Esqueceu a senha?

O Problema do Mal a Luz do Ateísmo

por Artigo compilado - sáb abr 08, 12:15 am

Stephen Evans descreve o Problema do Mal com as seguintes palavras: “Dificuldade colocada pela existência do mal (tanto o mal moral e o mal natural) em um mundo criado por um Deus que é ao mesmo tempo completamente bom e todo-poderoso. Alguns ateus argumentam que, se tal Deus existisse, não haveria mal, uma vez que Deus iria tanto querer eliminar o mal e seria capaz de fazê-lo. Um argumento que o mal é logicamente incompatível com a realidade de Deus constitui a forma lógica ou dedutiva do problema. Um argumento que o mal faz a existência de Deus improvável ou menos provável é chamado de evidencial ou forma probabilística do problema. As respostas para o problema incluem teodicéias que tentam explicar por que Deus permite o mal, geralmente, especificando um bem maior que o mal faz possível, e defesas, que argumentam que é razoável acreditar que Deus é justificado em permitir o mal, mesmo se não sabemos quais são suas razões” (2002, p. 42). Mas o ateu tem o direito de reivindicar o problema do mal? O mal é incompatível com a existência de Deus?

Embora  seja comum pensar que apenas os teístas tem que explicar a existência do mal, a verdade é que cada visão de mundo tem a mesma obrigação. Religiões panteístas orientais tentam contornar o problema, negando que o mal existe. O mal é uma ilusão, eles dizem (e de acordo com eles, você também!). Os teístas dizem que mal é real e tentam explicar como o mal e Deus podem coexistir. Os ateus tendem a ficar no meio. De um lado eles estão alegando que não há bem, o mal ou a justiça, porque só as coisas materiais existem – nós somos apenas máquinas moleculares materiais “dançando ao som da música” do nosso DNA (como o próprio Dawkins colocou). Por outro lado eles estão indignados com as grandes injustiças e o mal feito por pessoas religiosas em nome de Deus [neste exemplo, os islâmicos].

Bem, os ateus não podem ter as duas coisas. Ou o mal existe ou não. Se ele não existir, então os ateus devem parar de reclamar sobre as coisas “más” que as pessoas religiosas têm feito, porque eles não têm realmente feito nada. Eles estavam apenas “dançando ao som da música” de seu DNA. Afinal de contas, se o ateísmo é verdadeiro, todos os comportamentos são apenas uma questão de preferência. Por outro lado, se o mal realmente existe, então os ateus têm um problema ainda maior. A existência do mal, na verdade, estabelece a existência de Deus. Para explicar por que, precisamos voltar para Agostinho, que intrigado com o seguinte argumento:

  1. Deus criou todas as coisas.
  2. O mal é uma coisa.
  3. Portanto, Deus criou o mal.

Como poderia um Deus bom criar o mal? Se essas duas primeiras premissas são verdadeiras, Ele criou, e este é um problema para Deus. Então, Deus não deve ser bom afinal de tudo. Mas então Agostinho percebeu que a segunda premissa não é verdadeira. Enquanto o mal é real, ele não é uma “coisa”. O mal não existe por si só. Ele só existe como uma falta ou uma deficiência em uma coisa boa.

O mal é como a ferrugem em um carro: Se você tirar toda a ferrugem do carro, você tem um carro melhor; se você tirar o carro da ferrugem, você não tem nada. Ou você poderia dizer que o mal é como um corte em seu dedo: Se tirar o corte do seu dedo, você tem um dedo melhor; se você tirar o dedo do corte, você não tem nada. Em outras palavras, o mal só faz sentido no contexto do bem. É por isso que com frequência descrevemos o mal como negações de coisas boas. Nós dizemos que alguém é imoral, injusto, desleal, desonesto, etc.

Nós poderíamos colocar desta forma: As sombras provam a luz do sol. Pode haver sol sem sombras, mas não pode haver sombras sem luz do sol. Em outras palavras, pode haver o bem sem o mal, mas não pode haver mal sem bem.

Assim, o mal não pode existir a menos que o bem exista. Mas o bem não pode existir a menos que Deus exista. Em outras palavras, não pode haver nenhum mal objetivo a não ser que haja o bem objetivo, e não pode haver nenhum bem objetivo a não ser que Deus exista. Se o mal é real – como as notícias recentes da França claramente revelam – então Deus existe. O melhor que o mal pode fazer é mostrar que há um demônio lá fora, mas não pode refutar Deus.

C.S. Lewis era um ateu que pensava que o mal refutava Deus. Mais tarde, ele percebeu que ele estava roubando de Deus, a fim de discutir com ele. Ele escreveu: “[Como ateu] meu argumento contra Deus era que o universo parecia tão cruel e injusto. Mas como eu tive essa ideia de justo e injusto? Um homem não chama uma linha torta, a menos que ele tem alguma ideia de uma linha reta. Com o que eu estava comparando este universo quando eu o chamei de injusto?” (TUREK, 2014, p. 115). Ravi Zacharias chegou a mesma conclusão com a seguinte lógica, quando conversava com um ateu:

Quando o senhor afirma que existe o mal, não está admitindo que existe o bem? Quando o senhor aceita a existência da bondade, está declarando uma lei moral com base na qual diferencia o bem do mal. Mas quando o senhor admite uma lei moral, deve reconhecer que há um legislador moral. Isso, porém, o senhor está tentando desaprovar, não provar. Pois, se não existe legislador moral, não existe lei moral. Se não existe lei moral, não existe o bem. Se não existe o bem, não existe o mal. Qual é então a sua pergunta? (ZACHARIAS, 1997, p. 237).

Apesar de toda discussão em torno do problema do mal no mundo entre cristãos e suas diferenças sobre o assunto, o ateu não pode ter razões justificáveis de afirmar que a existência do mal é incompatível com a existência de Deus. Não por algo dentro da doutrina cristã, mas pela própria visão de mundo ateísta.

Fontes:

EVANS, C. Stephen.  Pocket Dictionary of Apologetics & Philosophy of Religion  . Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2002.

TUREK, Frank. Stealing from God: Why atheists need God to make their case. Colorado Springs, CO: NavPress, 2014

ZACHARIAS, Ravi. Pode o Homem Viver sem Deus? São Paulo: Mundo Cristão, 1997

Autor: Por Walson Sales


Cada autor é responsável pelo conteúdo do artigo.

Deixe seu comentário

Advertisement