Esqueceu a senha?

O jardim do Éden pode ser localizado num mapa?

por Enviado por email - seg jul 08, 4:38 pm

Gênesis 2.10-14 fornece alguns indícios da localização genérica do Éden, mas pressupõe condições geológicas que não mais existem. Daí se deduz a imprudência de conjecturar a existência de um local mais preciso que as cabeceiras dos rios Tigre e Eufrates, nas terras elevadas da Armênia (i.e., as fronteiras orientais da moderna Turquia). O grande rio que sai do Éden subdivide-se no Tigre e no Eufrates e depois em outros dois, mais compridos (o Pisom, que desce até Havilá, ao longo da costa sulina da Arábia, e o Giom, que desce até Cuxe — que pode ter sido alguma região asiática do Leste, e não a Cuxe africana, ou Etiópia). Isso revela tratar-se de um planalto elevado, uma região montanhosa (a qual assegurava temperatura amena e agradável para o Éden no verão), dispondo de copiosas fontes de água para suprir os quatro principais sistemas fluviais descritos nessa passagem. Havilá, por dentro do qual o rio Pisom passava, era rico em ouro, especiarias e depósitos de pedras preciosas — encontradas em abundância ao longo da costa sul e sudoeste da Arábia. Quanto a Cuxe, não encontramos indício algum; esse nome tem sido ligado, por alguns estudiosos, a Quis, na Suméria, ou aos cassitas (que se julga terem surgido na região montanhosa de Zagros). A explicação mais plausível para o desaparecimento dos rios Pisom e Giom está na teoria do surgimento de montanhas que acompanhou as comoções continentais (a Arábia originariamente estava ligada à Somália e à Etiópia, nos períodos pré-históricos). A erupção de elevados teria aterrado os dois rios no período antediluviano. Seria algo análogo ao surgimento do monte Seir, em Edom, o qual impediu que o rio Jordão fluísse normalmente até o golfo de Acaba, que teria sido seu antigo leito.

Por Gleason Archer Jr – compilado por Via Walson Sales.


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

1 Comentário

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última
  1. Conectar as descrições geográficas pré-diluvianas com localizações pós-dilúvio é algo sem fundamento. No período pós-dilúvio, locais diferentes foram nomeados utilizando-se de nomes do período pré-dilúvio.

Comentários 1 - 1 de 1Primeira« AnteriorPróxima »Última

Deixe seu comentário

Advertisement