- CACP – Ministério Apologético - http://www.cacp.org.br -

O Islã político – Lição 6

OS CRISTÃOS

O Islã tem duas visões dos Cristãos (novamente um dualismo). A primeira visão é que o Cristianismo e o Islã são religiões irmãs. A segunda visão é essa os Cristãos devem mudar sua religião para atender às exigências do Islamismo. Os Cristãos modernos querem acreditar que existe uma ponte entre o Islã e o Cristianismo. Mas a história do Islã mostra que o Islã primeiro engana e depois aniquila o Cristianismo. Por 1400 anos, o Islã destruiu Terras Cristãs.

Os cristãos não desempenham um papel fundamental como os Judeus na formação do Islamismo. Ou seja, o Alcorão não tem muito a dizer sobre os Cristãos. Nem a Sira, a vida de Maomé, tem muito a dizer sobre os Cristãos. Mas a atitude do Islã em relação aos Cristãos pode ser vista em alguns dos últimos dias da vida de Maomé quando ele enviou tropas contra os Cristãos no norte da Síria. Então, a intenção de Mohammed era atacar os Cristãos. Logo depois ele morreu e os ataques ocorreram. Os cristãos desempenharam um papel muito importante no Islã histórico porque todo o Oriente Médio, o Norte da África, e o que chamamos hoje de Turquia era Cristão.

 

DHIMMITUDE CRISTÃ MODERNA

Como essas regiões hoje são islâmicas, há uma história lá, mas vamos olhar para o Islã através de um olhar muito mais moderno. Logo após o 11 de setembro, os muçulmanos começaram a ir às igrejas para falar com os Cristãos sobre o Islã, a religião pacífica. Uma igreja decidiu fazer melhor.[1] Eles convidaram um grupo de imãs (os imãs são líderes religiosos muçulmanos) e eles também convidaram vários ministros Cristãos. Os Cristãos chegaram naquela noite em um pequeníssimo número. Então, no momento em que a reunião estava prestes a começar, todos os muçulmanos vieram. Os imãs entraram em grupo no púlpito e os homens muçulmanos sentaram em seguida. Eles cercaram os cristãos em seus assentos. E então as mulheres muçulmanas vieram vestidas de preto da cabeça aos pés, e elas sentaram na parte de trás da sala. Como mulheres muçulmanas, elas sabiam quais eram os lugares delas nas reuniões públicas.

A primeira coisa que aconteceu foi que um imã caminhou até o púlpito e colocou um exemplar muito grande do Alcorão no topo e abriu-o ao meio. Este foi um ato simbólico, um indicativo de todo evento daquela noite. Os Cristãos não pensaram nada sobre isso e ficaram sem entender, mas para os muçulmanos, esta era uma marca de quem eram.

Veja bem, Islã é uma palavra que significa submissão. Esta palavra submissão tem vários significados. Para os muçulmanos significa submeter-se ao Alcorão, a vontade de Allah e a Sunna de Maomé. E todos os muçulmanos devem fazer com que todos os outros que não sejam muçulmanos se submetam a eles. Eles estavam lá para dominar. O que os muçulmanos fizeram foi colocar o Alcorão como o ponto principal de domínio porque era o lugar onde a Bíblia deveria estar. Este ato de domínio era o simbolismo da noite.

Um dos imãs se levantou e começou a dar a palestra. Ele primeiro disse que Cristãos e muçulmanos adoram o mesmo Deus. Isso parecia um bom ponto de partida. Claro, não é verdade, mas desde os Cristãos não sabiam nada sobre o deus Allah, pareceu tudo bem para eles. O imã seguiu e disse que eles também honram Jesus porque Jesus era um Profeta de Allah e que Jesus era muçulmano. Ele também explicou que Jesus não era o filho de Deus. Ele era apenas um profeta muçulmano. E por isso os apóstolos também eram muçulmanos. Isso veio talvez como uma surpresa para os ministros, mas eles não disseram nada. O imã então prosseguiu dizendo que Jesus não foi crucificado, e que portanto não ressuscitou.

A próxima coisa que ele disse aos Cristãos foi que o conceito de Trindade era uma grande afronta a Allah. Não havia tal coisa como a Trindade e que a Trindade transformava os Cristãos em politeístas. O fato de os Cristãos serem vistos como politeístas explica algo que aconteceu no início quando o ministro Cristão disse para muçulmanos e Cristãos orarem juntos. Houve quase uma resposta de pânico dos imãs. “Não”, eles disseram, “nós não oramos com os outros.” Isso foi bastante intrigante para o ministro Cristão, mas já que os Cristãos estavam lá como anfitriões e eles estavam lá para serem gentis e educados, ele não disse nada. Mas não sabendo nada sobre o Islã, você pode falar sobre o olhar intrigado no rosto do ministro: por que eles se opõem a orarmos juntos? A razão é que os Cristãos são vistos como politeístas. Orar com eles é um pecado terrível, tão terrível que tem um nome especial, shirk. O Alcorão diz que se eles tivessem orado com os Cristãos, eles definitivamente iriam ao inferno. Orar com os Cristãos teria sido um pecado pior do que assassinato em massa.

Novamente os Cristãos não entendiam nada sobre o Islã ou eles nunca teriam feito o convite para a oração. Ou eles teriam simplesmente orado enquanto os muçulmanos tomavam seus assentos. Os muçulmanos dominaram neste ponto. Dentro de uma Igreja Cristã, não haveria orações com os Cristãos.

Outra coisa que o imã disse em sua palestra foi que o Novo Testamento era um documento corrompido e que estava cheio de erros. Não só o Novo Testamento estava corrompido, mas também o Antigo Testamento. Mas, em particular, o motivo que o Novo Testamento estava errado era que o profeta de Allah, a principal profecia de Jesus, era que depois dele viesse o profeta final e que seu nome seria Ahmed. (Ahmed é o apelido de Mohammed assim como Bill é o apelido de William). O imã disse que os Cristãos haviam removido essas profecias do Novo Testamento. Esta era uma das muitas razões pelas quais o Novo Testamento era um documento que estava simplesmente errado. Se os Cristãos quisessem aprender a verdadeira história de Jesus, eles teriam que ler o Alcorão, porque o Alcorão contém a verdade exata sobre Isa, a palavra árabe para Jesus.

 

A IGNORÂNCIA CRISTÃ

Imagine se o ministro Cristão tivesse se levantado e feito essas afirmações – que Mohammed não era um profeta de nenhum tipo, que o Alcorão era uma obra secundária, isto é, que foi apenas um livro no qual as coisas foram copiadas dos Judeus e Cristãos, dos Zoroastrianos e das antigas religiões árabes, que Allah era simplesmente o deus tribal lua da tribo Quraysh. Isso é equivalente ao que o imã muçulmano disse, mas os Cristãos não fizeram isso por dois motivos. Um deles, eles eram os anfitriões e deveriam ser legais. A outra razão era que eles não tinham idéia de que o Alcorão era uma obra secundária. Em resposta as perguntas da audiência, nenhum dos Cristãos tinham lido o Alcorão nem as tradições de Maomé, o Hadith. Nem sabiam nada sobre a vida de Maomé. Mas os imãs leram o Novo e o Antigo Testamento. Então eles conheciam sobre os Cristãos e os Cristãos não sabiam nada sobre eles. Isto aconteceu a noite toda. Os muçulmanos fizeram perguntas aos Cristãos e as perguntas eram de 1400 anos. Eram perguntas básicas, mas os ministros foram pegos de surpresa. Eles nunca haviam meditado sobre esses tipos de perguntas antes. Novamente os muçulmanos vieram preparados e os Cristãos não estavam preparados.

A falta de preparação dos Cristãos poderia ser mostrada quando um ministro começou a falar mal das Cruzadas e pediu desculpas. Isso significava que ele não sabia nada sobre as Cruzadas. Sim, erros foram cometidos nas Cruzadas, mas no geral, as Cruzadas foram um grande bem. E por que as Cruzadas foram um grande bem? Foi uma das poucas vezes que os Cristãos da Europa reconheceram o intenso sofrimento dos Cristãos do Oriente Médio. Os motivos pelas quais as Cruzadas foram iniciadas foram simples. Elas vieram como uma resposta a um grito de socorro. E por que esses Cristãos gritaram por socorro? Porque eles estavam sendo assassinados, roubados e taxados até a morte por seus Senhores muçulmanos.

Agora, como esses muçulmanos se tornaram seus senhores? Porque originalmente essa parte do mundo tinha sido Cristã em sua maioria e não se tornou Islâmica porque alguns imãs apareceram e começaram a pregar no mercado. Não. Virou islâmica porque a espada foi usada para matar a todos aqueles que defenderiam o Cristianismo e para assumir o governo. Os cruzados chegaram em resposta a um grito desesperado de ajuda.

Basicamente, o ministro com seus comentários disse que não sabia nada sobre a história do Cristianismo e do Islamismo. Isso é trágico, terrivelmente trágico. Pois mais de 60 milhões de Cristãos foram mortos pela jihad. Como a Turquia, que é 99,7 por cento islâmica vai de uma cultura grega, um país chamado Anatólia, como esse país deixou de ser Cristão para ser Islâmico? Os Cristãos em loco não sabiam como esse processo aconteceu ou que 60 milhões de Cristãos morreram na jihad. Eles também não saibam que, apenas no século 20, um milhão de Armênios foram mortos na Turquia. Por que os ministros não conheciam esses fatos terríveis? Muito simplesmente, é porque eles foram para a escola de teologia e ninguém nunca mencionou estes fatos. Nunca foram ensinados sobre a doutrina do Islã. Eles não sabiam, por exemplo, que o Islamismo é primariamente uma ideologia política, não uma religião.

 

EDUCAÇÃO

Por que eles não ensinam isso nas universidades e nas escolas de teologia? Nada ocorre por acidente. E neste caso, a razão pela qual os Cristãos não ensinam a história do Cristianismo e do Islamismo é essa: a história é tão terrível, tão dolorosa, poderia até ser chamada de repugnante.

O islamismo tem um status político para os Cristãos chamado dhimmi. Os Judeus foram os primeiros dhimmis, mas os Cristãos foram os maiores dhimmis por um motivo simples: haviam muito mais Cristãos. Quando os muçulmanos entraram e assumiram o governo e implementaram a lei islâmica, a lei da Sharia, parte disso era como os Cristãos e os Judeus seriam tratados em público e como eles seriam tratados nos tribunais. Era terrível. Um dhimmi não tem direitos civis. Então, essa história da dhimmitude dos impostos especiais que os Cristãos tinham que pagar eram terrivelmente humilhantes.

É uma história vergonhosa que inclui a morte de 60 milhões de Cristãos. Nenhum dos Cristãos naquela noite sabia o que aconteceu com as sete Igrejas da Ásia. No livro do Apocalipse no Novo Testamento, são abordadas Sete Igrejas. As Sete Igrejas estavam na Ásia Menor que era a Anatólia ou o que chamamos de Turquia hoje. Eles não sabiam o que aconteceu com essas igrejas, que é uma verdadeira tragédia, porque a destruição dessas igrejas é a história do Islamismo.

E os Cristãos também não haviam estudado o suficiente sobre o Islã para saber que não apenas 60 milhões de Cristãos foram mortos na jihad, mas 80 milhões de Hindus, 10 milhões de Budistas e 120 milhões de africanos.[2]

Os Cristãos daquela noite não sabiam o suficiente para perguntar sobre escravidão. Porque para você ter uma ideia, todo o escravo que foi vendido ao homem branco foi comprado de um escravagista muçulmano. Os Cristãos não sabiam o suficiente para perguntar por que quando você diz a palavra árabe para Africano, abd, é a mesma palavra usada para um escravo negro. Aquela noite foi uma manifestação de duas coisas, o conhecimento e o poder do Islã e como os Cristãos não fizeram sua lição de casa.

Os Cristãos e todos os Kafirs devem saber como usar a regra de ouro para atacar o Alcorão. Cristãos e todos os Kafirs devem conhecer a história de Mohammed.

Todos os Kafirs devem saber o suficiente sobre o Alcorão que quando um muçulmano diz que Cristãos, Judeus e muçulmanos adoram o mesmo Deus, que você possa oferecer argumentos para mostrar como isso simplesmente não é verdade.

Todos os Kafirs, não apenas os Cristãos, devem poder debater a questão do Islamismo político, se não com um muçulmano, então com alguém no trabalho ou onde quer que esteja. Que argumento real alguém pode fazer para ser ignorante sobre a história do islamismo político?

A terrível história do Islã está se movendo por nosso mundo hoje. Como um exemplo, o Iraque que costumava ter uma maioria Cristã é agora apenas 5% Cristã.[3] Por que é que eles estão sendo perseguidos? Na África, Cristãos africanos estão sendo mortos e destruídos quase diariamente. Como essas pessoas podem ser ajudadas?

O que é feito aos Cristãos é feito aos Hindus, Budistas e ateus. O islamismo não discrimina. Todos os Kafirs devem se submeter.

Se você está ciente da história do Islã, se você está ciente de sua doutrina política, então você pode ser mais útil no debate sobre a verdadeira natureza do islamismo. E o conhecimento sobre o Islã não é apenas uma habilidade para sustentar em um debate público. O conhecimento sobre o Islã irá sensibilizá-lo de modo que sua política mude, para que você possa ver que o Islã não só matou 270 milhões Kafirs no passado, mas está matando hoje.

A civilização Kafir está sendo destruída diariamente pelo islamismo. A maneira de evitar essa destruição é muito simples. Devemos nos armar com conhecimento sobre a história islâmica, com conhecimento sobre o Alcorão e Mohammed.

————-

Por Bill Warner, Tradução Walson Sales

______________________

Notas

[1] O próprio autor [Bill Warner] esteve pessoalmente neste evento em 2002.

[2] http://www.politicalislam.com/tears-of-jihad/

[3] Audiências em Washington sobre ataques contra cristãos do Iraque e do Egito por Gary Feuerberg, Epoch Times Staff, 26 de janeiro de 2011 http://www.christiansofiraq.com/ hearingaboutattacks-againstchristiansof-iraqandegypt.html

[1] [2]Compartilhar [3]