Esqueceu a senha?

O Evangelho do Diabo, Pr. João Flávio Martinez comenta

por Pr. João Flávio Martinez - dom jun 30, 3:54 pm

A Teologia da Prosperidade, para quem não sabe, é a doutrina principal pregada pela IURD . Trata-se de uma substituição do Evangelho da Graça, pelo “evangelho” da ganância. É comum ouvirmos da boca dos pregadores da prosperidade coisas do tipo: “Você é filho do Rei, não tem por que levar uma vida derrotada.. Deus quer você seja rico, que tenha muito dinheiro… quem é pobre está fazendo a vontade do diabo… está vivendo em pecado… Um homem de Deus é rico!” A teologia da prosperidade une o fútil ao desagradável, ou seja, é uma mistura de ganância e comodismo. Os adeptos da teologia da prosperidade acham que nós temos direito de reivindicarmos o que quisermos de Deus, esquecendo da soberania divina.

O Pr. Esequias Soares faz um comentário interessante sobre essa ideologia da IURD de Edir Macedo: “Desde muito cedo na história do cristianismo, já havia aproveitadores, que usavam a Palavra de Deus visando lucros pessoais – “Porque nós não somos falsificadores da palavra de Deus, como tantos outros; mas é com sinceridade, é da parte de Deus e na presença do próprio Deus que, em Cristo, falamos” (II Co 2.17). O termo grego para “falsificadores” é “kapeleuo”, negociar com, comerciar no varejo, colocar à venda, traficar, comercializar em pequena escala… falsificar, adulterar, negociar, buscar lucros… Esse verbo aparece referindo-se tanto aos mercadores, aqueles que usam a Palavra de Deus, visando interesses pessoais, como aos falsificadores, que adulteram e sofismam a Palavra para agradar as pessoas e delas tirar vantagens… é a prática da simonia… O apóstolo Paulo já via, em seus dias, essa tendência mercadológica e, para combatê-la, usou uma palavra com o significado de falsificar ou mercadejar a Palavra. Isso envolve práticas da simonia, adulterar a Palavra, fazer da religião comércio e faltar com sinceridade diante de Deus, visando interesses pessoais. O apóstolo rebate os simoníacos e, ao mesmo tempo, reafirma a sua sinceridade, quando diz; antes, falamos de Cristo com sinceridade… muitos confundem fé cristã com negócios e colocam a igreja nessa esfera, isso banaliza o sagrado e reduz as coisas de Deus à categoria de mero produto comercial… O tema do culto cristão é o Senhor Jesus, e não as ofertas.”


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Gloria a Deus que, mesmo com estas falsas doutrinas da prosperidade, Deus é poderoso e salva muitas das almas que estão lá. Ai dos que trazem escândalos!!! Ai dos que buscam mais milagres do que o fruto do Espírito!!! Ai dos que pregam heresias!!! Que Deus salve aos seus, e que o CACP, assim como os pastores João Flavio e o Paulo Cristiano continuem fazendo o bom trabalho anunciando o evangelho.

    Sugiro ver os modismos neopentecostais (vídeo e dvd). Também fala do evangelho do diabo.

    A paz.

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement