Esqueceu a senha?

O Islã político – Lição 7

por Artigo compilado - seg jul 24, 12:00 pm


O DHIMMI

Os Dhimmis vivem com medo do Islã, mas concordam que não resistirão ao Islã político e eles até o apoiarão. Em troca os dhimmis podem viver em segurança. A Dhimmitude está na mente do dhimmi. Hoje vemos nossos políticos, jornalistas e intelectuais desempenhando o papel de dhimmis [nota do tradutor: os “isentões” também].

O dhimmi foi uma invenção singular de Mohammed. Ele criou um novo tipo de criatura e essa criatura é um semi-escravo. Os Dhimmis aparecereram com o que Maomé fez aos Judeus. Ele confiscou suas terras e depois os deixou trabalhar na terra e pagar um imposto, a jizya, que era metade da renda. Um Dhimmi era um Kafir que vivia sob a lei Islâmica, a Sharia. Os primeiros dhimmis foram os Judeus, mas os Cristãos e outros foram adicionados depois.

Judeus e Cristãos ainda podiam praticar suas religiões, mas devia ser feito de forma privada. As leis eram islâmicas; as vestes eram ditadas pela lei islâmica. Um dhimmi não era realmente livre. Por exemplo, uma igreja não podia tocar seus sinos porque os sinos são um sinal de Satanás, de acordo com Mohammed. Um Dhimmi não podia ter nenhum trabalho que o tornasse um supervisor sobre os muçulmanos. Esta classificação era limitada entre os militares. Se os Cristãos quisessem reformar a igreja, ou os Judeus a sinagoga, eles tinham que obter permissão do governo. Todas essas leis são terríveis porque estabeleceram uma cidadania de segunda classe; Os dhimmis não tinham direitos civis. Um dhimmi não podia processar um Muçulmano ou entrar com um processo contra um crime de um muçulmano. Normalmente, quando os dhimmis Cristãos ou Judeus vinham pagar seus impostos anuais, a jizya, eles eram humilhados – agarrados pela barba, recebiam tapas no rosto ou eram obrigados a se ajoelhar para dar o dinheiro. Eles eram humilhados porque o Alcorão ordena humilhar o dhimmi.

Em alguns países islâmicos, particularmente quando o país se sentia poderoso, era mais tolerante com os dhimmis. Um dhimmi poderia até subir a um nível decente de poder dentro do governo, mas isso poderia desaparecer durante a noite. O tratamento do dhimmi foi mostrado no Egito copta. (Os Coptas eram os egípcios originais.) Um dhimmi poderia ter sua língua removida se ele falasse Copta na frente de um funcionário do governo islâmico. O Dhimmi sempre foi perseguido e nunca era realmente um igual.

Quando os militares egípcios tentaram conquistar os Cristãos Bizantinos, mas perderam uma batalha, de volta ao Egito, os muçulmanos se rebelaram contra os Cristãos. Os Cristãos seriam mortos porque os tumultos eram uma das formas favoritas de punir o dhimmi. Quando Esmirna – a última das sete igrejas de Ásia – foi destruída em 1922, essa destruição não foi feita com militares e escavadeiras. Não, os tumultos e revoltas dos muçulmanos fizeram isso. Os distúrbios são uma forma de jihad. O dhimmi Sempre pode ser perseguido, não só nos tribunais, mas um distúrbio poderia destruir uma parte inteira de uma cidade. Os dhimmis eram mortos se criticassem Mohammed, e na verdade os dhimmis nem sequer deveriam estudar Mohammed em absoluto.

TRATADO DE UMAR

Havia um tratado formal chamado Tratado de Umar, que estabelecia tudo o que devia ser feito ao dhimmi. Um dhimmi não podia montar um cavalo, mas ele podia montar um burro ou um jegue. Se fossem apanhados em um cavalo, eles poderiam ser puxados e espancados. Quando um dhimmi se encontrava com um muçulmano na calçada, ele tinha que sair da frente, ir para a rua e deixar o muçulmano passar. O Dhimmi também tinha que usar roupas especiais, um cinto ou um remendo preso na roupa para identificar imediatamente uma pessoa como um dhimmi. [N.T.: Mesma tática usada pelos Nazistas contra os Judeus]. A única proteção que um Cristão ou um Judeu tinha seria fazer amigos muçulmanos porque muitas vezes o amigo muçulmano podia tirar a severidade das leis sobre os dhimmis de seu amigo Cristão ou Judeu. [N.T.: mesmo assim o Alcorão proíbe veementemente um muçulmano ter amigos Cristãos ou Judeus].

A perseguição aos dhimmis era implacável. Continuou de geração a geração. Finalmente, o dhimmi desistiria e se tornaria um Muçulmano. De repente, ele teria mais dinheiro porque ele não precisava pagar o imposto, a jizya. Os dhimmis convertidos poderiam ser promovidos em seus empregos. Eles não seriam cuspidos nem receberiam pedradas na rua. Eles poderiam ir ao tribunal e serem tratados como cidadãos plenos e iguais. [N.T.: essa é a ideia de igualdade entre povos no islamismo, ou seja, apenas para os convertidos].

À medida que os séculos passaram, mais e mais dhimmis se converteram ao Islã. A dhimmitude, que é a mente do dhimmi, destrói a civilização e cultura porque a única saída é desistir de toda a sua antiga cultura, costumes e crenças. Quando o Islã se moveu para o Egito Copta, a cultura era uma mistura faraônica antiga misturada com a cultura dos gregos. No final, toda a cultura copta desapareceu assim como as pirâmides foram despojadas de seus lindos folheados de mármore. Por quê? Porque o objetivo do Islã é destruir toda a civilização Kafir.

ANIQUILAÇÃO

O Islã procura aniquilar todas as outras culturas pelas leis dhimmi que fluem da Sharia, a lei islâmica. A falta de direitos civis, o abuso, a humilhação e o ônus tributário desgasta o espírito de resistência para não tornar-se islâmico. Eles recebem novos nomes e os nomes das cidades são mudados e, em seguida, a história cultural desaparece. Uma vez que uma nação for totalmente islamizada, toda sua história desaparece. Quando Napoleão invadiu o Egito, nenhum dos muçulmanos lá podiam explicar qualquer coisa sobre os templos antigos, as estátuas ou as pirâmides. As pessoas ignoravam sua história. Eles não lembravam de nada porque a cultura dos faraós havia sido aniquilada. A cultura dos Gregos na Anatólia foi destruída. No Paquistão, um país muçulmano, a cultura nativa era Hindu. O Afeganistão era uma cultura Budista que foi completamente aniquilada.

Parte da invasão islâmica e erradicação de uma nação e sua cultura é a destruição de locais sagrados. Igrejas ou templos que são lindos ou valiosos foram transformados em mesquitas. Ao mesmo tempo, uma estimativa colocou o número de igrejas destruídas pela conquista islâmica da Turquia em cerca de 20 mil. A Índia tinha magníficos templos de culto que os muçulmanos destruíram.

O islamismo inventou a deformação. Quando o Islã invadia um país, todos os objetos religiosos eram destruídos exatamente como Mohammed destruiu toda a arte religiosa. Se houvesse um mural em uma parede, o rosto era desfigurado. Uma vez que o rosto estivesse desfigurado, o resto do objeto era deixado. A esfinge não tem o nariz porque foi mutilada pelos muçulmanos.

O propósito da dhimmitude era duplo: (1) trazer dinheiro pela taxa do dhimmi e (2) espalhar lentamente a cultura dhimmi. Este processo funcionou muito bem. Na verdade, foi tão bem sucedido que existe uma buraco negro em toda a história sobre a dhimmitude. Ninguém estuda esta parte da história mundial. Como resultado, hoje em nossas universidades a história do dhimmi não é ensinada e nunca é mencionada. Em algumas escolas de teologia que se consideram sofisticadas, o dhimmi é discutido. Contudo, o que é dito é: “Oh, o dhimmi era protegido.” Isso faz a vida de um dhimmi ter parecido ser aquecida e protegida em lençóis felpudos como se estivesse vivendo nos braços de seu pai. E surge a questão: protegida contra o quê e quem? O que não é ensinado é como o dhimmi era humilhado. Quando é dito que o dhimmi era protegido, é verdade. Para ser protegido como um dhimmi significa quanto tempo continuasse a pagar o imposto, pois só assim não seria morto nem seus bens seriam roubados, a menos que ocorraa uma revolta. Em uma revolta, nenhum dhimmi estava protegido.

Hoje não existe nenhum país islâmico forte o suficiente para ter um dhimmi legalizado completo ou a escravidão como uma política formal. No entanto, tanto o dhimmi quanto a escravidão são parte do islamismo e da lei da Sharia, e a doutrina do Islã não pode ser alterada. Para cada muçulmano, o Alcorão é completo, perfeito e absoluto. A condição e a regra do dhimmi está disposta no Alcorão, então o dhimmi não pode ser eliminado. A razão de não haver mais um status formal de dhimmi é que o Islã não é poderoso o suficiente para impô-lo. Em vez de ter um status formal para o dhimmi, o fanatismo e o preconceito limitam os direitos civis. Isso leva a uma perseguição legal adicional aos Kafirs.

DHIMMITUDE

Dhimmitude é a atitude de alguém que sempre tenta aplacar o valentão. O islamismo está sempre pressionando por essa atitude de submissão. Por exemplo, a Sharia, lei islâmica, permite que um muçulmano tenha até quatro esposas. No Ocidente, temos leis de monogamia. No entanto, a Inglaterra permite que um muçulmano traga mais de uma esposa, e todos eles podem se qualificar para o bem-estar. Isto é dhimmitude. Dhimmitude é se submeter ao Islã pelo simples propósito de se submeter.

Outro exemplo de dhimmitude é a frase “a guerra contra o terror”. A guerra contra o terror é a marca de um dhimmi porque não nomeia o inimigo. Após Pearl Harbor, os Estados Unidos não declararam guerra contra os Kamikazes. Apontou o inimigo e declarou guerra contra o Japão. Dhimmis não querem ter uma guerra ideológica contra o islã político. Assim, criamos uma frase artificial que não tem significado. “Terror” é uma técnica. Nós não podemos ir à guerra contra uma técnica; só podemos ir à guerra contra um inimigo.

Nós vemos dhimmitude no governo na contratação e promoção. As agências do governo dão preferência aos muçulmanos árabes sobre os Cristãos árabes nos trabalhos de tradução. Os fóruns estão abertos para que os muçulmanos entrem e falem sobre o Islã. Como exemplo contrário, os Budistas não conseguem um fórum para explicar o Budismo.

Os Estados Unidos se orgulham da liberdade de imprensa e do discurso político. Os cidadãos devem ter o direito de se levantar e dizer qualquer coisa sobre política. As pessoas podem rir de você, e eles podem não votar em você, mas não é crime falar. Lembra-se dos Cartoons sobre Maomé? Que jornal nos Estados Unidos publicou os Cartoons de Mohammed? Mohammed era uma figura política e, no entanto, nossos jornais, que tem liberdade de imprensa por lei, não publicaram esses cartoons. Os jornais se defenderam, dizendo que não queriam ofender ninguém. A política exige que com frequência alguém seja ofendido. Os jornais estão no negócio de ofender pessoas às vezes. Os jornais não estavam evitando ofender o Islã para serem agradáveis, mas porque dhimmis sempre tem medo do Islã. Os dhimmis estão sempre procurando uma maneira de aplacar e apaziguar. Quando os cartoons não foram exibidos na TV e quando não foram publicados nos jornais, essas recusas em exercer liberdade de expressão ou liberdade de imprensa eram atos de dhimmis. Ninguém estava sendo legal; eles estavam sendo dhimmis.

Aceitar lentamente a lei Sharia é outra forma de dhimmitude. Os aeroportos nos Estados Unidos estão mudando os encanamentos para que os muçulmanos tenham um lugar para lavar os pés antes da oração.[1] As universidades têm “salas de meditação”, no entanto, os muçulmanos as monopolizam.[2] Se uma universidade for questionada sobre este uso aparentemente injusto, não vai defender a prática. Isso é dhimmitude. Quando um local de trabalho que executa uma linha de montagem diz: “Se você é muçulmano, nós providenciaremos para você um lugar para orar, e você pode sair da linha de produção quando for a hora da oração.” Isso é dhimmitude desde que um dhimmi concorda com isso por medo para aplacar o Islã.

Nos Estados Unidos e na Europa, não há status formal de dhimmi, mas existe dhimmitude. Como resultado desta atitude, a Europa está se tornando muçulmana rapidamente. Chegará o dia em que as igrejas na Europa viverão com medo, como ocorre agora na Turquia. As igrejas terão que obter permissão dos mestres muçulmanos para consertar o teto. O motivo pelas quais as pessoas estarão sujeitas às regras islâmicas é que elas nunca estudaram a história do dhimmi e nunca estudaram a história do islamismo político.

As pessoas que não estudam a história do islamismo político e não estudam a história do dhimmi e não aprendem com ela estão condenados a repetir a sujeição dos dhimmis e perder sua civilização.

———————

Por Bill Warner, Tradução Walson Sales

[1] World Net Daily, April 28, 2007 http://www.wnd.com/?pageId=43815

[2] Inside Higher Ed, “Meditation Room or Mosque” January 2008, http://www.insidehighered.com/news/2008/01/03/meditation/


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement