum candidato deverá chegar a consagração, sem primeiro ter recebido orientação do pastor titular ou por que ele indicar, quanto às suas funções, e dado provas de dedicação e trabalho na execução das tarefas que lhe tenha sido designadas durante o período probatório.

– Compete ao diácono fazer todo o serviço relacionado à função.

O diácono na Igreja, precisa ser verdadeiro avivalista, conhecendo bem a regra de fé e prática que é a Palavra de Deus e o manual da Igreja, principalmente as doutrinas fundamentais. Outro ponto importante que destaco aqui é o discipulado, onde apresentamos os textos básicos sobre o plano da salvação, os quais são: Jo.1:12; Ap.3:20; Rm.10:9-10; IJo.5:11-13; Jo.6:37. Precisa saber que a salvação é Dom de Deus, conforme Ef.2:8. Que a Igreja pertence a Jesus Cristo conforme Mt.16:18; At.20:28. Sua participação ativa nos cultos é de grande importância para realização de um trabalho eficiente.

A Igreja de Jesus Cristo merece de cada um de nós o máximo de nosso zelo, consagração e lealdade. Toda infidelidade para com a Igreja é infidelidade para com Deus.

06 ) – O USO DO DINHEIRO

Já encontrei diácono que além de não ser dizimista não congregava. Existem certas coisas que o diácono precisa crer a cerca do dinheiro, coisas que fazem diferença em todos os seus serviços para Igreja.

Primeiramente ele precisa admitir que o dinheiro que possui não é seu, mas de Deus ICor.6:19-20.

Reconhecendo que tudo o que tem pertence a Deus, é muito mais fácil saber que o dízimo (décima parte) é de Deus e que deve ser entregue a casa do tesouro ( a Igreja de Deus onde a pessoa congrega) : “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança”(Ml.3:10) , e não ser gasto conforme a sua opinião. Qualquer proposta pode ser discutida e dada a melhor solução. Uma vez entregue os dízimos e ofertas, o diácono precisa saber gastar o seus 90% (ITm.3:5,12). Como poderá administrar as coisas de Deus se não aprendeu a governar sua própria casa.

07 ) – EM RELAÇÃO AOS MINISTROS

Que deve o diácono crer a cerca do ministro de Deus? Ou mais importante ainda, o que diz Deus a cerca do ministro. A bíblia diz que o pastor é diretamente chamado por Deus para o ministério da Palavra. Há muita gente que acha que a vocação de todos os homens e mulheres para os seus serviços seculares específicos é semelhante à chamada de Deus para atividades religiosas. A igreja e o pastor precisam estar certos de que o ministério que está sendo desenvolvido na Igreja está dentro da vontade de Deus. O pastor é a autoridade espiritual da Igreja. Portanto, como qualquer membro, o diácono deve ter consciência de que o pastor é o ungido de Deus ISm.26:8-9. Não levante sua mão contra ele, nem tome qualquer atitude de rebelião (Nm.12:1-16; Nm.16:1-5, 19-22, 31,32,35).

Nós pastores não somos infalíveis, todavia teremos que dar conta a Deus do nosso trabalho (Hb.13:17).

08 ) – EM RELAÇÃO A FAMÍLIA DO PASTOR

Certa vez quando morávamos numa casa anexo à Igreja, meu filho foi duramente censurado por estar brincado de bola no pátio da Igreja. Disse a pessoa: “você é filho do pastor, portanto, não pode brincar de bola”. Quer dizer, Qualquer criança poderia brincar, menos o filho do pastor. Os filhos do pastor, não são “pastorzinhos”, nem a esposa é o modelo de toda perfeição. Entendo que, como qualquer família cristã, os filhos devem ser criados em sujeição e disciplina e a esposa deve ser a companheira idônea e fiel ao lado do marido, qualquer que seja seu trabalho. Em se tratando do ministério, é natural que a esposa do pastor seja mais cobrada do que qualquer outra pessoa, mas não é os diáconos ou a Igreja que vai ditar as regras para família do pastor. Eles são ovelhas como os demais.

É necessário que a esposa do pastor seja treinada para suportar as dificuldades em todas as áreas; sejam elas espirituais, financeiras ou emocionais. Em fim, faz-se necessário todo respeito a família do pastor. O diácono por ser cheio de fé e amor, deve demonstrar isso em relação a família do pastor.(relatado pelo Pr. João Gregório).

09 ) – TRANSFERÊNCIA DE PASTOR

Se existe uma situação que choca a família do pastor é uma transferência fora do plano de Deus, pois mesmo estando no plano de Deus já não é fácil. Os filhos deixam escola, amigos, estabilidade na igreja, talvez o trabalho, um salário que ajuda na despesa da casa. A esposa, muitas vezes, deixam o seu coração e muitas amizades. As vezes o pastor chega na igreja em que vai tomar posse com alguns compromissos do dia a dia (prestações). É importante que os diáconos procurem o pastor para saber se há alguma necessidade, nesse sentido e que possam ajuda-lo. Para a família do pastor recém chegado, tudo é novo talvez até para a sua esposa fazer amizade demore um pouco. As esposa dos diáconos devem tomar a iniciativa de procura-la e saber se tudo esta bem, talvez de inicio fosse bom fazer isso por telefone, pois nos primeiros dias a família tem varias preocupações: como escola, serviço, etc… Lembrem-se das palavras de Jesus em Mc.9:41 – “Porquanto qualquer que vos der a beber um copo de água em meu nome, porque sois de Cristo, em verdade vos digo que de modo algum perderá a sua recompensa”.

Receba o novo pastor com alegria, saiba que cada ministério difere do outro. A Igreja poderá passar por uma nova fase que muito vai depender da ajuda de todos. Quando alguém não entender o ministério do pastor dê-lhe uma palavra de animo e coragem não fique alheio ou diferente.

10 ) – O LAR DO DIÁCONO

“Partindo no dia seguinte, fomos a Cesaréia; e entrando em casa de Felipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele. Tinha este quatro filhas virgens que profetizavam” (At.21:8-9).

Já havia passado mais de 20 anos, desde que Filipe fora separado ao diaconato, até esta data. Ele como diácono pregador, foi que ateou fogo do reavivamento em Samaria At.8:5. Era homem bem disposto (vrs.26-27), houve uma grande explosão de milagres e conversões naquela cidade (vrs.6-8). Filipe vivia na dependência do Espírito Santo (vrs.29-39), foi nesse período que ele encontrou com o Eunuco da Etiópia, quando esse regressava de Jerusalem, pelo caminho de Gaza, explicando assim o plano da salvação (vrs.35). O Eunuco recebeu com muita alegria a Palavra que ali mesmo foi batizado. Após batizar o eunuco Felipe já se encontrava em Azoto (vrs.40). Anunciando o evangelho de cidade em cidade até que chegou a Cesaréia onde morava. As poucas informações que temos de Felipe, são as melhores possíveis que qualquer diácono deve ter de seu pastor.

Meu pai recebeu a consagração ao diaconato logo que se converteu(01/09/71). Tenho muitas e boas recordações de nosso lar e do trabalho que ele exerceu. Morávamos em uma casa localizada em uma chácara perto da cidade, onde muito serviu aos servos de Deus e suas famílias. Lembro-me das bênçãos contadas pelos missionários. Minha família foi muito abençoada por Deus, por ser a nossa casa uma hospedaria de obreiros. Meu pai chegava a igrejas às 19 horas, seu primeiro ato era dobrar os joelhos e orar pelo culto e pelo pastor. A seguir caminhava pelos corredores até o púlpito olhando atentamente se os bancos estavam devidamente limpos e no devido lugar. Muitas vezes, o vi com o auxilio de minha mãe limpar a Igreja, observava se as toalhas estavam limpas e passadas, abria os vitros, se houvesse alguma lâmpada queimada ou qualquer outro trabalho tratava de fazer imediatamente. Só depois disso, sentava-se no último banco e aguardava o inicio do culto lendo sua bíblia. Cuidava da ordem do culto, recebia as pessoas, arrumava assentos para todos, levava a santa ceia para os membros enfermos e cooperava no que fosse preciso. Sempre foi fiel dizimista e zeloso em ofertar, dizia ele que dinheiro amassado, velho e sujo não se da a Igreja como oferta.(relatado pelo pr. João Gregório).

11 ) – O GOVERNO DO LAR

“Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas”.(ITm.3:12)

O homem governará bem a sua casa, quanto lhe desejar todo o bem possível, dedicando-se ao bem estar da família. Isto significa tempo separado
para estarem juntos, companheirismo, camaradagem, participação nas tristezas e alegrias e amor expresso repetidamente por palavras e ações.

O diácono tem que ser o melhor marido por causa da doçura dos privilégios e deveres do reino de Deus. As regalias espirituais que lhe são estendidas como servo da Igreja e de Deus, certo se refletirão dentro de seu lar, em relações ainda mais profundas e maravilhosas.
O diácono e sua esposa que tiverem a espécie de lar que devem ter, no qual cada um, como parte contratante, se dedicou e se entregou inteiramente a Deus perceberão que Deus lhe reservou uma recompensa gloriosa. Possui um lar que está cercado pela proteção divina. Sim, Deus levanta muros protetores ao redor das vidas das famílias de seus servos. Isto não quer dizer isenção de provação e sofrimento. Os servos de Deus do passado também enfrentaram perseguições e sofrimento. Deus faz promessas especiais aos lares que se edificam sobre vidas consagradas e dedicadas aos seus serviços (Vrs.13).

12 ) – A ESPOSA DO DIÁCONO

“Da mesma sorte as mulheres sejam sérias, não maldizentes, temperantes, e fiéis em tudo” (Itm.3:11).

Quando consideramos as qualificações do diácono, vimos que três era de natureza negativa (vrs.8). Das qualificações da esposa do diácono apenas uma é dessa natureza; não maldizente. Este defeito, nem o pastor, presbítero, diácono ou membro deve ter; mas é apresentado em especial no caso da esposa do diácono. Consideremos, pois, com cuidado esta palavra “maldizente”. O vocábulo grego aqui é “diabolo”, e este é o único lugar no NT que se traduz por maldizente. Trinta e cinco vezes ele é traduzido por diabo. O Espírito Santo ensina que a esposa do diácono não deve ter o grave defeito que este vocábulo apresenta. No livro de Jó, vemos que satã se pôs entre os filhos de Deus quando esses se apresentaram ao criador (Jó1:11). Manhosamente propôs ao Senhor que tirasse os seus bens e veria como ele negaria a Deus. Vemos então que uma das principais atividades de satanás é acusar e mentir. Devido o envolvimento dos diáconos com a Igreja fica muito transparente certos problemas, é necessário então ter sabedoria no falar, onde falar e com quem falar (isso se refere aos problemas da Igreja) . Se o diácono não deve ser homem de duas línguas, a mulher dele não deve ter língua solta. Na verdade nada há que destrua mais rapidamente a utilidade de um diácono, que ter uma esposa maldizente. O apóstolo Tiago no capítulo três fala do problema da língua quando não dominada.

“Grave” venerada pelo seu caracter, respeitada em seu procedimento e que possua uma fé sincera e enérgica, de modo que possa atrair o respeito de todos da Igreja.

13 ) – ATIVIDADES RELACIONADAS PELO PASTOR LOCAL

1) Chegar à igreja 30 minutos antes do culto.

2) Ter um tempo em oração intercedendo por si mesmo e pelo culto.
3) Ao que estiver participando do culto, de cobertura espiritual (através da oração) a quem está na recepção.

4) Abrir a Igreja (portas e vitros)

5) Verifique de imediato se há algum banco, cadeira ou objeto qualquer fora do lugar, inclusive no pátio, se há lâmpadas queimadas ou com defeitos, portas ou vidros quebrados e faça o serviço imediatamente, se possível.

6) Verifique se o púlpito está em ordem.

7) Fazer a recepção das pessoas que chegarem, anotando o nome dos visitantes que vem pela primeira vez.

8) Se tratando de ministros ou autoridades, destaque cargo , função ou igreja que congrega, também não esquece de indicar o nome da família.

9) Esteja atentos para os veículos dos participantes do culto e para a entrada de estranhos no pátio.

10) Enviar o nome dos visitante ao dirigente do culto, para que seja apresentado. Quando houver pedido de apresentação de criança, comunique o pastor antes do culto, só então poderá levar o nome da criança e dos pais para que a cerimonia seja realizada.

11) Cuidar da ordem do culto, corrigindo brandamente crianças e adultos, evitando locomoção desnecessária , conversas e aglomerações .

12) Procure acomodar todos os que chegarem para o culto. Se a Igreja estiver lotada, os mais jovens devem dar lugar aos visitantes.

13) O diácono como exemplo não deve ficar conversando e nem transitando desnecessariamente na hora culto.

14) Nunca interromper o pastor ou o dirigente do culto durante o trabalho.

15) Se precisar sair deixe outro em seu lugar, se for faltar avise.

16) Retire o material de propaganda após o trabalho (avisos, faixas e cartazes).

17) Auxiliar em necessidades que houver no dia do batismo, preparando o local com antecedência, que deve ser de fácil acesso, limpo e mais perto possível da Igreja. Se não houver local para que as pessoas troquem de roupa, utiliza-se a barraca.

18) Cuidar das capas batismal, utensílios de cozinha e arranjos da Igreja.

19) Cuidar da limpeza geral da Igreja convocando voluntários.

20) Prover elementos para a Ceia do Senhor, preparando a mesa e ajudando na distribuição quando convidado pelo pastor.

21) Levar a santa ceia a membros enfermos quando solicitado, orando com eles e assistindo-os se for necessário.

22) Cuidar da assistência social da Igreja (alimentos, roupas e remédios) seguindo a orientação pastoral.

23) Quando aparecer algum pedinte na Igreja, não prometa nada e nem espere o pastor para resolver, mas procure solução.

24) Auxiliar o pastor em reforma ou construção da Igreja, quando aprovado pelo conselho do campo.

25) Quando se realizar um evento maior, todo deverão cooperar.

26) Ao encerrar o culto feche as portas e vitros da Igreja.

27) Ao encerrar o culto seja cordial com os visitantes entregando literatura e convidando para voltarem outra vez.

28) Quando possível usar traje social nos cultos

29) Casos omissos, procure o pastor.

14 ) – O SERVIÇO DOS LEVITAS

O serviço do Senhor não deve ser feito de maneira casual ou relaxada, leiamos:” Maldito aquele que fizer a obra do Senhor negligentemente” (Jr.48:10)

Em números onde encontramos Israel servindo a duas palavras em destaque: “ordem e serviço”, onde tudo devia ser feito segundo a vontade de Deus a exemplo dos filhos de Levi. “Estes, pois, foram os filhos de Levi, pelos seus nomes: Gérson, Coate e Merári”(Nm.3:17). “Eles terão a seu cargo a arca e a mesa, o candelabro, os altares e os utensílios do santuário com que ministram, e o reposteiro com todo o seu serviço” (Nm.3:31). “E os filhos de Gérson terão a seu cargo na tenda da revelação o tabernáculo e a tenda, a sua coberta e o reposteiro da porta da tenda da revelação, e as cortinas do átrio, e o reposteiro da porta do átrio, que está junto ao tabernáculo e junto ao altar, em redor, como também as suas cordas para todo o seu serviço” (Nm.3:25-26). “Por designação os filhos de Merári terão a seu cargo as armações do tabernáculo e os seus travessões, as suas colunas e as suas bases, e todos os seus pertences, com todo o seu serviço, e as colunas do átrio em redor e as suas bases, as suas estacas e as suas cordas” (Nm.3:36-37).

O rei Davi deu grande importância a esse serviço: ICr.23:1-6; ICr.24:1; ICr.25:1 e 26:1. O rei Salomão levou avante a organização do seu reinado (IICr.8:14-16) fazendo conhecido a grandeza do seu reino a outros povos. A exemplo da rainha de Sabá que ao visitar Salomão ficou admirada com a organização do reino.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Querido irmão, saiba que o trabalho para Deus não é vão (ICor.15:58) , sendo que o próprio Senhor nos recompensará naquele dia. Estamos juntos e trabalharemos da melhor maneira possível, pois quando assim fazemos o Senhor dispensa sobre as nossas vidas uma nova unção e o nosso cálice transborda. Deus precisa de você. Eu como seu pastor, preciso de você, os membros da Igreja e os não crentes precisam também. Deus lhe chamou e o escolheu, por ser uma pessoa especial para compor o diaconato de nossa Igreja. Vamos lá, pois em breve entraremos no descanso eterno com o nosso Senhor.

OBRAS CONSULTADAS E COMPILADAS:

Livro da EETAD,

“O Diácono – JUERP,

Bíblia (IARV – computador)

Autor: Pr. João Gregório

  • Comentários desativados em O diaconato
  • 1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votos)
    Loading...
  • 11529 views
  • Print

Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Comentários fechados neste artigo.

Advertisement