Esqueceu a senha?

O Islã político – Lição 2

por Artigo compilado - sex jun 30, 10:21 am

MUHAMMAD

Quando você pensa em um líder político, você pode pensar em Napoleão, Alexandre, O Grande ou César. Eles foram grandes generais, mas eles não “amarram a chuteira” de Maomé, porque ninguém mata hoje por Napoleão, ninguém hoje mata por César, mas hoje, sem dúvida, é verdade que em algum lugar do mundo, pessoas estão sendo destruídas por causa do exemplo perfeito de Muhammad.

Se você conhece Muhammad, então você conhece o Islã. Se você não sabe Muhammad, você não conhece o Islã. O objetivo de vida de todo muçulmano é imitar Muhammad em cada detalhe. Muhammad levou uma vida fascinante – ele foi um homem de negócios, profeta, político e guerreiro. Sua maior invenção foi um sistema político que pode fazer com que todos os outros se submetam.

Vamos agora estudar Muhammad antes de estudarmos os fundamentos do Islã. Isto é porque Muhammad é a origem do Islã e ele vem antes tudo. Não havia Islã antes de Muhammad e ele se chamava de o último dos profetas. Em certo sentido, o Islã começa com Muhammad e termina com Muhammad. A importância de estudar Muhammad é encontrado no próprio Alcorão. O Alcorão diz 91 vezes que os seres humanos devem supostamente conduzirem suas vidas pelo exemplo de Muhammad. Muhammad é o padrão perfeito de vida para todos os povos para todos os tempos. [segundo o Islã, claro].

Sabemos muita coisa sobre Muhammad. Sua biografia, a Sira,[1] Tem mais de 800 páginas com letras pequenas. Então, como se isso não fosse suficiente, temos as chamadas Tradições de Muhammad – também Chamada de Hadith. Temos milhares e milhares dessas tradições. Sabemos muito sobre esse homem.

 

A IMPORTÂNCIA DE MUHAMMAD

A importância de Muhammad pode ser encontrada na religião do Islã. A maioria dos Kafirs pensa que você se torna um muçulmano adorando o deus Allah, mas isso não é verdade. Você pode adorar o deus Allah e ainda não ser um muçulmano. O que é preciso para ser muçulmano é adorar a Allah exatamente como Muhammad adorou, e sabemos exatamente como ele adorava seu deus. A importância adicional de Muhammad pode ser encontrada nisto: não informações suficientes no Corão para capacitá-lo a praticar a religião do Islã. Por exemplo, o Alcorão diz para orar, mas não diz como fazer a oração Islâmica. Essa informação vem do Hadith. Todos os detalhes de como ser um muçulmano são encontrados nos exemplos de Muhammad, não do Alcorão.

Há cinco pilares do Islã que estudaremos na próxima lição, Mas não há informações suficientes no Alcorão para praticar até mesmo um dos Cinco Pilares. Você não pode adorar de uma maneira islâmica sem imitar Muhammad. A maneira de Muhammad fazer as coisas é tão importante que tem um nome muito especial: a Sunna, que significa o Caminho, a forma, a maneira.

É em Muhammad que encontramos o certo e o errado, menos o certo e o errado como pensamos, em um sentido moral não usado dentro do Islã. Em vez disso o conceito é: “O que é permitido” e “O que é proibido”. O que é permitido é o que Muhammad fez. O que é proibido é o que ele disse para não fazer, ou ele mesmo não fez, então a Sunna de Muhammad é o que determina o Islamismo. Para conhecer o Islã temos que estudar Muhammad.

Uma das maneiras que você pode dizer o quanto alguém conhece sobre o Islã é se ele menciona Muhammad ou não. Às vezes, você encontra um pessoa que quer explicar o Islã com base no Alcorão. Quando isso acontece, você pode ter certeza de ter encontrado uma pessoa que realmente não entende o Islã ou é um enganador. O Alcorão não é remotamente suficiente para explicar o Islã, uma vez que é incompleto.

Vamos pegar uma questão bem pequena. Você já assistiu a uma transmissão de notícias onde havia algum líder islâmico do Oriente Médio falando, com raiva, talvez até gritando. Porque ele faz isto? Uma simples razão: Muhammad ficava facilmente irritado. Isso está registrado tanto na Sira quanto no Hadith, então quando você vê um muçulmano que é rápido em se irritar, ele está simplesmente imitando Muhammad.

Muhammad foi o pai perfeito, o marido perfeito, líder religioso, líder militar e líder político. Não há nenhum aspecto da vida, incluindo os negócios, onde um muçulmano não se espelha no exemplo de Muhammad. Ele é o muçulmano perfeito. Não existe um muçulmano vivo que não conheça a vida de Muhammad. O que é estranho é que há tão poucos Kafirs que conhecem alguma coisa sobre a vida de Muhammad. Quando você estuda Muhammad, é bastante confuso, porque ele parece ser duas pessoas muito diferentes.

 

A VIDA DE MUHAMMAD

Vamos revisar rapidamente sua vida. Ele era órfão quando criança e mais tarde tornou-se um homem de negócios. Ele fez viagens de caravana para a Síria. Ele era próspero e as pessoas tinham uma boa impressão dele em sua comunidade. Ele era visto como uma pessoa que podia resolver conflitos e sanar disputas. Ele era um homem muito religioso, e então, aos 40 anos, começou a fazer retiros religiosos, deixando a cidade de Meca e orando por si mesmo. Então ele começou a ouvir uma voz, e teve uma visão. Agora, essa foi uma voz que mais ninguém ouviu, e uma visão que mais ninguém viu, mas era muito importante para Muhammad, e isso mudou completamente sua vida e, de fato, todo o seu caráter.

Depois de ter essa visão e ouvir a voz, ele voltou para Meca e começou a dizer às pessoas – primeiro a seus amigos e familiares – que ele tinha sido escolhido como o mensageiro do único Deus do Universo. Mais tarde este deus foi chamado Allah. Muhammad começou a introduzir dois princípios que começou a mudá-lo e a mudar o mundo inteiro para sempre.

O primeiro desses princípios foi a submissão. Muhammad disse que o Deus do Universo disse-lhe para dizer a todas as pessoas que eles deveriam fazer exatamente o que ele disse quando disse isso: que suas vidas deviam ser modeladas nele, que ele era o homem perfeito, o padrão perfeito. Isso criou dissensão dentro de Meca porque, entre outras coisas, ele disse aos habitantes de Mecca que seus antepassados estavam queimando no inferno. Ele então criou, ao mesmo tempo, um segundo princípio chamado dualidade. Ele criou uma grande divisão entre aqueles que acreditaram no que ele disse e aqueles que não acreditaram. Esta foi a grande divisão do Alcorão – a humanidade foi dividida em crentes e não crentes, o muçulmano e o Kafir.

Muhammad foi muito agressivo ao forçar tanto sua mensagem que ele irritou os moradores de Mecca. Ele não teve muito sucesso com os resultados, e ao longo dos próximos 13 anos, apesar de sua pregação diária, ele falhou em ganhar muitos seguidores. Ele era crítico e causou problemas, mas os habitantes de Mecca não podiam fazer nada com ele, porque ele era protegido pelo tio que tinha algum poder dentro de Meca. Então, seu protetor morreu, e os habitantes de Mecca disseram a Muhammad: “Você terá que sair. Estamos doentes e cansados de viver com você. Você criou dissensão, angústia e sofrimento dentro de nossa comunidade.” Assim Muhammad foi 100 milhas ao norte, a uma cidade Chamada Medina.

 

MUHAMMAD EM MEDINA

Muhammad tornou-se um político e um guerreiro e tudo mudou. Ele não conseguiu ter sucesso numérico quando era um pregador, mas agora ele se tornou esmagadoramente bem sucedido porque ele criou um novo conceito, o conceito da jihad. A Jihad mudou Muhammad totalmente e mudou totalmente Islamismo. Agora, através da jihad, o Islã tinha uma maneira de obter dinheiro e muito. Esta foi uma maneira de trazer o poder político.

Aqui temos o segundo elemento de dualidade que Muhammad introduziu. Há dois Muhammads. Há o pregador religioso Muhammad, e há o guerreiro-político Muhammad. A dualidade é uma das coisas que é confusa no Islã. Sempre há duas mensagens para pregar, e a razão pela qual existem duas mensagens para pregar é que existem dois Muhammads. Mais do que isso, quando você lê o Corão, está claro que há dois Alcorões. Um Corão é religioso, o outro Corão é político; Ambos estão combinados no Alcorão que você compra na livraria. Muhammad, o homem religioso, não foi muito bem sucedido em absoluto, mas Muhammad, o Homem político, e o guerreiro, foi esmagadoramente bem sucedido. Nos últimos nove anos de sua vida ele teve em média um evento de violência a cada seis semanas. Por este processo de guerra constante ele se tornou o primeiro governante de toda a Arábia.

Muhammad não se deu bem com seus vizinhos. Mesmo em sua fase religiosa, ele foi invasivo e agressivo. Os habitantes de Mecca não gostavam dele; eles disseram: “Você criou mais sofrimento nessa comunidade do que tivemos antes”. Antes de se tornar um muçulmano, Muhammad era um bom vizinho. Depois que ele se tornou o mensageiro de Allah, ele se tornou um vizinho agressivo. Quando ele foi para Medina, seu comportamento se tornou ainda pior.

Como exemplo – quando ele se mudou para Medina, metade da cidade era Judaica. Três anos depois de sua chegada, todos os judeus haviam sido expulsos De Medina – depois de terem o dinheiro tomado – ou eles foram mortos e vendidos a escravidão. Mas depois de Muhammad ter conquistado toda a Medina, ser um vizinho hostil tinha um novo significado. Se você vivia até mesmo a 100 milhas de distância, Muhammad apareceria com seus braços e tropas e exigiria que você se submetesse a Allah. Mesmo governando toda a Arábia, ele ainda era um vizinho hostil. Antes de Muhammad morrer, ele tinha alcançado o norte da Síria para lutar contra os Cristãos. Suas palavras moribundas foram: “que não haja nenhum Judeu nem Cristão na Arábia.”

Muhammad foi o militar mais bem-sucedido que já existiu. Como líder político, tornou-se todo-poderoso. Temos outros exemplos de homens na história que se tornaram todos poderosos e podemos medir até certo ponto quão poderosos eles eram por quantas pessoas morreram por causa deles. A pessoa que em nossa história conhecida matou mais pessoas foi Mao Tse-Tung. Até onde podemos dizer, os números mostram que através da fome, perseguição e execuções totais, Mao Tse-Tung foi responsável pela morte de 40 milhões de pessoas.[2]

Agora chegamos a Muhammad. Mohammed influenciou as mortes – através de seu princípio de jihad e política agressiva – de 270 milhões pessoas. Agora isso levou mais de 1400 anos. Mao matou 40 milhões de pessoas no período de sua vida. Mas ainda, o total daqueles que Mao matou é menor do que aqueles que foram mortos em imitação a Maomé.

 

A PESSOA DE MUHAMMAD

Mohammed tinha uma personalidade muito dualista. Ele tinha um senso de humor, Ele amava crianças. Ele chorava quando seus guerreiros favoritos eram mortos. Mas ao mesmo tempo, ele era um homem de voz suave que ria de coração quando a cabeça de um dos seus inimigos era atirada aos seus pés. Ele era o perfeito escravocrata e comerciante de escravos. De fato, uma das maneiras pela qual ele financiou a jihad, foi pela venda de escravos. Ele conseguiu seus escravos na forma consagrada pelo tempo ao matar seus protetores. Ele atacou uma tribo, matou os membros do sexo masculino até que o resto se rendeu e então lhes fora dada uma escolha de se converter. Se não se convertessem, eles seriam vendidos para a escravidão. Mulheres, crianças, homens. Isso era rentável e, na verdade, a jihad era lucrativa. Ele usou a jihad para financiar mais jihad. Mohammed surgiu com uma maneira de fazer a religião e a política pagar e pagar bem.

Mohammed era um homem muito intolerante. Isto é interessante. Antes de Muhammad, os Árabes eram conhecidos por sua tolerância religiosa. Na verdade, Meca, a cidade onde Mohammed subiu primeiramente ao poder, teve mais de 360 religiões. Nenhum homem foi ferido por causa de sua religião até Muhammad. Mohammed converteu os árabes de serem tolerantes ao mais intolerante dos povos e a razão pela qual os árabes se tornaram intolerantes foi que eles seguiram a Sunna de Maomé.

Uma das convenções sobre Mohammed hoje é que ninguém pode contar uma piada sobre ele sem resultados terríveis. Você ouve piadas sobre Jesus, Noé, Adão, São Pedro, Deus, mas você nunca ouve uma piada sobre Muhammad. Você deve lembrar quando um cartunista dinamarquês disse: “Vamos fazer um concurso e ver quem pode desenhar o melhor cartoon de Muhammad.” Pessoas morreram por causa desses cartoons porque o Islã foi ofendido. Você não pode fazer uma piada sobre Muhammad, nem mesmo uma. Na verdade, no Paquistão e outros países muçulmanos, contar uma piada sobre Muhammad é literalmente uma sentença de morte.

Há mais uma coisa sobre Muhammad que explica os muçulmanos e o Islamismo. Ele nunca esqueceu um algo fútil ou um insulto. Nunca. Quando ele voltou a entrar em Meca – desta vez triunfante após a jihad em Medina – a primeira coisa que ele fez, e aqui temos a essência do homem Muhammad, a primeira coisa que ele fez foi orar, a segunda coisa que ele fez foi ter toda a arte religiosa destruída. Assim, os objetos religiosos de 360 religiões em Meca foram destruídos. Muhammad ajudou a fazer o fogo e a quebrar os objetos. A próxima coisa que ele fez foi a emissão de mandados de morte para cinco pessoas diferentes que o tinham criticado. Eram intelectuais, não guerreiros. Por exemplo, duas das pessoas que foram mortas eram dançarinas. O que elas tinham feito? Elas participaram de uma sátira, com uma canção e um poema que ridicularizou Muhammad. Mohammed nunca esqueceu um insulto. Da mesma forma, a memória islâmica é longa para qualquer insulto.

Muhammad é o nome mais comum no mundo, mesmo depois de 1400 anos. Ele continua a ser o político e o guerreiro mais influente que já viveu. Sua vida como o Mensageiro de Allah molda a ética, a moral, a política e a cultura de mais de um bilhão de muçulmanos. Sua política aniquilou a metade do Cristianismo, Hinduísmo e Budismo antigos.

————————

Tradução Walson Sales

Por Bill Warner

[1] The Life of Muhammad, A. Guillaume (a translation of Ishaq’s Sirat Rasul Allah), Oxford University Press, Pakistan, 1982.

[2] http://necrometrics.com/20c5m.htm


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement